O site RadarOnline postou uma entrevista com o ator e diretor de A Nova Geração, LeVar Burton, que falou um pouco sobre a franquia e seu trabalho agora como diretor. Burton completou recentemente 57 anos e continua ativamente dirigindo e produzindo, também será convidado especial na série Big Bang Theory e no programa William Shatner’s Raw Nerve. Veja os trechos mais importantes dessa entrevista.

Em 1986, Gene Roddenberry abordou-o para o papel de La Forge em A Nova Geração. Você era um fã da série? Você percebeu no momento em que mais uma vez, como fez com “Roots”, estava entrando em território icônico?

“Trabalhar com Gene foi um sonho para mim. Eu era um grande fã da série original. Eu sempre fui um fã do gênero Sci-Fi e visão de Gene foi sobre a diversidade. Ele colocou uma mulher negra em uma posição visível de autoridade na TV no momento em que não havia muitas pessoas de cor na TV. É muito importante para os seres humanos se vêem refletidos na cultura popular. Caso contrário, é extremamente difícil desenvolver qualquer sentimento positivo de si mesmo.”

Os fãs de Jornada são conhecidos por sua devoção, para dizer o mínimo. Algum encontro bizarro com “Trekkies”?

“Eu me considero um deles. Recebo a sua paixão … Eu compartilho-a. Assim, o comportamento teria que ser muito extremo para que eu considerasse bizarro. Acredito que desempenhar um papel fantasia é uma forma muito saudável de expressão criativa. Nós não fazemos o suficiente como adultos. Então você não vai me encontrar batendo nas pessoas por criarem personagens para si mesmos e vestirem-se no fim de semana.”

Você começou a dirigir quando você era um ator de Jornada e, mais tarde, dirigiu vários programas de TV, incluindo outras futuras encarnações da franquia (Deep Space Nine, Voyager), bem como Charmed e JAG. Por que você quis também passar para trás das câmeras?

“Este é um negócio inerentemente difícil. Altos e baixos são um dado adquirido. Um dia você está com entusiasmo, outro dia você não está! Eu simplesmente acredito que é uma coisa boa ser capaz de fazer mais de uma coisa. Sobrevivência. Como produtor de Reading Rainbow eu tinha me acostumado a estar mais no centro do processo criativo. Reconheci logo no início que A Nova Geração poderia constituir uma oportunidade para aprender a me expressar criativamente como diretor também.”

Fonte: TrekWeb.