Spocks falam sobre filme em convenção

spocks-1.jpgA grande atração na convenção do Grand Slam XVI foi a presença de Zachary Quinto e Leonard Nimoy, que interpretam as versões nova e velha de Spock. A dupla conversou com a platéia, respondendo as perguntas sobre o filme e o personagen. O site da TV Guide também entrevistou os atores, durante o evento.

Procurando seguir a “política” de J. J. Abrams em não revelar detalhes sobre o filme, a dupla limitou-se apenas a dar opiniões pessoais e informações da produção em geral.

Zachary Quinto, inclusive, defendeu Abrams por manter tudo em sigilo, mencionando um fato ocorrido nos primeiros dias de filmagem e que acabou por fazer a produção tomar tal atitude, “No primeiro dia em que gravei, antes de terminar a filmagem, J. J. veio até a mim com seu iPhone e me mostrou uma imagem que foi baixada na internet. Na imagem podía-se ver que estávamos em pé numa sala ainda filmando. Ele disse que essa foto já estava na internet. Então isso foi o que instigou a produção a manter uma segurança elevada. No dia seguinte, tivemos de vestir capas longas com capuzes e entrar em carros de golfe cobertos com lona escura”.

O ator contou ainda que ficou admirado com o script e o trabalho de J. J. Abrams e que aprendeu o significado de certas palavras como “lógico”. Ele também falou sobre ter trabalhado com os atores Ben Cross e Winona Ryder, indicando que o jovem Spock estará em cenas juntamente com seus pais, Sarek e Amanda. Ele também deu sua opinião sobre a visão que tem do personagem Spock, “Uma das coisas que ficaram claras para mim, nesse personagem, foi que Spock está constantemente explorando a noção de como evoluir de um modo responsável e respeitoso. Eu acho que são todas essas coisas que nós, como uma sociedade e certamente o mundo, poderíamos implementar. Ser parte de alguma coisa que ponha isso para fora é realmente gratificante. Eu acredito que como Heroes, essa série (de Jornada) refere-se ao potencial das pessoas e o poder das pessoas em mudar o mundo para melhor”.

Já Leonard Nimoy comentou um pouco mais sobre o filme, “Esse é realmente um fantástico filme e uma revigoração da franquia. Isso é muito grande. Em 50 anos de trabalho no ramo eu nunca estive envolvido numa coisa desse tamanho. E, ao mesmo tempo, a grande performance de maravilhosas pessoas. É um grande script, um grande diretor e um grande elenco. Vocês têm toda a razão para estarem animados”.

Nimoy contou que pegou novamente o papel de Spock para esse filme por causa do script, “Quando li o script fiquei impressionado. Eu percebi que eles capturaram os personagens maravilhosamente. O roteiro teve uma grande dimensão, uma grande escala. E ao mesmo tempo fez algum trabalho de desenvolvimento nas origens de Spock, Kirk, Uhura, Scott e Sulu”.

A respeito do assunto “Shatner” e sua não presença no filme, Nimoy disse, “Isso teria sido muito dificil e talvez causasse dano ao filme se eles tentassem injetar Bill na história. Eu me sinto ruim sobre isso, todos sentem que é uma perda. Teria sido maravilhoso, mas não funcionaria e espero que vocês possam entender isso e aceitar. Eu aceitei o fato e acho que o Bill (Shatner) também. Eu falei com ele há umas semanas atrás e ele estava bem com isso”.

nimoy_quinto.jpgDurante a apresentação, Nimoy fez questão de elogiar o trabalho de Zachary Quinto como o novo Spock e que se sentia feliz em “passar o bastão” para o companheiro ao entregar-lhe uma camisa com a inscrição “# 1 Vulcano” dizendo ao público, “É hora de passar a diante”, dando a entender que esse será seu último trabalho na franquia de Jornada nas Estrelas.

Os dois atores também falaram a revista TV Guide, durante a convenção. Os assuntos abordados foram o arco Spock, a evolução do personagem e o trabalho de J. J. Abrams. “Nós já enfrentamos aspectos dessa narrativa antes, mas nunca com a visão geral que esse roteiro dá para toda a história do personagem, o crescimento dele, o começo e sua chegada na Enterprise“, disse Nimoy.

Para Quinto a história proporcionará uma visão mais profunda sobre a relação entre humanos e vulcanos, “Existe uma outra coisa que J. J. Abrams traz à tona, foi o modo como ele re-imaginou o filme Missão Impossível III, por mostrar o lado do personagem que você não tinha visto antes. Bob Orci e Alex Kurtzman, na verdade, abraçaram essa idéia. Leonard estava procurando pela palavra certa para descrever como foi tratada nesse filme a interação vulcano/humana e a complexidade dela. Creio que houve uma tremenda quantidade de virtude que foi usada nessa exploração, especialmente entre Sarek e Amanda. Eles trazem tal dignidade em suas perspectivas, em seus ponto de vista para seus personagens”.

O ator ressaltou, mais uma vez, seu entusiasmo por trabalhar com J. J. Abrams, tecendo elogios ao produtor e diretor, “Ele traz sua habilidade para executar sua visão, a qual é basicamente sem paralelo. Um espírito generoso e muito respeito pelas pessoas com quem trabalha, um senso de humor e a habilidade de um percursionista vocal irado, entre as gravações”.

Leonard Nimoy também elogiou o trabalho de J. J. Abrams dizendo que a maneira do diretor em procurar manter tudo em sigilo já vinha sendo pensada há tempos dentro do estúdio, “Havia sempre um debate sobre tentar proteger o próximo filme de Jornada, o que ocorreu com esse. Têm pessoas que fazem seu próprio comércio ao tentarem colocar as mãos no script e dizerem que sabem o que está acontecendo”.

Por fim, Nimoy parecia se despedir quando comentou sobre sua longa jornada pela franquia, “Essa tem sido uma longa estrada, quando primeiro me envolvi em 1964, cerca de 44 anos atrás. Ela já teve alto e baixos. Houve vezes quando ela era fantástica e outras vezes quando era triste. Houve tempos de esforço e questionamento: o que vamos intoduzir? O que faremos no próximo? Devemos fazer qualquer coisa porque não devemos parar?”, questionou Nimoy, “Então, de repente há uma reestruturação e que a torna excitante outra vez. É um percurso longo e muito interessante e agora eu realmente sinto que posso deixá-la ir e assistí-la ir embora em uma nova e boa direção”, finalizou.

Fonte: TrekWeb, SyFy Portal, Trek Movie

21 Comments on "Spocks falam sobre filme em convenção"

  1. O Shatner tá pagando caro por ter aceitado morrer em Generations… Nimoy e DeKelley fizeram bem em não ter participado. Quando eu assisti a primeira vez o Generations, quando eu ainda era um adolescente, fiquei muito triste com a morte besta do Kirk, e isso me deixou P até hoje… Se não fosse isso, poderíamos ver o veterano Shatner nesse filme novamente, mesmo embora as pessoas digam que ele não é um bom ator.

  2. Flávio Fernandes | 17 de abril de 2008 at 1:36 pm |

    Pessoal:

    Shatner não participou porque eles não quiseram. Na verdade acho que não queriam usar os enredos dos filmes pregressos. Seria muito simples: Kirk morreu no Nexus. Lá não tem tempo linear. Spock poderia busca-lo lá, vivinho, e não haveria nenhum problema.
    O que eu espero que que Pine caminhe bem. Fala-se muito de Spock neste filme mas Jornada é Kirk, basicamente. Em segundo lugar podemos colocar a trinca Kirk-Spock-Bones – mas nem Spock e nem Bones sozinhos. Kirk é o protagonista. Kirk é o grande herói e líder. Espero que JJ não se esqueça disto e nem o Orci.

    Abraços.

  3. É incrível a semelhança de Quinto e Nimoy na primeira foto.
    Seja com for, acho que ele será um bom Spock. Parecido ele é, pelo menos.

  4. Na verdade, entendo a ausência de Shatner nesse filme me aparece mais que acertada.

    Afinal, SPOCK sempre foi a alma de jornada. Isso apesar de os roteiristas tentarem tornar Pike e Kirk as estrelas da série. Todavia, a audiência se identificava com o vulcano e sua constante tentativa de se equilibrar-se entre dois mundos aparentemente inconciliáveis.

    Para mim, Jornada nunca atingiria o patamar que atingiu sem a dinâmica kirh-spock-mccoy.

  5. Essa história de que o Shartner não apareceu porque morreu em Generations pra mim é uma balela. Sò mesmo vendo o filme pra termos certeza. Mais se a viajem no tempo que Spock fará, não for uma viajem convencional, mais sem algo que por exemplo só um Vulcano poderia fazer, então que diferença faria se o Kirk estivesse vivo ou morto.

    Outra coisa, mais uma vez o McCoy foi esquecido, e agora pelo Nimoy: “E ao mesmo tempo fez algum trabalho de desenvolvimento nas origens de Spock, Kirk, Uhura, Scott e Sulu”.

    O Orci também ja tinha “esquecido” em outra oportunidade, por que será?

  6. Eu acho que eles querem se vingar do Shatner por ter participado do Generations da maneira como ele fez, ou então estão com medo de que o público rejeite o filme por causa do Shatner. Pois todos sabemos que não há limites para ficção, o que não faltam são argumentos muito bem aceitáveis para trazer o velho Kirk de volta. Eles não fazem porque eles não querem. Ou então isso deslocaria o foco do enredo que eles querem apresentar. Acredito que o que muita gente vai fazer quando for assistir o filme no cinema, é procurar uma brecha onde poderia ser inserido o Shatner. Eu pessoalmente vou fazer isso…

  7. "Frank" Hollander | 17 de abril de 2008 at 6:06 pm |

    ^6: Os limites da ficção terminam nas linhas do roteiro proposto. Só eles sabem os motivos do porquê não utilizar Shatner. Já foi dito inúmeras vezes que o roteiro não o comporta e se o colocassem soaria falso ou estranho. Portanto, aceitem o fato. Jornada XI não foi feito para KIRK mas sim para SPOCK.

  8. Concordo com o argumento do Frank, porem com certeza farei como o J.F Souza vou procurar uma brecha onde poderia ser inserido o Shatner

  9. Concordo com o Sr. Madruga, a respeito de McCoy, esse esquecimente é suspeito e perigoso, pois o grande Dr. é uma das bases de jornada, e espero q ele ñ seja menospresado, quando a Shatoner, a importancia dele na franquia é incontestavel, mas se o roteiro é tão bom quanto dizem, acho correto q ñ o alterem só para ele fazer uma apariçãozinha.

  10. Quinto terá que escrever um livro: “Eu também não sou Spock”

  11. Francisco Oliveira | 17 de abril de 2008 at 10:02 pm |

    Anotem aí e depois não digam que não avisei …Kirk terá uma ponta no fim deste filme abrindo espaço para uma sequência.
    Spock no passado sem lembrar-se de dar um toque sobre Nexus ao jovem Kirk ? duvido muito .

    Abraço , Francisco Oliveira

  12. ^5: “Outra coisa, mais uma vez o McCoy foi esquecido, e agora pelo Nimoy: “E ao mesmo tempo fez algum trabalho de desenvolvimento nas origens de Spock, Kirk, Uhura, Scott e Sulu”.

    “O Orci também ja tinha “esquecido” em outra oportunidade, por que será?”

    R: Seria por que só lembram dos médicos na hora da doença? Hehehehehehe.

    Mais: Será que o velho Spock não quis dizer: “O que faremos no próximo? Devemos fazer Generations só porque não devemos parar?”

  13. Apesar de ser fã de Jornada há mais de 30 anos, e respeitar muito o trabalho de Shatner como Kirk, só tenho uma coisa à dizer sobre sua ausência no novo filme…. BEM FEITO!!! Quem mandou ser mercenário???? Nimoy já provou várias vezes que não se tratava de dinheiro, e sim de respeito ao personagem…. Se ele não gostasse do roteiro, já era!!! Enquanto nosso bom Capitão nunca se segurou quando o assunto se referia à “verdinhas”. Portanto, acho que J.J Abrahms está certo em não premiar ganância .

  14. Ralph Pinheiro | 18 de abril de 2008 at 6:55 am |

    Star Trek XI foi feita para Spock e sua visão dos demais personagens.
    Spock sempre foi, a despeito de Shatner fazer um enorme esforço para ser Kirk o principal, o personagem mais carismático da série para o público.
    Isso foi o que Abrams e cia consideram e foi assim que fizeram.
    Embora falem do tema como o início da amizade entre Kirk e Spock, o vulcano é o elo mais importante da trama.
    Baseado nesse pensamento, qual a razão de Shatner estar no filme? Nenhuma.
    Na verdade eles já deviam ter considerado isso faz tempo. Baseados na morte de Kirk, eles o descartaram e concentraram em Spock toda a história.
    Afinal vc se emocional mais com a morte de Spock ou com a de Kirk?
    E se Spock velho morrer nesse filme tenho certeza que ficaremos mais uma vez emocionados.

  15. Acho que teremos algumas surpresas com relação ao elenco nesse filme, Shatner? Talvez. Pontas de atores famosos? Tenho quase certeza.

  16. "Frank" Hollander | 18 de abril de 2008 at 9:59 am |

    ^11: Eu também pensava nesta hipótese. Mas descartei-a. Mas, se – e somente se – Shatner fizer uma “visita” aos estúdios de gravação, isso pode vir a se tornar real.

  17. No começo achei que a informação da não participação do Shatner neste filme era uma jogada de marketing e que seria anunciada com estardalhaço um pouco mais à frente. Eu estava enganado. Hoje eu penso o seguinte: Shatner foi procurado (ele declarou isso algumas vezes, não?), mas deve ter colocado tantas exigências e um cachê tão absurdo, que sua participação ficou inviável! Diante disso, a não presença dele não deixaria os produtores em má situação perante o público, pois tinham uma desculpa plausível: Kirk morreu em Generations! Foi um erro grave Shatner ter aceitado aquele papel, caso contrário, teria que ter presença obrigatória neste filme e os produtores teriam que ceder em alguma coisa.

  18. Luís Henrique Campos Braune | 18 de abril de 2008 at 11:10 am |

    Coisas da vida….

  19. Aguardo o novo filme com ansiedade e preocupação pq o último, Nemesis foi de doer. ST não é só ficção científica. É ficção humana. Onde já se viu amizade como a do trio principal. E quanto ao resto da tripulação, cuja competência, confiança e respeito o Capitão sempre podia contar. ST é tudo isso. Sem a relação entre os diversos personagens, a série nunca teria feito sucesso. Quem não se lembra que enquanto o trio enfrentava os perigos o engenheiro trabalhava sem descanso para por a nave em ordem.
    A cena de sabotagem da Excelsior em ST V é antológica !

  20. Não acho que o dirigentes atuais da franquia compreendam esse espírito.

  21. Para Shatner participar, a história deveria necessariamente girar em torno da volta de Kirk. Não há como ter Shatner e ele não fazer parte da história principal, não acredito numa ponta.

    Isso implicaria uma mudança drástica na história criada por esta equipe, e ao que parece o personagem Spock se encaixa melhor nesta história.

    Concordo com Abrahms, mas também gostaria de ver Shatner novamente, mesmo que ele tenha aceitado fazer aquela morte insossa. Mas fica difícil trazer Shatner ( ao menos neste filme ) depois do que ocorreu em Generations. No meu “cânon pessoal” de Star Trek eu ignoro completamente Generations, finjo que não existiu, mas certamente Abrahms não poderia fazer isso.

    Se fosse para escolher entre Shatner e Nimoy, escolher apenas um dos dois, eu escolheria Nimoy sem dúvida alguma. E escolheria os dois juntos, se pudesse.

    Mas quem aí em cima falou em Shatner em um outro filme, não acho impossível.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*