A atriz de origem malaia, Michelle Yeoh, é uma das novas integrantes da franquia de Jornada, no papel da capitã Georgiu, comandante da nave Shenzhou na série Star Trek Discovery. Ela conversou com o site oficial StarTrek.com, durante a visita da imprensa no estúdio em Toronto. Yeoh compartilhou seus pensamentos sobre a personagem e sua experiência com Jornada até agora.

Você sabia algo sobre Star Trek antes de se envolver com Discovery ?

Oh,  se sabia alguma coisa? Ok, provavelmente assisti quando era adolescente. Conheço Spock realmente bem. Ele era um personagem que se destacava. Certo? Com as orelhas pontudas. Eu adoro esse personagem. Acho ele legal. E a pitada de Vulcano! Ha! Mas eu tive que voltar a visitar novamente (a série) quando eu sabia que iria fazer Star Trek e depois … “Oh, meu Deus, sim! Então, está lá Jean-Luc Picard! Oh meu Deus, essa é a capitã Janeway! Oh meu Deus … “. E de repente você tem a consciência de: eu não vou ser capaz de fazer tudo isso porque há o que? quase perto de 700 e alguns episódios? Tem mais de 50 anos. Isso é incrível. Eles devem estar fazendo algo certo para manter isso por tanto tempo. E então, felizmente, JJ Abrams saiu com os filmes. Então foi um sopro do passado, certo? E traz de volta todas as memórias da série original. Mas se você me perguntar perguntas triviais, eu vou sair. (risos)

Como você diria que sua capitã é diferente dos capitães anteriores?

Esta é uma coisa pessoal como ator. Você tem que possuir seu personagem, certo? Você tem que entender o que é esse papel e, depois disso, você define quem é a capitã Georgiou. Quem é ela? De onde ela veio? Então, eu trabalhei muito de perto com Aaron (Harberts) e Gretchen (Berg), nossos produtores da série e depois com David Semel (diretor do piloto) e alguns dos escritores que estavam aqui naquela época e Ted (Sullivan), para ter uma idéia de “Quando você escreveu esse personagem, o que você estava pensando? Ela é casada? Ela tem família? Ela tem isso?”. Porque isso forma quem ela é.

Então, eu sei que ela é uma veterana de guerra. Ela viu os horrores da guerra porque também aparece no diálogo. Mas ela é uma pessoa muito compassiva. Quando olho para ela, ela, de cara, é uma exploradora. Ela ama o universo. Ela amava a habilidade e a possibilidade de ver novas estrelas, nascendo. Ela está sempre impressionada com isso. Isso é o que eu amo sobre esse personagem. Ela não é cínica. Ela não está cansada de todas as coisas. Ela acredita – e ela acredita firmemente – na esperança e na bondade da humanidade. É muito puro tocar um personagem como esse, trazê-la para a frente, mas também ela é muito inteligente. Caso contrário, ela teria morrido há muito tempo. (risos) O espaço é um lugar bastante perigoso.

Que tipo de relacionamento ela tem com Burnham? É uma figura mãe para ela?

Sim. Ela é definitivamente uma mentora, porque quando ela chegou … mesmo no prelúdio, você já sabe que elas estiveram juntas por sete anos. Ela é, obviamente, a pessoa que a ensinou, tentando orientá-la no caminho certo. Mas o background de Burnham faz isso tão interessante porque ela é apenas humana. Ela esqueceu que ela era humana porque ela estava crescendo no mundo Vulcano. Ela estava se tornando mais Vulcana do que os próprios Vulcanos. Ela se martiriza até mais do que isso. E, é brutal. Não sei como alguém pode sobreviver, a menos que você seja um Vulcano, o tipo de treinamento que você precisa passar para que esteja no controle e tudo se torne sobre lógica e decisão precisa, coisas assim.

Sarek, o pai de Spock, é um querido amigo da capitã Georgiou e ele realmente acreditava que a capitã Georgiou seria capaz de incutir as boas qualidades humanas nela, porque fundamentalmente ela é um ser humano, certo? Você não pode negar o que você é. Então, não se trata apenas de descobrir no espaço e encontrar novos amigos e novas culturas, espécies, mas é auto descoberta. E, especialmente para o personagem de Sonequa, porque quando ela vem, ela vem como: “Eu sou o Vulcano dos vulcanos, cara”. A capitã Georgiou está olhando para ela, “Oh, é mesmo? Vamos ver isso”. Mas não se trata de quebrar seu espírito. Ela trabalhou tão duro para ser quem ela era sete anos atrás. Mas trata-se de colocar de volta, incutir … Eu não quero quebrar seu espírito. Eu quero incutir de volta, “O que é o amor? O que é compaixão? O que é empatia?”. Porque, se você não tem isso, você fará as escolhas erradas. Porque as escolhas em sua vida definem quem você é, certo? Então esse era o vínculo que elas tinham.

Mas o mais importante foi … Michael Burnham olhou a capitã Georgiou primeiro com desdém. Como, “Realmente? Uh …”. Mas ela começa a respeitar essa mulher. Ela entendeu e começou a entender de onde ela veio, o que ela estava tentando ensiná-la, e então esse vínculo foi solidificado. Tanto assim, foi como um pai orgulhoso dizendo: “Você sabe, eu acho que você está pronta para ter suas próprias asas. Para voar em sua própria nave”. E isso é muito importante. Então, essa foi a ligação especial que tínhamos, tal como tive com Sonequa. Eu creio que não é fácil (para Sonequa), as nuances, manter o controle, mas ainda sentir todas essas emoções diferentes, mas ainda não há emoções. É mais difícil do que ser apenas um vulcano, nesse sentido. Então, ela simplesmente consegue. E nós nos divertimos. Nós nos divertimos muito, é quase incrível.

Você pode nos contar sobre as duas naves, dois capitães e o que os produtores chamaram de um segundo piloto? Eles repetiram a frase de que haverá um segundo piloto dentro da temporada …

A segunda história foi muito importante, então começamos a chamá-la de segundo piloto também, porque era exatamente isso … É difícil porque, a medida que a temporada continua, não é episódico, certo? É uma história que está evoluindo e está crescendo e está mudando. Então, nós não precisamos de uma espécie de “OK, bye-bye e passamos para a próxima …”. Eu acho que é uma maneira interessante e nova de narração de histórias para Star Trek. É brilhante nesse sentido, porque espero que seja algo novo, porque, de outra forma, vou assistir o capitão Picard, Kirk e tudo isso. Nós, como eu disse, possuímos nossos personagens. Shenzhou é uma nave antiga. Discovery é uma nave nova. Eu não estou pronta para abandonar minha nave porque está velhinha. Você não diz apenas: “Oh, eu tenho um novo carro, tchau!” Certo? O que o torna excitante é que coisas acontecem. Dois capitães e há mais capitães do que isso.

Você fez um pouco de TV, incluindo Strike Back e Marco Polo, mas nada assim continuou semanalmente. Como foi para você fazer uma série de TV?

Bem, o bom é que eu tive um pouco disso quando fiz Strike Back, e isso foi divertido. E então eu fiz Marco Polo, também, que foi ambientado em nosso mundo e foi uma grande história. Então, pelo menos eu tinha esse gosto porque, de outra forma, teria sido muito difícil (fazer Discovery) porque é muito diferente do estilo de filmagem. A primeira vez que eu vi pensei: “Quantos diretores eu tenho? Acabei de me acostumar com você. (Risos). David e agora é Adam? Quem mais é novo na série, você sabe?”As coisas continuam mudando porque os episódios mudam, e a razão é porque quando você está dirigindo isso, eles precisam preparar o próximo e depois outra pessoa está preparando para o próximo e o próximo. Então, parece que isso é muito assustador porque é ininterrupto. É desafiador. É realmente um desafio, mas eu amei isso. Eu aproveito porque você consegue desenvolver os personagens de uma forma muito mais profunda do que você faria em um filme, porque em um filme você filma em dois meses. Aqui, ele evolui. Isso muda porque, quando estamos filmando, nós ainda não sabemos Eu sei o que vai acontecer no próximo episódio e o que vamos ganhar e o que vamos perder. Então, nos mantemos motivados, como você.

Star Trek tem fãs hardcore que …

Ai sim! Ouvi falar sobre isso! (risos)

Eles realmente adoram a franquia. Eles são muito …

Muito protetores dela.

E eles também vão às convenções e escrevem fanfiction. Você está pronta para lidar com tudo isso?

Eu sei que Sonequa e Jason (Isaacs), Mary (Chieffo), todos foram para a Comic-Con e eles estiveram fazendo coisas. Eu tenho um medo de palco e eu sou daquelas que pensa: “Todo mundo vai me lançar coisas porque eu vou apenas dizer todas as coisas erradas”. Mas, eu só quero que os fãs saibam, eu não vou ser apenas boa nisso, vou ser a melhor para vocês. É como eu digo, “Espere algo diferente, por favor. Pense que vamos dar-lhe algo que você não espera… esteja pronto para abraçar a diversidade e o que quer que jogue em você, porque esse é o mundo de Star Trek, não é?”. É como tudo na vida. Você tem que entrar e ser corajoso. Você só tem que aceitar que há diversidade e coisas novas que surgiram. Então, acho que ficamos um pouco inteligentes. Estamos 10 anos antes do capitão Kirk e tudo isso. A diretriz principal e todas essas regras diferentes não estão em vigor, e estamos descobrindo. Então, dessa forma, acho que é um pouco … não é mais fácil, mas um pouco mais de flexibilidade em certo sentido. E desta vez a história vem da número um. Não é da cadeira do capitão, certo? Da cadeira do capitão, é do tipo “Você faz o que eu quero porque sou o capitão”. Você vê isso de uma perspectiva diferente, o que acho muito refrescante. E você nem sempre está preso na ponte com o capitão ou no logotipo do capitão.

A capitã Georgiou é muito diplomática, mesmo em lidar com os Klingons. Por quê?

Ela é diplomática porque realmente acredita verdadeiramente em cooperação, e a primeira coisa que deveria surgir é um gesto de amizade. Não há mais nada. Porque disparar primeiro tiro e fazer perguntas depois simplesmente significa: “Vamos lutar. Vamos lutar”. Essa não é a capitã Georgiou. É por isso que Sarek trouxe Michael Burnham para ela, para que ela pudesse ajudar a incutir essas qualidades em Michael Burnham, porque Michael Burnham é muito fria e lógica. E, se são os Klingons, ela teve muitas más lembranças dos Klingons também, porque assim morreram os pais dela. Então, para Burnham, é algo do tipo, “Não! Nós temos que lutar contra eles primeiro. Basta atirar neles, porque isso é tudo o que eles entendem”. Esse é o caminho oposto dos princípios da Frota Estelar. Nunca dispare primeiro. Apenas não atire primeiro, certo?

Você já esteve em grandes filmes antes. Quão imersivos, quão enormes são esses cenários?

Meu Deus! Quando começamos, eu ficava pensando, “Estamos filmando um filme aqui, certo?” Marco Polo também tinha cenários incríveis, mas eles eram cenários fixos. O dojo, a sala do trono, eles os usavam uma vez ou outra. Você poderia esperar que eles fossem muito mais intrincados nesse sentido. Strike Back nunca teve cenários. Então, com isso, fiquei deslumbrada. Quando você entra na ponte da Shenzhou, temos a ponte na seção inferior, não na parte superior. Então, você entende o que fizeram, “Oh, meu Deus.” O chão é todo de vidro. Então, você vê o universo abaixo de seus pés e está ao seu redor. E, claro, há a cadeira do capitão. É como se todos mergulhassem naquela cadeira até … Quando eu estou lá, ninguém se atreve a tocá-la. (risos)

Mas a nave Klingon. Meu Deus! Meu Deus! Você entra e é como entrar em uma catedral. Os detalhes. Eu perguntava, “Com licença, está embaixo? Quem vai ver isso?” Então, uma vez que acende, é como uma catedral gótica. É simplesmente incrível. A qualidade e a aparência de nossos figurinos … Nós temos nossos pequenos emblemas da Frota Estelar de todos os lados. A cor é uma coisa à parte, mas essa atenção aos detalhes, você só faz isso no filme porque você está na tela grande e todos os pequenos detalhes se destacam. Normalmente, você pensa: “Oh, é mais casca. Ninguém vai ver isso”. E você vai. É deslumbrante. É de fato.