Fase II: 03 – The Savage Sindrome

Este artigo faz parte de uma coletânea que trata dos episódios de Star Trek Phase II, a série que nunca existiu.

Sinopse:

Decker, Ilia e McCoy investigam uma nave que está em órbita de um planeta desabitado. Ao abordar a nave, eles descobrem que a tripulação se matou de uma maneira brutal e selvagem. Mas como?

Enquanto isso, uma mina espacial detona próximo a Enterprise, liberando uma energia que ataca os impulsos neurais da tripulação transformado-os em selvagens. Decker, McCoy e Ilia retornam para a nave e tentam neutralizar e reverter os efeitos antes que a nave seja destruída.

Trivia:

“Gene Roddenberry estava bem próximo dessa série. Alf e eu fomos até ele com três histórias e no final ‘The Savage Syndrome’ a que ele mais gostou, pois estava procurando histórias de Jornada que [na época] eram bem diferentes”, conta Margaret Armen.

Margaret Armen também escreveu os episódios da Série Clássica “The Gamesters of Triskelion” e “The Paradise Sydrome”, e o roteiro de “The Cloudminders”, baseado em uma história de David Gerrold e Oliver Crawford.

Escrito por Margaret Armen & Alf Harris

Artigo originalmente publicado no conteúdo clássico do Trek Brasilis em 2002.

3 Comments on "Fase II: 03 – The Savage Sindrome"

  1. Se algumas pessoas acham que essa série Fase II deveria fazer parte do cannon (mesmo ele sendo assassinado atualmente), podem ficar tranquilos, pois as boas histórias que ela não contou foram ou serãocontados em outras outras sériesda franquia. Mesmo sendo este roteiro mais um futuro integrante do futuro Box de Blue-Ray “SYNDROME”.

  2. Mais uma variação de NAKED TIME, só que com o lado selvagem liberado. Pelo que vi das sinopses dos episódios, este seriam muito ruins, com premissas baseadas em histórias já contadas.
    Acho que por isto a PARAMOUNT, desistiu da FASE II, como já descrito aqui. O próprio filme do cinema espelha esta reciclagem de idéias. Nã perdemos nada de relevante ou contribuinte a TOS

  3. Também achei essa sinopse mais do mesmo. O que não quer dizer que pudesse se tornar um bom episódio com um roteiro que explorasse facetas diferentes do Naked Time.

    Essa estrutura de a história se repetir é outro clichê narrativo, e que até nem restringue a ficçao científica. Sempre a nave/tripulação anterior foi ingênua ou incapaz de achar uma solução a tempo, mas os heróis da série, passam por todo o mesmo martírio e no finalzinho encontram o detalhe salvador.

    Como comparação de episódios assim temos o Booby Trap (3×06) da TNG, onde no fim o Picard pilota com suas próprias mãos a Enterprise para sair da armadilha. É até um episódio centrado no La Forge mas o Picard é que dá o pulo do gato no final. Na minha opinião foi um episódio muito bom e passou por cima do clichê inicial.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*