Abrams e roteiristas falam sobre script, fãs e cenas

kurtzman-orciOs roteiristas Roberto Orci e Alex Kurtzman, juntamente com o diretor J. J. Abrams falaram um pouco mais sobre o filme de Jornada nas Estrelas. Eles responderam a questões sobre a idéia do prequel, a reação dos fãs,  a cena do bar, batalhas espaciais, e outras.

Em uma longa entrevista a FirstShowing.net Roberto Orci e Alex Kurtzman começaram falando sobre as origens do roteiro e o que levou a seguirem por esse caminho. Veja as partes mais importantes de seus comentários.

Por curiosidade, quanto tempo levaram para concluir o script do rascunho até o definitivo, usado nas filmagens?

Orci: “Seis meses. Foram seis meses a partir do rascunho até o script. A Paramount avançou muito rapidamente ao longo desse nosso primeiro trabalho, o que foi um milagre para nós”.

Kurtzman: “O modelo de contrato geralmente é de doze semanas. Normalmente, escritores levam três meses para um projeto e, em seguida, um outro par de meses para reescrevê-lo. Então, o que consta contratualmente é sobre quanto tempo demora”.

Como foi o envolvimento de vocês nesse projeto?

Orci: “Eu acho que Alex recebeu primeiro uma chamada de um dos executivos da Paramount, que passou a ser um amigo seu, certo?”

Kurtzman: “Sim”.

Orci: Ele falou algo do tipo – “Ei, Jornada pode ser algo que a Paramount esteja interessada em fazer. Vocês têm algum interesse nisso?” – E foi a primeira coisa que ouvi falar, cerca de três anos atrás, talvez”.

Kurtzman: “Eu acho que, talvez, nós estávamos no meio da gravação de Transformers ou algo assim. Isso veio até nós, e eu sabia, quando conheci o Bob, que ele tinha um Enterprise phone. Ele era um fã. Então, não poderia deixar de falar com Bob sobre isso. Nós resistimos por muito tempo não porque não queríamos fazê-lo, mas porque sentíamos uma enorme responsabilidade em assumir. Isso não é algo que você conduza levianamente. Você tem que ter realmente uma razão para fazer isso. Nós não queremos apenas fazer Jornada 11″.

Orci: “Ao discutirmos sobre o assunto , quando descobrimos que tínhamos uma idéia do que queríamos fazer, a gente começou levar a sério, uma espécie de – Sim, estamos interessados.”

Em relação ao filme, que idéia levou para ser a história um prequel?

Orci: “Chegamos a essa idéia de forma independente do estúdio. Certamente que foi o Alex e meu instinto. A primeira vez que ouvimos o que a Paramount queria com a franquia, pareceu a mesma coisa. Não tenho certeza se eles levaram isso para nós ou se nós chegamos a essa conclusão em simultâneo”.

Kurtzman: “Outra coisa foi que olhando Jornada em sua gloriosa saga, apenas nos chocou ver que a história de como a tripulação da ponte veio a se reunir nunca foi contada. Foi feita referência a isso em pedaços, mas nunca foi contada (desde o início) e é simplesmente uma espécie de história inicial mais épica que você poderia narrar em Jornada. Por isso, era como se estivéssemos trazendo algo de novo a mesa, que esse era o lugar para começarmos. E, para nós, sempre começou com Kirk e Spock. Sempre foi sobre Kirk e Spock”.

 Orci: “E apesar de eu ter adorado A Nova Geração, uma das razões que sentimos foi que Jornada (antiga) havia sido possivelmente deixada de lado e nunca imaginávamos que alguém ia querer voltar e assumir a Jornada original novamente. Pensávamos que ninguém nunca iria pôr isso adiante e além disso nós não estávamos interessados em fazer a continuação, da continuação, da continuação de A Nova Geração. A idéia de fazer uma nova tripulação já tinha se tornado uma coisa velha e a nova idéia foi realmente trazer de volta a tripulação original”.

Interessante como tudo aconteceu, porque a Paramount poderia ter feito Jornada 11 com outra tripulação, mas em algum lugar ao longo do processo alguém disse “vamos reiniciá-la,” e é isso que temos agora. Obviamente existe uma grande quantidade de agitação e interesse, e, obviamente, era o rumo certo para ir.

Orci: “Essa foi a idéia que levantamos e nunca ouvimos qualquer resistência”.

É bom saber que é a direção que eles queriam ir também.

Orci: “Aparentemente. Ou eles são indiferentes, nós não sabemos qual”.

Qual foi a primeira coisa que vocês fizeram quando aceitaram um projeto como Jornada? Vocês procuraram voltar a ver muito Jornada ou simplesmente pegaram a idéia da franquia?

Orci: “Eu acho que começamos com nossas primeiras impressões de pensamento, apenas deixamos sair nossos primeiros pensamentos sem filtrá-los, sem censurá-los, sem ser o seu pior crítico. Apenas sair primeiro o que me vinha à mente só para ver onde a intuição apontava. Essa foi a primeira coisa que fizemos. E então você vai fazer todo o trabalho de casa”.

Kurtzman: “Outra coisa que eu acho que para nós foi fundamental foi que a idéia de levá-la a frente era muito assustadora. Isso pode ser uma coisa muito boa. Pode ser um desafio que você tem que enfrentar em oposição a algo que você esteja confortável. Então, eu acho que fomos parcialmente motivados para vermos se éramos capazes de poder fazê-lo”.

Como tem sido trabalhar com J.J. Abrams? Ele é o melhor homem para o trabalho em termos de garantir que o script seja traduzido para a tela da maneira que vocês escreveram?

Orci: “Com certeza. Ficamos muito felizes em buscá-lo para dirigir este filme. Tenho certeza que você está fazendo a sua própria investigação sobre ele e sei que ele só pensava em produzi-lo. Mas foi sempre a nossa meta segredo, eu, Alex e Damon Lindelof, persuadí-lo a realmente fazer isso e convencer alguém de seu talento e do seu calibre para dar a Jornada a atenção que merece, a partir de um diretor como ele. Então, definitivamente tentamos mantê-lo envolvido, mas também tentamos surpreendê-lo um pouco para que ele tivesse uma reação a ela também”.

Houve a preocupação de que este novo filme seria rejeitado pelos fãs?

Orci: “Claro. Quando você termina alguma coisa espera que seja bem recebida, mas você tem que seguir seus instintos. Sentimos muito confiantes, na verdade, quando J.J. (Abrams) concordou em dirigir o filme, achamos que isso deve significar alguma coisa. Então, de certa forma, ele foi o nosso primeiro teste, em termos de estarmos ou não no caminho certo. Seu selo de aprovação, em minha opinião, fez-nos infinitamente mais confiantes sobre decidirmos pela idéia correta”.

Não sei se vocês sabem a resposta a esta pergunta, mas a decisão de mover o filme do Natal para maio foi feita após o primeiro teaser? Foi baseada no interesse do filme e na confiança de que ele pode ser forte para maio? Ou foi uma decisão tomada por outros motivos?

Orci: “Foi após o primeiro teaser, caso contrário não teríamos liberado cedo. Sim, foi porque eles (do estúdio) realmente sentiram que poderia ser um filme de verão em oposição, eu acho, a um filme no Natal”.

Kurtzman: “Foi também em razão da grande quantidade de efeitos especiais no filme. Estamos ainda no processo de completá-los. Portanto, a idéia de que deveríamos tê-lo lançado efetivamente há três semanas atrás, parece agora impossível”.

Quanto à publicidade do filme, vocês acham relevante para as pessoas se interessarem em vê-lo?

Kurtzman: “Nós aprendemos o quanto isso é importante. Você pode ter o melhor filme do mundo, mas se não vendê-lo bem, ele perde o interesse”.

Orci: “A verdade é que têm filmes que recebem sinal verde sem obterem um voto do Departamento de Marketing dizendo que “sabemos como pô-lo lá fora”, especialmente filmes grandes como Star Trek e Transformers. Quando você estiver apostando muito no seu sucesso, da maneira como o filme é posto lá fora, como o produtor, é da sua responsabilidade participar, tanto quanto possível. E também, é da sua responsabilidade ouvir as pessoas que são mais sabidas que você sobre como fazê-lo”.

É por isso que vocês realmente gostam de ficar envolvidos com os fãs nos Foruns?

Kurtzman: “Estes filmes não são nossos. Não estamos fazendo para nós. Estamos fazendo para as pessoas que vão assistir. Penso especialmente em algo como Jornada, onde nos sentimos muito felizes em termos herdado o manto, e estamos apenas fazendo o melhor para preservar o legado incrível de Jornada e para manter o espantoso trabalho que já foi feito”.

Orci: “Correto. Em especial quando é uma franquia que já pertenceu aos fãs durante todo esse tempo, e assim nos faz sentir uma particular responsabilidade deixando isso em aberto”.

Em outra seção de entrevistas Roberto Orci e o diretor J. J. Abrams comentaram um pouco mais sobre algumas cenas do filme e como encaram a reação dos fãs.

Ao SciFi Wire disseram Orci e Abrams a respeito da cena de briga no bar e das batalhas espaciais.

No que diz respeito ao filme, o que você diria para os fãs que verão um Kirk tendo problemas em sua juventude, metendo-se em brigas de bar e com cadetes da Frota?

Orci: “Bem, eles (os fãs) citam a parte em que ele era uma pilha de livros com pernas na Academia. A verdade é que em nosso filme não há nada que se oponha a Kirk ser uma pilha de livros na Academia. O que você vê é o que ele era antes da Academia. Argumentaria que ele sendo um lutador rebelde de bar, em nosso filme, é absolutamente coerente com o cânon”.

Com estes abundantes visuais épicos de batalhas espaciais, é seguro dizer que já não são inspirados pelas batalhas de submarinos?

Orci: “É seguro dizer que isso não foi totalmente jogado fora, mas imagine super avançados submarinos. O filme ainda mantém algumas das originais batalhas marítimas, ou batalhas de submarinos ou navio a navio, canhão para canhão, a batalha de Master and Commander (Mestre dos Mares com Russel Crowe). Apenas, eu creio, em um ritmo diferente”.

Acrescentou Abrams: “Elas são grandes naves, por isso eu diria que há um pouco disso, mas há um pouco mais de chamativo, divertimento e de ação do que você tenha visto antes. Existem alguns efeitos visuais bastante espetaculares. A ILM (Industrial Light & Magic) ultrapassou a si mesma. É impressionante”.

Alguns fãs também têm problema com a idéia de que estão construindo a Enterprise sobre a terra, em vez de reunir-la no espaço. O que tem a dizer?

Orci: “A resposta é que a Enterprise não é, nem nunca foi, um iate de passeio. É uma nave que é capaz de deformar espaço à sua volta em várias vezes o peso da gravidade. Portanto, a idéia de que ela, de alguma maneira, não poderia lidar com um ambiente de gravidade da Terra, não era algo que eu acho que quem estivesse a bordo da nave jamais desejaria contemplar. A justificativa para construí-la no espaço é quando você tem coisas frágeis que não têm de estar em gravidade, mas isso não é o que a espaçonave Enterprise é”.

Foi uma grande prioridade trabalhar em uma luta de espadas com Sulu?

Orci: Sabe, quando você pensa em Jornada, se você for um fã do original, qualquer um de nós pode fazer uma espécie de lista das 20 melhores coisas que você pode ver. Aposto que muitas de nossas listas seriam semelhantes. Aí haveria muita sobreposição. Qualquer fã pode pensar nas 20 maiores coisas, e tentamos colocar o maior número dessas coisas possíveis no filme”.

E você mostrou-nos a morte do primeiro redshirt.

Orci: “Novamente, essa é uma daquelas coisas que se você não for um fã, você vai aprender que não é boa sorte ser um redshirt. E se você é um fã, no minuto que começar a entrar em que seqüência, você tem uma antecipação para o que virá. Essa é uma das alegrias de ter sido capaz de contar neste filme”.

Quanto a uma possível reação negativa dos fãs, Abrams replicou: “Eu diria que os fãs de Jornada ficarão muito felizes com o filme. Ele honra o que veio antes, mas eu realmente não fiz o filme apenas para as pessoas que já estão lá dentro, porque eu gosto de Jornada, mas nunca fui um grande fã. Então eu acho que o filme não vai satisfazer a todos, evidentemente. Não pode. Mas ele vai satisfazer a maioria de ambos os lados”.

Orci: “Nunca queremos ser tão excessivamente confiantes para pensar – Sim, eles ficarão impressionados – Nós não somos presunçosos, mas bastante confiantes”.

Abrams: “Eu não estou preocupado com os fãs da série gostarem do filme. Os fãs da série já o viram e tiveram realmente grandes reações, mas fico muito animado e nervoso com tudo o que eu começo. Espero que as pessoas gostem dele. Você trabalha em algo longa e arduamente e não quer que fique na lixeira [risos]”.

Fonte: TrekMovie e TrekWeb

45 Comments on "Abrams e roteiristas falam sobre script, fãs e cenas"

  1. Há um ditado alemão muito conhecido que diz:
    “O que enche o coração, transborda pela boca!”
    Abrams:”Eu não estou preocupado com os fãs da série gostarem do filme”
    Isso para mim já basta.

  2. A impressão que tenho é que essas perguntas foram formuladas pela própria paramont, quem perguntou não tinha interesse em colocar os caras na parede! e as respostas me parecem tão “plastificadas”… me estranha o fato de que o entrevistador não aproveitou as respostas “para ir mais ao fundo” e simplesmente passar para outra pergunta. EM SUMA, para o fan de ST essa entrevista é uma perda de tempo, é melhor nem ler! VC está perdendo minutos preciosos lendo uma entrevista que mais parece uma matéria promocional da Paramont. PS: Não estou criticando o site, somente o site americano que veiculou a entrevista.

  3. Tenho a impressão que vamos ver um ótimo filme de ação… Mas que vai passar longe de Star Trek…

  4. Ah como isso cansa, Trekkers xiitas com todo respeito esse péssimismo é totalmente irracional ! só por que o JJ disse “não tava preocupado com os fãs antigos”, não significa que fomos desprezados, aliásna posição dele eu também não taria preocupado em fazer renascer a franquia querendo agradar só os trekkers, isso tornaria tudo muito limitado, impóssivel no proposito, eu acho legal quando alguém fora do fandom de Jornada se envolve em dar uma nova dinamica, pois tras uma bagagem neutra, isso já aconteceu antes : Nicholas Meyer e Harve Bennet tiveram a mesma misão há 27 anos atrás, uma nova dinamica ! o resultado foi simplesmente “A IRA DE KHAN” – nenhum dos dois eram fãs de Jornada, deixam claro isso em documentários, quiseram fazer o que lhes foi pedido, algo de grande qualidade com nova dinamica de uma série conhecida, mas não teve seu tom habitual no 1º filme.

  5. Reforçando o que eu disse sobre o Harve e Nicholas, eles são os criadores de Jornada no Cinema. Gene R era apenas consultor executivo, ou seja tinha uma função simbólica pois sua visão parcial quase que enterra Jornada logo no 1º filme.

    Jornada que amamos é obra de varios criadores, Gene o 1º, dai tivemos outro Gene , o L. Conn, no cinema já citei, na TNG Rick Berman (antes de entrar em decadencia profissional), em DS9 Ira Steven Behr, em Enterprise Manny coto e o casal Reeves-Steves (na incrivel 4ª temp). e assim vai…

  6. “Eu não estou preocupado com os fãs da série gostarem do filme.Os fãs da série já o viram e tiveram realmente grandes reações(…)”

    Então ele deve estar seguro de que os fãs vão gostar. Isso para mim já basta. (por que ver o copo meio vazio?)

  7. Poderia mesmo é NÃO ter um Kirk nessa estória…

    Me contentaria em ter apenas o Pike como capitão.

    E ver a nave, de vários ângulos e distâncias diferentes.

  8. Grandes reações, não quer dizer aceitação total, pode ser grande rejeição/preocupação ou coisa do gênero.
    E quando não há preocupação nenhuma, geralmente psicológicamente falando, não se toca no assunto de “preocupação” (ela não existe).
    Outro ponto é: essa gente é cheia de puxa-sacos que elogiam qualquer coisa, sobretudo quando alguém “produz” filmes ( leia financia filmes, paga atores, portanto ninguém da área é bobo para matar a galinha dos ovos de ouro)
    Repito, se “não houve” gritaria nenhuma, não há necessidade em tocar no assunto.

  9. Gostei da forma com que os roteiristas falaram de Jornada. Eles demonstraram admiração, respeito e noção da responsabilidade que foi “herdar o manto”. Tenho certeza que, com isto em mente, eles não podem ter feito um filme ruim ou que vá ferir a tradição e a cultura de Jornada. A idéia de retomar a tripulação original foi a mais acertada e nos enche de expectativas para rever e mesmo explorar novas faces destes personagens. Esta é a Jornada onde nenhum homem jamais esteve… É inevitável: nós, fãs antigos, estamos envelhecendo. Se novos admiradores não forem conquistados, os trekers poderão ficar extintos. Vida longa e próspera a Star Trek.

  10. Será que eu preciso repetir? Acho que não!
    O Rodrigo (posts 3 e 4) falou e tenho pouco a acrescentar…
    Aos fãs xiitas eu tenho a solução…
    Construam uma máquina do tempo, retornem aos anos 60, seqüestrem Shatner, Nimoy & Cia, obriguem-nos a fazer 1.000.000 de filmes em menos de dois anos, e depois devolvam-os no mesmo local e tempo da história para que eles façam a série clássica…Empanturrem-se com estes filmes mas não poderão vendê-los, mas ao menos terão mais sobre o que comentar…
    Gente, isso cansa…
    Shatner se tornou o cara mais mala que conheço e sou fan, hj sei, dos trabalhos que fez, mas não da pessoa dele…

  11. Só acrescentando: quantas versões diferentes foram feitas de personagens como Tarzan, Sherlock Holmes, Batman, Hercule Poirot, Frankenstein e outros? Spock, McCoy e Kirk já ganharam este status: o de personagens imortais que transcendem seus próprios criadores. Não tenhamos medo de suas novas versões.

  12. Vcs ainda não perceberam que o Abrams e sua trupe gostam mesmo é de ver o circo pegar fogo?? soltando esses tipos de comentários e afirmações que nós não temos como comprovar antes de assistir o tal filme….Eles sabem bem onde se “meteram” e estão de um jeito ou de outro fazendo uma enorme divulgação do filme…incitando a discórdia de vários, a curiosidade de outros….Calminha, no fim dá tudo certo!!…Espero,rsrsrsrs….

  13. Agora me desculpem os defenssores do novo filme, mas me parecem que não perceberam umas três gafes feias nessa entrevista:

    – A pergunta sobre a luta da espada de Sulu não só foi muito mal respondida, como se alguem fosse colocar 10 coisas que gostarião de ver em ST, afirmam que um Sulu lutando com uma espada seria uma delas. Gente. Nem os fãs do Sulu penssariam que isso fosse colocado entre as 10 coisas que gostariam de ver ele fazer.

    – A resposta sobre a construção da Enterprise no solo também não me é convincente. Primeiro, pelas minhas contas, já é a décima explicação diferente para o fato. E segundo, eles nunca tocam no assunto TAMANHO DA NAVE. Ela é enorme, construi-la no chão necessitaria muitos e enormes guindastes, uma extrutura de solo super resistente, e, principalmente, uma imensa capacidade de tecnologia e potencia para coloca-la no espaço. Na verdade, é muito mais fácil construir pequenos pedaços no solo, e uni-los em um enorme corpo no espaço.

    – E por último. A confiança de que o caminho certo é o deles, é a aprovação do $J$J$, um cara que gosta de filmes vuiolentos, explosões e tiros impossiveis tipicos do cinema americano, gosta de SW (que é tudo que ele gosta, e não é nada ST) e, o principal, não gosta de ST.

    Finalizando, acho que eles são muito competentes em suas funções, más não tem experiência nenhuma em coisas tão comprometidas como ST.
    Mais uma coisas. Os que querem um novo filme a qualquer custo me desculpem, más eu estou tentando aceitar as modificações propóstas na franquia, más tem coisa que não dá. Não sou Xiíta porque estou aceitando essas novidades em ST, más quem só vê que as coisas estão indo bem, me desculpem, mas vocês estão parecendo radicais também, em uma guerra de conversão. Não dá para deixar de dizer isso, más respeito quem acha certas coisas precisão de um reboot, más certas coisas não vão bem também. Portanto, há Xiítas, más também há Reformistas Radicais. Então, Menos para os dois lados.

    E não tem jeito. a nova Enterprise é uma porcaria.

  14. post 12 – Eu mesmo não ! sou um otimista poís cada pessoa que viu o filme ou partes, sairam no minimo com uma admiração. não tenho medo de decepção, o filme será movimentado, nova abordagem, explosivo, ou seja um aventurão ! mas um aventurão com alma de Jornada (O Salvador Nogueira me é de confiança quando disse isso). eu tô sendo adepto total de STAR TREK 2.0, mas sei que terá coisas que não gostarei, mas faz parte, assim como coisas que não gostei mas dentro da sala de cinema vai me agradar…, se sou extremista sou asim de forma racional. os xiitas já entraram num nivel de irracionalidade tão grande que exigem perfeição de respostas numa entrevista, afinal orci e kurtzman são seres perfeitos ? isso cansa demais eese péssimismo irracional.

  15. Só podemos julgar uma coisa “porcaria”, depois de vermos ela em seu todo! Que eu saiba, isso ainda não aconteceu!

  16. Abrams disse que o filme não está aí para agradar aos velhos fãs.

    Os velhos fãs já tiveram a sua vez. E Star Trek teve a sua velha vez.

    Mas agora Star Trek renasce, seu alvo agora é a possibilidade de se autocontinuar no futuro.

    Star Trek merece esta chance!
    A chance de continuar em sua missão de descobrir novos caminhos na acirrada luta em Hollywood,
    de ser conhecido por novas vidas, alcançando novos corações…

    Audaciosamente indo onde Ela mesma jamais esteve!

  17. O que está acontecendo – e juro – já está cansativo, é esta bateção de martelo em cima dos mesmos temas.

    Para cada reportagem que sai, ocorre os mesmos comentários, do clã dos “Xiitas”, do clã dos “pessimistas” e também do clã dos “otimistas” e que de fato, não agrega em nada o assunto.

    Para quem acompanha diariamente o site, é quase previsível identificar as opiniões antes mesmo de serem postadas.

    Peço moderação nos futuros comentários.

    Sobre a entrevista em si: O mais importante é o fato de como foi que eles decidiram focar a época da formação da tripulação original. Em todos estes anos, esta foi uma lacuna nunca preenchida e com bom material para ser explorado.

    Sobre a construção da Enterprise. Apesar de NADA CANONICAMENTE SER DITO QUE a construção da Enterprise se deu em Espaço (apenas foi dito que foi construída na Starflet San Francisco Yards), há de se convir que uma nave que é criada para suportar grandes forças pode sim ser construída tanto em solo como até mesmo — hipoteticamente — embaixo do mar. De fato, isso nada importa. O mais importante é que o filme tenha um bom enredo – já que é uma reconcepção/reconstrução. Também já foi subjetivamente citado que a mudança do espaço para a superfície TEM RELACIONAMENTO com os acontecimentos da intervenção de Nero na linha temporal. Por fim, Eu ainda acredito que, todo o complexo de construção espacial, assim como o terrestre pode vir a ser chamado de San Francisco Yards.
    Se, durante o filme aparecer na placa: IOWA YARDS, aí sim, podemos dizer que houve uma mudança no cannon.

  18. cesar antonio r martins | 18 de janeiro de 2009 at 7:55 pm |

    Post^13:

    “…, se sou extremista sou assim de forma racional. os xiitas já entraram num nivel de irracionalidade tão grande … isso cansa demais esse pessimismo irracional.”

    Qual é, Rodrigo Bruno???
    Decida-se. Extremista de forma racional????
    Ahhhh! Eu tô malucoooo…
    É a velha fala: “Pimenta só arde …”.

    Metabolize e internalize que TUDO em nosso humano mundo é mera questão de perspectiva, de enfoque, de ponto de vista. DE OPINIÃO. Não há opiniões melhores ou piores, mas sim opiniões concordantes ou discordantes. É pura dialética.
    Mais ainda, dizem que gosto não se discute.
    Eu pessoalmente discordo totalmente disto. Acredito que gosto se discute, sim, embora precisemos aceitá-lo como o gosto dos outros.
    E cuidado com os qualificativos, pois você se expõe a ser também qualificado, como aliás você mesmo já o fez, chamando-se de Extremista Racional. Ou seja, você mesmo se intitulou xiita, embora tenha colocado a irracionalidade para os outros. A menos que você não conheça a sinonímia/correspondência entre ser Extremista e ser Xiita.

    Vá devagar, jovem (permita-me chamá-lo assim).
    Leia a opinião alheia e a discuta, mesmo que ao final você não venha a aceitá-la como concordante com a sua.

    MAS NÃO QUALIFIQUE NINGUÉM, PRINCIPALMENTE AQUI, ONDE TODOS, CONCORDANDO COM O QUE ATUALMENTE OCORRE OU NÃO À FRANQUIA, SÃO LITERALMENTE “A BOA FARINHA DO MESMO SACO TREKKER”, OBVIAMENTE INCLUIDA A MINHA PESSOA.

    Um abraço.

    A-koo-che-moya, Rodrigo Bruno.

  19. Eu digo que a nova Enterprise não vai ser mostrada de forma técnca, pois não haverá tempo e os “novos fãs” não precisarão ver nada disso. Veremos seu interior apenas em cenários comuns, como quartos e salas de reunião, salas com equipamentos complexos serão vistos de forma rápida e sem detalhismo. Os poucos efeitos especiais dentro dela só serão utilizados para mostrar telas de computador (pequenos, grandes e o imenso da tela principal). A ponte será uma das poucas (se não a única) sala melhor elaborada.
    No traler podemos ve-la voando e produzindo algumas luzes. O sistema de armas será o mesmo da Kelvin, só falta os torpedos aparecerem.
    A única foto da nave já mostra o suficiente dela por fora.
    O $J$J$ disse ainda que ela seria a mais funcional nave do universo ST. E na verdade, a única foto dela revelou que ela tem menos traços ou pontos em sua carenagem que possam ser equipamentos que a Constitution de TOS.
    Os motores foram feitos para chamarem a atenção. E isso é muito mal para uma nave em combate, já que depois da seção disco eles são o alvo mais fácil para os inimigos.
    O novo pescoço é moderno de mais para o resto da nave, a seção engenharia é pequena demais. Amputaram o Hangar. Os coletores bussar vieram de SW.
    Gente! O desenhista fugiu de todas as questões técnicas sobre ela em um artigo descrito aqui no TrekBrasilis. Porque ele é desenhista de SW. Ou seja, ele bota o lapís no papél, desenha um troço, ficou “da hora”, pronto, tem alguma probabilidade de ser funcional, não importa, é “da hora”.
    E não interessa mesmo, como em SW 2.0, as naves foram esquecidas. E fãs como eu, que não são Kirk, Picard, Sisco, Archer ou Janeway, más são Constitution, NX, Galaxy, Intrepid, Toruk Nor, Defiante ou Sovering estão ficando sem a última produção em que as fabulosas máquinas de viagem a outros mundos tinham ainda algum respeito pelos fãs.
    Portanto, eu que já admiti que não queria ST 2.0, e, por aceitar a posição dos organizadores deste site, como trekers muito mais competentes que eu, dei-lhes meu voto de confiança, e comecei a aceitar esse ST 2.0.
    Más sou fã das naves, da ficção científica. E creio poder sim usar esse espaço para dizer que não sou Xiíta, Radical ou outro termo desse tipo. Más posso dizer que a Enterprise nunca terá uma versão tão pouco cuidada como nesse filme.

    Desculpe ao site. Más é isso.

  20. Uma palavra resumo tudo que quero expressar: WHATEVER!

    Se eu gostar da NAVE o filme tem chances comigo, senão…

    Ainda nem ouvi falar de livros de referência visuais do tipo “The Art of…” ou “Film Companion”, será que sairão?

  21. JJ quer que seu filme seja bem recebido principalmente pelo público que (ainda) não é fã de Jornada. Pecado.

    JJ gosta de Star Wars. Pecado.

    JJ não é fã de Jornada. É um pecado tão grande que conta duas vezes.

    – E o pior é que tem gente que pensa realmente assim e que já reservou um lugarzinho no inferno pro pecador JJ.

    Arrependei-vos, JJ! Não é a Ira de Khan, mas a “Ira do Velho Fã”! Velho fã que depois vai “À procura do Filme”, que ainda nem viu, mas que já criticou como velho fã que é…

    [E o Rick Berman, que detonou com ST nos últimos anos (ganhando uma nota preta pra isso, claro) não recebeu metade das críticas que os atuais produtores colecionam…]

  22. Nossa…tenho acompanhado as discussões aqui durante um bom tempo. Após ler tudo, parece que os fãs mais exasperados tem o JJ Abrams como um “agent of chaos”.

    Gente, calma lá…Jornada está de volta, só isso já é motivo de alegria. Agora vamos esperar e torcer para que seja o melhor dos 11 filmes.

    Abraço a todos.

  23. Calma, gente.
    Não gostar do que os roteiristas e o produtor estejam fazendo com Jornada é uma coisa, mas esse comportamento de criticar quem gosta de Star Wars ou seja que série for não podemos permitir aqui.

    Afinal, gostar de outra franquia que não seja Star Trek não é heresia, nem pecado, nem crime.
    Portanto, peço que moderem seus comentários nesse ponto e não critiquem quem goste de outro gênero ou série. Por favor!

  24. post 18. Eu acredito que aquela nave Constitution que o kirk vê no trailer em Iowa não é a Enterprise, afinal fazendo as contas “por cima” naquele momento a Enterprise já teria sido construida em San Francisco há anos e estaria operacional sob o comando de Pike, ou seja lógica simples, aquela era uma outra nave na doca de Iowa, talvez até mesmo aquela constitution pode ser a Farragut, o que leva a outra saida lógica, no filme Kirk entra contrabadeado por mcCoy na Enterprise como Tenente, ele simplesmente não pularia para o posto de capitão definitivo da enterprise em uma única aventura, ou seja isso é um palpite meu lógico e canonico (e provável), depois disso ele serviu na farragut, nela subiu pra tenente-comandante, comandante e depois capitão assumindo a enterprise substituindo Pike. afinal os roteiristas o tempo inteiro disseram (em todas entrevistas) que o filme conta como todos foram reunidos e se conheceram, em nenhum momento eles mencionaram que no final estaria tudo como vimos na clássica e sim veriamos todos juntos mas não de forma definitiva, ou seja na continuação deste star trek 2.0 se passaria vários anos depois já com o Kirk como capitão na missão de 5 anos. não sei se consegui expressar bem meus palpites lógicos. mas acho que o filme vai surpreender quem acha que haverá grandes rupturas canonicas…

  25. No filme, a Enterprise foi inaugurada no período em que Kirk estava passando pela fase de cadete não formado, isto é, deve-se ter passado alguns anos do Kirk olhando a construção até o final da conclusão do seu curso inicial de cadete, para a Enterprise ser lançada.
    Pode ser ela sim na cena.
    Além do que, me parece que ela é considerada top de linha. Talvez tenha sido a primeira constitution. Nesse filme.

  26. Post 17:
    Hollander afirma:

    “””Para cada reportagem que sai, ocorre os mesmos comentários, do clã dos “Xiitas”, do clã dos “pessimistas” e também do clã dos “otimistas” e que de fato, não agrega em nada o assunto.”””

    Bom, acho que sou do clã dos “otimistas” e há grande razão em sua intervenção, assim sendo, peço desculpas ao Staff do Trekbrasilis.
    Me policiarei mais em relação ao conteúdo de minhas postagens.

  27. Post 23. Ralph ainda acredito que não. na tradição geral da frota vista em todas as séries e filmes a classe da nave recebe o nome da 1ª a ser construida, em TOS (não lembro o epis) é feito referencia a uma nave chamada constitution, na TNG a Enterprise D, classe Galaxy e foram feitas referencias a USS galaxy (se não me engano é até a nave vista em DS9 “the je’m hadar part 2”, no longa 7, a Enterprise B é classe Excelsior, a E classe sovereign e assim por diante…, além disso já que só é considerado canonico aquilo que é filmado, em TOS Spock diz que serviu sob o comando de Pike por 15 anos, e o Kirk assumiu a nave aos 33 anos, em Star Trek 2.0 ele passa de cadete (momento da cena da nave em construção) a tenente em 8 anos, então ele teria que ter 18 anos nesta cena, o que cobre os 15 anos de comando de Pike, mas tem que se levar em consideração que no filme o kirk não subiria de tentente a capitão em uma só aventura (seria forçar a barra demais, e nada dito até agora indica isso), dai se somaria mais algums anos, então meu palpite somando lógica, canone, o que se sabe de concreto do filme e matematica me leva a acreditar que aquela não é a Enterprise…

  28. ^25 Obviamente, você está desconsiderando o Teaser, onde claramente se vê o nome da Enterprise em Doca seca, na superfície.

    Se aquela não for a Enterprise, melhor. Porém todas as referências em entrevistas dão o sentido de ser.

  29. Hollander no Teaser é mostrado a Enterprise em construção em doca na terra sim ! mas nada é visto que o cenário é Iowa, além disso o foi declarado em entrevistas meses atras que o teaser tem um sentido promocional, não é cena do filme. esclarecendo bem: sou fã otimista, de coração aberto pra receber star trek 2.0, mas sei que haverá coisas que não gostarei, e se aquela constitution em iowa for mesmo a enterprise não irei gostar, por mais bem explicada que seja a alteração, mas o filme sendo mais ou menos o que espero que seja isso não vai estragar o todo, afinal isso já aconteceu antes, nos longas e nas séries.

  30. Até onde eu entendi o Nero vai voltar no tempo e todas as mudanças vão fazer com que a ida de Kirk para a Enterprise seja agilizada, portanto, irá pular a parte que ele serviu em outra nave, alterando o cânon.

    E ele vai pular de cadete recém-formado pra capitão, na certa vão matar o Pike.

    Pelo menos foi o q eu entendi…

  31. A ida de Nero ao passado muda tudo mesmo.
    Esqueça o canon. Não se apegue muito a ele porque muita coisa vai mudar.
    Explicações? Só vendo o filme.

    Meu palpite é que o ataque e destruição da Kelvin vai mudar os desdobramentos políticos da Frota com relação a TOS. Talvez venham a dar início a construção de naves mais poderosas, que seriam só construídas depois em TOS, as da classe Constitution. Ou que teriam feito up-grade nessa classe e, nesse caso, a Enterprise seria a top de linha. Lembre-se da NX em ENT. A Columbia era mais equipada que a NX-01. A Enterprise pode não ser a primeira de sua classe, mas é bem provável que seja a do trailer. Os comentários indicam isso.

    Ao que me parece, nas quatro cenas, a Enterprise faria uma viagem inaugural, mas com o alerta geral da Frota, ela teve de ir assim mesmo, cheia de cadetes e com Kirk de clandestino.

    Quanto ao Kirk ser capitão também não sabemos como ocorrerá. Pike pode até não morrer. Pode ficar gravemente ferido durante o confronto com Nero e Kirk assumir o comando temporariamente e depois termos um salto de alguns anos, durante o filme, após a morte de Nero, vendo Kirk passando a capitão e, quem sabe Pike entregando a nave numa cerimônia, se ele estiver vivo (basta o capitão da Kelvin morrer, se é que vai morrer também). Ninguém sabe como ocorrerá. Isso seria uma bela cena final

    Pode ser que a Enterprise não seja aquela do trailer, mas o local é Iowa sim, por causa das torres ao fundo, as mesmas que aparecem quando Kirk dirigia o corvette.

    Mas como eu disse antes, como eles vão explicar tudo isso, só vendo o filme ou algum espoiler que venha a surgir.

  32. Lá vamos nós de novo, pela trocentésima vez… mas pelo menos surgiu algo novo nessa leva de discussões: alguém aí em cima disse que o J.J. Abrams NÃO gosta de Star Trek. Como se o fato dele preferir Star Wars o fizesse detestar Jornada…

  33. Ainda, o contrato de Abrams não exige que ele goste de Jornada… o estúdio espera apenas que faça jus ao seu cachê e realize um filme bem sucedido.

  34. Ralph o que vc disse faz todo sentido, acho também que não devemos abondonar o canon por completo, um meio termo é o que acredito.

    sobre o teaser, vc levantou um mistério de que ninguém falou até agora, o que são aquelas gigantescas estruturas que vemos no trailer com o Kirk na terra, não são docas secas, bas ta analizar que são grandes demais pra isso, uma proporção de uma montanha, tem um formato de letra “T” , e tá em toda paisagem em abundancia, sejam lá o que for parecem estar espalhadas pelo planeta e não são docas secas repito !

  35. Essas estruturas não existem na realidade em Iowa e nem os americanos sabem o que pode significar para o filme, assim como o grande vale em que o corvette cai. Segundo eu soube, ele não existe também e pode ser uma referência ao ataque Xindi em ENT, como disseram antes.

    Veja a imagem das estruturas nas duas cenas.
    http://img.trekmovie.com/images/st09/trailer2analysis/048.jpg
    http://img.trekmovie.com/images/st09/trailer2analysis/002.jpg

  36. Putz gente.. dizer que a nova enterprise é uma porcaria… muito forte…. hehhhe
    Caramba.. qual é o problema da nave ser contruída no solo?
    E se for mesmo a enterprise.. e daí?
    Acho muito difícil dizer como devem ser os métodos de contrução de um futuro 250 anos na frente.
    Todas essas tecnologias ainda serão inventadas e descobertas.

    Acho que o que incomoda a galera, é que todos queriam ver o filme e ficar reconhecendo nas cenas, todos os pontos, vamos dizer assim, históricos da série.
    Concordo também que por ser uma refilmagem, muitas coisas acabam sendo mudadas, mesmo por que os autores mudam coisas que eles não gostam do original e colocam coisas que eles mesmo preferem. Isso aliás, como já foi dito, acontece em toda literatura.

    Me coloco então como fã otimista tá certo gente?

  37. post 33- Ralph realmente aquelas estruturas são um mistério. de certeza não são docas, pela proporção das imagens são estruturas monumentais e solidas. já a questão da cena no precipicio, com certeza não é em Iowa (nesse estado não existe nada assim), acho que aconteceu perto do Grand Canyon mesmo, lembre-mos que no sec 23 é tão fácil e rápido ir de Nova York à Hong Kong como é pra nós agora ir de um bairro da cidade ao outro. lembrando também que o ataque Xindi rasgou a terra do norte na Flórida até o sul na Venezuela, longe de Iowa.

    realmente não sei se o amigo ralph concorda, assim deve ser as descussões dos tópicos sobre o filme, como vc e eu, e otros estão fazendo. tracando idéias e teorias, é divertido, muito diferente de uma agressividade do tipo como foi dito no post 13 ” a nova enterprise é uma porcaria” – atenção a moderação, poís comentários assim provocam mais agressividade.

  38. É, desculpa pelo tormento que causei. Só não estou gostando da nova nave. Outras coisas do filme estou “aceitando bem”.
    Más não vejo nada além de uma nova enfermaria, hangar ou torpedos que a nova Enterprise possa mostrar.
    Até gostarei muito se ela me surpreender no filme. Más acho que vai ser difícil.

  39. Tudo bem. É válida uma opinião sobre alguma coisa que não agrade. Podemos até admitir expressões como “uma porcaria”, “uma droga”, desde que tenha um argumento e não simplesmente xingar por xingar. Certo?

    Só não aceitamos ofensas morais, flames, trolls e discriminação de qualquer tipo.

    Quanto a Enterprise, em minha opinião, não achei ruim no seu exterior, mas ficou muito Las Vegas por dentro, muita luz e colorido. Se a coisa é para ser próxima do real deveriam considerar a economia de energia. Uma meia luz nos corredores e na ponte cairia melhor.
    Se pensarmos em termos de filmagem, talvez não causasse tanto impacto, como eles querem, se fosse escura e sombria. Mas poderia ser menos brilhante.

  40. Fernando Ferrari | 20 de janeiro de 2009 at 4:58 pm |

    “”Tenho a impressão que vamos ver um ótimo filme de ação… Mas que vai passar longe de Star Trek…””

    Penso a mesma coisa. Adeus JJ. ST já era…..

  41. Ei, alguém aí já viu o cartaz do filme nos cinemas? Pois é, eu vi no domingo, no Cinemark Plaza Shopping, em Niterói. Cheguei a comentar, mas o mediador apagou minha mensagem, porque escrevi nos comentários de um artigo que não tratava do filme. Este aqui trata, né? Será que agora eu consigo comentar a novidade? Alguém mais já viu? Estou esperando que o Trekbrasilis escreva algo a respeito. Ou sou o único que viu até agora?

  42. cesar antonio r martins | 20 de janeiro de 2009 at 8:13 pm |

    Post^36:

    “… assim deve ser as discussões dos tópicos sobre o filme, como vc e eu, e otros estão fazendo. tracando idéias e teorias, é divertido, …”

    Jovem Rodrigo, tenho somente a aplaudir e agradecer, seguramente por todos. Sensatíssima percepção e escolha. A globalização desta conduta torna este um foro colegiado.

    Abraço.

    A-koo-che-moya, Rodrigo Bruno …

  43. Sobre as estruturas, se doca seca for hangar, eu achei que seria, pra mim parecia meio lógico, até o formato T da impressão de uma area mas propicia a “estacionar ” a nave.

    Se não é isso, e estão espalhadas pelo planeta, podem ser uma especie de escudo, um campo de força em escala global. Talvez viajei demais, mas seria uma maneira de proteger as naves no solo, em caso de guerra, claro que ai seria algo meio Buck Rogers, sei lá, mas fiquei curioso!

  44. Bom, como a Enterprise parece não ter trem de pouso, esse “T” se fosse um espaçoporto teria de gerar algum tipo de anti gravidade ou raio trator poderoso ou conter gigantescos guindastes. Ainda permanece o mistério.

  45. Eu comentei sobre a fenda ond o Corvette caia poderia ser aquele aberto pela arma xindi. Me disseram que ela ficava na Florida. Pois bem já disse, $J$J$ não sabe nada do cannon, e o está usando completamente errado (ao contrario de usar nada que seria o melhor). Para ele, se for conveniente, usará o precipicio até na “Fenda do Bikini”.
    E as extruturas só são para o fazer Iwoa parecer com Tatooine. Acho até que depois da cena de Kirk aos pés da construção da Enterprise só a veremos já pronta no espaço, sem mostrar como ela foi parar lá.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*