Doug Drexler é um profisional com um longo caminho em Jornada. Ele já compilou o USS Enterprise Officer’s Manual, escreveu histórias em quadrinhos baseadas na série original, serviu como maquiador de A Nova Geração, como artista cênico em Deep Space Nine, artista de efeitos em Voyager e ilustrador sênior em Enterprise, entre outros. Além disso, Drexler ainda trabalha no calendário anual de naves Ships of the Line. Numa entrevista ao StarTrek.com, ele descreve como foi seu trabalho na franquia.

Vamos começar com o Calendário de Ships of the Line 2010. Está disponível. O que é novo e excitante sobre isso?

“Bem, você sabe, a gente começa a desenvolver esse trabalho bem atrás. Estou pensando em 2013, neste ponto, já que terminamos. Vou dizer um pouco sobre isso porque é interessante, o que está acontecendo. Rizzoli é a nova editora. A Pocket Books não vai continuar. Eu não sei exatamente a razão. Tudo que sei é que o seu acordo de licenciamento com a CBS expirou e não sobreviverá a isso. Então, a Rizzoli tem o que pegou. Sua programação editorial é totalmente diferente da Pocket Books. Se fosse a Pocket, teríamos até março para concluir a imagem. Mas a Rizzoli acabou der pegar a licença e não haverá tempo suficiente. Seu pensamento: – Vamos fazer o melhor que pudermos.”

“Agora, francamente, quando você está fazendo uma transição como essa é muito importante a maneira como você olha quando sai do outro lado. Você não pode olhar como uma recauchutagem. Então eu conversei com meus amigos que trabalham no calendário e eu disse: “Olha, eles querem fazer uma coisa de reanálise. Pessoalmente, eu não vou fazer isso, eu vou criar uma arte nova para executar novamente, e vocês estão livres para fazer isso também, se quiserem”. E todo mundo aceitou. Nós pegamos o calendário juntos há cerca de três semanas. Eu acho que é um dos calendários mais bonitos. Assim, às vezes um material extra-legal sai da adversidade. Eu estou realmente animado com ele.”

OK, vamos falar do passado. Você amou a série orignal quando criança em Manhattan. Você até abriu uma loja dedicada a Jornada, antes de se tornar um maquiador. Como foi que você ficou com a Nova Geração?

“Isso ocorreu antes de A Nova Geração estar no ar. Eu estava trabalhando em Nova York como um maquiador quando a série estava sendo desenvolvida. Tinha Roddenberry e Justman liderando. Esse foi o meu sonho. Um dia eu pensei: “Que diabos? Por que não?”, e liguei para o escritório da Paramount (em Los Angeles) e disse: “Eu gostaria de falar com Robert H. Justman” e eu tinha Bob Justman na linha. Esse é o tipo de cara, um companheiro maravilhoso, aberto, com um grande senso de humor. Se você ler “Whitfield The Making of Star Trek”, você lerá memorandos de Bob. Hilariante! Nos demos muito bem, ele e eu visitamos o cenário algumas vezes enquanto eles ainda estavam construindo para a série. Foi assim que eu vim a conhecer Bob.”

Como você fez a passagem de A Nova Geração para Deep Space Nine?

“Eu passei pela temporada três, quatro e cinco de A Nova Geração. Quando Deep Space Nine começou a ser desenvolvida, Mike me perguntou se eu queria me juntar a seu grupo, para fiscalizar (a maquiagem) na nova série. Mas eu tinha conhecido Mike Okuda no departamento de arte, e nós nos demos bem lá. Depois de passar três anos no palco, eu estava gostando tanto da cenografia e dos gráficos que perguntei a Mike (Okuda) se havia alguma maneira que eu pudesse escapar de lá. Então eu pulei diretamente da maquiagem para o departamento de arte. Eu acho que o último episódio de A Nova Geração em que trabalhei foi “Time’s Arrow, Part I”. Eu fiz a maquiagem de Mark Twain. Esse episódio foi de duas partes. Eu estava no departamento de maquiagem na parte I, e no departamento de arte na parte dois. Quando a nova temporada começou de A Nova Geração, Mike Westmore foi para Herman Zimmerman e disse: “Podemos ter Doug por um dia, para que ele possa mostrar aos novos maquiadores como fazer o Twain?” Então, houve esse dia quando eu trabalhei em ambos os departamentos. Na parte da manhã eu estava fazendo maquiagem em “Time’s Arrow, Part II”, e depois disso eu atravessava para o departamento de arte. Eu coloquei o meu kit de maquiagem sob a minha nova mesa, e isso permaneceu por sete anos em que fiquei em Deep Space Nine.”

“Foi a partir daí. A beleza de Jornada é que éramos uma família que, se você realmente tivesse vontade, você poderia deslizar em outros departamentos. E eu fiz exatamente isso. Depois de trabalhar em design gráfico com Mike (Okuda) em Deep Space Nine, eu fui para os efeitos visuais em Voyager, até trabalhar para a Foundation Imaging, por alguns anos. Quando veio a série Enterprise, Herman Zimmerman me chamou e disse: “Por que você não traz seu conhecimento CG de volta para o departamento de arte, e nós vamos projetar uma nave aqui em três dimensões?” Eu acho que pode ter sido um das primeiras vezes em que a CG foi usada como uma ferramenta de design, nessa medida, onde literalmente construimos a nave e fomos capazes de olhar para ela de qualquer ângulo. Poderíamos fazer animações e enviá-las para Rick Berman. Até então, Rick só foi capaz de ver desenhos, esboços. Um modelo em 3-D que você pode executar pela câmara, bem, você está realmente vendo o que está olhando na tela. Não há nenhuma adivinhação envolvida. De qualquer forma, Herman me fez uma oferta que eu não poderia recusar, né?”

Você passou tanto tempo em Jornada que não dá para entrar em detalhes sobre suas experiências em cada série. Assim, de um modo geral, o que você mais gostou?

A Nova Geração …

“A única coisa que se destaca para mim é que A Nova Geração foi um puro-sangue. Gene Roddenberry e Bob Justman ainda estavam no comando. Estar trabalhando em uma série em que Gene Roddenberry estava ligado, foi uma emoção. Foi um sonho realizado. Então havia esse elenco. Eu estive neste negócio há 32 anos, e nunca vi nada parecido com o elenco de A Nova Geração. Você lê sobre as séries onde dizem que é uma grande família e, em seguida, você descobri que eles realmente se odiavam. Não em A Nova Geração. Era uma família real e todo mundo divertia-se muito. Foi pura diversão, não importa o quão tarde você trabalhasse. Brent Spiner e Jonathan Frakes, os caras estavam loucos e totalmente malucos. Eles não levavam nada a sério até que a câmera estivesse rodando. Honestamente, eu não acho que já tenha visto um ensaio normal com eles. Cada ensaio tinha alguém tentando sacanear uma outra pessoa. Se eu pudesse voltar no tempo, provavelmente seria para essa série.”

Deep Space Nine …

Deep Space Nine foi realmente uma série super-importante para mim. Foi a série que eu fiz uma transição da minha carreira em primeiro lugar e percebi que Hollywood era minha ostra. Qualquer coisa que eu queria fazer, eu poderia fazer se colocasse minha mente para ela. Deep Space Nine me mostrou isso. Mas a coisa mais importante que saiu de Deep Space Nine foi a minha amizade com Mike e Denise Okuda. Mike deu uma chance para mim. Ele tinha visto meus desenhos e coisas assim, mas eu nunca tinha teclado um computador antes. Ele convenceu Herman (Zimmerman) para deixar eu entrar e fazer a maquiagem de trabalho no departamento de arte. Devo-lhe muito isso, mas a amizade que temos, é algo que não tem preço. Então, essa foi a minha primeira incursão na direção de arte. Lembro-me do dia em que Mike deu sua palavra e comprou um computador. Eu não tinha idéia de como usá-lo. Eu tinha duas semanas para chegar até a velocidade de trabalho. Eu fiz todas as ilustrações para Mike e Denise, e para a Star Trek Encyclopedia. Tornei-me o rei dos desenhos de naves. Eu penso sobre isso agora e ainda é excitante para mim.”

Você estava em Voyager, mas não no departamento de arte …

Deep Space Nine e Voyager eram sobrepostas. Então, às vezes, Richard James, o designer de produção, me trazia durante a fase de concepção de Voyager. Eu tive influência no visual da nave fiz cortes, e fiz alguns gráficos. Então, no momento em Deep Space Nine terminou, eu tinha começado a conhecer os caras de efeitos visuais muito bem. Assim, cerca de um ano antes de Deep Space Nine terminar eu estava pensando sobre o que eu ia fazer. Sabia que o departamento de efeitos visuais estava usando Lightwave, um programa de CG. Mike realmente tinha uma cópia do Lightwave em seu escritório, mas ele estava tão ocupado que nunca chegou a usá-lo. Eu olhava para aquela caixa todos os dias e dizia: “Uau, isso é muito legal”. Finalmente, eu disse, “Hey Mike, você se importaria se eu levasse isso para casa?” Ele disse: “Claro, se ajudar”. Então, Levei-o para casa e acabei usando-o no departamento de arte, no último ano de Deep Space Nine. Gente como Gary Hutzel me viu trabalhando com Lightwave. “Ei, como você gostaria de construir uma nave para mim?” Foi assim que a coisa começou nos efeitos visuais, e quando Deep Space Nine terminou, eu estava na Foundation Imaging e trabalhando no departamento de CG de Voyager.”

Particularmente com Hutzel …

“Exatamente. Quando Enterprise terminou, eu fiquei pensando: “Cara, eu estive em Jornada por 17 anos! Este poderia ser o fim dela! Eu nunca vou trabalhar de novo! Quem recebe uma sorte assim?”. Mas quando eu cheguei em casa, havia uma mensagem de Gary na secretária eletrônica. Logo eu sabia que ele ia me pedir para vir para Battlestar Galactica. E foi isso, eu estava na série. Foi uma experiência fantástica. Tivemos Ron Moore lá, e ele sempre foi um cara inteligente, criativo. A mais recente Battlestar Galactica era descendente de Jornada, particularmente A Nova Geração e Deep Space Nine. Muitos de nós acabou ali. O conhecimento que nós ganhamos de Jornada entrou em Galactica. E isso afetou as histórias também, porque nas histórias Ron queria dizer sobre A Nova Geração, onde ele realmente não pode fazer porque as pessoas de A Nova Geração se davam bem na Frota Estelar, mas ele poderia dizer sobre Galactica. Ron queria ter pessoas nas gargantas uns dos outros, e foi isso que ele fez. Mas Jornada e Galactica, estão muito, muito relacionadas. Há quase uma linhagem distinta da idade de ouro de Jornada para Battlestar Galactica.”

Você realmente pulou da Voyager para Battlestar Galactica. E sobre Enterprise?

“Oh homem, o céus! Herman queria que eu voltasse como ilustrador desta vez. Para passar por essa experiência de projetar a nave e trabalhar com os produtores … Rick Berman estava muito, muito envolvido. Ele orientava para onde estávamos indo. Basicamente, você está agindo como uma lente para tentar focar o que quer. Claro, você está inserindo-se aí também. Esse é o jogo. É tudo sobre detalhes. Quando eu trabalhava na NX, se você olhar para aquela nave, cada centímetro quadrado, não há nada frívolo sobre ela. É tudo baseado na sabedoria de Jornada. Cada pedacinho é algo que você estabeleceu em todos as séries, e (fazer isso) conduz alguém que tem assistido todas as séries e conhece intimamente todas as séries. Cada painel tem um propósito. Sabemos onde tudo significa, cada câmara.”

Seu projeto atual é o piloto Battlestar Galactica: Blood and Chrome. Como foi isso, e de que forma, tecnologicamente falando?

“Eu trabalhei com Gary Hutzel, que mais uma vez é o nosso supervisor de efeitos visuais. Ele é muito divertido. De uma forma muito importante era diferente de qualquer outra coisa que eu já trabalhei. A série inteira foi em tela verde. Não houve cenários. Isso aconteceu por causa da economia. Conjuntos de cenários de uma série de televisão como A Nova Geração ou a última Battlestar Galactica são proibitivamente caros. Ninguém quer correr esse risco. Além disso, a forma como as redes têm feito negócios nos últimos tempos, é meio bizarro. Eles cancelam uma série depois de um episódio. Se um programa não executa direito, vão cancelá-lo. Naquela época quando você sabia que uma série seria mantida no ar por um ano, você poderia ter uma chance, porque sabia que iria desenvolver uma audiência ao longo do tempo. Com a mentalidade atual das emissoras, não há chance de construir uma audiência, e após um ou dois episódios, é cancelada. É simplesmente impossível. Então, eles querem fazer uma série ao preço mais baixo possível, porque se for cancelada após um ou dois episódios, ninguém fica com sua cabeça cortada.”

Qual é o próximo passo a frente para Blood and Chrome?

“Vamos ver se vai ou não vai virar série. Esperemos que sim, e devemos saber em fevereiro. Decisões nunca são feitas durante as férias.”

O que mais você está trabalhando no momento?

“Neste momento, estou trabalhando em um projeto legal, mas não posso dizer o que é. Acho que a maioria das pessoas sabe o que está acontecendo, mas nós vamos falar sobre isso quando for a hora certa. Eu estou esperando por Blood and Chrome. Até então? Eu não sei. É uma espécie de uma vida nômade, este negócio. Na verdade, eu só trabalhei alguns dias fazendo um pistoleiro num western independente de Ben Alpi’s, chamado Cowboy Creed. Ben tinha me visto praticando estilo ocidental manuseio da arma no meu blog e me convidou para fazer um papel no seu filme. Quem poderia dizer não a isso?”