Saldana, Quinto e Abrams falam mais sobre o filme

spockuhura.JPGOs atores Zoe Saldana e Zachary Quinto voltaram a comentar a respeito do novo filme de Jornada nas Estrelas. Saldana contou sobre a indecisão de fazer Uhura, enquanto que Zachary revelou um pequeno spoiler sobre Spock. Temos também J. J. Abrams falando mais uma vez sobre Shatner e a produção.

Veja abaixo os pontos mais importantes de suas entrevistas.

zoe.jpgZoe Saldana revelou a revista Star Trek Magazine que lhe foi oferecido o papel de Uhura, enquanto trabalhava no filme Avatar, mas que por insegurança, chegou a recusá-lo. No entanto, quem incentivou a reconsiderar foi seu seu diretor, James Cameron, “Jim (Cameron) disse para mim – Você está brincando? Não vai fazer Jornada? Dê-me o telefone do Abrams que eu mesmo ligo para ele”, falou Saldana. A atriz disse que só em ver a conversa dos dois diretores falando sobre ficção científica, não havia como negar.

Quando foi confirmada no elenco, Saldana procurou saber mais sobre Jornada. No entanto, ela estava apreensiva para ver os episódios da série original e não copiar Nichelle Nichols, “É claro que sempre conheci Jornada, mas nunca assisti a fundo, quando criança. Agora, eu gosto muito dela. Eu não queria assistir os episódios antes de começar a filmar, com medo de adquirir os hábitos. Eu estava seguindo os passos de alguém que fez isso. Nichelle Nichols fez um maravilhoso trabalho. Queria pegar todas as coisas especiais dela que fazem os fãs se lembrarem”.

Conhecendo melhor a franquia, Saldana passou a entender o quanto J. J Abrams tem respeito por ela, “J. J. entende que está fazendo um filme para os fãs, primeiramente. Nós sempre sentimos isso e sempre tratamos tudo com muito respeito. Qualquer um, como eu, pode ir ver esse filme e gostar sem se preocupar, mas para os fãs, nós estamos pegando onde outros deixaram”, disse a atriz.

Ela destaca ainda a importância maior do papel de Uhura para o filme, “Como mulher, eu sempre quis encontrar personagens que nos fossem fortalecedores, e não simplesmente ser garota de colégio ou namorada ou vítima. Ela é Uhura, cara! Ela passa as informações. Se não for ela, ninguém entenderá a linguagem romulana. Todas as pessoas da nave precisam dela. Ela é tão necessária quanto Scott e outros”, disse Zoe acreditando que Uhura poderá se expandir mais nos próximos filmes, “Há muito espaço para ela crescer e começar a diversificar suas atividades. Eu quero vê-la dar alguns chutes ou algo do tipo. Eu sou muito corporal. Por que o capitão Kirk sempre deve ser aquele que vai salvar o dia? Uhura deveria contar a Spock e Kirk – Sabe de uma coisa? Eu já fiz isso”.

zquinto.jpgO site SciFi Pulse transcreveu uma entrevista de Zachary Quinto (jovem Spock) para a Creation TV, na qual destacamos o que de mais importante foi mencionado por ele a respeito do filme, “Toda a coisa está sob um grande manto de segredo”, brincou o ator dizendo que tem de ser evasivo, sem revelar detalhes, “Eu me acostumei a fazer isso agora porque Heroes está no mesmo caminho”.

Falando de seu trabalho em Jornada Quinto disse que, “Foi realmente uma experiência gratificante. Desafiante e excitante. Todo o dia havia uma coisa nova e a escala disso é que foi muito épico”. Embora mantenha-se sempre cauteloso quanto a revelar segredos do filme, Quinto ofereceu uma pequena dica aos fãs sobre Spock, um possível tempo alternativo, “Quando você ver esse filme, entenderá que essa história acontece, de certa forma, desprezando de onde o Spock que conhecemos termine, se isso faz sentido”, comentou.

j-j-abrams-6.jpgO produtor e diretor J. J. Abrams concedeu uma breve entrevista ao site IGN, onde tirou uma dúvida que ainda paira na cabeças de alguns trekkers sobre o ator William Shatner poder estar no filme, “Não. O único membro do elenco original é Leonard Nimoy”, disse o diretor fechando a questão.

Quanto ao status da edição final comentou, “Nós ainda não terminamos, mas estamos trabalhando nele. Tem havido alguns cortes, e como tudo mais, está em evolução. Eu espero pela montagem final daqui há algumas poucas semanas. Mas nós estamos definitivamente envolvendo o filme”. A montagem final não inclui trilha sonora e nem efeitos especiais.

Fonte: Trek Movie e TrekWeb

31 Comments on "Saldana, Quinto e Abrams falam mais sobre o filme"

  1. “Quando você ver esse filme, entenderá que essa história acontece, de certa forma, desprezando de onde o Spock que conhecemos termine, se isso faz sentido”, comentou.”

    What?

  2. Isso pode significar que alguns acontecimentos do velho Spock serão riscados da linha temporal com essa viagem de volta ao século 23.

    Pode ser que com a entrada de Nero alguma coisa aconteça com Spock jovem que não seguirá o que foi dito em TOS, mudando assim sua história em algumas partes.

    Ou simplesmente que o filme começa com o velho Spock em outra situação que não a de Unification – STNG.

    Meu palpite é que teremos um universo alternativo.

  3. Um possível encontro de Spock com Kirk na Academia da Frota deve ser explicado por esta nova linha temporal.

  4. “…desprezando de onde o Spock que conhecemos termine…”

    O Spock que conhecemos “terminou” em Rômulus, na TNG.

  5. Ralph Pinheiro | 30 de agosto de 2008 at 3:13 pm |

    Pode ser que os eventos de Unification – STNG sejam desprezados, ou por conveniência dos roteiristas, aí estarim rasgando o canon ou como parte da história de viagem no tempo.
    Se foi isso que ele quis dizer.

  6. Os eventos de Unificação vão ser desprezados, podem ter certeza.

  7. Luís Henrique Campos Braune | 30 de agosto de 2008 at 4:13 pm |

    Afe, essa doeu: “Eu quero vê-la dar alguns chutes ou algo do tipo. Eu sou muito corporal. ”

    by Saldana…

  8. Floriano Peixoto | 30 de agosto de 2008 at 5:43 pm |

    “Ela passa as informações. Se não for ela, ninguém entenderá a linguagem romulana”

    Em Jornada nas estrelas VI ela nem sabia falar klingon, que dirá romulano …

    Lá vai-se o cânon …

    Oh Boy …

  9. Ralph Pinheiro | 30 de agosto de 2008 at 7:35 pm |

    Ao que parece a nova Uhura vai ser uma espécie de Hoshi Sato, experiente em comunicações e em tradução linguística, o que, para mim, é mais coerente com sua posição, afinal saber apenas apertar botões e só dizer: “mensagem da Frota, capitão”, não está a nível da personagem que ficou conhecida como a melhor oficial de comunicações da Frota. Então ela tem de possuir algo de especial, que esteja acima da média. Exatamente como Hosh, que foi escolhida por Archer exatamente por suas qualidades.
    Agora fazê-la um Rambo já é um certo exagero, mas ela bem que poderia dar umas porradinhas pra mostrar que não corre da raia.

  10. Ralph
    Nao combina com a inteligencia e a sensibilidade dela demonstrada em TOS.

  11. Seria, então, NERO “parente” de SPOCK ????????

    … Whatever!!!

  12. Ralph Pinheiro | 31 de agosto de 2008 at 1:21 am |

    Pois é VERDE, essa é a discussão.
    Uhura deve ser um mulher sensível e aparentando fragilidade ou uma mais arrojada, impetuosa, e as vezes agressiva?

    Não vamos discutir inteligência, que, no personagem, é inquestionável.

    Mas, acredito que a Uhura de TOS, embora já fosse um avanço, na época, inserir um personagem feminino que assumisse um posto mais elevado que do homem, tinha a imagem da mulher na sociedade americana, sensível e frágil.

    A mulher de hoje é mais arrojada, assume função de comando e trabalhos que eram exclusivos de homens, como pilotar avião, ser policial, engenheira, juíza, presidente de um país e etc.

    Acho que mudar um pouco o comportamento da Uhura e pô-la mais próximo da mulher atual, só vai acrescentar ao personagem e não desmerecê-lo.

  13. Ralph Pinheiro | 31 de agosto de 2008 at 1:27 am |

    Só completando, ela pode muito bem possuir todos esses atributos, ser sensível, arrojada, carinhosa e impetuosa, quando for necessário. Isso são atributos do ser humano e ela como uma astronauta, que vai se aventura ao espaço desconhcido deve ter essas qualidades sem dúvida, caso contrário não serviria para tal missão.

  14. Concordo com suas colocações mas não gostaria que ficasse fora das características do personagem que já existe. Nós vemos esse tipo de coisa nos personagens dos desenhos da disney, porém foram criados mulheres diferentes para cada estória, neste caso é o mesmo personagem que acaba por mudar seu comportamento podendo ficar incompatível com a Uhura que conhecemos, principalmente se considerarmos que o personagem pode se desenvolver, evoluir durante a “vida”, mas como esse novo filme é um prequel ela não pode estar mais evoluida do que em TOS.

  15. Rodrigo
    Que o Nero não seja para o Spock o que o Shinzon foi para o Pickard.
    Que o J. J. nos livre disso…!!!!!!!!!!!!

  16. VERDE, você lembrou do Shinzon com o comentário do Rodrigo, e eu lembrei de um outro “parente” de Spock, aquele do filme V.

    Chega a dar arrepios só de lembrar daquilo…

  17. cesar antonio r martins | 31 de agosto de 2008 at 11:26 am |

    Pensar no Universo Alterno, já visto em TOS, DS9 e ENT, como sendo o “palco” do filme, seria algo inadequado????

    Lembrem que a interseção entre TOS e ENT dá-se com o episódio TOS “The Tholian Web”, onde a Defiant é perdida para a dimensão alternada (conforme continuou, diga-se de passagem brilhantemente a dupla B&B – gostem ou não uns, em ENT, tá certo que pelas mãos do Manny Cotto) e sendo capturada por Archer em ENT (In the mirror, darkly I e II).

    Quem sabe se a Enterprise sendo montada, que aparece no trailler ST-XI, não é o protótipo construido pelo Império após estudar e duplicar a Defiant???

    Manter-se-iam, assim:
    (1) a saga de sede pelo poder da humanidade que conhecemos;
    (2) o cânon pelo viés do Universo Alterno;
    (3) a possibilidade de ver o Spock “que conhecemos, termine”, conforme comentou o Quinto!!!

    Afinal, lembrem que foi o encontro de Spocks, assistido em TOS (In the mirror), que possibilitou toda a mudança do Universo Alterno, conhecida por nós trekkers, já apresentada em DS9.

    Enfim, aguardar.

    E, como todo trekker, perdoem-me alguns que assim não concordarão, APRECIAR o que virá!!!!!!!!!!!

    A-koo-che-moya, Gene…

  18. Estas considerações me levam a pensar que, no frigir dos ovos, o filme não seria o prequel tão propalado, mas sim algo alternativo sem relação com a origem do TOS.

  19. Ralph Pinheiro | 31 de agosto de 2008 at 1:50 pm |

    Gente não confundir universo alternativo com universo espelho, que é um mundo com características próprias e que não sofreu interferências do universo normal de Jornada, até a entrada da Defiant.

    O Spock e o Kirk do universo espelho possuem personalidades próprias, mas o Spock no universo normal é o mesmo Spock.
    A diferença é que num universo alternativo eventos são alterados, mudando a trajetória de cada um. Exemplo disso é “Yesterday’s Enterprise” – STNG, onde eventos temporais mudaram a vida dos personagens, mas não suas catacterísticas básicas.

    Quinto deu a entender que o final de Spock vai mudar, o que pode estar relacionado com seu relacionamento com os romulanos em Unification, para melhor ou pior.

  20. Acho que a explicação é mais simples do que achamos.

    Concordo quando dizem que Uhura será uma espécie de Hoshi Sato e é certo que terá um pouco mais de espaço na tela, até pq os personagens terão que ter conteúdo para serem explorados em um novo filme.

    Sobre o que acontecerá com Spock, na minha opinião nada mudará. Talvez o jovem saiba de alguns acontecimentos do futuro e por sua lógica não faça nada que mude a linha temporal.

  21. Luís Henrique Campos Braune | 1 de setembro de 2008 at 12:40 pm |

    Concordo com os posts 12, 13 e 14. O resto, é esperar pra ver.

  22. Concordo com o Ralph sobre a Uhura. Sempre encarei a Uhura como uma personagem carismática porém incompleta e mal aproveitada. Acredito ser perfeitamente possível mater suas características canônicas e ainda acrescentar as qualidades necessárias para ela representar hoje o que a Nichele Nichols representou para sua época. E isso com certeza não acontecerá limitando-a a uma telefonista espacial. Levo fé que J.J. e Saldana estejam caminhando na direção correta.

  23. E quanto ao fato de alguns detalhes do cânon (como a dificuldade de Uhura com a linguagem Klingon) não serem plenamente respeitados… bem, que me perdoem os puristas, mas há certas coisas que MERECEM ser descartadas… Essa é a beleza do “reboot”.

  24. Luís Henrique Campos Braune | 1 de setembro de 2008 at 7:03 pm |

    Pessoal, acho que certas coisas devem ser respeitadas, outras não. Por exemplo, enriquecer a Uhura com conhecimento desta e daquela linguagem, fazê-la mais ativa e coisa e tal é uma boa coisa.

    Não gosto de coisa do tipo: tal povo não era conhecido em TOS. E mudam isso, por exemplo… aí é feio…

  25. Existe até uma declaração da Nichelle Nichols durante o filme VI, que ela só aceitou participar daquela cena “fatídica” da linguagem klingon após muita insistência do diretor, pois ela achava ultrajante que a Uhura não soubesse a lingua do maior inimigo da federação. Mas Nicholas Mayer viu uma oportunidade cômica então…

  26. Essa é mais uma das incoerências do universo de Jornada, a Uhura apanhar do idioma Klingon enquanto sua antecessora, Hoshi Sato, tentava traduzir esse idioma 100 anos antes, registrando-o no tradutor, ou seja, um século depois o idioma Klingon já era pra estar dominado pelas oficiais de comunicação, não? Não culpo a Tos, mas os produtores de Enterprise, que veio depois, só que retratando um século antes, tornando incoerente não só o caso da Uhura, mas o do Dr. Magro que parecia estar no passado do Dr. Plox e não no futuro, mas aí é um erro da dupla B & B, que veio depois e, incoerente mesmo acabou ficando a série Enterprise! Será que o novo filme vai ter que ser, então, coerente com a última série nesses detalhes acima discutidos? Só pra deixar claro, gostei muito mais de Enterprise que Voyager e a STNG. Saudades de T’pol e Hoshi!!!

  27. Esse é o problema do canon. Muitos episódios já forma feitos, chega em um momento que é praticamente impossível contar uma história sem copiar ou “ficar engessado”. Existe uma crise de criatividade. Por isso só vejo duas alternativas para jornada continuar: ou reebootam de alguma forma, mantendo as coisas que prestam e desconsiderando as coisas que nao prestam, ou deixem jornada em paz, já temos trocentas horas de episódios maravilhosos para assistir até o fim de nossas vidas. Não sou partidário do “aturo qualquer coisa desde que seja jornada”. É claro que nao deixo de assistir tudo que já foi produzido (com exceção de Enterprise, que apesar de ficar empolgado no inicio, broxei completamente com o lance de guerra fria temporal, me irritava só de ver), mas só pq está ligada ao carinho que tem a franquia. Mas se for uma porcaria, serei o primeiro a criticar.

  28. Ei, Tomalak, uma dica: se vc só assistiu o início de Enterprise, não esmoreça e assita o resto. O lance da Guerra Fria Temporal fica bem a segundo plano (quiçá a terceiro plano), e a terceira e a quarta temporadas nos dão episódios de primeira qualidade.

    Quanto ao “reebootam de alguma forma, mantendo as coisas que prestam e desconsiderando as coisas que nao prestam”, eu acho que é exatamente isso que o Abrams está fazendo. Agora resta saber se todos vão concordar com “o que não presta” sendo descartado. Aí é que jaz o potencial da polêmica.

  29. E, Ricardo, como você eu também tenho muita estima por Enterprise, e como não idolizo a série clássica muito embora a ame, não compartilho da visão de que Enterprise seja incoerente por não perpetuar um equívoco da série clássica. Isso é que eu acho errado no fundamentalismo de alguns fãs com TOS, que parecem considerar até os equívocos da série como sagrados e irretocáveis. A série clássica apresenta vários erros (a falta de diligência do cargo da Uhura é um exemplo), então não posso culpar Enterprise por tornar a oficial de comunicações da Frota uma oficial de real importância só porque um século depois a Uhura ia ser reduzida a uma telefonista espacial. Ora, na minha opinião que estava incoerente era a série clássica, ela que mude. E quanto à questão do Médico Chefe, acho que B&B acertaram a mão com o Phlox. Além de ele ser de uma raça alienígena mais antiga (o que poderia explicar uma experiência médica maior que a média humana) os caras muito espertamente ainda fizeram ele praticar um tipo de medicina alternativa (usando sanguessugas, vermes, e extratos de plantas etc), justamente pra evitar que sua medicina parecesse tecnologicamente mais avançada que à da série clássica, com seus reparadores neurais e regeneradores dérmicos. Acho que a série Enterprise deu o maior azar por encontrar os fãs já saturados de certos conceitos martelados em outras séries, e não teve a oportunidade de ter reconhecidade a gama de qualidades que a série efetivamente tem. Sempre penso que se a série tivesse sido produzida antes de Voyager, ela poderia ter rendido as clássicas sete temporadas eainda ter continuado a saga no Cinema. Pra mim é realmente uma pena que não tenha sido assim.

  30. Eu acho que o período escolhido para retratar a série Enterprise foi ótimo, só que a execução da premissa foi pífia. Vou fazer uma pequena crítica, se vocês me permitem, e sem ofensas para os que gostam da série: existem episódios bons, só que não consegui assistir pois a “raiva” tomava conta de mim quando via que a série tinha jogado fora uma premissa boa.

    O Século 22 é inexplorado, boa escolha. Mas precisava colocar um vilão do futuro (que nem os autores sabem quem é???). Precisa colocar os Ferengis, os Borgs e os Romulanos (pô tanta raça para mostrar….)???

    Quanto aos personagens: ausência total de empatia e carisma. Parecem tripulantes genéricos. E os MACOS nem se fala, nem sei o nome de nenhum deles.

    O melhor personagem de toda série é o Shran. Eu teria feito tudo diferente em Enteprise. Seria muito mais interessante se a nave fosse um esforço em conjunto de vários planetas, como uma prévia da federação. Imagina ter o Shran na ponte como chefe de segurança, um tellarita, um alfa-centauri… Acho que ia ser demais.

  31. Assim como o Lucian acredito que se não tivessemos Voyager e se DS9 tivesse estado sozinha na tv por um bom tempo, ENT teria tido as sete temporadas e teriamos tido outros filmes e seriados diversos… mas devemos salientar que realmente teve muito material criativo dispediçado por ENT.
    Até o fato de ser mtos anos antes de TNG e ter ficado livre das amarras impostas por Gene qto as histórias(o fato dos humanos não terem inveja, nem religião e ficarem infiados em holodecks (aond realmente estavam os seres humanos que conhecemos- imperfeitos e problemáticos)) … a ENT naum aproveitou como deveria…
    mas enfim… águas passadas.
    Eu gosto de Voyager assim com TNG, mas infelizmente foram ingessadas por uma série de regras, que asfixiou a franquia. Eu tenho que o marco para essa situação em que ST está, foi culpa de TNG que introduziu esse bando de “não me toques e picuinhas” na federação. Nesse ponto eu tiro chapeu para DS9 que fez d tudo pra sair dessa armadilha e torço para que JJ siga o caminho trilhado por TOS, DS9 e os filmes de Nicolas Meyer, os tres ultimos que foram desagrado para Gene.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*