Série Discovery vai expandir para livros

discoveryDurante um painel apresentado na convenção Star Trek Mission: New York, referente a série Discovery, os roteiristas Kirsten Beyer e Nicholas Meyer, além do produtor Bryan Fuller trouxeram novas informações sobre a série, revelando que ela será contada também em livros e quadrinhos.

Durante a convenção Star Trek: Mission New York deste fim de semana, os fãs foram brindados com um vídeo especial de Bryan Fuller, produtor da próxima série de Jornada, Star Trek Discovery.

No vídeo, Fuller explicou porque optou pelo nome Discovery (Descoberta) para a nova nave.

“Esta nave é chamada de Discovery por alguns motivos”, disse Fuller.”Não menos do que a contribuição de Stanley Kubrick em 2001: Uma Odisséia no Espaço, a nave da Nasa, Discovery, e também o sentido de descoberta”.

Ele também chamou a atenção para uma conexão entre o significado da palavra para os fãs, acrescentando que parte do título vem

“do que a palavra descoberta significa para a audiência de Jornada que foi prometida por Gene Roddenberry como um futuro em que a humanidade se une como um planeta e procura novos mundos e novas raças alienígenas para explorar, compreender e colaborar.”

Fuller disse que eles olham toda a série como uma oportunidade de “reinventar, re-explorar, e reintroduzir” as coisas familiares sobre Jornada, raças especialmente alienígenas que o público reconheceria, mas também trazer um monte de novas naves, aliens, e tecnologia a este universo.

Quanto à decisão de tornar o personagem principal não sendo o capitão desta vez, Fuller disse no vídeo.

“Houve seis séries tudo na perspectiva dos capitães, e parecia que para esta nova iteração de Jornada, precisávamos olhar a vida em uma nave da Frota Estelar de uma nova perspectiva. O novo personagem não é um capitão, mas vai ter toda uma nova dinâmica com a tripulação…. Isso vai nos permitir contar histórias mais ricas, mais complicadas, a bordo de nave da Frota”.

Os roteiristas.

Em outro painel estiveram os roteirstas Nicholas Meyer e Kirsten Beyer. Eles disseram que não poderiam falar muito sobre a série, mas concordaram em revelar algumas informações sobre a produção.

Kirsten começou trazendo uma novidade. Ela revelou que um livro da editora Simon e Schuster e uma nova série em quadrinhos da IDW serão publicados simultaneamente com a estréia da nova série, em janeiro. Conhecida dos fãs por seus romances da série Voyager, Kirsten está supervisionando ambos os projetos, que estão sendo desenvolvidos ao mesmo tempo que a própria série. O primeiro romance será escrito por David Mack. Já a equipe de criação para os quadrinhos não foi divulgada, embora tenha dito que está trabalhando com o escritor Mike Johnson “para aprender como os comics funcionam”.

Mais alguns outros comentários de Kirsten durante o painel.

Nada é reprovado na sala dos escritores. Tudo é pesado e usado para inspirar a história.

Fuller teve uma visão específica do que Discovery é e onde está indo.

A sociedade estava em um certo nível de conhecimentos científicos, quando série original foi feita, mas estamos muito mais adiante agora. É um ato de equilíbrio.

Temos sido educados pela Science Exchange sobre o que é possível e tentamos incluir as suas ideias no que podemos usar.

O elemento mais importante para incluir em Discovery é o senso de otimismo de Jornada, sem a pintura muito bonita de uma imagem sobre o mundo em que vivemos. Emergir esta a ocasião é a minha maior esperança … é um objetivo compartilhado por todos os que trabalham na série.

Haverá novos aliens e formas de vida interessantes, alguns como parte do elenco principal.

Eu estou encantada com a visão de Fuller e a serialização da série e nos permitirá desenvolver seriamente os personagens.

O espírito de inclusão no Discovery não se refere apenas à orientação sexual.

Eu não recomendaria deixar de asssitir o piloto, se você acha que os pilotos não são representativos da série.

Temos este ato de equilíbrio delicado, manter-se fiel ao que sabemos sobre a visão de Jornada, mas agora, com a tecnologia de hoje, podemos fazer muito mais.

A maioria das pesquisas que fizemos no início, assistindo episódios antigos, foi realmente sobre a obtenção de nós mesmos fundamentadados nos principais eventos das séries e trabalhos de revisão adicionais eram feitos com que a terminologia e outro jargão de Jornada estivesse na velocidade da equipe.

Definir Discovery 10 anos antes da série original desencadeou todo tipo de especulação sobre o motivo. Meyer indicou que o motivo era bastante simples:

Eu acho que é sobre encontrar um espaço na cronologia onde há espaço para manobrar e criar coisas. Acho que o que Bryan não queria fazer era utilizar os mesmos personagens que tinham sido usados em outras séries. Então ele olhou e encontrou esta abertura.

O anúncio de qualquer nova série Star Trek traz consigo uma enorme quantidade de emoção, e Meyer queria temperar essa emoção um pouco:

Todo mundo deve baixar suas expectativas. Se você continuar desta forma não só existe pressão excessiva exercida sobre aqueles de nós criamos, mas você também está colocando pressão sobre si mesmo, que inevitavelmente vai levar a algum tipo de decepção. Você não pode agradar a todos, você não pode agradar a todos o tempo todo. A arte não é feita por um comitê. Com todo o respeito, os fãs não sabem o que é melhor para eles. É uma relação simbiótica. Tudo o que eu estou sugerindo é que vocês venham com mentes abertas e corações abertos, vocês podem ser recompensados. Considerando que, se você vai com um cenário de coisas impossíveis para realizar expectativas, mesmo que você não possa especificamente definir, então nós estamos fadados ao fracasso. E assim eu estou dizendo, você sabe, ficar solto.

Sobre a modernização de Jornada para 2017, Nick Meyer, comentou:

“Acho que toda a arte é um produto do seu tempo. Nossa série será um produto de 2016.

Nosso trabalho é cumprir a visão de Fuller. Tenho de adaptar meus instintos para me concentrar neste grupo de empreendimento … estamos falando com cientistas. Estamos fazendo o melhor que podemos.”

Outros comentários de Meyer.

Eu amo os 10 anos antes da série origianl, o período de tempo que Bryan escolheu.

O desafio foi encontrar um espaço na cronologia onde existem lacunas, onde o novo material possa ser inserido.

Eventos atuais sempre se tornam base do seu processo de escrita. Star Trek VI começou desta maneira enquanto eu falava com Nimoy.

Eu não sei todos os episódios como Bryan ou Kirsten. Eu trago uma mentalidade fundamentada, clara e prosaica para o processo.

Fique ligado no TB para mais novidades.

Fonte: Trek Movie e Trek Core

15 Comments on "Série Discovery vai expandir para livros"

  1. “Todo mundo deve baixar suas expectativas….você não pode agradar a todos o tempo todo”. A questão não é baixar expectativas. O que está envolvido na criação desta série é algo que está sendo aguardado há muito tempo e o que não pode ocorrer é um desvio da essência de Jornada para que os que sustentam o legado dela não sejam abandonados e desconsiderados em prol de uma linha de criação que dá valor maior a ação e pancadaria e efeitos mirabolantes em função de $$$ a mais. Embora o público televisivo costuma acompanhar histórias longas ou baseadas em arcos, na telona atualmente isso não tem dado o retorno que se espera(ou seja, não é que não tenha). Por causa disso é que nós apreciadores de ST estamos na expectativa de que se faça uma série CLÁSSICA e não um monte de efeitos sem conteúdo.

  2. O problema de inovar demais e descaracterizar jornada é não corresponder aos interesses dos trekkers e ainda não atrair nenhum novo fã.

    Se tem 50 anos é pq deu certo no formato clássico. Atualizações são necessárias, mas não deve ser feita para agradar 100%, existe um público fiel que merece respeito também.

  3. David Gaertner Curitiba | 6 de setembro de 2016 at 1:50 pm |

    Ansioso aqui. De boa espero que o pessoal esteja desarmado quando começarem a assistir a série. Isso de expectativas muito elevadas realmente deixam um rancor imenso quando as coisas não rolam do jeito que queremos. Talvez com Enterprise tenha sido assim, pois me parece que havia uma certa ma vontade para com a série.

  4. “Eu estou encantada com a visão de Fuller e a -*** serialização ***da **série** e nos permitirá desenvolver ***seriamente** os personagens”

    Kkkkkkk

    Seria….a novelizaçao da série e…desenvolver com profundidade os personagens…??

  5. Eu gostei bastante de Enterprise e entendi que não foi continuada por falta de retorno na audiência mas isso é ” so tipical” pra ST…desde 1967….se os trekkers tivessem se mobilizado pedindo pra ter mais temporadas talvez tivessem atendido ou criado mais cedo outra série…
    As midias sociais contam muito hoje e a cbs vai pesquisar isso a partir de dezembro 2016….
    É importante comentar e opinar nas paginas da cbs paramount.

  6. David Gaertner Curitiba | 6 de setembro de 2016 at 5:29 pm |

    Cara pra mim Enterprise foi muito especial pois foi a única série de Star Trek que consegui assistir desde o início. Morava no interior e não tinha assinatura de tv antes; só peguei as reprises. Para Discovery já assinei Netflix! Só esperando a estreia agoram

  7. Off topic

    Eu acabei de assinar a petição “Bryan Fuller, Alex Kurtzman, CBS Television Studios and CBS All Access : STAR TREK: DISCOVERY – QUEREMOS UM TRIPULANTE BRASILEIRO NA NOVA SÉRIE DA CBS”.
    É muito importante! Que tal você assinar também?

    Aqui está o link:
    https://www.change.org/p/bryan-fuller-alex-kurtzman-cbs-television-studios-and-cbs-all-access-star-trek-discovery-queremos-um-tripulante-brasileiro-na-nova-s%C3%A9rie-da-cbs

  8. Campanha teve. A série morreu por falta de audiência que é igual a $$$.

  9. I’m enchanted with Fuller’s vision and the serialization of the show will allow us to seriously develop characters.

  10. Maurício Oliveira | 7 de setembro de 2016 at 5:52 pm |

    Ingresso na mão!! Vou assistir primeira vez às 19:00 h no Frei Caneca!!

  11. Que venham os livros!

  12. então? Gostou ?
    Que achou da base estelar ?

  13. Maurício Oliveira | 9 de setembro de 2016 at 9:14 am |

    Gostei muuuito do filme! A Yorktown é fantástica. Um mini-planeta no espaço, Como disse Krall: “Onde eles chegaram”. Não apenas em, distância, mas também em tecnologia

  14. Eferos Masopias | 9 de setembro de 2016 at 1:34 pm |

    Acabei de ver… gostei da iniciativa. assinei

Leave a comment

Your email address will not be published.


*