dornNuma entrevista ao site Big Shiny Robot o ator de A Nova Geração e Deep Space Nine, Michael Dorn, lembrou seu trabalho na franquia, a evolução do personagem e comentou um fato pitoresco, a possibilidade de que poderia estar numa nova série de Jornada, retornando como o capitão Worf.

Com a quarta temporada de A Nova Geração saindo em Blu-ray, o que você sentiu acerca desta temporada? 

Dorn: A temporada quatro acho que foi um tipo de acertar nossos passos, em termos de produtores, diretores, atores, todo mundo estava uma espécie de descoberta, bem, eles encontraram o seu caminho. Uma das grandes coisas sobre a televisão, é que você realmente tem tempo para lançar um personagem ou chegar a algum lugar confortável para o ator e o personagem, e acho que a quarta temporada é o lugar onde nós realmente acertamos nosso passo. Todo mundo estava apenas clicando e sabíamos que a série estava acontecendo, sabíamos que os fãs adoraram por isso, foi uma boa temporada.

Eu li que você é um dos poucos membros do elenco que era um grande fã da franquia antes de conseguir o emprego. O que foi que te atraiu para Jornada antes de se envolver?

Dorn: Algumas coisas. Quando a série veio originalmente, meu irmão e eu amávamos TV e cresci assistindo cowboys e índios e westerns e os Intocáveis, e todos estes tipos de programas que passaram, e comédias também. Jornada foi o primeiro seriado que realmente tinha um elenco multicultural, que era interessante para nós, mas também, inicialmente, foi uma série divertida. Ela foi como Gene Roddenberry gostava de dizer, ela realmente foi um vagão de trem para as estrelas. Eles estavam fazendo coisas também, que era uma espécie de coisa inovadora, onde estavam falando sobre o equilíbrio de poder, falando sobre os comunistas e os norte-americanos e toda a atitude que a guerra fria estava acontecendo, que era parte dela.

Havia algum sentido nisso, quando você estava fazendo um Klingon na ponte da Enterprise, logo de cara?

Dorn: Não, a única coisa que sustenta a verdade são os fatos, e eu sempre vou pelos fatos, eu era o último do elenco. Eu era uma ideia adicional. A história que me lembro é que as pessoas falavam com Gene muito disparate sobre os Klingons. Os Klingons ainda são o inimigo, os Klingons vão ser isso? E ele apenas dizia: “esqueçam isso, mudei”, e é por isso que ele colocou-me na ponte. Isso é uma coisa sobre Gene, ele é inteligente na TV e esses tipos de coisas, ele queria mostrar que as pessoas seguiram em frente. Não é a mesma coisa, não é nós contra eles.

O que foi que te atraiu para Jornada antes de se envolver na série?

Dorn: Algumas coisas. Quando a série veio originalmente, meu irmão e eu amamos TV e cresci assistindo cowboys e índios e westerns e os Intocáveis, e todos estes tipos de programas, e comédias também. Foi o primeiro seriado que realmente teve um elenco multicultural, que era interessante para nós, mas também, inicialmente, foi uma série divertida. Era como Gene Roddenberry gostava de dizer, realmente foi um vagão de trem para as estrelas. Eles estavam fazendo também uma espécie de coisa inovadora, eles estavam falando equilíbrio do poder, falando sobre os comunistas e os norte-americanos e toda a atitude que a guerra fria estava acontecendo, que era parte dela.

Isso foi algo que tipo de me surpreendeu, quando eu tinha sete anos Acerca Next Generation começou e eu lembro de ter ficado chocado com o quão rica em guerra fria que todo, como negrito era colocar um Klingon na ponte da Enterprise.

Como você se sentiu, alguma vez mergulhado na franquia, você se acha especialista em cultura Klingon e na sua história, já que você foi o avatar que todos nós vimos, por meio de A Nova Geração e Deep Space Nine?

Dorn: Na verdade, a cultura Klingon, e, mais uma vez, este é um decreto direto de Gene, quando eu comecei o trabalho, ele não queria que o personagem fosse qualquer coisa que nós tínhamos visto antes. Eu conhecia todos os personagens e conhecia todos os atores, e conhecia todos os Klingons antes disso, então eu só tomei uma tática diferente, eu fui em uma direção diferente do que os escritores e produtores tinham pensado. Nós realmente tínhamos uma idéia do que se tratava, e seu lugar na hierarquia do Império Klingon. Foi um novo começo para Klingons e foi isso que me deixou feliz.

A coisa boa sobre os produtores, é que eles entenderam que eu estava muito ligado ao meu personagem; em A Nova Geração, talvez nem tanto porque estavam basicamente escrevendo e eu estava apenas trabalhando, mas em Deep Space Nine, eu realmente deixei claro que eu queria que meu personagem fizesse outra coisa. Não fazer algo diferente, mas realmente aprofundar esse cara, não apenas tê-lo sentado sendo mal e chateado com toda a gente. Acho que isso é o que eles fizeram, e, felizmente, eles entenderam que Worf não é um cara que tenta ser engraçado, ou tenta ser dramático ou qualquer uma dessas coisas, ele é apenas ele, e se você escrever um bom diálogo, só virá algo bom. Eles fizeram bem isso, pelo menos.

Você poderia imaginar que estaria trabalhando anos mais tarde, em outra série de Jornada e realizando algumas dessas histórias?

Dorn: Não, eu nunca imaginei que iria estar 11 anos mais tarde com um personagem, eu fiquei feliz de fazer quatro anos. Neste negócio, trabalhar é a única coisa número um, conseguir o trabalho, então eu fiquei muito feliz de fazer os quatro anos e não tinha idéia disso. A única coisa boa é que eu nunca tive que ir para cima dos produtores e escritores para reclamar para dar-me coisas. Havia sete personagens principais na série, então você não iria conseguir alguma coisa a cada semana, a série não vai ser sobre você toda semana e eu entendi isso, quando escreveram coisas, mas eles escreveram realmente uma grande coisa. Foi sempre muito , muito interessante. Eu era o número sete na folha de chamada, de modo que significava que eu não estaria em todos os episódios, mas quando escreveram sobre ele fizeram todo o esforço possível. Foi fantástico, eu sempre ficava muito feliz com o que eles escreviam. É interessante, houve um tempo, eu me lembro muito especificamente, onde capturaram um Romulano e o meu personagem tinha o sangue que poderia salvar o romulano, porque ele precisava de uma transfusão, e eu li o roteiro e no final diz “Worf recusa e o cara morre”.

Fui até Rick Berman e, eu não estava reclamando, eu só fui lá e disse: “Rick, você tem certeza que quer fazer isso?”. E ele respondeu: “Bem, por quê?”

E eu disse: “Bem, é Frota Estelar, e isso realmente iria colocá-lo sob uma luz diferente. Eu não sei como, mas o que você acha? ”

E ele disse: “Bem, Michael, é por isso que nós queremos fazer isso. Queremos mostrar que ele não é um ser humano. E ele não está obrigado a fazê-lo, mas se eu tiver uma escolha, então, não, ele não vai fazer isso. E ele estará bem assim”.

E eu respondi: “Ok, é sua série”. E foi uma grande decisão, foi uma decisão muito sábia.

Em que momento você se achou no personagem? Você disse que a série (A Nova Geração) atingiu seu auge na quarta temporada, mas quando foi o momento em que você chegou no personagem? Ou você estava mais investido em coisas, como a história que você acabou de dizer, em vez de apenas tomar o roteiro e fazer o seu melhor?

Dorn: Eu acho que, na verdade, na primeira temporada, houve um episódio, “Heart Of Glory”, onde os Klingons vem a Enterprise e tentam assumir o controle, e Worf é mostrado. Isso leva a todas as coisas que se tratam de Worf, você vê de onde leu veio e mostra onde ele nasceu, onde cresceu e seus pais humanos e realmente esse tipo de coisa, e isso foi uma espécie de primeiro episódio onde eu fiquei com aquele “eu entendo”. Eu já tinha dado a ele um pouco de uma história por trás, mas é aí que eu entendi e consegui levar o personagem.

Foi difícil encontrar a voz? Você ficou preocupado do tipo, “Eu vou ter que fazer isso todos os dias durante os próximos 11 anos”.

Dorn: Eu não sabia que iam ser 11 anos quando eu fiz isso pela primeira vez. Não, a voz, a maneira que eu falava era a voz original dele. Se você assistiu o primeiro episódio, talvez os dois primeiros episódios, que é a voz que eu tenho, é essa voz. Gene veio até mim e disse: “Nós temos que fazer algo sobre isso, porque você parece com um americano, e eu queria que você soasse diferente.”

Então eu disse: “Ok, ótimo”, e durante dois dias, eu tentei algumas coisas diferentes e Gene disse: “não, não, não”, e eu acho que voltei no dia seguinte e tentei mais duas ou três coisas, e a voz de Worf que você ouviu, foi uma das vozes, no final eles disseram: “Essa é a única”.

Alterar a sua voz é fichinha quando você tem um emprego. Se eles dissessem: “Michael, você tem que falar assim para o resto de sua vida”, eu faria. Se você vai ficar numa série por 20 ou 30 anos, sim, isso é bom.

Então você não encontrou qualquer desafio para mantê-lo lá? Não foi fisicamente exigente para você? Provavelmente muito menos do que o processo de maquiagem que era feito todos os dias.

MD: Não, não havia exigência. Minha voz é baixa mesmo, então eu só baixei o tom um pouco mais e ficou um pouco mais rouca, eu não usei muito contrações – há alguns momentos em que eu deslizei, mas na maior parte eu não usei contrações, o que dá a sua voz um pouco formal.

Você dirigiu, eu acho, quatro episódios? Outros membros do elenco passaram por isso, como LeVar Burton e Jonathan Frakes, e eles meio que fizeram uma carreira fora da atuação, mas você parece ter feito apenas quatro. Isso foi algo que não mostrou um grande interesse para você depois que fez isso?

Dorn: Na verdade, Rick me perguntou se eu poderia dirigir e por causa da maquiagem e do momento em que eu ia gravar, eu simplesmente não tinha tempo. Eu estava na maquiagem, você sabe, 12 horas por dia, mas eu sempre quis dirigir, é por isso que eu entrei no negócio, para dirigir. Eu fiz quatro episódios, e isso foi uma coisa muito interessante, eu dirigi após estes outras séries, eu dirigi uma comédia e eu dirigi VIP com Pamela Anderson e estava indo nesta direção, mas nesse trabalho, simplesmente não funciona dessa maneira. Eles gostaram do meu trabalho e algumas delas foram canceladas e não havia outras que eu estivesse na espera, por isso é uma daquelas coisas que simplesmente não dão certo. Mas, ainda não acabou, ainda tenho coisas a fazer, estou trabalhando em meus próprios projetos e eu acho que isso vai vir de novo.

Última pergunta, é uma espécie de duas em uma: qual episódio deixou você mais orgulhoso e eu sei que você falou algum coisa sobre fazer uma série com o Worf capitão, como é que está isso?

Dorn: Bem, houve dois episódios de Deep Space Nine, que quando se trata de Klingons e Worf, achei que foram simplesmente fabulosos, “Soldiers of the Empire” e “Once More unto the Breach”, com Jon Cramps. Esses foram brilhantes, episódios escrito maravilhosamente. Acho que Ron Moore escreveu os episódios, simplesmente brilhante. Havia alguns episódios que lidavam com Worf, eu acho que “The Redemption” é um ótimo episódio, eu realmente amei a sensação desses dois últimos. Nós estávamos realmente em naves Klingon, estávamos no Império Klingon. Foram fantásticos, eu acho que eles foram os meus favoritos.

Além disso, sobre essa coisa do Worf, no ano passado houve interesse e eu falei com alguns produtores e nós realmente tínhamos uma reunião com a Paramount e a CBS, e as coisas ficaram no caminho em termos do filme de J.J. Abrams saindo e a relação da CBS/Paramount com J.J. Abrams. Eu não acho que eles não queiram contrariar, colocando uma nova série, mas ainda não está morto. Eu terminei o roteiro e espero que alguém venha dar uma olhada nisso e dizer “nós podemos fazer isso”, então vamos ver.

Fonte: TrekWeb