Apartamento decorado estilo Voyager será desfeito

Nem a falência, nem um ataque de fungos poderia parar Tony Alleyne de transformar o seu sonho em realidade, decorar o interior de seu apartamento ao estilo da nave USS Voyager. Mas um divórcio irá forçá-lo a transformar aquele apartamento de volta em um convencional.

Em 1994 no Reino Unido, o trekker Tony Alleyne começou um projeto de redesenhar seu apartamento de um quarto em Hinkley, Leicestershire, para um de interior semelhante ao interior da nave USS Voyager da mesma série. Ele fez tudo sozinho, a um custo astronômico de mais de 150.000 dólares. Sua empreitada foi ainda destaque no documentário Trekkies 2 em 2004. Mas agora Alleyne está sendo forçado a jogar todo o seu trabalho duro ( e dinheiro) fora por conta de um divórcio.

Ao que se sabe, sua esposa não o deixou porque ele transformou seu apartamento em uma  réplica do interior da USS Voyager. Ele transformou seu apartamento depois que ela saiu da casa.

No ano passado, surgiram problemas no apartamento com mofo e fungo e descobriu-se que o vizinho do andar de baixo de Alleyne estava cultivando maconha, utilizando equipamentos de cultivo hidropônico.

A esposa de Alleyne, Georgina, vinha pagando a hipoteca do apartamento, desde 1994, mas agora ela quer vender o apartamento, “Quero vendê-lo como propriedade convencional”, disse a ex-esposa.

Agora com o divórcio em andamento e a partilha de bens, Aleyne está sendo forçado a se desfazer de toda a decoração interior, “Para dizer que estou eviscerado é um eufemismo. É trabalho da minha vida. E parece que vai tudo para o lixo”, disse Alleyne ao jornal Sun. “Admito que houve lágrimas.”

Fonte: Trek Today e FFESP

11 Comments on "Apartamento decorado estilo Voyager será desfeito"

  1. Coitaaaaado!

  2. GILSON P. DE FARIAS | 1 de fevereiro de 2012 at 10:45 am |

    Gente!!, e meu sonho também!!! hahah

  3. Que história doida essa…As chances de haver um trekker que tranaformou seu apê em uma ponte da Voyager e, logo no apê do andar de baixo, um maluco plantando maconha, é de uma em um trilhão…mas aconteceu…(rs)…

  4. Pior foi ele deixar a mulher pagando a hipoteca: a não ser que ele consiga tomar a posse para si de alguma forma, vai tudo para o lixo mesmo!

  5. Em qualquer lugar do mundo isso é fácil de resolver, ele que assuma a hipotéca e ressarsa a esposa, a menos que ele esteja quebrado mesmo. Acho que ele levantou o assunto somente para que vejam o que ele fez. Que sirva de alerta pra todos, esposa você não sabe até quando terá uma, mas, ex-esposa é até que a morte separe.

  6. Antonio de Pádua | 1 de fevereiro de 2012 at 5:19 pm |

    Mais perigoso do que os Borgs ou a Espécie 8472 é uma ex-esposa (ou ex-marido, depende) com os sentimentos e o bolso (principalmente) feridos. Esta acabou com a Voyager.

  7. É óbvio para qualquer fã de Voyager. Quem comanda a nave é uma mulher.

  8. É claro que ísso não ia dar certo, a mulher não ia ficar pagando pelo brinquedo dele até o fim!

    Como já dizia minha avó alguns homens não crescem nunca. 🙂

  9. Se ele tivesse seguido a regra de aquisição ferengui numero 139, não tinha acontecido isso…

    139ª regra: “Esposas servem. Irmãos herdam”.

  10. Marcelo Ferreira | 1 de fevereiro de 2012 at 11:16 pm |

    Sem exageros também né? manias e hobbie’s à parte, não precisava tanto, esse literalmente vive no mundo da lua, se teve coragem ou loucura suficiente pra gastar 150 paus, fico imaginando o tamanho do luto.

    Será que 150 dariam pra pagar a hipoteca?

  11. Pena é todo dinheiro disperdiçado. Se ele tivesse gasto em algo mais produtivo. Como sempre digo, ST é laser (pode ser até um trabalho) mas tudo tem limites. Me lembro do Renato, o escritor, agora não me lembro o nome, que no programa UM CONTRA CEM” falou que a esposa pegou uma carona na nave klingon e se mandou. Eu não tenho nada disso e minha mulher já está saturada de tanto filme, o problema é que quando o nível de ST no meu sangue cai muito eu começo a ficar nervoso, portanto, não tem jeito.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*