Pine e Quinto falam sobre Kirk e Spock

quinto-pineWall Street Journal publicou uma matéria referente ao novo filme de Jornada nas Estrelas, onde conversou com os atores Chris Pine (Kirk) e Zachary Quinto (Spock). Nas entrevistas eles discutem sobre a abordagem para os papéis e a diferença entre os seus personagens e os originais.

Chris Pine

J.J. Abrams disse que o filme é para os futuros fãs, não necessariamente para os veteranos. O que é que ele está fazendo para reviver a história que poderia amedrontar os fãs?

Pine: “Eu não sou bem versado no cânon de Jornada, mas estamos aventurando em território que foi apenas coberto por estes romances paperback (livros de capa mole). E definitivamente não vai agradar a todos. Há uma cena em que meu personagem está em um bar e está definitivamente embriagado, sob a influência de sua própria arrogância. Ele se transforma no Kirk que todos conhecem. Em meu livro isso torna a viagem um pouco mais interessante. Se ele é um líder claro, desde o início, você não tem para onde ir”.

Porque o personagem se tornou tão mítico?

Pine: “Kirk ainda é um pouco ardiloso para mim. Mas o que eu acho que é tão único sobre essa história é que, ao contrário de outros filmes do gênero, Jornada sempre representou uma incrível quantidade de otimismo. No final dos anos 60, em um tempo de agitação, está representado neste mundo utópico. Ao contrário de Batman: The Dark Knight, no qual apreciei, mas foi muito sombrio e não fala gentilmente da humanidade. Kirk é muito icônico, porque ele é o chefe desta fantástica equipe utópica. Eles não são super-heróis, eles são homens e mulheres que tentam conseguir alguma coisa boa”.

Você trouxe muita coisa de diferente para o personagem Kirk, mas que aspectos do original você manteve?

Pine: “Existe muito humor, arrogância e determinação. Tentei trazer estas qualidades, mas com o novo elemento de um jovem que se torna bem sucedido. Ele é um líder que não sabe que é um líder ainda. Mas com a maneira de expressar padrão (do Shatner)? Absolutamente que não. Nesse território, isso se torna uma personificação. Só posso fazer a minha versão dele”.

Como você descreveria a sua versão dinâmica de Kirk/Spock?

Pine: “Em razão do meu contrato sigiloso, não posso dizer muito sobre isso. Mas essa versão é muito controversa, com Kirk e Spock não desfrutando da companhia um do outro, em primeiro lugar. O arco é que eles encontram um terreno comum através desses grandes conflitos”.

Você teve alguma estratégia durante o teste para concorrer ao personagem?

Pine: “Acabou por ficar muito hollywoodiano. Zach e eu fizemos no mesmo ginásio de teste e ouvi de nosso instrutor que Zach já tinha o papel. Nós nos conhecemos antes de eu ir para o teste, e ele leu a cena comigo antes de eu entrar. Ele não poderia ter sido mais agradável e mais solidário e deu a perspectiva de chegarmos a alguma coisa que não fosse uma batalha de egos”.

Zachary Quinto

Qual foi a sua estratégia para o teste do personagem?

Quinto: “Eu construí uma consciência de meu interesse, quase involuntariamente, por falar muito sobre Spock em outras entrevistas. Para o teste propriamente dito, eu vesti uma camisa azul e deixei uma franja no cabelo. Eu dei o melhor de meu esforço para estabelecer uma ligação física”.

Com Spock há uma aparente fisicalidade no papel. Como você fez ele parecer calmo sem ser vazio?

Quinto: “É um desafio interessante. A vida deste personagem é profundamente interior. Para mim, foi mais uma questão de encontrar essa base e explorar até onde poderia ir com isso”.

Isso quer dizer que você injetou mais arestas ou emoções em Spock do que ele mostrou no passado?

Quinto: “Como Leonard (Nimoy) retratou o personagem, ele era muito mais fundamentado, mas a minha experiência com ele é um pouco diferente, ele é jovem e ainda não domina a aceitação dessas dualidades em si mesmo como ele o fez mais tarde.

Quer dizer, a tensão de ser meio humano, meio Vulcano?

Quinto: “Eu hesitaria em revelar isso. Está completamente enraizado na forma como ele se sente alienado de si mesmo e daqueles que o rodeiam. Ele não é nem uma coisa e nem outra”.

Em “Heroes” você interpreta outro personagem quase-humano, um serial killer sobrenatural. Existe algo espiritual sobre essas aparências?

Quinto: “Sobre o meu rosto? Eu não sei. Eu nunca poderia imaginar, quando me mudei para Los Angeles o curso que iria levar adiante. Agora, eu acho que estou em um saco de alienígenas”.

Que tipo de coisas Leonard Nimoy falou sobre Spock para ajudá-lo a compreendê-lo?

Quinto: “Tem sido essa uma marca indelével na sua vida e ele metabolizou isso muito graciosamente. Passamos algum tempo assistindo episódios, mas foi uma experiência totalmente abrangente. Fui à casa dele. Nos encontramos algumas vezes na Paramount. Estou vendo ele antes das férias. Ele tem uma mente e coração avançados, e quero estar na companhia dele, tanto quanto possível”.

Você trouxe muita coisa de diferente para o personagem Spock, mas que aspectos do original você manteve?

Quinto: “Especialmente com Spock, mais do que Kirk, existem movimentos característicos. É estabelecido na mitologia, esta quietude e a economia de movimento. Existem algumas maneiras que ele mantém, tais como as mãos atrás das costas”.

Porque é o personagem se tornou tão mítico?

Quinto: “Nesta forma arquetípica, as pessoas reagem a alguém que é capaz de conter-se. Ele opera a partir de uma posição lógica, mas sempre com a melhoria dos outros em mente. Ele é capaz de suportar as coisas e conhecer novas coisas a partir de um lugar de equilíbrio”.

Como você lidava com o corte de cabelo de Spock fora do set?

Quinto: “Relutantemente, eu me conformei. Muito raramente fui visto no ano passado, sem os meus negros óculos gigantes. Meu cabelo eu poderia normalmente bagunçar tudo. Eu subestimei o impacto desse corte. Ele deu origem a um sentimento de alienação em mim, pessoalmente, o que provavelmente influenciou no papel”.

Você sentia como um alienígena?

Quinto: “Eu me senti como um nerd. Senti como se tivesse 12 anos novamente. Você olha de novo as fotos e vê o corte tipo cuia. Não há nenhuma dúvida que eu nasci para desempenhar o papel de Spock. Eu estava ostentando esse visual por uns bons quatro ou cinco anos”.

Fonte: TrekMovie e TrekWeb

19 Comments on "Pine e Quinto falam sobre Kirk e Spock"

  1. Eu também tive cabelo preto liso cortado em forma de cuia, sobrancelhas erguidas, físico esguio e de movimentos contidos, acho que também nasci pro papel…

    😀

  2. Pessoal – IMPORTANTE:

    Diante mão, informo, que amanhã assistirei os 20 minutos deste filme, aquele mesmo trecho que JJ Abrahms andou mostrando por aí. Na sexta feira, vamos ter o relato do primeiro Trekker Brasileiro que assistiu isto: Eu. Vou passar isto para vocês.

    Até Sexta-Feira.

  3. Hmmm…
    Se for verdade, escreva em bom português, Flávio!
    De antemão já te aviso! Heh! Heh!

  4. Post 3:

    Não entendi?? Está mau escrito o que falei??

    Será que eu precisaria inventar isto??

  5. Diante da minha mão, recuso-me a explicar meu comentário!

  6. Acho que ele tentou dizer isso:

    antemão
    [De ant(e)- + mão.]
    Advérbio.
    1.P. us. Com antecipação; previamente, antecipadamente; de antemão:
    “Ideou as batatas em suas várias formas, classificou-as pelo sabor, pelo aspecto, pelo poder nutritivo, fartou-se antemão do banquete da vida.” (Machado de Assis, Quincas Borba, p. 31.)

    De antemão. 1. V. antemão:
    “o guarda-livros poucas vezes arriscava a sua anedota e só se determinava a isso tendo de antemão escolhido um assunto discreto e conveniente.” (Aluísio Azevedo, Casa de Pensão, pp. 4-5).

  7. hehehehehe

  8. Quanto ao tópico:

    sempre achei Kirk um CDF turbinado, um CDF que se descobriu, se libertou, nunca um ardiloso.
    O Canôn também não foi feito apenas com capa de papel, foi feito inclusive com atores(e colegas) dele, além de um tal Gene (pássaro da galáxia). O Ator é arrogante, não kirk, ele também nem se importou em ler ou ver algo sobre a franquia, lamentável.

  9. É muito difícil termos uma visão precisa do desenvolvimento dos personagens, porque é visível como os atores estão precisando se conter em seus comentários devido ao termo de sigilo de seus contratos. Assim, com esses comentários rasos e evasivos, a gente acaba não tendo muita base pra nehum tipo de conclusão.

  10. Para vocês, meu queridos “Android” – Post 03 e Post 06:

    “… ao andar pelas ruas, certa noite, notei que o céu imperava de tão negro e estrelado que estava. Em cima de minha cabeça a escuridão da noite – desafiadora – me enviava para o desconhecido. O desconhecido, uma fronteira inigmática que ainda os homens, que andam por estas ruas humanas, ainda audaciosamente não tinham chegado…”

    De minha autoria. Obrigado. Serei mais vigilante ao escrever nesta tribuna.

    Sexta feira, escreverei em “Bom Português” o que presenciarei na exibição da Paramount.

    Abraços e obrigado pela dica.

    Flávio.

  11. Ralph Pinheiro | 7 de janeiro de 2009 at 1:32 pm |

    Flávio, se quiser entrar em contato conosco para conversarmos sobre o assunto, nosso e-mail está a disposição.

  12. Ralph:

    Não estou conseguindo te mandar pelo contato do site. Me ligue, por favor, no celular (11) 8987-7441 lhe darei os detalhes deste evento.

    Abraço

  13. Espero que este novo Kirk não seja “truculento” como o novo James Bond de Daniel Craig…

  14. Belíssimo texto, amigo. Mas faria algumas sugestões: Acima… Enigmática… Ao qual os homens (tirando o ainda repetido).

    Abraços.

  15. Os dois atores desempenharam com maestria a arte do falar sem nada dizer. Na verdade, tudo o que foi dito até agora, por atores, produtores e diretor, não permitem nenhuma especulação razoável sobre o que será o filme. Tenho visto comentários de pessoas que falam – e já detestam o filme – como se já o tivessem assistido. Eu tenho boa expectativa, não temo a renovação. Resta-nos aguardar 8 de maio.

  16. Tava notando a foto lá do topo do tópico e pensei:

    Clark Kent/Superman encontra Barry Allen/The Flash.

    😀

  17. Bem notado Rodrigo…huuahuauh
    Falta o Clark procurar uma cabine telefônica e tirar os óculos! Daí a bandidagem que se cuide.

  18. As atitudes do Kirk podem ser arrogantes, Apolo que o diga, mas sempre foi humano em suas ações, nunca procurando o bem de si mesmo mas sim a segurança de sua nave e tripulação.
    Os atores não podem falar muito, mas deveriam tomar mais cuidado ao divulgar suas opinições, que, na minha opinião, não são abalizadas.

  19. De tão vago estes pronunciamentos que penso em só mesmo vendo o filme para tirar as reais conclusões para dar minha opinião. De resto, não tenho gostado da divulgação do filme até aqui, se é que podemos chamar isso de divulgação.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*