Na segunda edição anual da convenção Silicon Valley Comic Con, que se realizou no fim de semana passada, houve uma mini-reunião com a turma da série A Nova Geração. Uma das primeiras perguntas feitas ao grupo foi se eles estariam interessados em aparecer na nova série Star Trek: Discovery. Veja também notícias sobre o fim da greve dos roteiristas e o CEO da CBS falando sobre a estreia da série.

Brent Spiner, Gates McFadden, Jonathan Frakes, Marina Sirtis, Denise Crosby e Robert O’Reilly fizeram um painel de quase 90 minutos, moderado por William Shatner.

Depois de Sirtis e Crosby responderam a questão diretamente (em sentido afirmativo), isso provocou uma discussão interessante em geral sobre a nova série e o que isso significa para a franquia, na opinião dos atores.

Marina Sirtis: Eu faria, mas eles teriam que me pagar muito dinheiro para voltar naquele traje espacial. Porque eu teria que ir para a fazenda gorda e perder cerca de 15 quilos. Então eu faria isso se eles me pagassem muito dinheiro, e eu não me importo com o que ela faz, eu sou uma atriz. Então me aponte na direção certa.

Denise Crosby: Quem eu seria? Eu seria Tasha? Eu seria Sela? Algo no meio. Mas, claro, sim, seria muito divertido fazer isso. Só quero ver se eu poderia voltar naquele taje espacial novamente.

Jonathan Frakes: Estou ansioso por Star Trek: Discovery . Você sabe que Jason Isaacs é o novo capitão da Enterprise [na verdade é da USS Discovery].

William Shatner: Eu não sei de nada … Eu não poderia ter seguido menos, é suposto ser bom?

Jonathan Frakes: Eu não vi.

Gates McFadden: Eu aposto que vai ser ótimo.

Brent Spiner: Nós estamos esperando que seja.

Jonathan Frakes: Eu sou um eterno otimista.

Brent Spiner: É bom para todos que seja bom. Porque vai continuar e nós somos parte desta epopeia gigante que é a grande epopeia americana, Star Trek.

Jonathan Frakes: Lembra como você se sentiu quando A Nova Geração saiu?

William Shatner: Horrível. [Brincando, a multidão ri]

Jonathan Frakes: Poderíamos todos promover isso.

Lembranças dos bastidores de A Nova Geração.

  • Durante o teste de elenco, foi dada a Gates McFadden uma escolha de leitura para Crusher, Troi ou Tasha Yar. Ela escolheu a Dra. Crusher porque a cena parecia humorística e ela pensou que o personagem seria um alívio cômico, observando que “foi a única cena engraçada que eu tive em sete temporadas”, ao que Denise Crosby respondeu “pelo menos você tem uma”.
  • Ao fazer um teste para Troi, a única indicação que Marina Sirtis recebeu do diretor de elenco, Junie Lowry, foi “pensar nela como norueguesa”.
  • Quando lhe foi dada a opção de ler para o Comandante Riker, Spiner respondeu “Riker ?! Quem quer fazer Riker? “. Para o qual Frakes brincou:” A que horas você ía trabalhar de manhã? “(Referindo-se aos requisitos de maquiagem extras de Spiner)
  • Em geral, todos concordaram que “realmente não sabiam o que queriam para a série” ao lançar A Nova Geração.
  • Sirtis observou que muitas pessoas fizeram um teste para Picard, incluindo o veterano ator Bo Svenson, acrescentando : “Você pode imaginar se ele conseguisse o papel? Talvez não estivéssemos aqui hoje”.
  • Quando solicitado a identificar episódios que não eram os melhores, Jonathan Frakes apontou para “Código de Honra”, dizendo que foi “muito difícil” por ser racista e misógino.
  • Denise Crosby disse que sentiu que toda a “primeira temporada foi arriscada.”
  • Gates McFadden escolheu “Angel One” como o pior da série.
  • Discutindo esse episódio, Sirtis observou: “Eu amo Riker tanto quanto a próxima pessoa, mas este planeta tem sido dirigido por mulheres durante toda a eternidade. E OK, os meninos estão vestidos com roupas de bailarina, mas é assim que se vestem. E então Riker desce e faz um discurso e eles decidem mudar sua forma de governo”.
  • Spiner observou: “Estávamos fazendo 26 episódios por temporada … pelo menos 6 deles eram muito bons e talvez outros 15 eram bons e então 4 ou 5 eram realmente horríveis”.

 

Roteiristas fazem acordo e põe fim a greve.

Uma ameça de greve do Writers Guild of America com os estúdios de Hollywood colocou algumas produções em xeque. No entanto, os negociadores continuaram trabalhando e anunciaram um novo acordo, fazendo com que uma greve fosse evitada.

Por um lado isso foi até bom, porque planejando com antecedência para uma possível greve, a equipe de roteiristas de Discovery tentaram completar o máximo possível de histórias, como observado pelo escritor e produtor de supervisão Ted Sullivan em uma resposta ao tweet do site TrekMovie no dia 29 de abril. “Oh, definitivamente. Mal deixei o computador ontem/ hoje. Tocando o novo script”, disse Sullivan.

Ao longo de sua história, o WGA entrou em greve seis vezes, mas apenas uma vez, enquanto uma série de Jornada estava em produção. Essa greve, que aconteceu em 1988, também foi a mais longa, durando mais de cinco meses. Ela teve um claro impacto negativo sobre a segunda temporada de A Nova Geração, tanto que encurtou a temporada (ficou em 22 episódios, enquanto as demais 26) .

Mesmo com essa antecedência na escrita, se a greve fosse prolongada, provavelmente teria atrasado a estréia da série novamente. Além disso, uma greve teria impedido quaisquer alterações posteriores nos scripts durante a filmagem, como ocorreu com o filme Star Trek de JJ Abrams.

 

Les Moonves confirma Discovery para o outono americano.

Por falar em estreia, o CEO da CBS, Les Moonves, durante um painel sobre o futuro da indústria do entretenimento no Milken Institute Global Conference, em Beverly Hills, ele voltou a comentar sobre a nova série de Jornada pela CBS All Access e sua associação a Netflix.

Hulu (famoso site de vídeo sob demanda) é uma coisa fenomenal e é uma grande organização. Nós vimos por um ângulo diferente, não ter de levar nosso conteúdo, que são as jóias da família, em uma organização com nossos concorrentes. Por isso, decidimos seguir o nosso próprio caminho e foi uma forma diferente de ir. Hulu é muito bem sucedido, mas com a CBS All Access, nós amamos o que estamos fazendo. Nós, obviamente, colocamos um bom spin-off de The Good Wife [chamado The Good Fight ] lá. Temos Star Trek [ Discovery ] chegando no início do outono (início de setembro). Está indo extremamente bem.

Star Trek nós poderíamos ter vendido em qualquer lugar. Houve uma guerra de licitação dentro da CBS porque é obviamente uma propriedade muito valiosa. Também aprendemos com a Netflix. Nós colocamos as outras séries Star Trek [na Netflix] e elas foram muito bem. Elas têm um público muito leal. Nós sempre dizemos: “se nós lhes dermos um bom produto, eles virão e pagarão por isso. Será especial”. E é assim que olhamos para a CBS All Access.

Nos mercados onde a CBS All Access não tiver acesso, entra em cena a Netflix.

Assim, cada decisão que tomamos, o mercado internacional se torna realmente muito importante. Como Ted disse, nós não podíamos nos dar ao luxo de fazer Star Trek, ou pela qualidade da série, sem a ajuda da Netflix que comprou o resto do mundo, por uma taxa muito legal, posso acrescentar.

Parece que a Netflix fez mais do que apenas comprar os direitos internacionais de Discovery, mas está trabalhando mais de perto com a CBS. Que seja um bom presságio para o futuro da franquia.

Fonte: TrekMovie