Durante a sexta temporada, os produtores de Deep Space Nine introduziram o personagem Vic Fontaine, um cantor holográfico do século XX, de estilo lounge, que oferecia conselhos sobre o amor e a vida aos demais personagens da série. Vários artistas foram considerados para o papel como Frank Sinatra Jr., Jerry Vale, Tom Jones e Steve Goulet – mas James Darren finalmente foi o escolhido. Numa entrevista ao Star Trek.com, Darren fala desse seu trabalho em Jornada.

James Darren tem créditos na carreira de ator em filmes e séries de televisão como Gidget, The Guns of Navarone, TJ Hooker (ao lado de William Shatner) e o cult O Túnel do Tempo, chegando também a dirigir alguns episódos de The A-Team, Beverly Hills, 90210, Melrose Place e outros. Como cantor, ele lançou vários álbuns e excursionou pelo mundo. Darren vai realizar um show durante as festividades da Criation Entertainment, a  Convenção Oficial de Jornada, em Las Vegas, no próximo mês. Ele está atualmente com 75 anos.

Contam por aí que você inicialmente não queria fazer Vic Fontaine. Por quê?

“Eles disseram que eu iria fazer um cantor e eu respondi: – “Não, isso é muito para o meu bico. Eu quero pular isso”. Isso foi o que disse ao meu agente. Então, meu agente me ligou de novo e recusei novamente. Recusei três vezes. Finalmente, o meu agente disse: – “Por que você, pelo menos, não lê o roteiro? Se você ler o script, você pode amá-lo”. Claro, eu li o roteiro e, claro, eu adorei ele. Era simplesmente um grande papel. Vic Fontaine era como – o que posso dizer? – Era um sonho para mim. Foi um dos papéis mais agradáveis que já fiz. Então, quando eu entrei para ver (o produtor executivo) Ira Behr e um grupo inteiro de pessoas, talvez oito ou nove deles, homens e mulheres, eles queriam que eu lesse (um trecho). Eu odeio fazer leituras a frio. Eu não estou acima disso, nem sou bom nisso. Então o que eu fiz foi ler o roteiro, provavelmente 10 vezes, e eu sabia de trás para frente, e quando eu comecei a dizer coisas que Vic diria, as coisas que Vic estava dizendo no script. Ira comentou: – “Cara, é engraçado, eu escrevi uma linha apenas para Vic”. Eu fiz isso algumas vezes, só porque eu não queria ler. E, em seguida, Ira me pegou e falou: – “muito inteligente. Você é muito inteligente. Você não quer ler, então você está simplesmente jogando isso na conversa”. Não me disseram se eu havia conseguido o emprego depois. Eu saí, disse adeus a todos depois de um encontro maravilhoso, e tão logo eu cheguei em casa, o telefone tocou. Era meu agente dizendo: “Eles querem que você faça Vic Fontaine.”

Pelo que você sabe, Vic foi concebido para ser um papel isolado ou recorrente?

“Eu não sei. Você teria que perguntar isso a Ira Behr. Eu acho que poderia ter sido pensado como um isolado, ou talvez dois episódios, mas eu não acredito que eles imaginavam fazer muitos episódios como eu fiz. E fiquei emocionado. Poderiam ter sido 50 episódios e eu teria ficado feliz, porque eu adorava interpretar esse personagem.”

Qual ou quais dos episódios que você fez, ainda tem as melhores recordações, e por quê?

“Eu amei o meu primeiro, “His Way”. Quatro ou cinco deles, eu acho, foram realmente muito bons. O episódio do universo alternativo (“The Emperor’s New Cloak”) foi apenas muita diversão. Mas eu diria que “His Way” e “It’s Only a Paper Moon” são os meus dois favoritos, com certeza. Na verdade, deixe-me acrescentar o final (“What You Leave Behind”) como um dos favoritos, também. Isso foi ótimo, cara. O final foi difícil de fazer. O elenco tinha estado lá para sempre, por isso foi difícil para eles, e foi difícil para mim também, porque minha relação com todos tinha crescido instantaneamente. Eu amei esse elenco inteiro. Quando a série havia terminado, fiquei muito triste, triste para eles e muito triste para mim, também. Eu cantei essa canção (“The Way You Look Tonight”) para Nana Visitor … Some day/When I’m awfully low/When the world is cold…” (Algum dia / Quando eu estiver terrivelmente para baixo / Quando o mundo é frio …” e ela começou a chorar. E quando ela começou a chorar, eu comecei a chorar. Foi difícil obter a cena através disso.”

Quão importante foi para você que Vic tenha feito mais do que cantar?

“Oh, isso foi extremamente importante. Se ele tivesse sido apenas um cantor, eu não teria gostado um décimo do que eu gostei. Se envolver no caso de amor entre Kira e Odo foi ótimo. Interagir com Nana e Rene foi maravilhoso. E foi tão engraçado ver Vic, este civil holográfico, com todas essas criaturas. Ira Behr é um gênio. Ele fez este trabalho. Se você pensasse sobre isso ou falasse sobre isso antes de fazê-lo, você nunca pensaria que iria funcionar. Isso não poderia acontecer. Ninguém jamais iria acreditar. Ninguém iria se divertir. Ira é viciado nesta era (do universo da franquia). Ele escolheu quase todas as músicas, na verdade. Ele amava o Rat Pack (grupo de cantores dos anos 50). E em cima disso, ele é um gênio como um escritor e um ser humano incrivelmente maravilhoso, tanto ele como sua esposa, Laura. Penso em Ira várias vezes e não vê-lo tão frequentemente como eu gostaria, mas que oportunidade ele me deu para fazer este papel e levar-nos todos de volta ao tempo quando a vida era muito mais simples, eu acho, e mais segura, por com certeza.”

Em que você está trabalhando atualmente?

“Eu estive em uma turnê. Fiz vários concertos sinfônicos em junho, na Califórnia e em Las Vegas, e então eu tenho algumas outras apresentações que vão me manter ocupado, provavelmente até outubro.”

E no meio do ano, em agosto, você estará de volta em Las Vegas para a convenção do 45 º aniversário da Creation tanto como um convidado e quanto um performer. Você ainda gosta de interagir com os fãs?

“Eu absolutamente amo isso. Isso é muito legal. Primeiro de tudo, eles estão lá especificamente para vê-lo, e eles são apenas grandes audiências. Às vezes você trabalha em clubes ou teatros ou sinfonias, e as pessoas podem ter um Season Pass (pacote de viagem), então eles não são fãs realmente ferrenhos. Mas quando eu faço as convenções, é sempre grande, sempre incrível.”

O que você pode nos dizer sobre o concerto que está preparando?

“São muito bonitas canções que eu faço em todo o país. É pop e eu levo humor no meu show. Eu uso um clipe de filme, que é tipo de diversão, também, de coisas passadas da minha carreira. E eu vou cantar um monte de músicas de Vic Fontaine. Eu vou cantar um monte delas. Provavelmente vai ser cerca de metade do show. Os fãs Vic Fontaine não irá se decepcionar.”