Star Trek II: A Ira de Khan completou, este ano, 35 anos desde que foi lançada nos cinemas. Em setembro, o filme estará retornando a telona para duas exibições especiais em comemoração ao 35º aniversário. Em uma nova entrevista ao IGN, promovendo o evento, o ator William Shatner falou sobre os bastidores do que considera o melhor filme da franquia.

As exibições terão lugar no domingo, 10 de setembro e quarta-feira, 13 de setembro, em mais de 600 cinemas em todo os EUA. Os ingressos podem ser comprados on-line visitando FathomEvents.com ou nas bilheterias do cinema participante.

Na entrevista ao IGN, Shatner trouxe de volta suas lembranças sobre os bastidores do filme, como ele se sentiu sobre “envelhecer” Kirk, seu relacionamento com Gene Roddenberry e muito mais.

O filme está voltando para os cinemas, o que é emocionante para os fãs. Podemos começar um pouco falando sobre suas lembranças de quando o projeto estava sendo desenvolvido. Você se lembra de ver um roteiro nos estágios iniciais e qual a sua opinião sobre o projeto?

Shatner: Bem, isso me leva de volta. Eu sabia o que iria acontecer? Sim … Lembro-me de que eles começaram a falar sobre o segundo filme, e a conversa começou a ser sobre o segmento dos 79 episódios de TV e que seria útil. E continuei dizendo, porque queremos ir para uma continuação (de algum episódio)? Por que não inventamos algo absolutamente novo? E as pessoas encarregadas eram muito mais conscientes do que eu era, que os fãs seriam mais simpatizantes … [seria] uma vibração melhor se ecoasse um momento popular da série, e depois avançasse a história como um filme. E eles estavam absolutamente certos de que havia uma ramificação dessa maneira, e o fato do ator Ricardo Montalban ter sido capaz de repetir seu papel era outra vantagem singular.

Acho que uma das grandes coisas do filme é a dinâmica entre você e Ricardo Montalban. E é interessante, porque vocês não se juntaram em nenhum momento do filme.

Shatner: certo.

O que você acha sobre Khan e Kirk, o que é isso em Khan que traz uma série tão poderosa em Kirk e faz ele realmente destacar o personagem de Kirk da maneira que ele faz?

Shatner: Bem, eu acho um fato conhecido, é uma verdade, que quanto mais poderoso o vilão mais poderoso o herói. Se o herói pode superar um vilão poderoso, mais forte faz o herói. Então, melhor o vilão, melhor o herói. Aqui estava um indivíduo extremamente poderoso, mas mesmo mais do que isso … o próprio Ricardo, mesmo que estivesse doendo das pernas, sua parte superior do corpo era muito poderosa, e ele era um ator tão bom que criou um personagem magnífico.

O que você pensou quando deram a Kirk um filho nesse filme?

Shatner: Gostei. Não nos ocorreu naquele momento, mas começou a surgir em nós, e especialmente o maravilhoso Nicholas Meyer, que escreveu e dirigiu muitos filmes, que o envelhecido Kirk teria outra vida além de seu caso de amor com a nave. Então, havia esse filho. E foi perfeito. Posteriormente, à medida que os filmes prosseguiam e, como os livros que escrevi depois daquilo sobre Kirk, todos continham sua vida emergente à medida que envelhecia. Os livros que escrevi sobre o Star Trek foram, de certa forma, autobiográficos. Então refleti o drama em minha vida e entreguei a Kirk com a morte, a vida e todo esse tipo de coisa.

Parece-me que o conceito de deixá-los envelhecer, o que realmente não é algo que seria tradicionalmente feito para um herói de ação, é o que manteve a franquia viva e realmente continuou a torná-la interessante e dar-lhe mais terreno a cobrir.

Shatner: Ou a humanidade, exatamente. Como uma série, você sabe, se tiver sorte, vai por cinco anos – não há uma oportunidade de mostrar o envelhecimento. Embora eu não vejo essas séries conhecidas hoje, então não tenho conhecimento se elas estão fazendo isso ou não. Mas se algo que ocorreu no episódio ensina as pessoas, os regulares da série, algo em que eles podem refletir no episódio 14, acho que isso é realmente bom. Então não repita o erro que fizemos no episódio 1 no episódio 14. E esse tipo de experiência adicionada ao seu personagem começa a evoluí-lo. Eu acho que isso é realmente bom. Mas em cinco anos, você sabe, no tempo limitado que a série está ativa, não há muita oportunidade. Mas aqui, Jornada continua por décadas. E você tem que envelhecer os personagens, porque eles começam a parecer um pouco engraçados à medida que suas bochechas caem. Os músculos tornam-se flácidos”. [Risos]

Então, obviamente, quando você trabalhou na série de TV, isso é exatamente como as coisas eram feitas naquela época. Eles realmente evitaram a serialização, como você está falando. Eles tentaram manter cada episódio tão compacto e autônomo quanto pudessem. Isso já foi …

Shatner: Foi assim que foi feito.

Isso já foi frustrante?

Shatner: Esse era o caminho do mundo. A terra era plana, e não havia dúvida sobre isso. E então evoluiu. A série Star Trek em que eu estava era muito precoce, não havia resíduos. Portanto, nenhum de nós já recebeu resíduos. Eles surgiram cerca de três ou quatro anos depois.

Você se lembra de ensaiar ou preparar a cena da morte de Spock em A Ira de Khan? Obviamente, é um dos momentos mais emblemáticos da história do cinema.

Shatner: Nick Meyer saiu com uma das minhas filhas por um tempo. Ele era um pretendente. Eu dei um sermão nele sobre isso. Mas ele se casou com outra pessoa, e eu também dei lhe um sermão. [Risos] Eu os felicitei pela boa sorte que eles tiveram, mas…

Jornada ficou latente por 10 anos e então você fez o primeiro filme, o que foi uma coisa fabulosa, mas não foi necessariamente bem recebido criticamente. Então, qual foi o sentimento em A Ira de Khan?

Shatner: Bem, essa foi a principal coisa. Star Trek, O Filme, teve Robert Wise, que foi um dos grandes diretores de sua época e teve um grande prestígio, mas foi feito com muita pressa. E eu não sei. Não lembro se ficamos atrasados ​​ou se o cronograma já estava pressionado no momento em que começamos. Mas, de qualquer modo, os efeitos especiais de Doug Trumbull foram apressadamente feitos e nunca foram editados. Então, o filme nunca teve a atenção detalhada que Wise, que era um editor, um renomado editor, teria feito. O filme nunca conseguiu ficar como queriam. E assim … veio a público um tanto … estou procurando a palavra …

Inacabado, ou …?

Shatner: Fragmentado! Fragmentado na tela e teria sido muito mais atlético se perdesse vários quilos. Mas nunca tivemos a oportunidade de fazer isso. Então, esse foi o fim de Star Trek como um filme. E assim, eles perderam dinheiro, pelo menos naquele momento, embora eu entenda que o filme tenha ganhado dinheiro posteriormente. E foi o fim disso. Exceto que a esposa do dono do estúdio, cujo nome eu estou tentando me lembrar, disse ao marido que Star Trek é muito bom, e que ele deveria fazer de novo. E ele disse, então, que devíamos fazê-lo novamente. E eles trouxeram um produtor de televisão, Harve Bennett, que disse, “eu posso conseguir isso com muito menos dinheiro”. O que ele fez. E isso nos deu o ímpeto para fazer um segundo filme, o que achamos que seria o último dos filmes. E todos os filmes que fizemos até mesmo o Star Trek I, eles queimaram os sets. Não havia motivo para armazená-los, porque nunca haveria outro filme. Então eles os queimaram.

Certo. E aqui estamos nós.

Shatner: E eles continuaram a queimá-los até Star Trek VI, tanto quanto eu sei.

[risos] E aqui estamos, e ainda estamos falando sobre isso, não estamos?

Shatner: Certo, quão incrível é isso?

O que tem sido para você, como ser humano, equilibrar a incrível popularidade de Kirk e Jornada com sua própria vida – ser uma pessoa tentando viver sua vida?

Shatner: Bem, eu não tive nenhuma dificuldade. [Risos] Mas eu entendo sua pergunta. E para mim, isso é feito no início dos anos 80, então são 20, 30 – quase 40 anos atrás. Neste filme eu estava 40 anos mais novo, o que me coloca com, o que, 20? Vinte e dois anos? [Risos] É macabro ver você mesmo gritando Khan e ter um conjunto completo de pulmões. É estranho, e ainda interessante e insuperável … Há alguns meses eu dei uma entrevista em que será levada para hospedar o filme no Fathom. Cujo nome não mencionamos durante esta entrevista. Você sabe que Fathom irá exibir o filme.

Sim. Fathom Events.

Shatner: Então, antes de falar com você, eu estava falando do filme com esse outro entrevistador sobre esses eventos 40 anos depois. E estou sendo entrevistado, estou na câmera, sou reconhecido. Então, em toda essa coisa de Jornada, eu trabalhei com sucesso durante todos esses anos e, como resultado da minha popularidade da franquia, você e eu estamos falando, e eu estou muito grato por isso. Então, realmente afeta minha vida de maneira incrivelmente óbvia. Por outro lado, penso eu, que nem todo mundo dá entrevistas relativo às coisas 40 anos depois.

Algumas pessoas talvez façam mais do que outras. Bem, certamente posso te contar apenas pelas minhas experiências pessoais, fiquei fã desde que eu era criança. Meu filho, que tem nove anos, agora é um super-fã seu e do capitão Kirk, então é algo que continua a continuar e continuar, parece. Dito isso, você acha que Jornada vai durar mais que todos nós?

Shatner: Sim. Eu não sei sobre você, mas não tenho tanto tempo para seguir! É melhor ultrapassar-me.

Qual foi o seu relacionamento com Gene Roddenberry, porque ele recuou de Star Trek: O Filme. Você se lembra? Você ainda falou com ele sobre os scripts do filme?

Shatner: Gene … Gene foi … é uma questão de quanto queremos revelar. Gene era um escritor típico em que ele morava muito na cabeça dele. É minha opinião que as pessoas escrevem – escritores profissionais, pessoas que escrevem muito, sentam-se em seus escritórios, suas cadeiras, onde quer que estejam escrevendo, e estão por si só e vivendo em sua cabeça. E eles podem fazê-lo porque não são adeptos de lidar com pessoas. Então eles fazem ficção. Então, quando eles se tornam uma palavra hifenizada – o que eles fizeram naqueles dias, então o escritor tornou-se produtor, escritor-barra-produtor. O ajuste pode não ter sido exato, se é que eu posso dizer assim.

E assim foi com ele. Ele era um … ele era um cara calmo. Ele tinha sua própria maneira de fazer as coisas, e precisava … não, é melhor eu não continuar. Então, sim – ele era um cara calmo. E na verdade, teve pouco a ver com Star Trek após os primeiros 13 episódios.

Uma última pergunta para você. Você tem um momento favorito da série ou dos filmes, seja algo na câmera ou algo que aconteceu fora da câmera?

Oh, isso é super-poderoso. Foi em Star Trek III. Sim, lembro disso. Bem, muito obrigado, Sr. Shatner. Como eu disse, é realmente uma honra falar com você.

Shatner: prazer em falar com você.

Fonte: Trek Movie