Mês: setembro 2008

Morre roteirista de Jornada, Oliver Crawford

Segundo o site Variety, o roteirista da Série Clássica, Oliver Kaufman Crawford, morreu em Los Angeles aos 91 anos. Crawford, que já foi indicado ao Emmy nos anos 50, escreveu três episódios para a série original. Ele escreveu na primeira temporada o episódio The Galileo Seven. Já na terceira temporada produziu Let That Be Your Last Battlefield e co-escreveu com David Gerrold The Cloud Minders. O escritor também teve trabalhos nas séries O Fugitivo, Bonanza, Viagem ao Fundo do Mar, Terra de Gigantes, Mulher Biônica (1976), Kojak entre outros. Fonte:...

Ler Mais

Pegg diz que filho de Doohan fez o auxiliar de Scott

O ator Simon Pegg, que está promovendo sua nova comédia How To Lose Friends and Alienate People, voltou a falar sobre o papel de Scott. Ele deixou claro que nem o filme e nem seu personagem são paródias de Jornada, mas brincou com todo o sigilo da produção, revelando que James Doohan, filho do ator original de Scott, contracenou com ele fazendo o seu assistente. Pegg negou-se a fazer para o entrevistador do programa Friday Night With Jonathon Ross (via Sci Fi Pulse) o sotaque escocês que usou no personagem Montgomery Scott, “Eu não posso fazer isso”, disse o ator. “Porque seria processado de cara. Isso significa que a Paramount me processaria judicialmente. Ela iria grudar meu rabo onde deveria ser a minha cabeça”, brincou Pegg explicando, “Estamos amordaçados pela Paramount, carinhosamente, claro. Não podemos falar sobre o assunto. J.J. Abrams é o diretor. Ele não quer dar nenhum spoiler disso”. Apesar do sigilo, Pegg falou um pouco sobre a forma como ele abordou o personagem Scott. “Eu sou um Scott escocês”, disse ele. “Tentei abordá-lo como James Doohan fez quando pegou o papel, o mesmo que dizer – Ok! O cara é escocês. Ele trabalha no espaço – Eu não tentei e nem fiz uma imitação de James Doohan”. Em outra entrevista ao Canoa Jam!, Pegg diz que o fato de ter feito um personagem importante em uma franquia conhecida como Jornada, está fazendo com que ele seja mais reconhecido pelo público do que antes. “Você sente o aumento de temperatura quando anda pela rua em...

Ler Mais

Robot Chicken: The Experience

Paródias de elementos de Jornada nas Estrelas na mídia sempre existiram muitas, mas esta deve ter sido a primeira vez em que o agora finado The Experience em Las Vegas foi tema de uma, em recente episódio do ótimo Robot Chicken do Cartoon Network. Confira a seguir. A esquete me fez lembrar de um “causo” quando da minha primeira ida ao The Experience, aguardando na fila das atrações. Quando eu cheguei perto de onde ela estava se formando, a fila esta estava bem pequena, com no máximo umas doze a quinze pessoas no total, algumas do lado para o Borg 4D, outras para o Klingon Encounter. Um grupo pequeno mas bem contra-estereótipo, sem ninguém fantasiado e com várias mulheres, aparentemente animadas para passear no brinquedo ao invés de cara amarrada de ser arrastada até ali pelo namorado. Como a fila estava pequena, eu preferi não ficar parado atrás do último, mas sim indo e vindo pela galeria para olhar o acervo do museu de props, que ficava exposto ao longo do caminho demarcado. Indo e vindo pelo longo corredor, não consegui pegar todo o contexto da conversa entre os operadores dos brinquedos e o público, mas no que me aproximei para aguardar a liberação da entrada que estava prestes a acontecer, pego esta rabeira de diálogo. Operador: …. e você viu Serenity, não? Foi fantástico. Então, do que você...

Ler Mais

Romulanos em Enterprise?

Devido ao fato de a nova da série de Jornada nas Estrelas, Enterprise, se passar cerca de 100 anos antes das aventuras de Kirk e sua tripulação da Série Clássica, o tópico “continuidade” e a relacionada questão de “canonicidade” têm estado em alta nas discussões entre os fãs, sejam elas realizadas no mundo real ou no virtual, sobre as histórias de Archer e seus comandados. Um assunto especialmente crítico é sobre uma possível participação dos Romulanos em Enterprise. O motivo é simples: muitos fãs querem ver os Romulanos em Enterprise, mas por outro lado também não querem que tal presença venha a ferir a elementos estabelecidos anteriormente no franchise, notadamente no episódio “Balance of Terror”, da Série Clássica. Os Romulanos foram introduzidos antes mesmo dos Klingons na Série Clássica, mas foram utilizados de forma muito menos freqüente, naquela e nas séries posteriores. Em particular, a sua utilização nos filmes de cinema de Jornada tem sido minúscula até agora, e mesmo o décimo filme de A Nova Geração, “Nemesis”, não deve cobrir essa diferença (apesar de contar com eles em sua trama)[1]. Por terem sido usados relativamente pouco ao longo dos mais de 35 anos[1] do franchise e por carregarem uma característica de reclusão (entre outras), os Romulanos são considerados pelos fãs como muito misteriosos e interessantes. Sua conexão com os Vulcanos, a questão da guerra Terra-Romulana e a possibilidade...

Ler Mais

O futuro de Jornada na opinião de Quinto e Burk

A última edição da revista SFX apresentou rápidas entrevistas exclusivas com o ator Zachary Quinto, que encarna a nova versão de Spock e o produtor executivo Bryan Burk, onde falaram sobre a esperança de revigorar Jornada nas Estrelas para o futuro após o lançamento do novo filme de J. J. Abrams. Muitos termos foram usados pelos membros da equipe de produção para descrever o filme de Jornada. Palavras como “re-imaginação”, “re-interpretação”, “re-introdução” foram ditas por eles. Agora, Zachary Quinto surgiu com mais uma. Quando perguntado se o objetivo era o de revitalizar Jornada e começar toda uma nova franquia, Quinto disse: “Eu acho que sim. Acredito que seja para “recompor” uma franquia cujo gênesis teve incrível visão. Era uma série muito presciente (visionária), à frente de seu tempo. Ela teve muita relevância social, desde o primeiro momento em que entrou no ar. Esse filme trata de tomar a integridade dela e recompô-la com o mundo de hoje, o que é obviamente muito diferente do mundo de quarenta anos atrás. Isso é tudo o que podemos fazer”, disse Quinto acrescentando que o apoio dos fãs e do público será essencial para o sucesso dessa produção. “Uma vez que  filme seja liberado, então não dependerá mais de nós. Espero que as pessoas respondam de uma maneira que dê aos personagens e a esta história mais vida, mas isso é algo que só irá revelar-se uma vez que o filme seja liberado”. Na mesma entrevista, o produtor executivo Bryan Burk concordou com o Quinto e comentou sobre a possibilidade de uma sequência. “Deus, nós...

Ler Mais

Continuidade: amiga ou inimiga?

Das séries de Jornada, a que mais fez uso de continuidade foi Deep Space Nine. Mas o que isso quer dizer exatamente? Um dos tópicos que mais aparece em discussões entre os fãs é o da “continuidade no universo de Jornada nas Estrelas“. Sempre tem algum colega, no mundo real ou no virtual, que mantém que uma determinada fala ou um determinado desenvolvimento em um dado segmento de Jornada, “viola a continuidade estabelecida do franchise”. Tal ocorrência é tão comum que serve mesmo para dividir os fãs em “facções”, por suas posições com relação ao assunto. Temos, por exemplo: os “radicalmente contrários”, que, frente a qualquer possibilidade (ainda que remota ou mesmo não muito fundamentada) de contradição com o que foi estabelecido anteriormente, invocam frases de efeito como “o Grande Pássaro da Galáxia, Gene Roddenberry, deve estar rolando no túmulo com isto”; os “radicalmente a favor”, que assumem que o universo de Jornada é 100% consistente internamente e que tentam de toda a forma racionalizar e explicar TODO potencial erro de continuidade; e os “moderados”, que entendem que erros acontecem e podem se alinhar, em termos de opinião quanto a um ponto específico, com o primeiro ou com o segundo grupo, sem exageros. Um aspecto que merece atenção é o de que “continuidade” se refere a um bom número de diferentes aspectos da produção de uma série de TV....

Ler Mais

Laços de Família: Os Soongs e seus filhos cibernéticos

Se há algo que pode ser dito sobre Jornada nas Estrelas – A Nova Geração é que o desenvolvimento dos laços familiares dos personagens nunca foi o seu forte. Tal fato é conseqüência das diretrizes estipuladas por Gene Roddenberry, ainda na criação da série: a relação entre os personagens principais deveria ser como o de uma família norte-americana, criando-se assim uma identificação entre os espectadores. Claro que era uma família “perfeita”, já que outra das diretrizes de Gene era que não existisse conflito entre seus personagens… Independente das diretrizes, esporadicamente tínhamos algum episódio voltado à família dos personagens. Conhecemos a mãe de Deanna, os pais adotivos de Worf, o irmão de Picard… e, claro, a família de Data. Pode um andróide ter família? Se o andróide em questão for Data, que chegou até mesmo a criar uma filha para si, podemos dizer que sim. Nesta família se enquadram seus “irmãos” (B-4 e Lore), bem como Lal, a filha por ele construída. Além disso, dada a relação de Data com o Dr. Noonien Soong, seu criador, marcada por forte senso de lealdade, podemos dizer que Soong seria seu pai – e, por conseqüência, todos os seus ancestrais podem ser considerados, também, ancestrais de Data. Uma família estranha, talvez mesmo bizarra, cheia de conflitos. E, por isso mesmo, não tão estranha e bizarra assim. Dr. Arik Soong O ancestral mais antigo...

Ler Mais

Trailer sairá antes do Natal, segundo roteiristas

Os escritores Roberto Orci e Alex Kurtzman foram entrevistados pelos sites Craveonline e IESB, onde o assunto não poderia deixar de ser, o novo filme de Jornada nas Estrelas. Eles responderam as perguntas sobre o elenco, o uso dos livros como base, a influência do cânon, a data do primeiro trailer e outros assuntos. Vocês tentaram escrever “pausas dramáticas” nos diálogos para o Capitão Kirk? Perguntou o repórter do Crave, “Não, porque a parte difícil nisso, e, na verdade, eu acho difícil para todos os atores, é que aqueles que desempenharam essas peças na série original e criaram os personagens, são lendários”, explicou Kurtzman. “Todo mundo conhece aqueles atores e todos os personagens. Assim, você tem de ser coerente com isso, se for para lançar novas pessoas nesses papéis, e ainda ter de levar algo novo à mistura. Então, os atores estavam andando nesta delicada linha, para não darem um desempenho caricato, que realmente seria o de imitar os atores originais, mas, ao invés disso, trouxeram suas próprias qualidades”. Embora, a maioria dos livros nunca tenha sido considerada canônica, os roteiristas usaram alguns deles como âncora para sua nova história. “Fizemos muita leitura de livros”, explicou Kurtzman. “Acho que nós consideramos os livros cânon, em grande parte, por isso é muito importante para nós, que a coisa fique consistente. Mas existem diferentes mitologias em suas histórias, dessa maneira é uma questão de ficar consistente, mas também perceber a forma como você pode brincar um pouquinho ancorado pelas regras”. Trabalhar no filme foi uma grande responsabilidade assumida por cada integrante da equipe de Abrams, disse Kurtzman. “O fato que, de alguma maneira, nós...

Ler Mais

A Voyager que não decolou

Criar uma nave estelar importante de Jornada é uma realização grandiosa que envolve meses de trabalho, inúmeros rascunhos e dúzias de revisões. Desenhar a USS Voyager não foi diferente e Rick Sternbach, o artista encarregado do serviço, tem uma opinião bem precisa sobre o assunto: “Tenho de dizer que a Voyager foi a nave mais divertida de trabalhar”, disse o designer ao Trek Brasilis. Foi longo e cansativo o processo de criação. Embora os primeiros traços tenham aparecido em setembro de 1993, durante a última temporada de A Nova Geração e a segunda de Deep Space Nine, o desenho final só foi aprovado e entregue aos construtores de maquetes poucos meses antes da estréia na TV. Rick Sternbach imediatamente começou a fazer rascunhos dessa nave sem nome, antes mesmo de qualquer esclarecimento por dos produtores. As principais referências saíram do design da runabout e da fonte primária de inspiração de Sternbach: a natureza. Os modelos de Jornada sempre foram criados a partir da figura de animais rápidos e lisos, e a USS Voyager NCC-74656 teve em sua forma embrionária as características de uma baleia orca, uma arraia e alguns tipos de pássaros. Formas biológicas foram enrijecidas e transformadas em estruturas a que foram atribuídas funções preliminares, como radiadores ou exóticos estabilizadores de dobra. Seguindo o padrão da Frota Estelar, o artista reservou uma área para a ponte no deck...

Ler Mais

A Volta dos Guias de Episódios do Trek Brasilis

Uma das mais populares características do Trek Brasilis sempre foi seu acervo de abrangentes revisões de episódios da franquia. Com o tempo e posteriormente a mudança do Trek Brasilis para seu novo formato de blog, o trabalho de criação destas Guias de Episódios acabou sendo interrompido. Contudo, a iniciativa de migrar o Conteúdo Clássico do Trek Brasilis para o novo formato também inclui estas revisões — bem como a criação de novas. O leitor do TB pode perceber que no menu principal do Trek Brasilis o Guia de Episódios já aparece, contendo a listagem de todos os episódios das cinco séries e da série animada. Com o tempo, os GDE já existentes no conteúdo clássico irão ser migrados para o novo formato, possibilitando gerar bons debates dos leitores do TB sobre os episódios na seção de comentários da revisão. E além disto, o trabalho de criação de novos GDEs inéditos será retomado, adicionando mais e mais episódios a coleção de revisões do Trek Brasilis. Para iniciar, a migração da GDE de “The Cage” já ocorre imediatamente. E continue acompanhando o Trek Brasilis para conferir os debates vindouros sobre seus episódios favoritos já revisados, e sobre os novos episódios a serem revisados pela equipe de colaboradores. E não se esqueça de fazer seus próprios comentários sobre os segmentos...

Ler Mais

Assine o canal do TB

Tuítes do Pingo