Editora cancela coleção de livros sobre Star Trek

O jornalista Edward Gross publicou um artigo na SciFiTVZone chamado “Star Trek: Lost Voyages of the Universe Reimagined” (As Viagens Perdidas do Universo Reimaginado), onde informa sobre o cancelamento do cronograma de lançamento dos primeiros quatro livros que continuariam a saga do filme Star Trek. O artigo apresenta também entrevistas com autores Alan Dean Foster, Christopher Bennett, David Mack e Greg Cox a respeito de seus romances cancelados.

Este ano, o universo de Star Trek quase inicia sua expanção por meio de quatro romances escritos por Alan Dean Foster, Christopher Bennett, David Mack e Cox Greg. Mas, depois de anunciar os títulos, as sinopses, capas e incluí-los no catálogo da própria Simon and Schuster, a editora decidiu adiar indefinidamente ou cancelar a linha.

Segundo o artigo, a editora, sem maiores detalhes, ofereceu uma explicação oficial para o cancelamento, “J.J. Abrams criou uma nova versão vibrante do universo de Jornada. Após cuidadosa consideração, decidimos adiar as novas histórias, enquanto J.J. e sua equipe continuam a desenvolver sua visão”. 

O artigo também mostra alguns comentários dos autores e suas dificuldades para capturar as novas interpretações de Kirk, Spock e do resto da tripulação da Enterprise, e de suas opiniões sobre o filme.

“Escrever as “vozes” da nova encarnação de Jornada exigiu que eu assistisse o novo filme, algumas vezes, a fim de ser capaz de “ouvi-los” em minha cabeça, enquanto eu estava escrevendo o diálogo”, disse Mack, autor do romance Mais Bonito do que Morte. “Os personagens cujas vozes tinham mudado muito, em minha opinião, foram Montgomery Scott e Nyota Uhura. Scott tornou-se muito mais eloquente e Uhura tornou-se mal-humorada e mais confiante”.

“Spock”, continua ele, “ainda soa muito como o que ele (Nimoy) fez no piloto original, Where No Man Has Gone Before, quando era mais jovem e menos no controle de suas emoções humanas. Kirk é insolente, arrogante, não tão seguro na sua autoridade como ele foi na série de TV. Ele é um pouco mais que um cabeça quente e um pouco mais agressivo, mais uma vez, provavelmente porque este é um Kirk mais jovem do que o que conhecemos da série da TV, e de cuja infância provavelmente não incluia algumas das memórias mais escuras que assombrou a sua encarnação original. Mas a voz mais importante que eu precisava capturar não era o de um único personagem, mas da série em si. Ao escrever um livro baseado na visão de Abrams, eu queria que isso soasse e sentisse como se fosse parte de seu universo. Eu me concentrei em um ritmo vertiginoso emulando seu filme, a ação cinética, humor rápido e interações carregadas de emoção”.

Cox, que escreveu O Perigo do Desaparecimento, afirma: “Você definitivamente quer capturar a voz dos novos atores. A maneira que eu imaginei isso foi que, se o leitor pudesse visualizar William Shatner falando o diálogo de Kirk, eu estaria fazendo algo errado. Apesar de alguns personagens soarem mais parecidos com as versões antigas do que outros”.

Em À Procura de Um Mundo Recente, o autor Bennett comenta: “O que ajuda é que eu tenho um bom ouvido para as vozes e os padrões de fala. Eu vi o filme três vezes na fase inicial da escrita do romance, e eu já tinha visto os trailers e abundância de preview clips antes, então eu tinha uma boa percepção das vozes dos novos atores, quando eu escrevia, e que guiou-me na escrita dos seus diálogos. Em particular, não há como o Kirk, neste romance, poder ser confundido com o Kirk da série original e dos filmes. No entanto, ainda vejo estes como os mesmos personagens no núcleo, apesar das diferenças em seus exteriores. Afinal, Spock Prime reconheceu Kirk e Scotty à vista, uma vez que estas ainda são as mesmas pessoas do universo, mesmo que eles pareçam e soem diferentes para nós espectadores. Eu tentei abordá-los em ambos os sentidos, eu escrevi o primeiro rascunho com as vozes do elenco do filme em mente, mas depois fui novamente imaginando os atores originais para a realização destas linhas. Eu gostaria de pensar que os leitores poderiam imaginar que de qualquer forma isso continuasse a funcionar, embora, naturalmente, a minha prioridade era a fidelidade ao tom do filme e do estilo”.

Foster, autor de Refugiados, opina sobre o filme, “As diferenças realmente não desapareceram ainda, mas na verdade eu acho que Pine e Quinto e todos os outros fizeram um trabalho maravilhoso de canalizar as atuações originais. Obviamente, o personagem Kirk é muito mais impulsivo, que é a sua juventude, e ele ainda tem de se acomodar dentro da prática de um capitão de nave, cujo trabalho de anos teria. Isso torna um pouco mais emocionante, porque você não está tão certo do que ele vai fazer. Na série antiga, você teve uma boa idéia de como as coisas estavam indo porque você passou por episódio após episódio. Mas o básico de Kirk certamente ainda está lá. Mesmo no final do filme, você começa a ver que ele está passando a confiar mais em sua inteligência e a pensar antes de saltar, mas aquele sentimento, ele poderia disparar a qualquer segundo. É por isso que você tem Spock lá para puxá-lo para trás e fazê-lo pensar nas coisas um pouco mais. É a mesma dinâmica que existe entre Kirk e Spock na série antiga, ela só não foi plenamente desenvolvida. Com o tempo, ele pode tornar-se mais parecido com o Kirk original”.

“Passando ao Spock”, continua ele, “Quinto está correto, mas, obviamente, este Spock está um pouco mais em contato com seu lado humano do que foi na série. Isso vai ser uma dinâmica interessante. Eu tenho certeza que através dos filmes posteriores veremos esta constante puxando Spock entre seu lado humano e o lado Vulcano. Mais do que vimos na série original. A grande mudança na ‘voz’ vem do relacionamento com Spock e Uhura. Eles vão ter que ter muito cuidado com isso. É uma coisa muito boa, mas a tendência seria exagerar e recorrer em filmes futuros e tem de ter real cuidado com isso. O fato de que ele é um homem dividido entre dois mundos, esse tipo de coisa … há todos os tipos de precedentes para isso em Conrad e outros escritores de literatura. Particularmente a história do homem civilizado britânico que, de repente encontra-se designado para a Índia ou África, onde encontra-se apaixonado por uma garota nativa. Spock e Uhura são muito diferentes disso, mas a dinâmica geral é a mesma com alguém estando dividido entre dois mundos”.

Fonte: TrekWeb

6 Comments on "Editora cancela coleção de livros sobre Star Trek"

  1. Não posso me colocar na posição de crítico em relação ao cancelamento da série em livros.

    Em parte sinto que há um fundo de verdade na explicação dos responsáveis da série em papel, pois lançar livros é diferente de desenvolver quadrinhos baseados no novo STAR TREK.

    O livro precisa transmitir a impressão dos personagens de forma minuciosa para que o leitor identifique perfeitamente cada personagem.

    Nos quadrinhos, a imagem em desenho dos personagens ajuda e muito na consumação dessa identificação dos personagens.

    Esperar que os personagens se desenvolvam melhor no cinema para leva-los à ação escrita é algo de bom senso.

    Por outro lado penso que tenha havido:
    A) Desentendimento com a Paramount;
    B) J.J. disse não desejar ver nenhuma série carregar a marca STAR TREK na mídia;
    C) Falta de acordo financeiro entre um dos escritores;
    D) Um teste de mercado revelou inviabilidade no retorno financeiro do projeto;
    E) Vão usar partes do material já desenvolvido direto para o cinema.

  2. Acho o item “D” mais provável.

  3. Acho o item “E” mais provável. :mrgreen:

    Queira Deus que eu esteja errado…

  4. Se o intem D for o certo a coisa vai piorar. Dúvido que o segundo filme tenha o mesmo sucesso, por isso se o retorno agora for o problema depois provavelmente vai ser impossível.
    Mas provavelmente o $J$J$ e sua equipe já devem ter percebido que algo em alguns dos livros poderiam comprometer (ou se comprometer) com o póximo filme e portanto pedido o seu cancelamento até pelo menos o roteiro já poder ser analizado.
    Por mim espero que esses livros nunca saiam, uma história (do filme) sobre esse universo paralelo imbecil já é uma lástima.

  5. Acho que esses livros foram cancelados, provavelmente, por conta de conflitos com idéias em desenvolvimento em relação aos rumos dos personagens.

    Os quadrinhos da IDW, se não me engano, também não estão retratando nenhum evento posterior ao filme – ou eu perdi alguma coisa?

    Concordo que ainda é cedo – e mesmo que fizessem histórias que se passassem em períodos anteriores (sem cair na armadilha Smallville, por favor), ainda assim haveria a possibilidade de conflito.

    Diferente do novo Star Trek – Inception, por exemplo (que bela capa, diga-se de passagem), em que se vai trabalhar dentro das possibilidades de uma estrutura já estabelecida. O universo II ainda não tem essa estrutura.

    Não acredito na hipótese da inviabilidade do produto – os EUA, definitivamente, não são o Brasil, e há público/mercado para todos os gostos/bolsos – principalmente em se tratando de uma marca consolidada por lá.

  6. Se o nível da história fosse semelhante ao das histórias em quadrinhos Star Trek: Countdown e ST Nero, prefiro que não existam mesmo.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*