facebook_pixel
  • Não inventem, deixe o nome como está!

  • trekker

    É…. se o treco já é chamdo de defletor, que deixem assim. Defletor, no máximo, Disco Defletor.

  • Carlos José

    Eu tenho um nome legal que NUNCA foi utilizado: “DISCO DEFLETOR”!!!
    Serve esse?
    ( rsrsrsrsrs… )

  • Lunay Lightman

    Engraçado quando li este post falando sobre um nome, só me vem a cabeça: O nome disso sempre foi Disco Deflector.

    Que história é essa de nome? Sempre teve um nome!!!

  • Ralph Pinheiro

    Pior do que discutir o nome é discutir a função dele. Alguém sabe? Não tenho saco pra ler manuais de nave da Frota, mas me parece que o termo tecnobable tem a função de repelir qualquer contato de partícula ou objeto com a nave quando em movimento. Porisso que alguns roteiristas optaram por Defletor Navegacional. Mas a pergunta continua, para que serve?

  • VERDE

    Ralph
    Pelo que sempre entendi, ele é o principal dispositivo da criação do escudo ou campo de força que protege toda a nave, quando sob ataque, desde TOS. Em TNG ele foi usado para outras funções, mas sempre em caracter excepcional ou de emergência, mas sua função principal sempre foi a mesma criar um campo defletor que protege a nave de danos.

  • Na verdade ESCUDO e DEFLETOR são coisas totalmentes diferentes. Um roteirista explicou uma vez que Gene lhe disse que defletor êh aquela Antena que desvia partículas enquanto a nave viaja no espaço.

  • Ps: encontra uma pedrinha enquanto se esta em dobra não seria nada agradável.

  • VR5

    Não só em dobra: eu li em um dos livros de Arthur C. Clarke que, num futuro talvez não muito distante, um dos maiores empecilhos às viagens espaciais de longa distâncias (e velocidades) nem seria o tempo em si, mas os danos que as naves poderiam sofrer ao se chocarem com detritos especiais. Mesmo poeiras microscópicas provocariam danos consideráveis se uma nave conseguisse atingir, por exemplo, 20% da velocidade da luz. A solução proposta por Clarke seria equipar as naves com gigantescos escudos feitos nada mais, nada menos, de gelo! É um material extrememente resistente e, pelo menos no vazio interestelar (onde as temperaturas chegam próximo ao zero absoluto) bastante durável. Usinas congeladoras produzem grandes hexágonos de gelo que depois são içadas ao espaço (onde a nave está em órbita) e depois encaixados. Um leva calor localizado é suficiente para que os blocos se fundam e formem um cone rombudo ligado à proa da nave.

  • Sandra

    Hummm! Eu não vou entrar no joguinho do boborci!

    Porque eu estou muito ocupada esses dias e estou meio cansada de boborci! hahahahahah!

    Bom pelo menos eles estão finalmente enfurnados em algum lugar para fazer o PRIMEIRO RASCUNHO DO ROTEIRO, AFE!!!

    Eu espero que ele saia “AUDACIOSAMENTE” do twitter, e se concentre em ST SEQUEL!

  • Antonio de Pádua

    Esta coisa de sugerir nome parece ser apenas para criar assunto.

  • Gene poderia estar aqui para decidir….

  • Christian

    Pra que inventar? Disco defletor e pronto.

  • VERDE

    Rodrigo
    Desculpe discordar, porém a viagem em dobra se utiliza do processo do subspaço que não tem detrito nenhum. Vemos até no Star Trek de motion picture, que é bem técnico, que a falha em criar as condições de warp é que coloca um detrito no espaço comum que quase destrói a nave. Portanto, o defletor, que deveria proteger a nave, como vc diz, não o fez e nele não havia problema, o problema estava nos motores de dobra que não fez o espaço se dobrar corretamente, isto é, eles não entraram no subespaço perfeitamente.

  • ralph pinheiro

    Isso tudo é tecnobable. Mas VERDE, não precisa um detrito para causar estrago numa nave em alta velocidade, apenas algumas partículas com massa, além dos danos aos seres humanos, pela própria radiação das estrelas e outros corpos. O Defletor deve ser para isso.

    Sandra, Essa do Orci foi só para manter o assunto entre os fãs e provavelmente é uma dica de que esse Defletor deverá ser parte de alguma cena do filme.

    Mas isso é que é não ter assunto, ficar discutindo nome para Defletor.

  • Padofull

    Pode fazer parte de alguma cena onde eles querem que a Cagaprise fica icomunicável pela perda do disco, pois eles não sabem onde fica o transmissor naquele desenho mal feito. Ou distrair o pessoal a respeito de alguma coisa que esteje por “vazar”, também pode ser isso não é Ralph.

    O disco defletor pelo que ví até hoje em todas as jornadas serve para emitir qualquer tipo de energia que a equipe possa necessitar, e não só para tirar coisas do caminho da nave. Também impulsionar os feixes dos sensores , raios tratores e até armas a uma distância muito maior do que os dispositivos comuns poderiam conseguir. Ou seja ele faz com que tudo na nave tenha um alcance muito maior, mas lógico, isso foi adaptação corriquira dos roteiristas em boa parte das situações de longa distância no decorrer da logevola existência de Jornada nas Estrelas.

    Mas aviso, também pode ser um teste para ver o quanto os fãs estão dispostos a permitir que eles alterem as coisas mais tradicionais da franchia, por isso voto imultavelmente em Disco Defletor.

    Agora essa história de ficar em um hotel para não ter distração é ruim hein. Piscina, bar, academia, restaurante, serviço de quarto com final feliz…

  • Desculpe pelo erro, mas, como acrescentou o Ralph, podemos notar algumas coisas. Você viajar a 90Km/h em direção a uma pedra, é a mesma coisa que uma pedra vir a 90 KM/h em sua direção, em dobra, um mínimo de masa ganharia uma força muito alta ao se chocar com o casco. Em Star Trek ENT, eu não lembro quem diz: “Um pouco de poeira espacial em dobra abriria um buraco do tamanha dessa nave”.

  • “…Ou distrair o pessoal a respeito de alguma coisa que esteje por “vazar…”. Nisso, Pado, eu concordo contigo. Algo pode “vazar” assim que o roteiro estiver pronto.

  • Caetano

    Humm disco defletor, me lembra generations, quando Kirk salva a vez de todos os tripulantes da entreprise B, será que tem alguma relação com o retorno do tio bil.

  • VERDE

    Ralph
    Sem dúvida é tecnobubble, mas tenho lido algumas novidades em cosmologia na SCIENTIFIC AMERICAN, que mais parece ficção. è interessante discutir essas coisas, por que o pessoal pensar um pouco em ciência, dando uma maior noção de física para quem est[á lendo.

  • Ralph Pinheiro

    VERDE, eu li algo sobre a tentativa de se criar um campo de força em volta da nave para afastar partículas e detritos pequenos que poderiam se chocar com o casco da nave ou atravessá-lo e causar danos nos astronautas. As partículas seriam provenientes da radiação solar e o objetivo é para uma viagem a Marte. Só o que sei de ciência real.

    Abs.

  • Alex Altorfer

    VR5,

    Canções de Uma Terra Distante é mesmo um livro muito legal! Esse sim deveria virar filme! Enquanto isso, o projeto de filmar Encontro com Rama continua moribundo e novamente adiado agora para 2013:

    http://www.imdb.com/title/tt0134933/

  • Padofull

    A Sukhoi à vários anos está desenvolvendo um tipo de emisor de ondas, que faria que as moléculas de ár em volta de avião se aquecesem, ionizasem e se agitasem de forma a se tornar algo parecido com o plasma. O dispositivo seria capaz de tornar qualquer aeronave invisível ao radar inimigo sem que fosse necessário ter fuzelagem triangular, recortada e com tinta preta absorvente de ondas eletromagnéticas, também se mostrou eficaz contra sensores térmicos, ópticos e a laser. O único problema do projeto é que o recurso requer muita energia elétrica e o seu peso, o que deixa a impossibilidade de ser utilizado em caças e aviões espiões, as aeronaves que mais ganhariam com ele. Porém como só os EUA possuem equipamento de detecção capaz de fazer frente aos aviões soviéticos convencionais e hoje ambos são aliados e a Russia não tem mais dinheiro para gastar em armamento de alta sofisticação, o projeto segue a passos de tartaruga. Só mencionei isso por que é a tecnologia “real” que mais se assemelha a ficção do disco defletor de Jornada nas estrelas, apesar de que se assemelhe mais aos escudos de defesa. Também é o preceito do “escudo de calor” do filme “o Grande Dave”.

  • Edu Santiago

    Tomara que ninguém pense em antena parabólica…

  • VERDE

    Eu sempre me atualizo com revistas técnicas, uma vez que não sou físico, mas sou engenheiro e estudei bastante. Mas quando se fala em mecânica quântica, ocorrem coisas realmente fantásticas. A teoria do Tudo, a Teoria da Gravidade Quântica e as matéria e energia escuras, são assuntos que muito se parecem com ficção mas é ciência mesmo. Para quem gosta, como eu, vale a pena se atualizar.

  • Leandro Martins

    Do jeito que as equipes criativas gostam de usar o disco defletor como solução tecnobáblica para tudo, deveriam chamar de Canivete Suíço do Espaço.