• Alexandre Madruga

    Atenção a essas citações: “Eu digo que não vou fazer um filme que tenta fazer todos os trekkers felizes, porque não é possível. Estou fazendo um filme para fãs de cinema. Quero que seja uma aventura, divertida, sexy, assustadora, épica, íntima e tudo mais. Sinto uma grande responsabilidade sobre estes personagens e tudo que veio antes, mas eu preciso fazer um filme que não seja paralisado por tudo isso” e “Estamos tentando fazer alguma coisa no meio termo, algo em que prende a tudo aquilo que torna Jornada o que é, mas também tê-la em um novo lugar”, disse Orci, “Uma coisa sobre o original era mostrar o seu otimismo inerente, e nós queríamos muito isso neste filme. Este é um futuro que você ia querer viver. E nós esperamos que esse seja um futuro que as pessoas queiram assistir”.
    Mais do que nunca ST estará de volta. Eles (Paramount) querem. Cabe a nós, trekkers antigos, angariar novos trekkers eeeeee…….. ST estará de volta. Acho que isso está muito certo. É só a bilheteria ajudar.
    Oremos….

  • Há em ficção científica, muita coisa sendo remexida e voltando, de fato! Os anos 80 foram felizes na criação da ficção, com Blade Runner, Aliens etc. Dos anos 90 pra cá virou moda refazer filmes, em qualquer gênero e, não só refilmaram, mas mesclaram personagens (Fred x Jeason, Alien & Predador… eca!!!). Planeta dos Macacos vai voltar e espero que seja decente, pois é em cima do original, abordando “A conquista do planeta dos macacos” e resetando o último filme; Flash Gordon também voltará às telonas também e prometem um filme mais fiel aos clássicos quadrinhos de Alex Raymond e, este realmente precisa de um filme decente, pois nunca teve! Nessa onda deve sair da naftalina Buck Rogers, nada oficial, mas promessa de Frank Miller, entre outros! É claro que estou adorando tudo isso, principalmente em voltar a ver a Enterprise decolando nas telonas, mas é preocupante essa falta de criatividade em Hollywood para com o gênero Sci-Fi! Seria pouco interesse? É mais fácil fazer em cima do que já existe, só que usando e abusando da CGI? Lembro-me dos tempos de escola quando a gente ia apresentar um trabalho em grupo. O segundo grupo sempre apresentava melhor que o primeiro, pois podia aproveitar a deficiência daquele para fazer algo mais caprichado! As mentes criadoras em Hollywood estão ficando muito acomodadas!!!

  • Rekar

    Se essa for uma forma de manter todo o universo de jornada vivo, só posso dizer: AMEN

  • Verde

    Existem muitas estórias de escritores clássicos que poderiam ser usados (não própriamente em ST mas em ficção em geral). Recentemente achei um DVD de um conto de Ray Bradbury que foi muito bom (O SOM DO TROVÃO), de produção quase completamente desconhecida.
    Gostaria que fizessem FUNDAÇÃO do Isaac Asimov ou as estórias do detetive Elija Bailey, também do Asimov. São estórias inéditas no cinema e quase que nada aproveitada, em termos de idéias. Uma vez que estamos muito mal ultimamente em termos de escritores de ficção, poderiam ser usados os escritores famosos (agora já falecidos), pois nem mesmo ouço falar mais de Orson Scott Card, que era uma grande promessa há 20 anos atrás.

  • Perdi a paciência logo no início do texto.

    Negócio é o seguinte: kd mais fotos da ENTERPRISE???

  • Rafael RafaData

    Não é uma questão de ser mais fácil revisitar esses filmes para novas versões, muito pelo contrário, em casos como Jornada isso não é tarefa fácil, como estamos vendo!!

    Hollywood só não está querendo correr riscos!! Entre experimentar lançar um filme de contexto já conhecido e que já teve uma propaganda pregressa, a outro de conceitos inéditos, a indústria do cinema sempre irá preferir o primeiro caso, isso até esgotar toda e qualquer chance de ainda fazer dinheiro em cima da mesma idéia!!

    Acho muito louvável revisitar grandes sucessos, ainda mais conferindo o respeito que merecem no processo, só causa estranheza é não tentarem equilibrar um pouco a balança se arriscando com a criação de material inédito!!

    O que chama atenção é Hollywood se acomodar dessa forma!! Se bem que não saberia dizer se hoje estamos contado com criadores geniais ao ponto de oferecer belas ficções científicas que mereçam serem levadas a tela grande!! Sem uma história nova de peso não se pode pensar em um bom filme inédito!!

  • Sr. Madruga

    O futuro são os crossovers 😀

  • Soarez

    Perdi a paciência também!!!
    hahahaha como se eu tivesse alguma.

    O Orci mais uma vez é um pentelho, ‘Estamos fazendo a coisa no meio termo’ – ou melhor no termo DELE! Uma coisa morna, sem originalidade.
    Sinto muita falta de novidades nas histórias, mas é como disseram, Hollywood não quer arriscar-se.

    SE EU FIZESSE um REBOOT para Star Trek seria muito mais 2001/Wall-e/Cowboy Beebop e nada de Star Wars/Beverly Hills 90210…

    Eu pintaria o Spock de verde, faria do Sulu uma mulher – em homenagem ao Takei. Mostraria provavelmente alguma coisa das modificações genéticas que deram origem ao Khan! Continuaria com o mistério dos romulanos – se o Spock é verde eles poderiam ser mais Remans que outra coisa… mais teria que esperar o segundo filme!
    Acho até que mostrar a ADOLESCÊNCIA do Kirk tarado seria divertido, mas teria uma transição nada de ptaria! Talvez até fazer um Kirk junkie!Mostrar a vida dos civis no séc. XXIII Será que sem dinheiro as pessoas ainda trabalham??? E os países ainda existem, mas como se relacionam? Brasileiro ainda precisa de visto pra entrar nos Estados Unidos? Meu, tantas questões sem resposta…

  • Android

    “Encontro com Rama”! Por Deus do céu, onde foi parar esse projeto?

    “Fundação” deveria se tornar uma mini-série. Algo, talvez, com a qualidade HBO.

    Há um filme sendo produzido que aparenta potencial: “Moon”. Trata-se de um astronauta vivendo solitariamente numa base lunar. Aconselho visitarem o IMDB para maiores detalhes.

    Sobre refilmagens, coisa contra a qual não ofereço oposição, eu estou muito curioso para assistir Keanu “cara petrificada” Reeves em “O Dia em que a Terra Parou” e “Planeta Proibido”.

  • Cesar Adr

    Tomare que o Klatu não venha dizer algo que o Al Gore já alardeou pelos 4 cantos do mundo…

  • Hollander

    Na boa, quando vi o tópico, tinha entendido: SHATNER MORRE! 🙂

  • DOC_BR

    Ficção é um tipo de filme indigesto para a maioria das pessoas, para as mulheres nem se diga. Se vc conseguir arrastar uma mulher para ver ficção no cinema é pq ela realmente gosta de vc.
    A prova dos 9 é:
    Se ela conseguir fazer a mãe dela gostar de vc e vc fazer com que ela goste de ST, bem é 1/2 caminho andando para um casamento feliz.

    Por isso, nunca ST novo ou velho vai estourar como Homem aranha , Indiana Jones etc é um tipo de filme que possui um nicho específico.
    De verdade, se tem espaço no meio e nave espacial, já era, tem gente que não passa nem na porta.

  • RSRS – SHATNER NÃO MORRE!!!! ele está em NEXUS e seus ‘ECOS” ficam vindo sempre e sempre, quando algum morre. Ele é eterno, assim como as refilmagens de HOLLYWOOD

  • fabiofbg

    Concordo com o Verde, post 4.

    A história da Fundação + Elijah Baley seriam fantásticas no cinema!

    A grande saga de Daneel! :p

  • Post 12:
    “De verdade, se tem espaço no meio e nave espacial, já era, tem gente que não passa nem na porta.”

    Os bilhões faturados por Mr. Lucra$ com a franquia STAR WARS desmentem isso. Daí vão dizer “mas STAR WARS não é FC!”. Mas tem espaço e naves espaciais aos montes, portanto…

  • Leandro Martins

    E este negócio de não se querer classificar Star Wars de sci-fi é só uma tentativa besta de quererem dar um “verniz nobre” demais ao gênero. A “temática” de Star Wars pode não ser sci-fi, mas é evidente que a ambientação é, se passando em uma avançada sociedade tecnológica pesadamente industrializada.

    Aquilo que SW não faz é querer explicar demais seus elementos. Já a nossa franquia adora fazer isto de maneira exagerada — e por isto, não são raras as vezes que Jornada acaba falando besteira ao mesmo tempo que quer posar de boa da boca no tema.

    O papel de Jornada nas Estrelas é o de inspirar e motivar o exercício da pesquisa para o conhecimento, exploração do desconhecido, aplicação do método científico e todo este jazz. Mas o papel de ensinar e demonstrar fica em melhores cuidados de entidades realmente capacitadas para tanto.

  • João

    Além da possibilidade da criação de histórias originais (como Avatar, de James Cameron), tem muito material “pronto” para ser adaptado e que continua inédito no cinema ou TV.

    O problema, como já comentaram, é que as melhores histórias sci-fi normalmente não tem perfil de “blockbuster”. E para os grandes estúdios, isso é problema. A solução obviamente seria fazer filmes que não se encaixassem no modelo “Filmes de Verão”, mas aí como convencer um grande estúdio hollywoodiano a bancar uma produção cara (sci-fi bem feito normalmente exige alto investimento) sem muitas perspectivas de retorno?

    Só não concordo com o comentário que ficção-científica não tem muito apelo. Alguma das maiores bilheterias de todos os tempos são de filmes sci-fi.

  • OBSERVADOR

    Post 8: Soarez

    1 – Na realidade o ideal seria ver Spock na cor vermelha, considerando o ambiente Vulcano, e este era o desejo de Gene segundo comentários da Paramount na coleção de DVD de TOS.

    2 – Quanto a reboots e begins, creio que a falta de originalidade leva os produtores a recorrerem ao velho. Creio também que o fator financeiro pesa, pois produções em Sci-fi são demasiadamente dispendiosas para que produtores corram o risco de não possuirem retorno do capital investido, desta forma estes recorrem a franquias que já obtiveram sucesso readaptando-as totalmente as tecnologias que a industria cinematográfica dispoê no presente.

    3 – Realmente gostaria de ver muitas obras de Isaac Asimov nas telonas. Como já comentei antes à décadas que não temos algo realmente novo em matéria de Sci-fi, com exceção talvez de MATRIX.

  • OBSERVADOR

    Post 12: DOC_BR

    “A prova dos 9 é:
    Se ela conseguir fazer a mãe dela gostar de vc e vc fazer com que ela goste de ST, bem é 1/2 caminho andando para um casamento feliz.”

    Neste quesito concordo plenamente. Realmente Sci-fi é coisa mais para o sexo masculino, já podemos perceber isto fazendo uma análise de todos pseudonomes aqui postados neste site, a maioria tem denotação masculina. Fora a Mariana alguém lembra de outra?????
    Se eu quero conquistar minha gata, irei levá-la a para ver um romance, é suicidio levar para ver Sci-fi.

  • Todos têm aqui sua cota de razão.

    Mas pra falar a verdade, o que pesa mais no gênero Ficção Científica é a aparência extremamente alienígena INCÔMODA de alguns ambientes ou de uma limpeza e frieza quase estéril. E quando digo estéril, isso se reflete até na postura dos personagens, frios, distantes.

    Muitas das interações de víamos nas séries de tv não eram igualmente reproduzidas nas telas dos cinemas.

    E o que ajuda a determinar o sucesso maior ou menor de algumas franquias era a identificação de alguns personagens como HERÓIS ou não.

    Analisem por exemplo que o ator Chris Pine disse ter se inspirado em HAN SOLO ao invés de no próprio JAMES T. KIRK para comprar a “sua versão” do Capitão da Enterprise.

    Talvez não seja difícil entender o porquê. HAN SOLO surge no 1º filme de SW (o Episódio IV) como um pilantra e contrabandista, e cujo co-piloto e mecânico da nave Millennium Falcon é um “pé-grande”, cujo nome Chewbacca foi derivado da cadela CHEWIE do George Lucas. Vistos, por que não, (Han e Chwebacca) como sendo “um homem e seu fiel ‘cão’ pilotando um caminhão velho e sujo pelos confins da América”.

    Apesar de todas essas esquisitices e de seu caráter questionável, Han Solo passa de mercenário e interesseiro a Herói, torna-se um líder militar e, no final da SAGA ainda fica com a mocinha, aliás, uma princesa.

    Que pesem dizer “Mas SW é um fábula, cheia de alegorias e bobagens infantis”. Mas nada disso interessa quando se é, sobretudo, INTERESSANTE E CARISMÁTICO. Claro, fãs de ST têm o hábito de repudiar e escarnecer SW, mas ainda assim o inegável sucesso da saga SW é provado com o lançamento constante de TRÊS gibis mensais, vários livros por ano, sendo uns de estórias e outros de consulta. Foram os mais de CEM games, desde o console Atari até a recente série em Computação Gráfica, que, diga-se de passagem, está cada vez melhor.

    VIDA LONGA E PRÓSPERA!!! \\//_

  • Rekar

    Tem uma coisa que vocês não notaram, o público americano que vai aos cinemas está mais jovem. O Lucas tem lá as suas razões por faturar com a nova trilogia e expandir com mais duas séries, a garotada adora isso, me lembro de assistir ao makin-of de Matrix e Keanu Reaves falar, “A garotada vai adorar…”. Não acredito nesse argumento de que scifi é só pra entendido, acho que isso vale mais para o Brasil que tem essa triste sina de mercado de novela e cinemão favela-violência. Mas é, e será sempre o mercado americano o alvo dos estúdios de lá na hora de contar a bilheteria, o resto é o resto….

  • OBSERVADOR

    Vocês querem ver como ficção científica é para poucos:

    Quem aqui foi assistir “Sunshine-Alerta Solar”, na telona?????

    Fui assistir, se tinha 05 pessoas na sala era muito. O filme se não me falha a memória só ficou 02 semanas em cartaz na rede Cinemark. Nas locadoras sempre esta disponível para locação, e onde sou cadastrado somente tem 01 DVD. Achei o filme fantástico. Muito próximo de uma possível realidade futura.
    Como Rekar citou no Post21, muitos filmes de Sci-fi são feitos para o público americano e europeu, nós brasileiros devemos crescer muito.
    Uma outra pergunta, quantos aqui se interessaram e ligaram seus televisores na TV Cultura para acompanhar ao viso os lançamentos dos VLS brasileiros???
    Eu vi ao vivo o acidente. Acompanhei todo fiasco, inclusive as matérias envolvendo o último acidente.
    Me digam, quantos no Brasil se interessam com técnologia espacial????
    Poucos, muito poucos. Muito poucos se interessam com o programa espacial brasileiro, talvez por isso tenhamos poucos técnicos especializados.
    O baixo interesse brasileiro por Sci-fi é um reflexo do desprezo brasileiro por coisas relacionadas a ultima fronteira.

  • Leandro Martins

    Sunshine começa muito bem e se mantém assim até meados, mas o terceiro ato é simplesmente horrível, descarrilha o filme todo em uma montanha de FAIL.

  • Raul Mamoru

    E por falar em refilmagens e novas abordagens para filmes de Sci-Fi antigos, BLADE RUNNER está sendo sólidamente cogitado para render uma sequência.

    Vão ter que trabalhar muuuuuito para superar o da década de 80: Inestimável.

  • Mariana

    Então eu sou a minoria das minorias…pq pra eu “gamar” de verdade tem que me levar pra assistir Sci-fi, de preferência Star Trek…rsrsrs…a mulherada de hoje em dia está precisando se interessar mais pela fronteira final!

  • VERDE

    Nao podemos esquecer do HOMEM BICENTENÁRIO, até agora a única boa adaptaçao de estórias do Asimov, que ficou uma semana no cinema por aqui. Um filme ótimo que mescla ficçao, comédia, romance e que nao deram a mínima.
    Só para constar, alguns podem dizer que EU, ROBOT foi bom mas ele nao é uma estória legítima do Asimov, apenas concentra várias idéias de várias estórias e nao segue (de forma alguma) o livro homônimo do Asimov. Creio que o nome foi escolhido apenas para associar com o escritor, que é muito reverenciado nos EUA e Europa.

  • OBSERVADOR

    Voltando para ST, as TV´s pagas já estão começando a exibir a franquia novamente a medida que aproximamos da data de estréia de STXI. Este fim de semana o canal MEGAPIX exibiu “Primeiro Comando”.

  • OBSERVADOR

    Post 27:
    Onde se diz “Primeiro Comando”, lê-se Primeiro Contato.

  • Carlos

    “… na espera de que as pessoas que irão ao cinema queiram ir audaciosamente onde milhões e milhões já foram antes”…

    Esse pessoal que escreve artigo pra revistas e blogs e sites e tais adora tirar onda com frase idiota.

    Sobre o futuro da ficção científica: releituras e reinterpretações TAMBÉM são bem-vindas, mas não devem tirar o espaço do novo.

  • Junior

    A revista Empire divulgou uma lista dos 100 maiores personagens do cinema e adivinha só: Quantos de Star Trek estavam na lista? NENHUM, ZERO, NADA, nem Kirk, nem Spock, nem Data. O que é uma pena, pois a lista tem nomes bem legais e alguns nomes totalmente desconhecidos (pelo menos para mim). A reportagem abaixo não divulgou os critérios, nem quem elegeu a tal lista, mas vale pela curiosidade.
    Só pra provocar. Sabe quantos da franquia Star Wars? Nada menos que SEIS personagens, tornando-se a franquia/filme com o maior número da lista.

    http://cinema.cineclick.uol.com.br/noticias/index.php?id_noticia=21548

    Life Long and Prosper \\//_

  • VERDE

    Isso é protecionismo ….

  • VERDE

    Pelo menos citaram a Scarlet Ohara

  • OBSERVADOR

    Lamentável.

  • Carlos Tosh

    sem dúvida, um equívoco…

  • Cesar Adr

    Aproveitando o gancho do post 30, alguém ja viu algum filme de ST entre os 10 mais de alguma lista dos melhores da Ficção cientifica???

    O que ja vi foi ET e SW4 (que adoro e tem o seu valor para o cinema), na frente dos melhores filmes de ST… da onde que ET é mais scifi que o 1. filme de Jornada????!!!!

  • Grande porcaria de revista essa que nunca ouvi falar! Que importância isso tem? Esses senhores da verdade nem estão com essa bola toda, de uma grande nação que está com o pires na mão. Quá, quá, quá!!!

  • Verde

    Eu nunca vi lista de 10 melhores filmes de ficção, já vi lista de filmes de ficção, mas, claro, que para melhores de ficção se deve consultar os que gostam de ficção, pois se não vamos encontrar nomes como: WALL-E, UM LOUCO A SOLTA NO ESPAÇO E ETC…
    Que eu me lembre o único filme de sci-fi indicado ao Oscar foi ALIEN 2, e nem achei que merecesse.

    Ralph
    Que tal uma enquete desse tipo no TB?

  • Cesar Adr

    Verde, me expressei mal, eu quis dizer estar no top 10 da lista.

  • VERDE

    Neste caso é difícil, pois a maioria nao gosta de sci-fi e existem muitos filmes bons relaizados, dificultando que estejam na lista de 10 mais. Mas numa pesquisa sobre seriados realizada entre os associados da 2001 VIDEO, TOS E TNG entraram na lista.

  • Pingback: Shatner, Moore, Orci, Abrams e o futuro da ficção « Startrekbr’s Weblog()

  • Victoria Araujo

    Novos fãs existem então que venham os novos filmes e que os “puristas” não atormentem demais…

    Citaram Cowboy Bebop…um clássico em si que mereceria uma versão com atores reais e produção de gente grande, seja em uma série ou em alguns filmes…alias Ficção Cientifica japonesa tem dado bons frutos como Kurau – Phantom Memory e os livros de Seikai no Monshou (Crest of the Stars), que viraram mangá e depois série..entre várias outras… é interessante procurar fora do nixo de Hollywood e caçar os tesouros que ainda estão enterrados, apenas esperando.

    E mulheres gostam de Sci-Fi sim…hehe