simon-doug“Foi, às vezes, a coisa mais difícil que eu já fiz na minha vida”, disse o roteirista Simon Pegg ao site BuzzFeed News sobre a história de Star Trek Sem Fronteiras. Em uma entrevista quase cinco meses depois do lançamento do longa, Simon e Doug revelam detalhes dos bastidores da criação do roteiro.

Numa cena em Sem Fronteiras, Kirk pretende decolar a nave Franklin do planeta e Scotty adverte: “Voar, isso é outra coisa, senhor. Estas velhas naves foram construídas no espaço. Elas nunca deveriam sair da atmosfera”.

Esta é uma das cenas escritas por Pegg, que o faz sentir orgulho em compor essa linha geeky. “Você notou que Scotty diz que naves são construídas no espaço?”, disse o co-escritor em uma suíte de hotel em Los Angeles, durante a entrevista.

Simon Pegg e Doug Jung contam que a escrita foi feita em um ritmo alucinante e cheia de acenos geeks aos 50 anos.

“Se você chegar com alguma história, então isso terá um significado enriquecido lá para você”, disse Pegg. “E há assim muita coisa nela para as pessoas que estavam lá em setembro 1966” – mês de estreia da série na TV.

O desafio de escrever uma grande história.

Inicialmente, Roberto Orci, que tinha co-escrito Star Trek e Além da Escuridão, foi preparado para fazer sua estréia na direção com o terceiro filme, substituindo JJ Abrams, que estava dirigindo o universo de Star Wars.

Em dezembro de 2014, Orci se afastou da cadeira do diretor, aparentemente devido a diferenças criativas com a Paramount Pictures, e seu script abandonado. O estúdio precisava de um filme para comemorar os 50 anos da franquia. Abrams permaneceu no projeto como produtor e trouxe Justin Lin para dirigir, mas um novo script precisava ser escrito, e em velocidade de dobra.

Foi nessa atmosfera que o parceiro de produção de Abrams, Bryan Burk, mencionou o nome de Pegg enquanto os dois estavam trabalhando em Missão: Impossível – Nação Secreta.

‘Você quer fazer isso?'”, disse Pegg sobre o pedido de Burky, em julho de 2015. “Eu fiquei meio que duvidoso, ‘Bem, tudo bem, claro, por que não? Dar uma chance!’

Enquanto isso, Jung, que tinha escrito em grande parte para a TV (Big Love, Dark Blue, Banshee), foi recrutado pelo produtor Lindsey Weber para trabalhar com Pegg com base na força de um projeto (ainda não revelado) que tinha desenvolvido com a produção de Abrams, a Bad Robot.

“Lembro-me de Lindsay dizer: ‘Estamos fazendo isso, estamos recebendo Justin, Simon está escrevendo, você estaria interessado em ajudar?'”, explicou Jung. “Foi literalmente simples assim.”

trio

O que estava longe de ser simples era a tarefa de escrever um roteiro de longa-metragem para um filme de ficção científica em apenas seis meses.

“Você geralmente entra no seu buraco de escrita, e você sai, entretanto, semanas ou meses depois, e diz: ‘Aqui'”, disse Jung. “Não tivemos esse luxo.”

“Todas as coisas que aconteceram entre o começo do ano de 2015 e a filmagem são todas as coisas que você normalmente passa no processo criativo – o esforço de tentar produzir algo criativo com um monte de pessoas envolvidas. Mas nós tivemos apenas um terço do tempo para fazer isso do que você normalmente faria.”

“Era uma questão de escrever tudo. Havia um quarto que tinha tábuas brancas ao redor, e nós enchemos cada uma delas, e gradualmente começamos a escolher as coisas certas. E então vai ficando cada vez menor, tornando-se mais refinado e mais detalhado”, disse Pegg.

Escrevendo juntos em Londres e assistindo a velha série.

Além disso, Lin teve que iniciar a pré-produção do filme, enquanto Pegg e Jung ainda estavam escrevendo, para poder começar a filmar em julho de 2015.

“Constantemente tínhamos pessoas batendo na porta dizendo: ‘Quando é que podemos construir algo?”, disse Pegg. “Então foi um show de pressão. Enviaram-nos um prazo que era literalmente algo do tipo, ‘Podemos ter o ato 1 no almoço, o ato 2 no lanche, e o ato 3 pelo jantar?’ Nós nos olhávamos e ficávamos pensando: Vocês estão, porra, de brincadeira?! Mas não havia outra maneira de fazer isso.”

“Eu não tive nenhum apreço ao que me fez sentir, porque eu nunca tinha estado em tal experiência”, acrescentou Jung. “Eu não acho que alguém queira repetir isso.” Ainda assim, Jung viu pelo menos um lado positivo para o tempo super apertado. “Nós realmente saímos do nosso próprio caminho, porque não tínhamos o luxo de adivinhar tanto”, disse ele.

Eles chegaram ao ponto onde tinham que parar com as idéias e começar a tomar decisões. Eles tinham de fazer um rascunho para que pudessem mostrar aos chefes dos vários departamentos de produção o que precisava ser feito, construído. Havia prazos incrivelmente importantes que precisavam ser atendidos.

pegg

Com o tempo diminuindo, foi neste momento que Doug Jung e Simon Pegg só precisavam ficar longe de qualquer interferência para arrumar as coisas.

O período mais intenso de escrita ocorreu durante aproximadamente duas semanas, quando Jung voou para a casa de Pegg afastado de Londres para trabalhar no roteiro sem parar.

“Nós apenas escrevemos e escrevemos e escrevemos”, recordou Jung. “. … Houve momentos em que ele fazia uma cena, e então eu fazia uma cena diferente, e trocávamos. Ou se nós estivéssemos em um bom momento, nós fazíamos cenas juntos. ”

“Foi muito bom, porque LA estava dormindo”, acrescentou Pegg. “Pudemos trabalhar nesta bolha de silêncio. Eu moro no campo, então ouvíamos apenas cavalos relinchando. Nós sempre vigiávamos o relógio, porque às 4:00, LA começaria a acordar e os e-mails começariam a entrar.”

Como conseguiram cortar 45 páginas em quatro semanas.

É sabido que, em média, uma página de um roteiro tem cerca de um minuto de tempo de tela em um filme. O primeiro rascunho ainda não estava pronto para produção. Naturalmente, como escritores experientes, Jung e Pegg sabiam que  o primeiro esboço era puramente o filme bruto, que reforçaria a necessidade para determinados cortes.

O que não ajudou esse trabalho foi o fato de que no processo de cortar o script Doug Jung e Simon Pegg deveriam ter a oportunidade de trabalhar juntos novamente, como fizeram no primeiro rascunho. Em vez disso, Pegg permaneceu na Inglaterra, enquanto Jung trabalhou em sua casa em Los Angeles. A grande diferença de fuso horário não facilitou as coisas para os dois escritores, mas evidentemente a Bad Robot não se importava, porque, teoricamente, Pegg e Jung poderiam trabalhar individualmente durante 24 horas por dia.

Devido à sua separação geográfica, os dois roteiristas estavam basicamente entregando-se a outras tarefas do roteiro – tendo determinadas seções do script sendo reduzidas, antes de enviar as edições de volta um para o outro. Este processo foi em frente nas quatro semanas apertadas antes do início da produção. O que não ajudou também foi eles perderem tempo com algumas questões tecnológicas altamente estressantes ao longo do caminho. Doug Jung contou uma história digna de teorias conspiratórias quando ele foi pessoalmente voar até Vancouver, Canadá para o início das filmagens:

Isso é engraçado – eu estava prestes a ir para Vancouver, e me lembro que tivemos que cortar todas essas páginas. Saí do meu escritório às 23:30 do meu tempo, talvez meia-noite – o que eu acho que era no início da manhã para Simon. E eu fiquei encarregado de fazer um corte de páginas, e enviei a Simon um documento, um documento do rascunho final, e eu ou lhe enviei o errado, ou eu não sei o que aconteceu. Ele me enviou uma mensagem: ‘Você está falando sério? Uma página?’ E eu literalmente quase saí da estrada. Eu parei, puxei meu computador. E então descobrimos que em seu computador, a versão final que ele estava usando, era uma versão diferente. Foi algo estranho. Então coisas assim acontecem constantemente.

lin-pegg

Pegando referências da série original.

Para ajudar na escrita Pegg e Jung terminavam o seu dia assistindo um episódio da série original.

“Nós tentávamos reforçar a autenticidade de nosso universo com detalhes da série original”, disse Pegg.

Depois de assistirem o episódio “Corbomite Manuever”, por exemplo, os roteiristas foram inspirados a reutilizar a mensagem do episódio na fala de Kirk a toda a sua tripulação: “Para nós não há o desconhecido, apenas coisas escondidas temporariamente“. Em “Balance of Terror, eles usaram nomes de dois membros da tripulação (Tomlinson e Martine) como personagens que foram mortos por Krall. E eles aprenderam que o conceito de separar a seção do disco da Enterprise foi realmente introduzida pela primeira vez no episódio da série original “The Apple”, o que proporcionou um ponto de virada crucial para a sequência de Sem Fronteiras.

A destruição da Enterprise.

Quando Pegg e Jung se encontraram pela primeira vez com Lin, uma das primeiras peças do roteiro que o diretor queria filmar era a destruição da Enterprise, algo que ele sempre sonhou em fazer desde criança, assistindo a série original. Mas no início, Pegg não queria nada disso.

“Lembro-me de gritar pelo telefone, – Já foi visto antes!'”, disse Pegg. “Eles fizeram isso antes em À Procura de Spock e em Generations !’ Eu fiquei realmente louco.”

Jung também estava cético, mas por uma razão mais prática. “Justin queria que isso acontecesse no início do filme, e nós ficamos amarrados nisso de muitas maneiras”, disse ele. Mas transformar nesse tipo de pressão de contar histórias era parte do design de Lin – assim como seus planos elaborados de como ele queria essencialmente desmembrar a nave. “Quando ele nos levou através de tudo isso, você começa a pensar que ele quer que você sinta que está matando alguém.”

Os planos de Lin acabaram conquistando Pegg.

“Quanto mais Justin falava sobre a maneira devastadora em que ele estava indo fazê-lo, eu dizia: ‘Mas … bem … sim, ok,”, disse Pegg com uma risada.

maxresdefault

A maior perda nos cortes de roteiro.

Um dos maiores elementos da história de Sem Fronteiras é a maneira pela qual a tripulação da Enterprise, em pares separados, se relaciona entre si, enquanto tentam sobreviver em um planeta alienígena. As duplas são uma divertida mistura.

Simon Pegg e Doug Jung manifestaram claramente o seu grupo favorito: Magro e Spock. Os dois personagens têm personalidades polares opostas, e resulta em alguns momentos maravilhosos no filme. O que você provavelmente não sabe é que o primeiro rascunho do filme apresentou muito mais deles.

Jung disse que a primeira cena entre Spock e Magro foi originalmente construída para ter muito mais tempo, e ia ser muito mais avançada. Ela finalmente teve que ser cortada por tempo e razões de orçamento, mas com base no que o co-escritor disse, parece que teria sido fantástico.

Nós estávamos nos divertindo tanto com certas cenas e algumas histórias. Spock e Magro. A primeira cena que escrevi foi de 15 páginas. Se tirarmos tudo isso, provavelmente seria seu próprio filme … Se eu ler essas páginas para você, você vai dizer, ‘O quê ?!’ A perseguição que eles têm antes de serem apanhados durou para sempre. Conversamos sobre tantas coisas. Nós tínhamos criaturas alienígenas saindo, todas essas toneladas de coisas loucas, o que teria sido divertido, mas simplesmente não foi viável.

As edições que Doug Jung e Simon Pegg fizeram para a seqüência ainda faziam o material de Spock-Magro funcionar perfeitamente no corte final do filme, e Jung disse que o processo nunca realmente resultou em matar qualquer frase proverbial querida. Dito isto, havia certos momentos e seqüências de personagens que ele adoraria ver incluídos, mas que sempre soube que nunca seriam.

Um exemplo disto que o co-escritor forneceu foi mais tempo com Sulu e Uhura, que passam boa parte do filme como prisioneiros do vilão Krall. O primeiro esboço deu-lhes um pouco mais de cena … mas também foi uma das primeiras coisas a sair nas regravações:

Houve uma cena que eu gostei com Sulu e Uhura, e foi uma espécie de ponto fora da história, mas você apenas meio que ouve Sulu expressar um pouco mais sobre sua família e a preocupação que eles tinham. E foi apenas um daqueles momentos agradáveis entre personagens que não vemos normalmente nesse tipo de momento. E, é claro, conforme você escreve, você pensa, ‘É a primeira coisa que provavelmente vai acabar saindo por todas essas diferentes razões.

Doug Jung teve uma participação especial como o companheiro de Sulu. Perguntando se foi uma tentativa de dar a seu personagem um pouco mais de exposição, e ele respondeu, rindo,

Eu não estava interpretando ele naquele momento! Não estava tentando preservar mais tempo na tela. Mas foi uma espécie de momentos, momentos de personagem, pequenos papéis engraçados que simplesmente não acrescentam à história coletiva.

Em uma fração do tempo que a maioria dos blockbusters têm, Doug Jung e Simon Pegg foram capazes de, com êxito, esboçar um script, transformá-lo em 170 páginas de trabalho e, em seguida, editá-lo para uma peça viável que poderia ser colocada na frente das câmeras.

Simpático a crítica dos fãs sobre a linha de tempo Kelvin.

Pegg estava ciente da reação de alguns fãs contra os dois primeiros filmes Star Trek,

“Eu estava ciente do tipo de resmungos nos bastidores sobre o novo Star Trek, e às vezes eu pensava: – Sim, eu posso ver porque você acha isso“, disse ele sobre as críticas dos fãs. “Eu posso apreciar algumas das críticas, principalmente em termos do fato de que os filmes foram criados ainda muito no reino da Terra, e Star Trek – assim chamado – é sobre algo diferente disso.”

Pegg também estava especialmente consciente de que  o grande orçamento dos dois filmes anteriores atingiu alguns fãs como algo contrário a narrativa inteligente e encantadora da antiga série.

Star Trek tem sido sempre muito mais sobre as minorias, as minúcias da humanidade, do que sobre os efeitos especiais”, disse ele. “Não havia efeitos especiais reais na série de TV. Foram muito discretos. E como tal, eles realmente se concentraram nessas coisas acima de tudo. Então nós queríamos ter certeza de que havia uma fundação em primeiro lugar.”

Esse entendimento de rever a Jornada mais antiga diariamente, levou os roteiristas a moldarem uma história em que se sentiam muito mais parecida com a série original. Eles se concentraram mais nos personagens e na sua dinâmica e enviaram os personagens para o território literalmente inexplorado – o mais longe possível da Terra. Mas Pegg também reconheceu que não estava fazendo um filme apenas para incondicionais fãs.

“Esse é um balanço realmente difícil de fazer, porque você não quer fazer parecer que as pessoas estão indo a uma festa em que não foram convidadas”, disse ele.

A intenção de Pegg era fazer uma história que deixasse um maior número de pessoas felizes possível.

“O que eu acho que fizemos no final foi criar uma história que é muito, muito Jornada, mas, ao mesmo tempo para quem nunca viu Jornada antes …”. Ele fez uma pausa, e murmurou: “Isto é o que todo mundo sempre diz, mas tem que ser o caminho – você pode sentar e pegar.”

filme

Colocando um pouco mais de ciência.

Outra forma como os roteiristas se esforçaram para fazerem Sem Fronteiras se sentir mais Jornada, foi mantendo a sua história mais fundamentada em explicações plausíveis para com as leis da física. “Temos que ser grandes fanáticos sobre a possibilidade científica”, disse Jung.

Por exemplo, a fala de Scotty com Kirk sobre decolar a Franklin.

“Isso é um pouco de aceno para o fato de que nos dois filmes anteriores, a Enterprise foi vista na atmosfera – o que provavelmente nunca teria acontecido, realmente (na série)”, disse Pegg. “Eu sempre ficava um pouco duvidoso: – ‘Hum, temos que fazer isso?‘. Essa foi a minha pequena piada sobre os aspectos práticos da construção de uma nave de tamanho grande e, em seguida, de algum modo, escapar da gravidade da Terra. – Fez uma pausa e ergueu uma sobrancelha cética. ” Hummm?

Referências a série Enterprise.

O segundo e terceiro atos de Sem Fronteiras apresentam uma série de acenos apontados para a última vez que Jornada foi na televisão, com a série Enterprise.

Pegg admitiu que ele não assistiu muito Enterprise, devido em parte a trilha sonora escrita por Diane Warren,

“Eu simplesmente não podia entrar em soft-rock Star Trek“, ele disse com uma risada. “Mas faz parte da mitologia, então voltamos e fizemos nossa pesquisa sobre esse período de tempo”.

Por sua parte, Jung foi o mais interessado em explorar o que Enterprise poderia oferecer a seu filme.

“Estava realmente meio que atraído a esse tempo de história de Jornada, porque é o momento mais tumultuado no cânon”.

krall

E uma vez que os cineastas tiveram a ideia de que Krall seria realmente um ex-capitão da Frota, chamado Balthazar Edison, entraram ainda mais fundo em coisas efêmeras da série. Edison era um oficial MACO, ou Comando de Operações Militares de Assalto, que lutou contra os Romulanos e uma raça de alienígenas chamada de Xindi na 3ª temporada de Enterprise – e, finalmente dissolvida após a Federação ser criada.

“É certamente algo que foi acentuado”, admitiu Pegg. Mas, uma vez que eles começaram a olhar para Enterprise, os roteiristas gostaram da ideia de evocar a série menos assistida de Jornada desde a original. “Enterprise se sente um pouco como a criança não amada de Jornada. É o último (da família) Baldwin de Star Trek“, disse Pegg brincando.

Abraçando os princípios otimistas de Gene Roddenberry

Um dos princípios fundamentais do criador Gene Roddenberry para Jornada é que, no futuro, a humanidade iria deixar para longe a guerra e a pobreza – e o uso do dinheiro. É uma perspectiva radicalmente igualitária que sempre deixou Lin pensativo.

“Justin, que nasceu em Taiwan, tem um forte interesse na política global”, disse Jung. “Uma das coisas que ele continuou falando foi, ‘Hum, eu meio que não entendi isso. Como você tem um universo sem dinheiro? Como você tem uma sociedade não-capitalista? Isso significa que todos deram tudo o que precisam? Como você progride? Como você evolui, sem um impulso darwinista atrás de você?“.

Assim, os roteiristas procuraram reforçar na história que a união e o bem comum da Federação é tão vital para a sobrevivência da civilização – em grande parte porque esses ideais são como Jornada em si durou meio século.

“Jornada tem sido capaz de evoluir, porque é sobre algo que está muito perto de nossos corações, que é o nosso próprio progresso, nosso próprio senso de aventura, e nosso próprio senso de evolução pessoal”, disse Pegg. “Ainda está aqui porque ainda nos sentimos assim. As pessoas ainda estão interessadas nesta ideia do nosso futuro, e nosso futuro é extremamente positivo. Era tudo sobre a inclusão, a tolerância e impulsionar o fronteirismo. É ainda sobre os seres humanos que fazem seu trabalho por lá – a ideia de que só poderemos sobreviver, num momento em que olharmos ao nosso redor e pensarmos, Nós não tivemos uma chance“.

Não diga Nunca.

Durante o lançamento de Sem Fronteiras, a Paramount anunciou que Chris Hemsworth iria reprisar seu papel em Star Trek como George Kirk, pai de James Kirk, em um roteiro escrito por JD Payne e Patrick McKay – os mesmos roteiristas que trabalharam na primeira escrita com Orci. Falando ao BuzzFeed News antes que o anúncio fosse feito, Jung e Pegg negaram, quando perguntados, se iriam voltar para fazer outro filme, mas disseram que também não iriam recusar se houvesse nova oportunidade.

“Tanto quanto você acha que sabe sobre esses personagens, há tantas coisas que estão sem resposta”, disse Jung. “Você tem que acrescentar algo genuíno e autêntico e original, mas está no espírito de tudo que veio [antes]. Então é como escrever uma ficção de fã realmente grande. Só para ser capaz de dizer, algo do tipo, ‘Ooh, nós colocamos isso no cânon‘ é realmente fabuloso.”

“Eu adoraria fazer isso de novo em circunstâncias um pouco mais calmas”, acrescentou Pegg. “Foi, às vezes, a coisa mais difícil que eu já fiz na minha vida. O início disso era uma destruição de almas, às vezes, porque parecia que estávamos olhando para uma gigantesca montanha coberta de neve usando um vestuário da Speedo, sabendo que teríamos que escalá-la. E de alguma forma conseguimos chegar ao topo, e não conseguimos congelar as nossas partes íntimas.”

Recentemente, Simon Pegg compartilhou uma foto em sua conta no twitter trabalhando junto com Doug Jung, com a palavra “hoje”. Se isso é uma indicação de que estão trabalhando no roteiro de Star Trek 4, não sabemos, mas provavelmente teremos a dupla de volta para criar uma boa história sem a pressão anterior. É o que todos esperam.