• VERDE

    Já é ruim termos filmes sem qualquer profundidade, com roteiros furados, ainda querem utilizá-lo como meio de divulgação gay. Aassim não dá, vai ficar pior que o primeiro.
    Espero que tenham bom senso e não façam isso

  • Carlos

    Nada contra, mas esse é o tipo de coisa que, se mal feita/escrita, pode tirar o foco da tão preciosa “história”. E não falo desta ou daquela opção sexual representada na tela.

    De repente, você não está mais se perguntando se os heróis irão audaciosamente onde ninguém jamais esteve. De repente, você está se perguntando se o Spock e a Uhura vão se acertar, porque “fazem um casal tão bonitinho”…

    Como se isso fosse relevante. Esse tipo de aproximação dos personagens – sejam gays ou heteros – tende a deixar tudo estereotipado, raso, sem sentido. E se eu for ver Jornada no cinema e me deparar com uma plateia que poderia estar assistindo a Crepúsculo ou a Glee, então eu desisto mesmo.

  • Sandra

    Eu só consigo me lembrar da estória de manter “o segredo” quando vejo essas entrevistas!

    O fato é que eles precisam promover os outros trabalhos deles, mas sempre surge a curiosidade sobre ST, e eles ficam apenas desconversando.

    A verdade é que o interesse por ST sequel parece ser bem maior do que pelos outros projetos, será que isso tá incomodando eles?

    Essa coisa do JJ não admitir que será o diretor é para tentar manter o foco nos outros projetos dele, mas nesse momento isso “já deu”, pelo menos para os fãs de ST em geral!!!

  • Ben Kenobi

    Já tivemos um gay em jornada: SHINZON.

  • http://www.trekbrasilis.org/2011/08/06/abrams-diz-que-historia-e-prioridade-para-sequencia/ Itacir José Santim

    Se fosse para fazer um filme com um tema sério os produtores, diretores e roteiristas teriam de ser outros, talvez alguém como o Nicolas Meyrs ou o Leonard Nimoy, senão o filme será mais um “Velozes e Furiosos nas Estrelas”.
    Esse JJ só sabe imitar e mais nada. Alguém se lembra das citações de William Shakespeare da série clássica e usada nos filmes? Star Trek usava literatura desde a série antigs e esses novatos apenas souberam utilizar efeitos especiais e ação.
    O tema homossexualidade foi trabalhado disfarçadamente num episódio da Nova Geração em uma episódio que mostrava personagens de uma raça que decidiu ser assexuada, porém um de seus membros optou por sua sexualidade, algo considerado anormal àquela sociedade. O episódio foi fraco e apenas essa tentativa foi feita. Nas outras séries o Rick Berman vetava ideias para episódios que discutiriam seriamente esse assunto.
    Para fazê-lo agora, seria necessário pessoas talentosas com ideias ao nível usadas em A Ira de Khan, A volta para Casa e A Terra Desconhecida, ou seja tem de ser inteligente e inovar, algo que J.J. e sua equipe são incapazes para construir um filme sério.

  • Sandra

    Eu já vou ficar feliz se eles escreverem uma boa aventura, porque está bem difícil entender o que se passa no momento.

    Tô preferindo imaginar que eles estão escondendo em que pé andam as coisas, é interessante o que o Kurtzman disse:”Nós já estamos no processo. A (fixação da) data neste momento não nos faria mover mais rápido. Nós já estamos nele.” ????

    Sobre um personagem gay acho que o JJ estava sendo apenas diplomático, não creio que eles vão colocar nada muito relevante a respeito disso no filme, e não estou fazendo julgamento aqui é apenas um palpite!

  • GILSON P. DE FARIAS

    Conforme os negros são respeitados…Sisko(Avery Brooks) ou uma mulher: Janeway(Kate Mulgrew). Se nós tivessemos gays, MACHOS como: Tuca Andrada; Ricky Martin; Ian Mckellen, entre outros. A história poderia ser a seguinte: No começo do filme, seria um Homem Gay= CAPITÃO de uma nave, que se despedi de seu namorado na terra… e morre em combate com o inimigo, antes de kirk e sua tropa chegar. kkkkkkk

  • Padofull

    Gente, esse pessoal só vai fazer alguma coisa do tipo: Kirk e Spock descem em algum planeta onde algum mafioso poderoso (gordaça, babão e com nome de jJaba), que terá umas “primas” de bikini se pegando para incitar os seus “clientes”, assim, bem de fundo. De jeito nenhum vai ser algo profundo ou significante do ponto de vista social ou humanista. Se tentarem vai dar “bolo”.
    E sinceramente tô nem aí se alguém da BadRobot dar um “peti” e pular fora de ST. Na verdade, se todos pulassem fora eu daria pulos de alegria e fazia uma bela festa. Principalmente o $J$J$.

  • Everton

    Temática GLS foi retratada no episódio Blood and Fire de Star Trek Phase II com direito a beijos e carícias entre dois homens http://www.youtube.com/watch?v=24bSzDJTgYE&feature=related, bem como os episódios TNG – The Host; TNG – Outcast; DS9 – Rejoined (c/ beijos entre Jadzia Dax e Lenara Kahn); DS9 – Profit and Lace (c/ Ferengi Transex, se não me engano) – compilação dos epísódios citados: http://www.youtube.com/watch?v=lX8MwpsZI6U.
    Na mesma página, os ativistas da causa homoafetiva que queiram a participação de uma personagem homossexual em Star Trek XII ou II, basta acessar a página abaixo e assinar a seguinte petição eletronica dirigida à J.J.Abrams.
    http://www.petitiononline.com/gaytrek/petition.html.

  • Carlos Tosh

    Demorou de ter um personagem gay em star trek… ainda que Georgi LaForge nunca me enganou…!

  • VERDE

    Sempre achei o olhar dele estranho … !!!!!!!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Humberto

    Principalmente o olhar dele no seriado.

  • Sandra

    Georgi enchergava longe e eu não estou especulando sobre a vida sexual dele, a propósito!

    Ei Verde vc viu X-Men: Primeira Classe? O McAvoy está ótimo como o jovem Charles Xavier, se ele tivesse feito o Scott eu tinha me apaixonado por ele também! hahahah!!!

  • Sandra

    VERDE eu quero dizer!

  • Padofull

    Sandra, o McAvoy teria feito um ótimo trabalho, se bem que até o Ashton Kucther seria um “meio” ator muito melhor.

  • Cesar Adr

    Gostei muito do filme de 2009, teve seus erros mas os acertos compensaram muito bem.

    Mas agora já to muito decepcionado com esses caras (não que isso importe pra alguém), pode ser que me deem um cala boca no futuro, mas nunca vi um projeto com um nome de peso como Jornada ser tratado desse jeito indiferente.

    A sequência vai levar quase 5 anos pra chegar aos cinemas, em se tratando de grandes produções (um achismo meu) isso é perda de dinheiro e fãs.

  • trekker

    Nada contra gays, mas acho que ST não se presta a esse tipo de coisa. Já basta a Globo (e outras) ficarem enfiando guela abaixo da gente essa questão, querendo parecer normal, querendo que aceitemos algo, que definitivamente não é. É um desvio. Respeito a pessoa que está nesta condição, mas não queiram me fazer de idiota, querendo aceitar algo que não é normal.

    Querem ser gays? Que sejam, sejam felizes, mas não empurrem pra mim algo que não é normal.

    Daqui à pouco vem alguém com aquela idéia: mas o que é normal? Normal é aquilo que é normal e fim de papo, sem jogo de palavras, pessoal.

    Conheço pessoas boníssimas, que são gays (gosto muito delas), mas acho uma afronta querer que eu aceite isso como normal. Serve pra quem quer, pra mim não serve.

    Acho que sim, devemos respeitar, mas não enfiar guela abaixo essa coisa toda.

    E, por favor, deixem ST fora dessa, isso é pra ser discutido em outro lugar.

  • Carlos Tosh

    se controla trekker!!!

  • Everton

    Personagem gay em Jornada – indiferente, afinal o mundo deve comportar várias correntes

  • VERDE

    Sandra
    Ainda não vi X-Men, mas a minha filha já viu e gostou muito. o James McAvoy é muito bom e, sem dúvida, faria um Scott bem melhor.
    Mas como disse o Pado, até o Kutcher faria melhor (pelo menos teria um rostinho mais simpático).
    Falando sério, é uma pena que não tenha sido ele, paciência…

  • César
  • trekker

    Carlos Tosh: aprenda a ler o que as pessoas escrevem. Não aceito a condição de gay como algo normal. Acho que o gay deva ser respeitado, ter seu convívio social como outra pessoa qualquer, ter seus direitos preservados como qualquer um, não deve ser maltratado (de forma alguma). Enfim: respeitá-lo como pessoa.

    E acho que a temática não cabe em ST (ao menos em um filme, pode ser atá numa série, onde haverá mais espaço de tempo pra isso – tem que ser uma coisa bem abordada, bem pensada, pro tiro não sair pela culatra).

    Se ser gay fosse normal, não haveria discussão em torno disso. Acho que se deve discutir é os maltratos que as pessoas sofrem por estarem nesta condição (verbais, inclusive). Sou contra isso, cada um na sua, vivendo em paz.

    Agora, querer que seja normal….

  • Carlos Tosh

    Eu li exatamente o que vc escreveu trekker e achei tosco… tu escreve muita besteira… “se fosse normal não tinha discussão”?!?!
    “Normal é aquilo que é normal e fim de papo, sem jogo de palavras, pessoal.”!?!??!?

    na boa trekker, vai estudar que talvez vc fique menos tosco…! tu não vai precisar virar gay não, rapaz, relaxa…!

  • Kiko

    Carlos e Trekker, por favor me permitam entrar na discussão, porém, não com a intenção de ofender ninguém. Concordo quando não é normal Trekker, mas, o que para mim não deveria ser normal é tentar passar a ideia de que se não sou a favor, então, sou contra. Estamos correndo um risco muito grande de criarmos uma minoría totalitária nesta questão. Se continuarmos agindo assim, logo teremos exemplos como o que segue: Imagine que no caso de um acidente de trânsito, você cidadão comum terá que se responsabilizar no caso de ter a culpa, mas, se você for o culpado e a vítima for um homosexual, então, a sua culpa será maior, você será culpado duas vezes, por ter causado o acidente e ainda mais culpado porque a vítima era gay. Hora se realmente grupos que se dizem discriminados querem ser aceitos, entre eles os gays, é preciso agir com naturalidade, sem agressividade, nem acreditando que tem mais direitos que os demais.
    É baseado nisso Carlos que me preocupa que no futuro eu tenha que acabar virando gay para ter meus direitos respeitados, então, não sei não, se não vamos ter que virar gay.

  • Carlos Tosh

    ai caramba…!

  • trekker

    Carlos Tosh: vc é agressivo no que escreve, eu não. Bye.

  • Carlos Tosh

    trekker… vc destila seu veneninho homofóbico depois sai fora com esse papo de agressividade, entendi qual é a sua…
    só quero que vc chegue para as “pessoas boníssimas, que são gays (gosto muito delas)” e chame elas de anormais e desviados, pra vc ver qual a opinião delas…

    e kiko… qual o direito que os gays tem que vc não tem?!?! vc tá viajando! que historia é essa de cidadão comum? gay não é cidadão comum? esse exemplo do acidente de carro é triste… pela sua lógica se a vitima for negra vc será acusado de racismo e se for mulher vc vai ter medo da lei maria da penha…!
    essa última bobagem que vc escreveu é uma inversão de valores tão grande… é exatamente a garantia de direitos que os gays reivindicam, não é?

    há + ou – 130 anos no brasil donos de escravos diziam “estão tirando meu direito de ter um escravo!!!” na época de TOS muitos “patriotas” americanos torciam o nariz pro checov e diziam “esses libertinos estão querendo enfiar o comunismo pela nossa guela abaixo!!!”… sinceramente, quando nos pegarmos falando como os reacionários da nossa história é melhor pararmos e refletirmos…!

    e isso tudo porque querem colocar um personagem gay no próximo filme…

  • trekker

    Tosh: bye…

  • Humberto

    Muito bem, Carlos Tosh. Muito bom mesmo.

    E como dizia George La Forge em Generations: “What is Normal?”

    Abraços.

  • VERDE

    Concordo com o Trekker, parabéns por sua coragem pois hoje opinar contra é ser taxado de homofóbico e preconceituoso. Homofobia é uma doença e não é o seu caso, preconceito significa conceito errado, o que não é o caso também, pois se fosse natural a raça humana já teria acabado.

  • Humberto

    VERDE,

    Opiniar contra não é exatamente ser taxado de homofobico. Preconceituoso, sim, pode ser. Mas homofóbico vai além do show de contradições nos post´s do Trekker, onde ele afirma várias vezes que não tem nada contra homossexuais, mas os taxa indiretamente de anormais. Muito coerente.

    Quanto à questão de doênça, melhor agente não entrar em detalhes, pois o que eu já vi de pseudo-médicos afirmando que isso ou aquilo é doênça por puro achismo é de doer o bom senso.

    E quanto a afirmação classica da extinção da raça humana, se a homossexualidade fosse tida como normal, hora, pergunto à você: Se for declarado amanhã no mundo todo que a homossexualidade é normal você vai se tornar homossexual? As futuras gerações vão? A resposta é obvia, VERDE. Claro que não vão.

    Da mesma forma que a homossexualidade está ai à milénios os Heteros também estão e sempre vão continuar co-existindo. A grande diferença que o futuro aponta é que mais e mais homossexuais poderão exercer sua sexualidade livre dos tabus da sociedade, vivendo uma vida plena pelos seus padrões e não mais sendo infelizes em casamentos forçados. Essas uniões que existem em número muito maior do que a sociedade se quer imagina ou aceite de fato.

    O futuro felizmente continua à ser promissor e eu quero acreditar nisso. Pois se algo de muito positivo que aprendi em Star Trek foi que… “Sempre há Possibilidades”.

    Não existe apenas o Normal e o Anormal, mas toda a complexidade humana unida em celebração.

    Grande abraço.

  • VERDE

    Humberto, a questão é complexa, mas o que mais me preocupa é que existem pessoas que adquirem o hábito homossexual por imposição (pedofilia, estupros na própria família, pseudo-religiosos e etc…). Com a caracterísitca social de normalidade muitos acabam por entrar, vamos dizer assim, nessa comunidade e perdem a vida familiar. Eu sei que muitos homossexuais tem uniões mais estáveis e estão adotando filhos, mas a salutar referencia do pai e mãe, homem e mulher, acabam prejudicando o próprio desenvolvimento normal das crianças e, sabe-se lá onde, isso acabará terminando.
    E nem estou citando a vontade de Deus sobre tudo isso, pois a nossa sociedade parece não se importar nem um pouco com Deus, na verdade estamos na época de “eu sou mais eu e o que importa é se estou fazendo a minha vontade”.

  • Humberto

    VERDE,

    Entendi perfeitamente sua idéia de “adquirir o ato homossexual”. Nesse ponto você tem razão, embora você esteja citando atos criminosos e o fato da homossexualidade existir não constitui crime per-se. Mas eu não estou dizendo que você quis dizer isso, apenas estou ressaltando um ponto daquilo que você colocou.

    Quanto a questão da adoção isso é realmente bastante complexo. Pois se por um lado ter pais heterossexuais não é uma garantia de filhos bem criados e felizes, por outro também um par homossexual NUNCA substituirá plenamente a figura do pai e da mãe. Sendo eles(pai e mãe) responsáveis em cumprir o papel que lhes foi confiado.

    E quanto a vontade de Deus, eu prefiro apenas dizer essa frase: “Amo o Deus que criou o Homem e não o Deus que o Homem criou”.

    Abraços.

  • VERDE

    Humberto
    Tremenda essa última frase sua. Em Êxodo 33 temos um exemplo claro disso, quando o povo de Israel chama o bezero de ouro de Yaveh.

  • Carlos Tosh

    já que fomos pra esse lado recomendo a leitura…

    http://www.freibetto.org/index.php/artigos/85-os-gays-e-a-biblia

  • VERDE

    Novamente a I.C.A.R. deixa a Bíblia de lado, normal !!!!!!!!!!!

  • trekker

    O que é I.C.A.R.?

  • VERDE

    IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA