Ator fala de seu trabalho em Star Trek Odyssey

ro-nevin-1.JPGOs fanfilms são séries amadoras de muita popularidade na internet, onde os fãs podem criar suas próprias aventuras. E as produções de Jornada nas Estrelas são as que mais se destacam. Entre elas temos a nova Star Trek Odyssey. Uma nave da Federação em missão a uma galáxia distante, sob o comando do controvertido Ro Nevin, interpretado pelo ator Brandon McConnell. O site TrekWeb teve a oportunidade de entrevistar McConnell, que falou sobre o seu personagem.

star-trek-odyssey-2.jpgStar Trek Odyssey é uma nova produção dos mesmos autores de outra série amadora, a Star Trek: Hidden Frontier. Sua história situa-se no início do século 24, onde a nave USS Odyssey tem a missão de parar a investida de uma raça vinda da distante galáxia de Andrômeda. Com o episódio piloto, “Iliad”, a série estreou em abril de 2007 e já apresentou três episódios.

Ro Nevin é o comandante bajoriano da nave Odyssey, um personagem declaradamente homossexual, que apareceu primeiramente na série Hidden Frontier e acabou tendo sua própria série. Ele já foi interpretado pelos atores Arthur Bosserman e Bobby Rice. Agora, o ator Brandon McConnell encarna esse controvertido personagem. McConnell disse que chegou a assistir a série A Nova Geração com sua mãe, mas confessa que seu interesse pela franquia não passou disso. Somente após entrar para o elenco do fanfilm pode apreciar mais a franquia.

lotus5.jpgQuanto a sua contratação comentou, “Eu respondi ao telefonema de James Cawley (produtor de Star Trek: Phase II), contudo não tinha nenhuma idéia do que era Hidden Frontier. Após ele me oferecer um papel na série nós não nos falamos mais. Meses depois, eu recebi um convite de J.T. Tenapa e Rob Caves para fazer um teste para concorrer ao personagem Ro Nevin. Havia alguns atores também interessados em fazer o papel. Então, J.T. Tenapa teve um encontro comigo e me deu a chance de entrar para o elenco”.

lotus-1.jpgMcConnell descreve seu pesonagem, “Ele é implacável e romântico. Charmoso e corajoso. Mas não é do estilo herói como Kirk. Nevin é rude e áspero, inseguro e relutante. Tem medos e preocupações, mas seu triunfo sobre essas coisas faz dele merecedor de notoriedade. Ele não é um capitão, mas um capitão em formação. Ele é ingênuo e conhece a pureza da honestidade. Ele é a balança entre o dever e o desejo, mas é leal e determinado”.

E a respeito de interpretar um personagem homossexual? “Meu entendimento é que no século 24 não haverá homossexual ou não homossexual. Mas acho importante, nessa profissão, aprendermos de tudo. No entanto, para ser direcionado a atmosfera atual eu teria de comentar dois pontos: o primeiro é que para os fãs de Jornada que discordam desse esforço, eu teria de insistir que negar ou condenar a discussão seria contrário ao que Jornada representa, o entendimento através da exploração. Jornada sempre construiu debates controversos através de episódio elegóricos e perspectivas utópicas. Eu não estou tentando debater uma crença pessoal, mas se a fronteira final representa o desconhecido, como podemos julgá-lo sem entender primeiro? E em segundo lugar, eu não acredito que minha atuação como Ro Nevin seja de um personagem gay, apenas para agradar uma particular audiência ou um sociável esforço para uma minoria ser ouvida. O coração de Ro apresenta os mesmos conflitos de qualquer jovem, gay ou não. Um rapaz que luta para compreender a si mesmo”.

McConnell é o terceiro ator a fazer esse personagem. Ele comenta que chegou a assistir a atuação dos outros atores antes de fazer sua própria interpretação, “Eu assisti a alguns poucos episódios, mas não critiquei meus antecessores. Eu tive minha própria interpretação de Ro neste ponto de sua vida. Espero que minhas intenções agradem aos fãs. Tenho de ser verdadeiro comigo mesmo e com o personagem em relação ao modo como eu (e os roteiristas) o vejo”.

Brandon McConnell, que também é carpinteiro profissional, já trabalhou em alguns comerciais de TV e atualmente está no grupo de comédia Easily Distracted.

Fonte: TrekWeb

27 Comments on "Ator fala de seu trabalho em Star Trek Odyssey"

  1. Luís Henrique Campos Braune | 30 de março de 2008 at 12:16 pm |

    Dá pra notar que o cara é inteligente. Esse negócio de homossexual/não homossexual não tem nada haver (nos dias de hoje mesmo). O que importa é o que a pessoa é, o que ela faz. Coisa superada…

  2. Luís Henrique Campos Braune | 30 de março de 2008 at 12:19 pm |

    Outra coisa: onde se baixa estes filmes? Mais uma: será que teria condição de algum editor aí do TB lançar aqui uma lista de todos os fanfilms possíveis de se encontrar, com o respectivo link para download?

    Sei que é pedir demais, mas, quem não chora não mama.

  3. Luís Henrique Campos Braune | 30 de março de 2008 at 12:21 pm |

    Sou uma besta, o link tá lá em cima. Mas outros…

  4. Este “Hidden Frontier” não é bom não! Os efeitos são muito ruins porque, até onde eu vi, eles não tem cenário de nada e fazem tudo no famoso fundo azul, e isso acaba limitando muito a atuação dos personagens! E as estórias também são viagem demais…só vendo mesmo! =/

  5. ^2: Luis, aqui tem o site de vários fanfilms:
    http://www.cliffordhoeft.com/ff_startrek/ff_startrek.html

    Os que gostei mesmo são:

    Of Gods And Men <- excelente!
    New Voyages (agora Phase II) <- muito bom!

  6. Mas Odyssey e Helena tem qualidade muito melhor que Hidden Frontier

  7. Ralph Pinheiro | 30 de março de 2008 at 2:21 pm |

    Luís Henrique Campos Braune, assim que tivermos outro tema de fanfilm colocaremos links de outras produções disponíveis para download.

  8. se voce tiver que assistir Hidden Frontier, assista apenas a sexta e setima temporada, sao os melhores episodios com qualidade tecnica superior e boas historias

  9. Luís Henrique Campos Braune | 30 de março de 2008 at 5:46 pm |

    Muito obrigado a todos.

    Bem, já que tô na fase pidona, gostaria de saber se alguém tem o encarte da primeira tempotada de ENTERPRISE, pois perdi o meu. Postei isito no fórum, mas ninguém apareceu.

    Gostaria de saber se alguém poderia gerar uma cópia colorida e enviar para mim. Pago as despesas da cópia e do envio.

  10. Ser Fanfilm não significa qualidade… nem que a gente tenha que amaciar na opnião..
    Este Hidden Frontier por exemplo é uma desgraça… Me deu a impressão de que a comunidade gay se reunião para fazer a sua “Jornada”. Nada contra a ter um gay em jornada, um assunto pouco explorado, mas a forma com que esse assunto é tratado beira o cômico.
    Outro dia eu abaixei uns episódios desse projeto de escárnio de Jornada pra ver com a minha namorada (eu estou
    “entrekkezando” ela, já coloquei todos os filmes, alguns episodios das series… etc…)
    Foi logo o episódio em que um roqueiro sequestra a filha peituda do almirante! Eu quase morri… de rir!
    Prefiro mto mais a minha imaginação à esse tipo de mais puro trash.
    Concordo com Nicodemus…
    Of Gods And Men <- excelente!
    New Voyages (agora Phase II) <- muito bom!

  11. vou repetir para quem nao entendeu : star trek odyssey e star trek the helena chronicles tem qualidade infinitamente superior a new voyages e hidden frontier.

  12. Severino - Quebra-galho | 31 de março de 2008 at 8:45 am |

    Nossa, eles têm sexta e sétima temporada…

    Uma dúvida, porque até os fãs têm dificuldades de criar bons roteiros? Ou nós fãs que somos muito exigentes?

  13. Apenas uma dúvida:
    Essa série se passa no início do século 24, certo? O uniforme não deveria ser diferente?

  14. nao, essas series (helena chronicles e odyssey) se passam 4 anos apos o fim da guerra dominion

    existe uma exciclopedia sobre as series no site

    http://www.hiddenfrontier.com

  15. Dos fãs films eu assisti apenas os dois primeiros episódios de new voyagers.Achei excelentes , consegui encontrar as legendas desses episódios na web. Alguém , por favor , poderia me indicar onde posso encontrar legendas em português de outros fan films? Agradeço.
    aqui em Recife existe uma grande comunidade trekker e estamos nos preparando pra invadir os cinemas no novo filme.

  16. ralph, corrija seu texto : a serie nao se passa no “inicio do seculo 24” e sim alguns anos apos star trek nemesis, no final do seculo 24

  17. Flávio Fernandes | 31 de março de 2008 at 3:37 pm |

    Pessoal: Jornada é Kirk e sua equipe. Com Shatner ou Pine, Nimoy ou Quinto – sei lá quem – (Adoro os Fan-Films que tem o Kirk) este é o espírito de Jornada. Divergir muito, fugir, não é apropriado. Criar outras equipes e como outras ramificações e conceitos acho verdadeiramente perda de tempo.
    Somente A “Nova Geração” foi um pouco feliz nisto, mas, Rodenberry ainda era vivo!
    Desculpe-me pessoal, mas os grandes herois de nosso imaginário não serão substituidos por simples ousadias ou formadores de opinião.

  18. star trek é infinitas combinacoes em infinitas diversidades. kirk e sua turma sao apenas uma pequena parte da equacao

  19. Mas cá entre nós, quando se fala em Jornada nas Estrelas sempre nos vêm aquela imagem da clássica Enterprise = logo Coca-cola. É uma identificação visual!!! Funciona como um signo! Não há o que discutir, porque o que veio depois é desdobramento. Aquela nave NCC-1701 carrega a alma de Jornada! Posso estar viajando na maionese, mas pra quem acompanhou a série dos anos sessenta antes sequer de ter sido apresentada a Nova Geração sabe o que estou querendo dizer!

  20. Oi!!

    Ninguém sabe onde tem legendas em português para esses fanfilms?

    Obrigado!!

  21. Acho interessante ver como as idéias de Star Trek fluem no pensamento de outros fãs. Eu mesmo me piro às vezes, me imaginando como comandante de uma ave de guerra romulana 😛 Só espero que não cometam atrocidades com o universo de jornada já criado e bem estabelecido.
    Só umas perguntinhas:
    A) alguém tem legendas para os episódios de Odissey?
    B) existe fan clube aqui em Curitiba? adoraria ir com uma galera de trekkers na estréia do próximo filme.

  22. Este hidden frontier dói de tão ruim, pouquissíma técnica e abordagem de temas pífios; por serem feitos por fãs, na minha opinião diminui e muito minha dose de paciência com estes filmecos… e estes roteiros sobre gays chegam a ser cariacatos.

  23. Ronaldo Santos Pereira | 2 de abril de 2008 at 11:01 am |

    bom dia, dois pontos eu gostaria de frisar, primeiro, no mundo idealizado por Gene Rodenberry, não haveria nehum tipo de preconceito na terra e nos mundo explorados pela federação, assim buscam o conhecimento e o respeito, é obvio que o homssexualismo será algo aceito com naturalidade.
    segundo, apesar das qualidades, as vezes minima ou deplorável, devemos louvar esses que arriscam uma reputação para mostrar o amor por esse que foi o marco da ficção cientifica (Jornada nas Estrelas) em suas diversas fazes.

  24. vou repetir de novo : helena chronicles e odyssey tem qualidade de roteiros, atores e efeitos especiais anos-luz melhores que hiddeen frontier e new voyages

    amen

  25. Luiz Geraldo- Recife | 2 de abril de 2008 at 3:24 pm |

    Este papo esta me deixando com água na boca para ver estes fãs filmes, só esta me faltando as legendas em bom português. alguem, por favor, me diga um site onde posso achar as legendas para eu entrar nessa discusão sobre a qualidade das produçôes. Fico Eternamente Grato.

    VIDA LONGA E PRÓSPERA !

  26. Luís Henrique Campos Braune | 3 de abril de 2008 at 7:05 pm |

    Fecho muitíssimo com o post 19 e 23. E, embora eu não ache que ST seja apenas a clássica, acredito que ela é a melhor, sob vários aspectos. Tanto, que quando alguém não trekker ouve sobre ST, lembra do orelhudo e daquela nave com um “discão” em cima.

    Por falar nisso, embora outras naves sejam mais bonitas, mais arrojadas, modernas, atualizadas e o escambal, a mais charmosa é aquela “filha da mãe” da NCC-1701.

    Como dito no post 19, quem assitiu a clássica, no momento em que ela foi exibida sem sequer passar pelo nosso imaginário que haveriam desdobramentos em outras séries é que sabe do seu real valor, sua importância e sentiu o impacto das idéias é que pode entender o fundamento de tudo isso.

    Estou me atualizando: já essisti a série animada, e Enterprise e estou começando a ver Nova Geração.

    Pra mim, está tudo muito bom…

  27. Pois é, Ver a NCC 1701 em alta, faz muito bem, mas acho que o que está faltando nas grandes produções é jusamente isso.O universo é infinito, e na série nova geração e em voyager, aparecem as mesmas naves, mesmas raças e as variantes já conhecidas.Um dos pontos fortes de Jornada Clássica é justamente o aparecimento de criaturas estupendas, como aquela pedra que escavava buracos no subterrâneo e derretia tudo que via pela frente, certamente um episodio inesquecível da série clássica.Acho que a Paramount devia sentir o real significado das produções dos fãs e colocar um roteiro especial em produção, algo que revolucione a franquia, tanto quanto o jeito de lidar com o desconhecido, usado por Kirk, revolucionou o status humano de curioso e explorador.Algo do qual Gene Rodenberry se orgulharia de ver.Por exemplo a NCC-1701 D(Galaxy Class) na nova geração é em muitos aspectos mais eficiente e mais bonita que a NCC-1701 E(Sovereign Class), justamente porque teve em seu projeto a opinião marcante de Gene.Será que nenhum designer vai conseguir produzir uma nave realmente fera e de extremo bom gosto?Será que não teremos um roteiro realmente digno de jornada?(sem desmerecer os existentes nas séries, é claro.).Torço realmente para o novo filme ser um divisor de águas(ou melhor, fronteiras…).
    Vida Longa e próspera!

Leave a comment

Your email address will not be published.


*