a ST LVO escritor Mike Johnson foi entrevistado pelo site Flickeringmyth para falar sobre as novidades em quadrinhos da IDW Publishing para 2015: o crossover Star Trek/Lanterna Verde e mais dois novos projetos, Star Trek: Starfleet Academy e um especial da edição 50, baseado no clássico Mirror/Mirror.

Seu nome está ligado em todos os quadrinhos da série em curso de Star Trek, e você escreveu um monte de histórias. Gostaria de chegar às portas da IDW, dizendo: “Eu tenho um plano para os próximos 5 anos!” Ou você é parte do atual plano da IDW referente a Star Trek para os próximos 5 anos?

MJ:   Eu desejava que fosse inteligente o suficiente para ter cinco anos planejados! Minha chegada foi fortuita, porque na época eu estava trabalhando para Alex Kurtzman e Bob Orci, que estavam no processo de escrever e produzir o filme Star Trek. Com o seu incentivo, já que eu tinha sido escritor para a DC Comics, e quando o plano para um prequel em quadrinhos veio, eles me pediram para trabalhar nele. Eu comecei a escrever em tempo integral em 2011, quando a IDW estava procurando iniciar um curso de Jornada em quadrinhos, que preencheria a lacuna entre o filme de 2009, e Além da Escuridão. Nós lançamos a nova série com Bob Orci na qualidade de nosso padrinho criativo, e graças ao entusiasmo e apoio dos leitores, temos sido capazes de manter a missão em curso acontecendo nos últimos quatro anos. Estou com novas histórias, e para a série se desdobrar, trabalho geralmente seis meses a um ano de antecedência da data de publicação.

Mas você começou o que é talvez o evento de crossover de 2015, com Star Trek/Lanterna Verde. Como isso aconteceu? Outros super-heróis DC foram discutidos inicialmente, ou isso foi sempre um crossover Green Lantern/Star Trek?

MJ: IDW e DC tiveram uma passagem muito bem sucedida alguns anos atrás com Star Trek e a Legião dos Super-Heróis, e quando chegou a hora para outra equipe vir com Lanterna Verde era natural. Ambos Jornada e Lanterna Verde são sagas com ambições espaciais épicas, com personagens fantásticos, e tem sido muito legal de trabalhar. Nós não discutimos quaisquer outros personagens da DC, embora haja definitivamente uma espécie de “Jornada reúne Superman”, história perambulando em algum lugar no meu cérebro.

Assistindo a notícia recente no ComicCon sobre uma nova série de histórias em quadrinhos, vemos Kirk e companhia em seus dias mais jovens de cadetes em Star Trek: Starfleet Academy. Estas serão novas aventuras ou você vai estar olhando para a antiga série Marvel de 1996, como inspiração, mas trazendo-os mais em linha com a atual linha de tempo dos últimos filmes?

MJ: Estas são todas as novas aventuras que caracterizam o grupo icônico na Academia durante o filme de 2009, entre a sua chegada como cadete e sua partida na Enterprise após a destruição de Vulcano.Estamos também com a introdução de um novo elenco de cadetes na Academia no tempo “presente” após os acontecimentos de Além da Escuridão, enquanto a tripulação icônica (que ficou alguns anos mais velha) é afastada em sua Missão de Cinco Anos. As duas histórias intercaladas e, finalmente, vão se unir de uma forma legal que eu não posso estragar ainda. Estou co-escrever esta série com Ryan Parrott, que os leitores vão se lembrar como o autor de edições #18 e #20 da série em curso, que contou histórias em flashback de Uhura e Spock (# 18) e Chekov e Sulu (# 20 ). Ryan é um escritor fantástico que conhece Jornada de dentro para fora e faz tudo para que ela funcione infinitamente melhor.

Também foi mencionado no Comic Con o plano de cair no Universo de “Mirror, Mirror” na edição # 50 da série Star Trek em curso, e você terminou recentemente The Q Gambit. Quanto divertimento você tem em universos de Jornada alternativos onde a Primeira Diretriz não é nada?

MJ: Não há nada mais divertido do que realidade alternativa, ou histórias de história alternativa, e, felizmente, eles são um grampo de Jornada em todas as suas encarnações, então eu não sinto como se estivesse vagando muito longe fora do caminho, quando escrevo-os. Você não quer exagerar, mas eles são uma grande oportunidade para mostrar outros aspectos dos personagens que conhecemos tão bem. A nova história Espelho será de três partes, que funciona através de edições 50, 51 e 52. O brilhante Tony Shasteen já está entregando a arte do Universo Espelho que merece seu próprio filme.

Com Star Trek # 41 começando com Behemoth Parte 1, vemos agora Kirk e companhia começando a sua missão de cinco anos. Nós somos introduzidos a um possível interesse amoroso para Chekov com um novo personagem chamado Irina e também as habilidades de 0718, um oficial que temos apenas visto no fundo dos filmes, mas que foi ampliado nos quadrinhos. Do outro lado da web ouvi dizer que no 50º aniversário, o filme vai ver a equipe mais madura em sua Missão de Cinco Anos, é o seu objetivo atual com os quadrinhos desenvolver a história de fundo para os leitores a ponto de onde o filme começa? Se sim são Irina e 0718 vão ser principais no próximo filme?

MJ:  Nós estamos nos estágios iniciais de descobrir como as histórias em quadrinhos vão amarrar o próximo filme, mas o plano é definitivamente configurar o filme de forma semelhante ao que fizemos com os dois anteriores. Eu não posso prometer que vamos ver qualquer personagem especial no novo filme, porque eles estão contando uma nova história que vai em novas direções, mas o que eu tentei fazer é usar os quadrinhos a se expandir em personagens que só vimos brevemente nos filmes anteriores (como 0718) e algo fora do elenco principal de maneira que um filme de duas horas simplesmente não têm tempo para fazer.

Com o universo em quadrinhos de Jornada agora aparentemente sendo o que você faz, você consegue a qualquer momento escrever para qualquer outro lugar? Se sim o que você está escrevendo no momento?

MJ: Eu consigo! Eu terminei a edição seis de Supergirl para DC, e terminei o primeiro volume de uma série sci-fi original chamada EI8ht da Dark Horse Comics, co-escrito e com a arte pelo grande Rafael Albuquerque. Eu acho que os fãs dos quadrinhos de Jornada no geral vão gostar de Ei8ht, que brinca com temas semelhantes, mas de uma forma muito diferente.

Quando isso influenciou (ou quadrinhos, televisão, livro ou filme) você a estar na posição de hoje, e decidir do tipo “Eu quero fazer isso!”?

MJ: Em termos de história em quadrinhos, eu tive a sorte de crescer na década de 80, quando lendas como Chris Claremont, John Byrne, Walt Simonson, George Perez e Frank Miller estavam criando trabalho icônico a cada mês. Outras grandes influências incluem o Asterix e Tintin, onde cada livro senti como seu próprio filme épico. De certa forma eu acho que foi sempre destinado a tentar trabalhar em quadrinhos.

Finalmente, o repasse de conhecimento, o que você poderia dizer aos aspirantes a escritores que desejam entrar na indústria dos quadrinhos?

MJ:   Eu sempre me sinto culpado em responder isso, porque embora eu tinha escrito muito antes de ter algo publicado pela primeira vez, foi apenas quando um amigo, que já era um profissional, me pediu para co-escrever, e eu realmente invadi a indústria. Eu tive sorte. Mas eu estava preparado quando a oportunidade apareceu. Então, eu vou dizer: ler tanto quanto você possa em qualquer meio de comunicação. Estudar os escritores que você gosta e se perguntar por que você gosta deles, tentar descobrir o que é que eles fazem: é diálogo? A formação do personagem? edificação do mundo? Ritmo, suspense, surpresas? Em seguida, começar a escrever o seu próprio. Não importa o quão ruim seja.Você precisa tirá-lo do seu cérebro e colocá-lo na página. Escrever o primeiro rascunho só para você, não mostrar a qualquer um, em seguida, rever, porque as revisões são tão importantes (se não mais) como a primeira versão que você coloca. E não desista. Não importa quanto tempo leve, quantos anos você tente, seja qual for. Aquela primeira vez que você ver seu nome na impressão faz com que tudo que veio antes, valha a pena.