Novo filme será mostrado também para salas IMAX

imax.jpgO site FirstShowing informou que o filme de Jornada nas Estrelas será convertido no formato compatível para os cinemas IMAX. Segundo o site, embora não tenha sido filmado com câmeras IMAX, ele pode ser convertido para esse formato.

Se você já esteve em uma sala IMAX, sabe que a experiência é bem diferente daquela que está acostumado a ver nos cinemas padrões. A tela é grande o bastante para preencher seu campo de visão, dando uma incrível sensação de imersão no filme.  Existem, atualmente, 320 salas de exibição no formato IMAX, em 42 países. O Brasil possui, até o momento, dois cinemas desse tipo: um em São Paulo, no Bourbon Shopping Pompéia, e outro em Curitiba, no Shopping Center Palladium.

As projeções em 70 mm, que é o formato para as imensas telas da IMAX, estão ganhando corpo no mundo inteiro. Com essa nova onda, os blockbusters passarão a ser lançados simultaneamente em 35mm (tela normal) e em formato IMAX. Exemplo disso temos Transformers: Revenge of the Fallen que está sendo filmado com câmeras IMAX, Avatar de James Cameron, assim como Harry Potter and the Half-Blood Prince que tem 20 minutos de cena neste formato.

O filme de Jornada nas Estrelas, com suas cenas de efeitos especiais e rápidos movimentos, não poderia ficar de fora dessa empreitada. Aliás, a franquia já teve um projeto desse tipo. Em 1997 foi anunciado que a Paramount estava desenvolvendo a chamada “Star Trek IMAX”, um curta metragem de 40 minutos feito especificamente para cinemas IMAX. Com um orçamento de 10 milhões de dólares, Rick Berman (juntamente com Hans Tobeason) desenvolveu uma história e disse, na ocasião, que haveria um crossover com personagens de várias séries. Os atores Colm Meaney (O´Brien) e David Warner (Gorkon) foram os únicos confirmados. No entanto, o projeto nunca saiu do papel.

Fonte: TrekMovie

10 Comments on "Novo filme será mostrado também para salas IMAX"

  1. E falando em formato de tela e de salas de projeção…

    Me lembro com muita nostagia e profunda saudade daquela sala que ficava na avenida São João, que exibia filmes em 70mm e com um sistema de som que retumbava no peito do cinespectador:

    O cine COMODORO.

    Lá eu assisti a dois sucessos da Paramount, “Top Gun” e “Star Trek-The Voyage Home”, entre outros.

    Bons tempos de uma era clássica…

  2. Post 50:
    Ohhh!!!! Tomalak

    Não estraga o nosso barato, deixa a gente se iludir um pouco

  3. 01 NACELE VIABILIDADE SUBSPACIAL.
    Quanto a ENTERPRISE não poder criar um campo de dobra com uma Nacele somente, é obvio conforme postaram anteriormente. Ambas foram dimensionadas para funcionarem em conjunto. Suas bobinas de dobras possuem um diâmetro adequado que na falta de uma Nacele não permitiria a criação do referido campo. Além de inviabilizar mudanças de direção, pois suas estruturas são fixas ao corpo restante da nave.

    Em naves com uma Nacele o diâmetro das bobinas e a grade de campo são superiores, dimensionados para gerar um campo subespacial que envolva toda nave. Quanto a mudanças de direção acredito que em se tratando de distorções da geometria do espaço, a variação controlada destas distorções poderiam ocasionar certas mudanças de direção.
    Ou como já postei neste site anteriormente, o problema poderia ser simplesmente resolvido com uma Nacele rotacional.

    Por isso, é incoerente compararmos a ENTERPRISE com a KELVIN.

  4. Nossa! Que ignorância a minha! Moro há 10 anos aqui em Curitiba, vi a inauguração do Palladium e nem imaginava que tinha uma sala IMAX lá. Só espero que funcione até maio/2009, porque para quem não sabe, esse shopping ainda não está 100% operacional mesmo depois de meses da sua inauguração. Se a sala estiver funcionando até lá, já sei onde vou assistir o filme já na estréia. Agora, com todas essas apostas altas na divulgação do filme, acho que se está cumprindo a frase do capitão Picard do episódio “Future Enterprise”, da 3ª temporada (que comprei há 2 dias e estou assistindo feito um insano) – “Vamos fazer com que o mundo nunca se esqueça do nome Enterprise”.

  5. Post 51:

    Raul Mamoru, também tenho saudades do Cine Comodoro. Foi lá que eu vi A Terra Desconhecida, entre outros filmes.

    Aquela era uma ótima sala, com ótimo som. Sem falar que, além de ter uma ante-sala de espera, coisa que não existe mais e deixava a gente ansioso pelo filme, tinha um clima de entrar numa caverna. Pra quem não conheceu, a sala ficava abaixo do nível da rua.

    Bons tempos da cinelândia da Avenida São João.

  6. Olhem só, eu baixei uns RIPs do Blu-Ray do filme O CAVALEIRO DAS TREVAS, que teve umas 4 a 6 cenas FILMADAS com câmeras IMAX, coisa que eu sempre soube, mas quando vi a aparelhagem tomei um baita “susto”.

    Só os rolos das bobinas de filme em IMAX são tão grandes e pesadas que precisam de DOIS ADULTOS para carregar, por ou tirar do projetor.

    Aliás, o projetor é tão grande que parece um mamute, é mais ou menos do tamanho de um carro-forte de transporte de valores.

    No caso do filme STAR TREK, o filme, até onde sabemos, foi filmado com câmeras comuns de 35mm mas será convertido para IMAX (de 70mm) via DMR® (Digital Re-Mastering).

    Cada fotograma da película original (35mm) tem de ser redimensionada e ajustada para eliminar erros/imperfeições na filmagem e danos causados pela gravação e exibição na imagem original para ficar com a qualidade padrão do IMAX (70mm).

    Muito embora 70mm apenas pareça ser o DOBRO do filme de 35mm, na verdade, cada fotograma é QUATRO VEZES MAIOR. Exemplifico abaixo:

    Suponhamos que o sinal ‘Ш’ seja um fotograma em 35mm. Lembrando que o sinal é horizontal e retangular.

    Para termos um fotograma de 70mm, não basta somar 2 x o sinal ‘Ш”. Pois, como numa tv, se mede na DIAGONAL “\” ou seja:

    Ш = fotograma comum = 35mm.

    ШШ = IMAX = 70mm.
    ШШ

    Quatro vezes ‘Ш’ (35mm) agrupado em DUAS colunas e DUAS fileiras.

    Cada quadro de imagem (fotograma/cena) tem que ser aumentada, corrigida e MELHORADA várias vezes para se adequar ao padrão IMAX. Lembrando que tempo de trabalho é dinheiro.

    Penso eu que o ingresso pra ver filme no IMAX custe de 3 a 5 vezes o preço do cinema convencaional.

    Soube que, quando exibiram o filme O CAVALEIRO DAS TREVAS, lás nos E.U.A., o ingresso chegou a custa MAIS CARO que o novíssimo iPhone 3G, só não sei se o preço do de 8GB (US$ 199) ou o de 16 GB (US$ 299).

    Detalhe: o filme bateu todos os recordes de público e bilheteria da rede IMAX, sendo inclusive exibido durante a MADRUGADA.

  7. Veja NA PRÁTICA, as películas em 35mm e em 70mm:

    O fotograma de cima ( ↓ abaixo) é de um filme em 35mm:

    http://i9.photobucket.com/albums/a76/spyknow/dkIMAX.jpg

    O fotograma de baixo ( ↑ acima) é de um filme em 70mm, do IMAX:

    Agora imaginem a DIFERENÇA na QUALIDADE VISUAL das imagens entre elas…

  8. Eu ja tive a chance de ver filmes no imax…
    caramba… o negocio impressiona, imagina assistir ST entao.. nossa.

  9. É verdade que nenhum filme que passa no IMAX pode ter legendas????

  10. Pessoal, cabei de vir de lá. Para não alongar muito apenas digo: Vou voltar novamente para ver o mesmo filme (do fundo do mar) e sempre que sair filmes novos provavelmente assistirei 2 vezes.. rs.
    Vale MUITO a pena ir e a sensação 3d é TOTAL, 29 anos e eu tentando pegar os bichos com a mão (e não era soh eu…rs).
    A qualidade da imagem e do som é absurdamente perfeita, bunita, sensacional.
    Como nada é perfeito, as poltronas são numeradas e infelizmente vc pode ter o azar de ter um CABEÇAO enorme na sua frente. (poltronas poderiam ter uma altura maior em relação as outras) e os oculos doem um pouco, mas nada de muito incomodo!

    PS: Quem tem conta no itau e unibanco para meia (R$ 15,00) e crianças também pagam meia. Mas é 1 ingresso por conta!

    De novo, vale a pena ir!

Leave a comment

Your email address will not be published.


*