A edição especial da revista Entertainment Weekly aborda em seu artigo de capa a mais nova série de Jornada, Star Trek: Discovery, e apresenta uma extensa reportagem  a respeito dos bastidores do desenvolvimento deste projeto. Mas há também algumas informações quanto a saída do produtor Bryan Fuller em outubro, revelando o que ele tinha em mente antes de deixar a produção.

De acordo com Entertainment Weekly, a ideia original que Bryan Fuller apresentou para a CBS teria o começo da série ambientado no período de Discovery, mas depois iria pulando épocas, passando pela era de Kirk e Picard e depois indo além disso, atingindo um período de tempo ainda não visto na franquia.

Ele queria fazer uma espécie de antologia, algo como American Horror Story. “O passo original era fazer para a ficção científica o que a American Horror Story tinha feito pelo gênero terror”, disse Fuller a revista. “Seria o início de um universo de séries de Jornada”.

American Horror Story é uma série antológica, onde cada temporada é concebida como uma história independente, com personagens e ambientações distintas.

Fuller sentou-se com executivos da CBS para entregar seu projeto. No entanto, a CBS decidiu criar uma única série serializada e ver como ela se comportaria antes de concordar em avançar novas ideias.

“A CBS respondeu com um plano de criar uma única série serializada e, em seguida, ver como ela vai funcionar. Foi um compromisso justo, mas demonstrou o primeiro conflito de visão entre uma empresa poderosa e um escritor inventivo que eventualmente levaria a uma queda dramática”, disse o artigo da revista.

O artigo também observou alguns outros elementos da visão de Fuller para Discovery que foram colocados de lado, incluindo: “uma linha de história mais complexa e alegórica” ​​e sua ideia original para os uniformes da Frota Estelar, que eram “um giro moderado no trio de cores primárias da série original”.

Ainda de acordo com a Entertainment Weekly, houve confrontos significativos entre a CBS e Fuller durante o ano de 2016. Isso incluiu problemas com o orçamento de 6 milhões de dólares por episódio e por Fuller também discordar da CBS contratar David Semel para dirigir o piloto. Semel foi duas vezes indicado ao Emmy e veterano da televisão. Aparentemente, Fuller queria um diretor mais visionário e até chegou a ser colaborador de Simon Pegg e Edgar Wright. Foi dito que Fuller e Semel  “entraram em conflito na pré-produção” do piloto.

Mas o “maior confronto” foi no cronograma. O plano original para a CBS era lançar a série em janeiro de 2017. A CBS ficou preocupada com os compromissos divididos de Fuller, principalmente com American Gods.

Finalmente, “em outubro, depois de meses de tensão nos bastidores, a CBS Television Studios pediu a Fuller que se afastasse como showrunner”. Mas o presidente da CBS Studios, David Stapf, observou que mesmo com o afastamento de Fuller, sua visão para a série permaneceu.

Mas meses depois, Fuller viu o trailer de Star Trek: Discovery. Como ele se sentiu assistindo isso? “O que posso dizer é … minha reação foi que fiquei feliz em ver uma mulher negra e uma mulher asiática ao comando de uma nave estelar”, disse lacônico o produtor.

Fonte: TrekMovie e TrekCore.