O St. Petersburg Time postou uma entrevista com o ex-produtor de Jornada, René Echevarria. Ele trabalha atualmente no projeto de Brannon Braga, Terra Nova e fala sobre essa nova série baseada na viagem no tempo e sua ligação com Jornada.

O trabalho de René Echevarria como escritor de televisão começou em 1989, quando enviou um script não solicitado para a produção de Jornada (chamado de “The Offspring”). Como resultado, passou a ser roteirista regular das séries A Nova Geração e Deep Space Nine. Trabalhando ao lado de Gene Roddenberry, assim como de Rick Berman, ele produziu 39 episódios para a franquia.

“Eu sempre fui atraído pelo lado humano da história e menos para as naves espaciais ou aliens ou o que quer que seja”, disse Echevarria, aos 49 anos de suas raízes cubanas. “Brannon tinha em mente idéias realmente boas, e eu pensava: “E se o Data tivesse um bebê?” Eu costumava receber muitas cartas dizendo: – Jornada precisa de mais escritores do sexo feminino como você.”

Depois de deixar Jornada, ele trabalhou em Dark Angel, Now and Again da CBS e Medium, ele co-criou a série The 4400, trabalhou no hit de mistério da ABC, Castle, em seguida, ajudou a desenvolver Teen Wolf para a MTV. Ele mesmo desenvolveu um script para uma versão na TV do filme de Arnold Schwarzenegger, True Lies, mas a ABC decidiu fazer o remake de Charlie’s Angels

 Braga tinha acertado parceria com Spielberg para uma nova e ambiciosa série de TV sobre uma família que partia do futuro, fugindo de um mundo poluído, saltando para 85 milhões de anos no passado.

Um telefonema, um convite foram o suficiente para animar Echevarria a embarcar nesse novo projeto. Agora, como o showrunner da série pré-histórica, ele saiu de Los Angeles para uma série de filmagens na Austrália – “É mais cedo lá (fuso horário), assim você sente como se já estivesse em uma máquina do tempo”, brincou – Echevarria parece estar usando toda a sua experiência no showbiz passado para seu novo trabalho.

Para o produtor e escritor, Terra Nova não deixa de ter ecos de temas de Jornada de uma forma que o faz sentir como se ele desse uma volta completa, “Não há como escapar de Jornada afinal, é provavelmente a maior influência sobre esta série”, disse ele. “Tem esta motivação de esperança sobre a humanidade em ressurgir das cinzas. Eu acho que é uma série que Roddenberry teria cavado e desenvolvido ele mesmo. Ela se parece muito bem como uma volta para casa”.

Um dos desafios para Echevarria, nessa produção, são os efeitos visuais. Cada episódio de Terra Nova leva mais tempo do que um drama típico de TV, com efeitos gráficos por computador, tecnologia de captura de movimento e até mesmo para criar bonecos de aparência realista, animais pré-históricos. Tudo isso para uma audiência acostumada com espetáculo do tipo de grande orçamento como Jurassic Park.

“Eu entendo o ceticismo”, disse Echevarria após apresentar a imprensa um trailler da série no último Comic Con. “Mas eu não tenho dúvidas de que vamos conseguir isso. Sem dúvida, em tudo.”

 Fonte: TrekWeb