Orci responde a mais perguntas sobre o filme

roberto-orci-1Tem havido uma série de novidades sobre o novo Jornada nas Estrelas ao longo das últimas semanas. O site TrekMovie conseguiu uma entrevista com o roteirista, Roberto Orci,  que falou sobre esses acontecimentos recentes, incluindo respostas a algumas perguntas sobre o filme. Veja abaixo a parte 1 dessa longa entrevista. Pequenos spoilers.

TrekMovie: Novembro foi um grande mês para o filme, começando com o trailer e previews. Qual é a sensação que passou com essa abertura, após um período tão longo de segredos?

Orci: “Foi embaraçoso para mim e o Alex (Kurtzman), porque nós estávamos muito habituados a ficarmos calados sobre isso. Mesmo sendo um trailer oficial quase ficamos em pânico. Somos como cães de rua que vivem agora em uma bela casa, não estávamos habituados”.

TrekMovie: Qual é a sensação que passou por vocês sobre a forma como as coisas foram lançadas nos principais meios de comunicação?

Orci: “Acho que todos nós ficamos muito encorajados e agradecidos, porque parece que o trailer obteve uma boa recepção. As pessoas que não sabiam sobre Jornada, realmente tomaram conhecimento dela e pareceu criar a impressão de que isso será uma coisa nova”.

TrekMovie: Durante a apresentação de parte do filme em outros países, Abrams fez questão de afirmar que ” não era um fã de Jornada” e ” que este filme não está sendo feito para os fãs”. Algumas pessoas têm reagido a isso perguntando se realmente este filme não é para o antigo fandom. Qual a sua opinião?

Orci: “Acho que isso está apenas refletindo o que ele disse de si mesmo – que ele não imaginava dirigir este filme – Quando ele diz que não era fã, claro que ele estava ciente de Jornada, não estava fazendo cena, ele a admirava, junto com Twilight Zone (Além da Imaginação) e algumas outras séries que ele realmente gosta. Mas acredito que Abrams nunca se imaginou, ao longo de um ano de sua vida, se dedicando a Jornada e isso é o que quis dizer. Creio que essas citações refletem o quanto ele ficou surpreso ao perceber que passou a amá-la ainda mais. Ele passou por esse processo sem saber disso, assim como todos nós fãs, e partindo de uma perspectiva mais geral do público, também pode ser com qualquer um. Isso é o que ele quis dizer com “não para os fãs”, ele acredita que vai atrair mais do que apenas fãs e eu certamente não acho que signifique excluí-los”.

riker-kilngon“Podemos comparar com o que aconteceu em A Nova Geração. Como fãs, quando J.J. está dizendo coisas que causam uma sensação estranha aos nossos ouvidos, nós imaginamos ele como Riker no episódio  “Questão de Honra“, onde tinha de ser o primeiro oficial a bordo de uma nave klingon, pelo programa de intercâmbio. Nesta nave, quando alguém responde com ousadia, você tem de derrubá-lo ou perderá o respeito de sua tripulação, que é o protocolo deles, enquanto que em uma nave da Federação seria um crime. Então, nós temos que dar um pouco de espaço de manobra para J. J., quando ele está viajando na galáxia, onde as pessoas não conhecem Jornada, para dizer coisas que precisam de ser ditas, a fim de levar as pessoas para o nosso lado”.

TrekMovie: O que foi apresentado neste último mês respondeu a algumas perguntas dos fãs sobre o filme, mas também levantou outras questões. A primeira das quais surgiu recentemente, e está relacionada com o capitão Robau, revelado no site da Intel. Poderia falar sobre quem ele é e qual é o seu passado?

kelvin-robau-1Orci: “Como você sabe, a USS Kelvin é chamada assim, não só em homenagem ao cientista da escala de temperatura, mas também ao avô de Abrams. E que o capitão da nave, Richard Robau, tem o nome de meu tio, que nasceu em Cuba. Uma das coisas que falamos no início era, onde Uhura nasceu? Sulu têm de ser japonês? E isso nos ocorreu porque, no futuro, as fronteiras que existem agora não vão existir mais. Então, você pode ter nascido em algum lugar, crescido em outro, e vivido em outro, e as vezes fora da Terra. Então, eu imaginei que o capitão Robau nasceu em Cuba, mas depois cresceu no Oriente-Médio”.

TrekMovie: Com relação a esse site Intel. Você e sua equipe estão fornecendo o conteúdo para o site?

Orci: “Sim”.

TrekMovie: Então, nós devemos considerar este site cânon? Por exemplo, tudo isso que você descreveu não está no filme, correto?

Orci: “Exato. Acho até que isso poderia estar em um filme ou uma série, falando tecnicamente, não é mesmo? Eu teria que verificar com o resto da Suprema Corte (apelido da equipe de Abrams), mas gostaria de pensar que tudo o que é considerado um website promocional não é cânon”.

TrekMovie: Quanto ao comic book prequel “Star Trek: Countdown“, ele é ou não considerado cânon? Não é uma coisa promocional?

Orci: “Eu não acho que é para eu decidir isso. Como você sabe, eu considero que alguns dos livros se revestem de caráter canônico. E alguns deles, situados entre os filmes, eventualmente, são até mesmo possíveis candidatos à cânon, até que algum outro filme venha e torne essas coisas escritas impossíveis. Essa é a minha opinião pessoal, mas não irei declarar se esses quadrinhos são cânon”.

TrekMovie: Quem toma essa decisão?

Orci: “Não sei, penso que será um voto majoritário”.

TrekMovie: Falando de “Countdown”, a série tem lugar antes ou depois de Star Trek Nemesis?

Orci: “Após”.

TrekMovie: Sobre a Enterprise sendo construída em Iowa. Você está surpreso que isso tenha causado tanta polêmica entre os fãs?

enterprise-no-estaleiroOrci: “Não, de forma alguma. Desde o minuto que nós vimos a fotografia de um fã com a Enterprise sendo construída no estaleiro de um navio – nós mostramos isso a J.J. como uma maneira de deixá-lo animado e mostrar-lhe 0 quanto fundamentada Jornada poderia estar, literalmente [risos]. E ele realmente captou essa imagem. Nós mostramos a ele, com a ressalva de que se fôssemos por esse caminho haveria alguma reação forte dos fãs, mas pensávamos que poderíamos justificá-la”.

TrekMovie: E você tem alguma razão pela qual a nave está sendo construída em Riverside, Iowa, ao invés de São Francisco.

Orci: “Sim”.

TrekMovie: O policial do trailer é um robô ou um cara com máscara?

Orci: “Na minha opinião, existe uma pessoa debaixo dela. Mas não há nada no filme que diga de uma maneira ou de outra. Mas, na leitura de alguns pensamentos de Roddenberry e dissertações sobre Jornada, sempre houve uma hesitação em negar o espírito humano e negar o lado humano do mesmo. Existe uma pequena parte de mim que pensa que um andróide policial seria contra os instintos de Roddenberry. No entanto, o Sr. Data é claramente uma figura central cânon na série, assim você pode argumentar isso. Eu não acho que haja nada no filme que comprometa de uma maneira ou de outra. Gosto não se discute”.

alnschlossTrekMovie: Com relação ao alienígena agente de segurança da Kelvin, Alnschloss K’Bentayr, é um personagem de alguma forma relacionado a Arex da Série Animada?

Orci: “Não em nossas mentes, mas possivelmente na do designer. Você teria de perguntar ao designer”.

TrekMovie: Como foi feito esse personagem? Por meio de maquilagem e protéticos ou CGI?

Orci: “Um pouco dos dois, principalmente maquilagem e protético. Este particular alien estava realmente sentado no set. J. J. queria a coisa tão real quanto possível, o que não é típico para este tipo de filme nos dias de hoje”.

TrekMovie: Falando de alienígenas, alguns fãs acham que não deveríamos ver nenhum novo alien que não fosse os da Série Original, e alguns ainda pensam que é tradição de Jornada manter a testa de látex para os alienígenas e que eles deveriam continuar sendo antropomórficos (formato humano). Ter aliens do tipo de Guerra nas Estrelas romperia com a tradição da franquia?

Orci: “Pela primeira pergunta, eu uso o mesmo argumento que alguns usam para justificar o reconhecimento de Chekov por Khan (Jornada II: A Ira de Khan), que é: se você fosse para um andar inferior (da nave), na primeira temporada, você poderia ter visto Chekov. Portanto, a idéia é de que não se pode ver um novo alienígena simplesmente por girar a câmera para algum outro lugar da nave que talvez você tenha visto antes. Eu acho que é justo ver um novo alien. Quanto ao segundo ponto, nós realmente tivemos esta conversa, onde um dos divertidos alienígenas, e eu acho que lemos no livro “Primeira D iretiva”, era uma criatura em forma de polvo, que não era claramente antropomórfica. Nós conversamos sobre fazer algo como isso, alguns estranhas criaturas, e creio que ele puxou um pouquinho para esse ponto. Eu não acho que qualquer um deles possa ir muito longe dessa área, mas era algo em nossas mentes. Não acho que tenha de haver uma tradição para mantê-las antropomórficas, mas não creio que se desvie demasiado disso”.

TrekMovie: Embora no trailer tenhamos visto quatro Spocks, as cenas referiam-se mais sobre a vida de Kirk (Pine). Isso é que veremos no filme ou vamos ver um lógico Spock também?

Orci: “Absolutamente. O filme é para ambos. Houve alguma preocupação anteriormente sobre o filme ser muito centrado em Spock e que iríamos ignorar totalmente Kirk, e como você lembrou temos quatro Spocks. Lá não vai ter qualquer escassez de Spock, nem qualquer escassez do clássico Spock. Claramente algumas das coisas que você está vendo no trailer são alguns dos momentos mais extremos no filme”.

TrekMovie: A capa da revista Drudge Report apresenta como título “Spock fica violento!”. Foi esse o tipo de plano, de escolher os momentos loucos de Spock para que as pessoas pensem que esse é diferente?

Orci: Eu não acho que dissemos que iria chegar nesse grau. Não partirmos do princípio que uma audiência vai achar particularmente pró-ativo ou incoerente, mas aparentemente, como salientou, existe muito mais escondido lá fora. Então, creio que há um elemento de querer fazer você sentir algo que não esperava. Ver por um diferente lado do mesmo e não exatamente ser capaz de captá-lo, do tipo – “Oh, eu não acho que este seja um filme sci-fi, ele começa com um Corvette ou com a nave sendo construída na terra” . Então, certamente, em um trailer, você deseja buscar alguns momentos mais agressivos”.

TrekMovie: J. J. Abrams e você falaram que o filme irá ser ‘real’.Você sente que está correndo o risco, quando o objetivo é levar a sério, que com muito humor o filme possa ser entendido como uma paródia?

Orci: “Acho que não vai ser percebido como paródia. Não estou preocupado com isso. Creio que há uma diferença entre as palavras ‘real’ e ‘sério’. Acho que o filme pode ter a sensação de real, de uma forma que nunca vimos antes, e ter o humor ainda coerente com isso. Humor foi sempre uma parte de Jornada, e portanto, tínhamos de ter certeza de que ele foi representado, de alguma maneira. Mas não creio que real e sério sejam a mesma coisa”.

TrekMovie: O humor é parte de um recurso para atrair um público maior e possivelmente um público mais jovem?

Orci: “Eu não penso assim. O humor neste filme está tentando ser específico para cada personagem. Não estamos tentando fazer o que alguns fãs nos acusaram fazer em Transformers. Acho que o humor não vai para esses lugares. Acredito que o humor é muito mais baseado no que os personagens são”.

TrekMovie: J.J. falou um pouco sobre as possíveis sequências do filme. Você disse que a Paramount queria você já fixado nisso. Então, eles já te liberaram ou não se manifestaram ainda?

Orci: “Não estamos falando ainda sobre isso. É muito difícil falar sobre esse assunto antes mesmo de terminar o primeiro filme. Consideramos que é má sorte fixar em algo antes de terminar tudo”.

TrekMovie: Sobre a edição do filme, em que ponto está do seu fim? Não será em meados de Dezembro, a meta para terminá-lo?

Orci: “Estamos ainda na mixagem do som. Essa ainda é a meta, mas poderemos acabar juntamente com o som. O som é realmente difícil, porque você quer que ele seja de ponta e é complicado”.

TrekMovie: Você tem uma uma versão quase terminada do filme, do começo ao fim?

Orci: “Não, eu vi uma versão mais antiga sem praticamente nenhum efeito, mas ainda assim o filme todo. Assim, eu venho assistindo as seqüências aqui e ali, mas tenho tentado me guardar dessa experiência tanto quanto eu posso realmente e tentar vê-lo em sua forma final, antes que eu o veja muitas vezes”.

A segunda parte dessa entrevista será mostrada em breve.

Fonte: TrekMovie

35 Comments on "Orci responde a mais perguntas sobre o filme"

  1. “Eu não vejo assim” “Não é bem por aí””Era uma coisa mas agora é outra” Essa gente não sai de cima do muro MESMO!

    O meu maior desafeto – depois do design da Kelvin – é a tal sequência das reações alérgicas do Kirk! Não consigo conceber essa cena como engraçada! Palhaçada é uma coisa, humor em Star Trek sempre foi no diálogo, subliminar. Torta na cara é engraçado? Eu acho pedante, de mal gosto…

  2. EVASIVAS, EVASIVAS, EVASIVAS…..sempre EVASIVAS as respostas de todos os envolvidos na produção. Nada conclusivo, isto será assim até o lançamento do filme. Temos de ter infinita paciênia e aguardar a boa vontade de JJ & CIA em nos brindar com MIGALHAS de informções e mais respostas EVASIVAS.

  3. Henrique Hübner | 13 de dezembro de 2008 at 8:28 am |

    O barato de tudo é o sujeito vir com com a ladainha do cânone de jornada… caramba… foi tudo pro espaço, cânone é o escambáu!

    Ahhh… a muito tempo atrás eu me manifestei aqui que a construção da Enterprise em terra era uma homenagem à fotomontagem que é mostrada acima… e o trekbrasilis não acreditou… rs…

  4. FATOS e FIASCOS

    1 – Até que em fim vamos ter um capitão xiita na frota.
    2 – Eu teria que verificar com o resto da Suprema Corte (apelido da equipe de Abrams)
    Por acaso ST virou um tribunal. Se assim for o digníssimo e meretíssimo senhor doutor J.J. já publicou a sentença de condenação aos fãs, por descartá-los na elaboração de STXI.
    3 – Após Nemesis, fato. Muito após Nemesis, incógnita.
    4 – Desde o minuto que nós vimos a fotografia de um fã com a Enterprise sendo construída no estaleiro de um navio – nós mostramos isso a J.J. como uma maneira de deixá-lo animado e mostrar-lhe o quanto fundamentada Jornada poderia estar, literalmente [risos]. E ele realmente captou essa imagem. Nós mostramos a ele, com a ressalva de que se fôssemos por esse caminho haveria alguma reação forte dos fãs, mas pensávamos que poderíamos justificá-la
    A justificativa já foi dada, tudo não se passou de uma mera BRINCADEIRA. E eu pensando que era por causa da alteração da linha do tempo, de uma possível ameaça, de um universo mais sombrio, etc… Quanta perda de tempo a minha, quantos neurônios não gastei tentando vislumbrar por qual motivo a Enterprise estava sendo construída em terra.
    🙁

    Ass. Hezbollah nas Estrelas.
    😡
    😡

  5. Adorei o post 4
    Vejo que vai ser dificil eu sair de casa pra pagar ingresso disso aí.
    Temo que eles usem as tirinhas de humor do trekbrasilis para fazer parte de seu sagrado canon.

  6. Realmente não consegui entender o que tem de errado nessa entrevista em específico. O.o

    Aliás, se é pós-Nemesis, é o B-4 na capa, como eu previa! 😛

    M’Y

  7. Bem acompanho este site ha muito tempo e sempre gostei muito de jornada, tendo gravado em betamax varios episodios quando ele foi reexibido. Pensando na construcao da enterprise no solo, me ocorreu que a federacao, dominando a gravidade artificial, poderia gerar um campo de antigravidade para a construcao das naves. Me parece muito mais coerente do que dotar cada operario de trajes EVA e treinamento especifico, e onde o trabalho seria muito mais lento e perigoso que na atmosfera terrestre.

  8. O problema não é construir a Enterprise em Iowa ou San Francisco, mas fazê-la como se um fosse um navio….não tem fundamento. ela teri ade ser construída em órbita. Além do mais, nas ( infelizes) cenas do trailer, ela tá se equilibrando como ? Cadê as estruturas laterais, do estaleiro ? Sem sentido…que ficção cientîfica é essa ??

  9. Leandro Martins | 13 de dezembro de 2008 at 3:17 pm |

    Exatamente, Maurício — FICÇÃO científica. Um tipo de obra onde conveniência de roteiro sempre tem preferência sobre precisão científica. Jornada não é, e nem nunca foi, diferente. Não importa com qual equipe criativa tenha sido.

  10. Perceberão o erro de dar um papel latino (do captão Robau) para um ator de origem arabe e agora veem com uma desculpa não só esfarrapada, mas também mostrando que estão fazendo costura em tudo para tapar todos os furos.

  11. Nossa….
    o cara ta preocupado com as estruturas laterais que seguram a nave….Deus que me livre.

    Galerinha que não gosta…faça o seguinte:
    SIMPLESMENTE NÃO ASSISTAM!!!! Fiquem revendo mais de 700 episódios e procurem por erros de continuidade, vejam se não aparece um microfone na cena e etc. Criem na cabeça cenários da história…façam vcs a jornada de vcs……..

    O filme vai ser do caramba….e tenho certeza que os FÃNATICOS de plantão vão se deliciar , claro que sem dar o braço a torcer.

    Tomara que depois desse filme surja algo novo. Estou cansado de reprises.

    Abraços a todos.

  12. Pelo menos ele parece estar recebendo as noticias do fandom e esta preocupado com as repercuções. Mas umas informações a mais da nova enterprise também poderiam ter saido.

    Para quem acha as naves (e principalmente a Enterprise) os principais perssonagens de Star Trek aqui vai um dos melhores sites de ST, especialisado em naves e bases estelares:

    http://www.ditl.org

    É muito detalhado, cheio de fotos e se houve uma nave ou base que não estiver lá só se for as do novo filme.

  13. Então, creio que há um elemento de querer fazer você sentir algo que não esperava. Ver por um diferente lado do mesmo e não exatamente ser capaz de captá-lo, do tipo – “Oh, eu não acho que este seja um filme sci-fi, ele começa com um Corvette ou com a nave sendo construída na terra”.

    É isso ai! Jornada afundou uma vez e os “fãs” não fizeram NADA. Queriam para a franquia um enterro Viking. JJ Abrams está é perdendo seu tempo tentando agradar esses”fãs”. Para qualquer direção que vá, ele será linchado.

    Ele deveria largar mãos dessas homenagens, chutar o balde e ficar totalmente livre para fazer o filme do jeito que ele quissesse e que fosse ainda mais radical que a reformulação de BSG. Perderia muitos “fãs”? Seria a melhor coisa para a franquia.

  14. “Podemos comparar com o que aconteceu em A Nova Geração. Como fãs, quando J.J. está dizendo coisas que causam uma sensação estranha aos nossos ouvidos, nós imaginamos ele como Riker no episódio “Questão de Honra“, onde tinha de ser o primeiro oficial a bordo de uma nave klingon, pelo programa de intercâmbio. Nesta nave, quando alguém responde com ousadia, você tem de derrubá-lo ou perderá o respeito de sua tripulação, que é o protocolo deles, enquanto que em uma nave da Federação seria um crime. Então, nós temos que dar um pouco de espaço de manobra para J. J., quando ele está viajando na galáxia, onde as pessoas não conhecem Jornada, para dizer coisas que precisam de ser ditas, a fim de levar as pessoas para o nosso lado”.

    Ele só errou em um ponto, está na cara que hoje são os “fãs” que fazem o papel dos Klingons.

  15. Tanto o J.J. qto a Paramount nao estao nem ai com as críticas, eles querem é publico, indiferentes se sejam trekkers ou simplesmente cinéfilos, contanto que paguem o ingresso.
    Portanto, discutir sobre isso nao vai mudar nada.

  16. Alvaro Monteiro | 14 de dezembro de 2008 at 7:28 am |

    Não se esqueçam que na terceira temporada de ENTERPRISE dois tipos de Xindi eram bem diferentes dos padroes de Jornada, os Aquaticos e e aquele que parecia um “formigão”.hehe

  17. Perceberam o erro de dar um papel latino (do captão Robau) para um ator de origem árabe e agora veem com uma desculpa não só esfarrapada, mas também mostrando que estão fazendo costura em tudo para tapar todos os furos. X2

  18. Eu não sei o que é pior,
    Procurar justificativa em tudo que esses caras inventaram, modificaram ca e and… Porque como disseram acima, já era, tá feito e acabou…
    AINDA acreditar que esse filme será bom, sem nenhuma prova concreta “Gente, vamos ter fé!!!”…
    Ou o desapego absoluto! “Não vou ver esse filme e pronto”…
    Vou ver sim, e vou falar MUITOS HORRRORRRES quando assistir Hahahahaha! Porque eu sou TREKKER E NÃO PERDÔO!!!

  19. Aliás acho que o negócio é fazer como o tio GL, só mexe no meu brinquedo se eu deixar! Já pensou se resolvem fazer Episode VII SEM EWOKS????

  20. cesar antonio r martins | 14 de dezembro de 2008 at 11:00 am |

    Posts 13 e 14 acima, do Sr. Ricardo:

    Das falas que se podem acusar de “radicais” e “xiitas”, estas, dos posts 13 e 14, literalmente o são, tanto radicais quanto xiitas.

    1 – “… os “fãs” … Queriam para a franquia um enterro Viking.”

    2 – “JJ Abrams está é perdendo seu tempo tentando agradar esses”fãs”. Para qualquer direção que vá, ele será linchado.”

    3 – “Ele deveria largar mãos dessas homenagens, … Perderia muitos “fãs”? Seria a melhor coisa para a franquia.”

    4 – “Ele só errou em um ponto, está na cara que hoje são os “fãs” que fazem o papel dos Klingons.”

    Tenho lido as opiniões de todos os trekkers antigos que aqui as tem postado. Todos eles tem dado a sua opinião e não lembro de ter lido generalizações, apenas opiniões pessoais. Mesmo quem escreveu que não assistiria o filme, escreveu por conta da opinião própria e não conclamando ninguém ou multidões para “boicotar” nada.

    Parecem-me estar alguns usuários TB mais incomodados que o próprio J.J. com o opinário ao respeito de tudo. Estes sim, parecem muito à vontade com o manuseio de fogueiras na resolução dos problemas por eles reconhecidos. A estes sim, cabem os epítetos em epígrafe.

    Respeitar os mais antigos é conditio sine qua non à boa convivência.

    A-koo-che-moya, Gene …

  21. Gostaria de responder ao POST 20 do colega cesar, onde fui citado nominalmente.

    Tenho lido as opiniões de todos os trekkers antigos que aqui as tem postado. Todos eles tem dado a sua opinião e não lembro de ter lido generalizações, apenas opiniões pessoais.

    Concordo plenamente. Também não fiz nenhuma generalização. Explico: quando uso o termo “fãs” com duplas me refiro à minoria que age como a personagem Annie Wilkes, a enfermeira do livro “Misery” do Stephen King. Ela é a “fã” do autor que está na sua casa sob seus cuidados, depois de ter sido atropelado. Quando descobre que esse autor tem a intenção de “matar” a personagem principal no fim do livro, fica furiosa, amputa a perna esquerda dele de modo a não poder escapar, corta a medicação da qual ele está dependente e força-o a reescrever o livro.

    Parecem-me estar alguns usuários TB mais incomodados que o próprio J.J. com o opinário ao respeito de tudo…

    O que de fato me incomoda é o tom desrespeitoso tomado contra profissionais e artistas aqui nesse fórum. Não acho que se referir ao novo diretor do filme por $$J$$J$$ Abram$ seja respeitoso, a não ser que estejam se referindo ao sucesso dele. Existem, acredite, fãs (sem ) de Alias, Felicity, Lost, MI3 e Cloverfield que se sentem ofendidos com esse tipo de colocação. Por que ele têm que ser atacado dessa maneira? Só porque é o criador de outra franquia e veio para ST? Quer coisa mais “Questão de Honra“ do que isso?

    Respeitar os mais antigos é conditio sine qua non à boa convivência.

    Concordo, tanto que respeito todas as opiniões escritas nesse fórum. Se não as respeitasse não perderia meu tempo postando aqui. Isso não significa que devo aplaudir todas. Não vou me conformar quando chamam Nimoy de “picareta mercenário” e a Majel de “perua” só porque apoiam ou participam de STXI.

    Acredito que o respeito deva sempre ser mutuo. Seja para os fãs de ST, seja para os fãs de outras franquias, seja para os mais antigos quanto para os mais novos, muitas vezes chamados aqui de “mulecada desmiolada dos dias de hoje.” Ser “mais antigo” não dá o direito a alguém sentar na melhor poltrona da sala e fazer considerações desse tipo, coisas como essas não merecem sequer ser usadas com epígrafe.

  22. Corrigindo:

    Ser “mais antigo” não dá o direito a alguém sentar na melhor poltrona da sala e fazer considerações desse tipo. Coisas como essas não merecem sequer ser usadas COMO epígrafe.

  23. Leandro Martins | 14 de dezembro de 2008 at 3:22 pm |

    Opinião pode ser respeitada quando realmente é isto, e não quando é mero pitaco sem embasamento, sem argumentação que sustente e sem conhecimento do que se fala. Infelizmente, isto é coisa que ocorre muito mais vezes do que seria aceitável.

    Já sobre a questão “No Meu Tempo Que Era Bom”, toda geração adooooora traçar a linha entre o erudito e o popular onde bem entende. Quem hoje quer estabelecer Jornada como o “Pilar da Civilização Ocidental” são aqueles que se ofendiam quando a geração anterior colocava Jornada do lado errado da linha na época que foi lançada.

    E “Pilar da Civilização Ocidental” que não é, também é bom lembrar. Perto de inúmeras outras obras de peso já feitas em muitas outras mídias, Jornada como um todo empalidece — seja a versão original, seja as subsequentes, seja a do JJ. É apenas uma série de TV. Uma ótima série de TV, sem dúvida. Mas não mais do que isto.

  24. Jorge Rodrigues | 14 de dezembro de 2008 at 6:41 pm |

    Não creio que o próprio J$J$ se sinta desrespeitado por ser vinculado a dinheiro. Simplesmente é minha opinião que se trata de um diretor medíocre – embora produtor razoável, e é preciso que se saiba a diferença entre um e outro para entender – cuja carreira demonstra uma preocupação primeira com DINHEIRO, assim como o aqui mencionado George Lucas, em tudo o que realizou desde o SW original, de 1977.

    Sobre o “choque de gerações”, TOS, TAS e TNG são impregnados de valores dos anos 60, infelizmente menos recorrentes em DS9 e Voyager, mas que retornam com força a partir da 3a temporada de ENT. Isso, no entanto, não nos dá o direito (refiro-me aos que, como eu, sabem o que foi “National Kid”, “Esquadrão Fantasma” e Mandiopã) de tratar as gerações mais novas como lesadas. Me desculpem, mas acho que tanto parte dos que criticam o filme, como eu, como parte dos que o defendem com unhas e dentes, apesar de tudo (podemos falar em misoneístas filoneístas – rs) cometeram esse equívoco.

    Achar que a garotada Ipod e Wii é fútil e desprovida de conteúdo, e por conta disto somente lhes ofertar produções culturais fúteis e desprovidas de conteúdo é escrever uma profecia que se auto-realiza.

  25. Srs
    Algumas coisas aqui me lembram futebol, daqui a pouco estaremos decidindo as controvérsias no tapa.
    Acho que discutir opinioes é aumentar conhecimento e abrir a mente para novas idéias, contanto que nao baixemos o nível.
    LIVE LONG AND PROSPER a todos.

  26. cesar antonio r martins | 14 de dezembro de 2008 at 10:33 pm |

    Post 25, do amigo VERDE:

    “… Algumas coisas aqui me lembram futebol, daqui a pouco estaremos decidindo as controvérsias no tapa. …”

    Menos, VERDE, menos.
    Caaaaalma!

    Post 21, do colega Ricardo:

    Considere-se explicado.

    Um grande abraço.

    A-koo-che-moya, Gene …

  27. Post 7: Kaneda
    Pensando na construcao da enterprise no solo, me ocorreu que a federacao, dominando a gravidade artificial, poderia gerar um campo de antigravidade para a construcao das naves. Me parece muito mais coerente do que dotar cada operario de trajes EVA e treinamento especifico, e onde o trabalho seria muito mais lento e perigoso que na atmosfera terrestre.

    Tu esqueceste que os protótipos e a própria NX-01 foram construídos em uma doca espacial, orbitando a Terra com toda tecnologia já disponivel cerca de 102 anos antes da NCC-1701. Somente não faziam utilização do teletransporte o qual estava começando a ser implantado.
    😉

  28. Sem falar que muitos dos equipamentos deviam ter sido manufaturados em outros planetas, afinal é uma nave da federação, a tecnologia não é só da Terra. Portanto, descer para depois subir é uma burrice danada.
    Jogar fora a tecnologia e esforço de se fabricar algo no espaço não me parece ser inteligente também. Mas como a matéria disse, eles se basearam na foto…. uma piada, alias típica de kevin smith, tem gente que odeia ST, esse cara é um deles.

  29. O negócio é esperar!!!
    Mas um novo trailer poderia vir logo né?

  30. Sobre a Enterprise ser construída no chão.

    Será uma homenagem a Leiji Matsumoto:
    A Enterprise vai decolar da mesma forma que o Utyuu Senkan Yamato. Uma cena arrebatadora.
    “Entapuraisu, HASSHIN!!!!!!!

    hehehe…

  31. Não tem tendo nenhuma votande de ler as notícias.

    Sério mesmo. Cadê as fotos da Enterprise??? 🙁

  32. Post 30: Raul Mamoru

    Não ela vai decolar igualzinho o avião dos pinguins em “Madagascar2” a cena foi fantástica, não parei de rir, me lembrei da ENTERPRISE quando for ser lançada para o espaço. Quem sabe não tem um pinguiniano na ponte que fará uso de um pouco de originalidade e um elástico gigantesco e base duranolátex para fazer e famosa astronave saltar para órbita.
    😆

  33. Claaaaro, pois a equipe de produção tem a frente um real problema de engenharia — não é como se a construção da Enterprise fosse algo fantasioso o qual eles poderiam dar a conveniente solução tecnobáblica que bem entend… oh, não, peraí. Eles podem.

  34. Continuando post 32

    COM DIREITO A PIRUETA E TUDO MAIS

  35. POST 33

    Leandro, com certeza em 2009 teremos vários artigos científicos na Nature e na Science de pesquisadores SÉRIOS tentando resolver esse intrincado problema de física para acalmar a comunidade dos “fãs” irados com mais esse ato de violência contra o cânon.

    Nobel ou IgNobel?

    Arriscas?

Leave a comment

Your email address will not be published.


*