Produtores falam sobre aparelhos usados no filme

star-trek-poster.jpgOs produtores J. J. Abrams e Bryan Burk, jutamente com o roteirista Roberto Orci, falaram um pouco sobre o novo filme de Jornada nas Estrelas, durante apresentação da série Fringe, a emissora MTV. Eles disseram que muitos equipamentos usados na série original estão no filme. Embora não tenham entrado em detalhes, revelaram que um, conhecido dos fãs, não aparecerá. Qual seria esse?

“Existem (no filme) todos os equipamentos que você poderia querer”, disse Burk, excetuando um, “Sem replicadores, uma vez que eles se originaram em A Nova Geração. Mas tem velocidade de dobra, teletransporte, tricorders, comunicadores, enfim, tudo isso”, afirmou o produtor.

J. J. Abrams acrescentou dizendo que durante o planejamento houve infindáveis discussões no grupo sobre os equipamentos que deveriam ser usados, incluindo o estilo e estética de cada um, “Se você faz a ponte da Enterprise, com que ela se parece? Uhura tem um pedaço (uma seção) dela ou não? E se ela tiver como se parece? Se têm tricorders com que se parecem? Phasers, como você faz para ir de tontear a matar e alguma coisa acontece? Com o que toda a Frota se parece? Eu estou dizendo a você que, todo o dia, estávamos solucionando isso, como nós levamos o que sabemos e amamos e aplicamos para uma moderna audiência”.

Para o diretor, o filme pretende mostrar que a tecnologia futurista, não será algo extraordinário, miraculoso, mas uma coisa usual para os personagens da época e citou um exemplo, “Uma coisa que em Jornada deixa todos excitados e frenéticos refere-se ao comunicador, mas para eles (personagens) é como se fosse um novo iPhone. São apenas as ferramentas que estão usando”, disse Abrams.

De acordo com o roteirista Roberto Orci, a equipe procurou prestar muita atenção nos detalhes da tecnologia de Jornada, para não decepcionarem os fãs, “Nós temos membros da família que repudiariam se fizéssemos coisas erradas”, disse Orci acrescentando que esses detalhes estarão escondidos em algumas cenas do filme, como uma brincadeira para os fãs. Mas, ao mesmo tempo, não será problema para quem não é fã, “Isso foi desenhado para ser visto, mesmo por quem não sabe nada do assunto, incluindo a história de como todos se encontraram. De um certo modo, é uma Jornada Zero, já que você não tem de saber nada a respeito”, finalizou o roteirista.

Fonte: Trek Movie, TrekToday e TrekWeb

37 Comments on "Produtores falam sobre aparelhos usados no filme"

  1. Leandro, vc fez certo por nos dizer o que está acontecendo. Afinal acabamos por passar por palhaços ao ficar discutindo com uma fraude. Nem poderia supor que alguém se desse ao trabalho de fazer isso em algo que não vai ter lucro algum.
    Assim, continuemos com o nosso ”papo” até terminar esta exaustiva espera de 08 de maio.
    Tenho vocês como amigos Trekkers mesmo sem conhece-los.

    Abraço à todos!

  2. Concordo com o post 41.

    Se houver mesmo um reboot no estilo nBSG ou Batman é por culpa da equipe de produção e também do Studio que produziram “pérolas” como Voyager, Enterprise (1ª e 2ª temporadas) e os filmes da TNG(com exceção do oitavo filme) e não porque star trek já produziu centenas de episódios e vários filmes.

    Prova disso é o quarto ano de Enterprise, B&B e o Studio soltarão as rédeas e o resultado foi uma das melhores temporadas entre todas as temporadas de Star Trek. Outro exemplo parecido foi o que aconteceu com DS9 a partir do terceiro ano de produção.

    Não tenho nada contra J.J e torço para que seu filme seja realmente bom, mas o trabalho que Manny Cotto desenvolveu no quarto ano de Enterprise merecia um voto de confiança para ele em um novo projeto. O próprio Cotto ficou decepcionado quando o Studio não o chamou após o cancelamento de Enterprise.

    Enfim, não acredito em Reboot para Star Trek como única forma de salvação da franquia.

    Abraços. 😉

  3. Realmente, 007 é um produto derivado da Guerra fria. Como a URSS acabou, não vejo mais sentido em continuá-lo, assim como Rambo (claro que este último nem se compara ao primeiro), mas é o que Madruga colocou: enquanto é lucrativo continuará a existir! Desejo que Jornada continue a existir, mas não por ser lucrativa e sim, por ter um suporte por trás que continue a alimentá-la porque a ama, ou seja, os trekkers!!!

  4. Essa discussão de reboot, remake, prequel já está assim, mesmo ninguém não sabendo nada de nada, imagine quando surgir o primeiro trailler.

    Realmente amigo Saldan, tal problema também ocorreu no FTB e com a desconfiança de que a pessoa tinha retornado com outro e-mail. A atitude foi correta e necessária.
    Vida que segue.

    Obrigado Castanheira, o episódio era mesmo Tomorrow is Yesterday.

  5. Realmente Ralph, sempre estive no FTB e não vou esquecer quando mudei meu nick da primeira vez(Wildstar para Derek), um membro muito conhecido do FTB achou que eu era o Harlock disfarçado…

    OH BOY!!!!

    Please, vamos ter cuidado com possíveis “caça as bruxas”.

  6. Ricardo, não se iluda: nenhum estúdio vai investir em novas séries ou filmes de uma franquia se ela não for lucrativa. E a verdade é que o reboot foi uma resposta à rejeição dos próprios trekkers aos últimos produtos de Jornada. E de lambuja, além de resgatar os fãs, querem vender o peixe para um novo público.

  7. Gente, a administração do FTB sempre será transparente nas ações. Por isso quando ocorrer algo deste naipe, os membros serão informados na medida do possível. É melhor comunicar do que deixar a subjetividade criar falsas interpretações.

    A casa é lugar de “trekers” e não “trekies” (na web 2.0 conhecido como *tardos).

    Vamos voltar ao que interessa: Debater Jornada de forma madura e amigável.


    Um dos dispositivos também confirmados é o comunicador auricular de Uhura.
    Obviamente, em breve o mercado deverá ser inundado com gadgets do novo filme em preparação ao lançamento do filme.

  8. Uma coisa que o “JJ`time” não falou ( acho que também ninguem perguntou)

    Será que vão aparecer dispositivos NOVOS, nesse filme?

  9. Outra coisa:

    “Uma coisa que em Jornada deixa todos excitados e frenéticos refere-se ao comunicador, mas para eles (personagens) é como se fosse um novo iPhone. São apenas as ferramentas que estão usando”,

    O que ele quer dizer com isso? que os personagens vão usar comunicadores na sua vida “civil” como se fossem celulares?

  10. Talvez eu esteja viajando, pensei em algo (que talvez os mais puristas com o canon não vão gostar)

    E se o comunicador e o Tricorder fossem integrados? Os celulares são tão avançados hoje, que nao vejo a necessidade de ter apenas um comunicador. Não vai parecer nada futurista. E nunca gostei do comunicador do TNG, parece ser estranho para controlá-lo, pois não possui interface. Como faço para ligar com a nave, é só apertar a insignia? e para comunicar com o meu companheiro, apertar duas vezes? Foi uma coisa que nao colou muito, na minha opinião…

  11. Acompanho a opnião do post 52… a culpa foi do próprio studio, Jornada tinha tudo pra ir pra frente e naum pra trás… mas avacalharam tanto, quem teve um pouco de liberdade de criação já conseguiu fazer coisas grandes… eu que naum gosto de episódios com viagem no tempo achei realmente mto, mto bom o episodio de DS9 “passado imperfeito”… espero que JJ tenha a capacidade e liberdade de seguir na msm linha (d algo com qualidade)
    mas pelo menos voltaram com TOS Kirk e cia…

  12. Luís Henrique Campos Braune | 6 de setembro de 2008 at 10:20 am |

    Um abraços pro Leandro Martins! Sou fâ do cara… adorei o livro que ele escreveu! Num dá mole não, senão neguim vai pensar que isso aqui é casa da mãe Joana.

    Uma idéia: será que conseguiríamos programar uma ida “coletiva” ao cinema no dia da estréia? Ao menos o pessoal que mora na mesma cidade, vários grupos…

  13. ^60: Tomalak, eu pensei em algo similar. Na verdade um único dispositivo que funciona como tricorder médico, tricorder de pesquisa, também como comunicações ou qualquer outra função. Um mini-lcards portátil como os painéis de TNG. Ainda mais se, realmente usar o estilo de tela sensível ao toque, virtualmente qualquer interface pode ser usado.
    Daí fica faltando os phaysers portáteis (estilo pistola) mas também gostaria de ver outras armas em uma missão avançada, tipo rifles, granadas de mão (com uma devida equipe de combate especializada, obviamente).

  14. Sei que já foi dito em algum momento aqui no TB, e que essas coisas ainda poderão ser alteradas, mas o dia 08 de maio não é a data de lançamento mundial do filme, né? Quando estréia nos EUA? Pois justamente nessa data estarei por lá. Gostaria muito de estar no Brasil nesse dia, pra ajudar a engrossar a multidão de trekers que (espero) invadirá os cinemas brasileiros logo no dia da estréia, pra provar que a franquia tem força por aqui. Tb será interessante acompanhar de perto a repercussão do filme por lá, mas eu realmente preferia estar, pelo menos nesse dia, aqui no brasil, com meus amigos trekers brasileiros.

  15. Leandro….vc está muito certo!! meu Deus….isso aqui é uma “mesa redonda” para colegas e até amigos como disse o Marcos, discutirem de maneira civilizada e divertida Star trek…por admiração profunda e respeitosa por ela e por seus fans, discriminação e segregação de quem é trekker ou não…francamente….acho que essas idéias primitivas fogem por completo dos conceitos de quem é realmente fan!

    Obs: gente….deixem esse chato pra lá! o que ele quer é ibope!!!!

  16. “Ricardo, não se iluda: nenhum estúdio vai investir em novas séries ou filmes de uma franquia se ela não for lucrativa.”

    Claro, mas tem tanta coisa por aí que é lucrativa mas perdeu a “alma” (como 007 ou Star Wars).
    Lucro é uma prioridade do estúdio , mas não deve ser a preocupação principal dos fãs.

  17. Phaser somente em formato de arma, por favor. O Phaser “controle remoto” de TNG foi uma das piores coisas elaboradas pela série em termos militar…

  18. Leandro Martins | 6 de setembro de 2008 at 12:32 pm |

    E tem mais — não surpreendentemente, ele ainda está tentando, claro, como qualquer troll de Internet. O cidadão considera todos nós aqui um bando de otários, aparentemente.

  19. Post 60
    Tomalak, já havia pensado neste tópico e imaginado que o controle fosse vocal, isto é, se vc disser “comando” ou “Data”, entao o comunicador com a ajuda do computador central já direcionaria automaticamente para o destino especificado. Isto, é claro, tomaria um pequeno delay, que na realidade poderia diminuir a eficiencia numa hora crítica, mas que no filme nao é levado em conta.

  20. Poderia ser algo como os Jacksons, uma mala que vira nave, que vira tricorder, que vira arma, que vira tudo.

    Algo bem “transmorfo”, ai ja faz uma alusão a DS9.

  21. Post 64. Helio, vc poderia manter contato conosco para passarmos alguns informes pessoais dos EUA durante a estréia. Ok? Meu e-mail está disponível.

  22. Luís Henrique Campos Braune | 6 de setembro de 2008 at 10:17 pm |

    Post 66 – “Claro, mas tem tanta coisa por aí que é lucrativa mas perdeu a “alma” (como 007 ou Star Wars).”

    No caso do 007, Cassino Royalle foi excelente e procurou trazer de volta o personagem (exceto pelos minutos finais, onde rola um clima de romance arrastado e chato). Mas aquilo é 007 de verdade, sem a pirotecnia. Viram como o cara é mau? Só tem espionagem e ação, sem pirotecnia, sem axageros.

  23. Há um ponto que eu acho merecedor de discussão. Fala-se muito que os comunicadores de TOS deveriam ser tão pequenos como os celulares de hoje. Mas será mesmo? Será que o tamanho maior não se deve a uma tecnologia diferente, permitindo o contato terra-nave entre uma distância mais significativa? E se, por exemplo, a nave estivesse numa órbita do outro lado do planeta, e não sobrevoando o grupo avançado? A tecnologia de hoje do celular simplesmente não funcionaria sem um satélite para retransmitir os dados. Mas a gente não vê satélites sendo usados para isso na série.

  24. Post 70
    Sr. Madruga, vc esta sendo irônico

  25. Me permitam apenas mais este post sobre a atitude da moderação.

    Foi muito válida, e indispensável.

    Dou 10 para a atitude.

    E 8 pela forma em que foi feita.

    Dei 8 na forma pois acho que o tom foi um pouco acima do necessário, até usando uns termos que poderiam ser interpretados por alguns como ofensivos ( e principalmente a moderação deve dar o exemplo e entender que por aqui passam diferentes tipos de pessoas ).

    Acho que este tipo de moderação “ativa” é INDISPENSÁVEL, e explico para aqueles que talvez não estejam tão acostumados com este tipo de fórum de discussões e bate papos pela internet.

    Se não há uma moderação ativa, fica impossível trocar idéias de forma civilizada pela internet, infelizmente é assim.

    Todo o fórum de discussões que não tem moderação forte vira uma bagunça, com pessoas que por algum motivo inexplicável participam apenas para atrapalhar, com todo o tipo de método (e são vários) para acabar com a paz dos que querem “discutir de forma saudável e civilizada”.

    Sendo assim, é por ter uma moderação forte que o Trekbrasilis continua sendo um espaço democrático e interessante para trocar nossas idéias. Que a moderação continue forte e ativa, esse é o melhor caminho.

    Abraços a todos.

  26. Post 73

    Será Mario, que não seria a antena defletora a responsável pela comunicação de longo alcance da nave e também dos comunicadores portáteis? me corrija se eu estiver errado por favor.

    Estou me referindo a todas as classes de naves.

  27. Post 73.

    Mário, não me lembro de algum episódio em que a nave ficasse no outro lado do planeta em que está o grupo avançado e perdia comunicação.
    Na maioria das vezes era interferência de algum tipo, seja artificial ou natural ou quando saia de órbita perdendo o alcance, como eles diziam.

    Acredito que a nave deva fazer uma órbita estácionária em cima do local. Isto é, a nave orbita na mesma rotação do planeta ficando assim no mesmo lugar e a mantendo a comunicação aberta.

    Quanto ao fato de não ter sido mencionado o lançamento de qualquer satélite, não significa que não tenha existido, além disso a ciência dos anos 60 não concebia isso. Mas Abrams poderia facilmente resolver esse detalhe.

    Já diz o ditado que “tamanho não é documento”. Hoje em dia sabemos que a nanotecnologia irá revolucionar muitos setores, e um deles será o das comunicações. Componentes eletrônicos menores e com a mesma ou maior capacidade que seus antecessores já estão sendo anunciados. Então, não seria nenhum espanto se um comunicador tivesse o tamanho de um celular mas com uma capacidade 100 vezes maior de alcance, transmissão de dados e outras funções como têm hoje os celulares.

    Acredito que os equipamentos do filme serão bem mais versáteis, com visual mais hightec, mas contendo a característica básica dos originais.
    O tricorder, por exemplo, poderá ter inúmeras funções inclusive as de análise, como era feito em TOS.

  28. Seria ótimo se a galera armasse de ir ver o filme juntos no cinema como foi dito acima. Qdo chegar mais perto é bom tocar novamente neste assunto.

  29. Maria da Conceição G. Simões | 7 de setembro de 2008 at 10:07 pm |

    Com um pouco de imaginação, teremos Jornada clássica com a tecnologia atual. A primeira vez que ouvi falar de nanotecnologia foi em STNG, aí eu fui pesquisar; agora é algo que se conhece no nosso dia-a-dia.
    “Nós temos membros da família que repudiariam se fizéssemos coisas erradas”, disse Orci acrescentando que esses detalhes estarão escondidos em algumas cenas do filme, como uma brincadeira para os fãs. Mas, ao mesmo tempo, não será problema para quem não é fã…”
    Isso é algo que deveremos cobrar após 8 de maio !!!!

  30. Maria da Conceição G. Simões | 7 de setembro de 2008 at 10:09 pm |

    Um adendo, 8 de maio cairá em que dia da semana? Sexta? (geralmente as estréias são às sextas)

  31. Quanto às comunicações, se vc enviar um sinal de grande amplitude de onda, junto com a de alta frequência, a onda bateria na atmosfera e retornaria atingindo todo o planeta. Com uma tecnologia adequada, a portadora de onda poderia chegar en duas frentes atingindo outras áreas do planeta até, eventualmente, o lado diametralmente oposto da onde estiver a nave.
    Poderíamos considerar, também, a tecnologia subespacial que poderia atravessar todo o planeta como se ele não existisse.

  32. Ralph, ficarei feliz em colaborar.
    Até lá manteremos contato.
    Meu e-mail tb está a seu dispor.

  33. Aí é que está o ponto, Verde (Post 82). A gente ouve falar muito no seriado de comunicações subespaciais – obrigado por me recordar o termo -, e eu só posso especular que seja algo que demande uma maior quantidade de energia para funcionar, pela dimensão da proposta de até atravessar a matéria do planeta. O que não calha muito bem, Ralph (Post 77), com o conceito de nanotecnologia. Além disso, há episódios em que os personagens estão no subsolo de um planeta, e mesmo assim conseguem manter comunicação, o que denota que o tipo dela não usa dos mesmos princípios que operam os celulares de hoje, pois estes não chegariam nem a ter sinal. No caso das comunicações subespaciais, o sinal de resposta do grupo de terra demandaria também razoável quantidade de energia para ser emitido, razão pela qual não podemos supor que todo o dispêndio seria por conta da nave.

    Contudo, sinceramente, eu até preferiria que os roteiros obedecessem rigorosamente ao que a ciência nos coloca, tornando o comunicador apenas um celular melhorado, com melhor alcance, mas totalmente dependente de certas condições, para que os elementos de tecnologia usados soassem mais verossímeis. Eu gostaria de ver, Ralph, até mesmo um satélite sendo lançado pela nave para compensar a órbita oposta.

    Fabio (Post 76), pelo que eu saiba, salvo terrível engano, a antena defletora serve apenas para “limpar” o caminho da nave enquanto ela está em dobra. Ela capta (antena) as impurezas pela frente e as muda de direção (defletora).

  34. Mário
    Tanto na questão de comunicações como da antena defletora, não podemos esquecer que estão sendo usadas junto com tecnologia de dobra(warp) e utilização do sub espaço (hiperespaço), o que denota uma tecnologia totalmente diferente das nossas leis físicas. Neste caso, a energia utilizada não é necessariamente colossal, nem demanda uma irradiação maior, por isso que fica muito fácil criar as estórias sem que sejam contraditórias fisicamente.
    Quanto à fonte de energia, claramente a nave fornece a maior parte dela, tanto na transmissão quanto na recepção, ficando o intercomunicador apenas com uma capacidade mais limitada.
    Interessante, que hoje está se falando em carga de bateria induzida, sem fio. Seriam instalados indutores nas residências, onde toda a bateria seria automaticamente recarregada ao chegar em casa. Esta tecnologia poderia ser usada dentro da nave e também transmitida via uma comunicação constante, deixando a carga do comunicador sempre na sua plena capacidade.

  35. Não vamos esquecer que os roteiros foram adequados as situações dos personagens, então poder se comunicar no subsolo assim como a comunicação subespacial, na verdade, foram facilidades para a história, caso contrário limitaria bastante a ação dos personagens.
    Se vc for extremamente fiel a ciência real, não terá muita chance de fazer um scifi a altura de uma Jornada. Além do que quem lhe garante que no século 23 não consigamos descobrir um modo de transmitir até debaixo de centenas de metros de pedra e terra? Li uma vez que estão pesquisando sensores que em órbita poderão ver detalhes do solo mesmo tendo espessas camadas de nuvens abaixo.

    Abrams vai procurar levar seus dispositivos o mais próximos possíveis de nossa ciência atual e futura, mas é claro que eles terão também suas pitadas de fantasia.

  36. Olá,
    Nao sei se to desenterrando esse tópico, mas adorei a discussao!

    Bom, eu ia fazer várias reflexoes e tal, mas no fim tudo se resumiu a uma unica idéia: é impossivel hj em dia fazer jornada nas estrelas sem ter que abolir várias das idéias usadas em TOS e, tb, TNG.
    Pq, venhamos e covenhamos: a unica coisa REALMENTE futurista de Jornada nas Estrelas é o dominio da Velocidade da Luz (A Dobra) e naves que viajam pelo espaço como quem hj pega o carro e a familia e vai dar um passeio na cidade vizinha!
    Fora isso, bom tem os sintetizadores de TNG, que nao duvido a nasa criar algo parecido em 10 ou 20 anos, vide o microondas e o famoso LHC…
    O mesmo vale pros comunicadores: o do Kirk é literalmente um Celular! Palmas para Gene que previu o futuro! Já os broches de TNG eu ainda acho eles “futuristas”, mas algo que tb em 10 ou 20 já existiram! Po, um celular que opera por comando de voz, tem agenda interna (ponte, engenharia, tripulaçao, etc) tudo no tamnho de um pendrive, nao é lá muito dificil de explicar.

    Acho que, nesse filme, os fã terão que ir de cabeça aberta aceitando GRANDES mudanças! A própria ponta de comando só consigo imaginá-la com aqueles corremaos pretos com vermelhos, o resto totalmente refeito!

    Volto a afirmar: fazer JnE hj em dia sem ferir o Clássico é Impossivel!!!

    Abraços

Leave a comment

Your email address will not be published.


*