NY Times destaca Discovery no caminho serializado

O jornal New York Times publicou um artigo na sua seção Televisão, onde destaca o novo caminho traçado para a nova série de Jornada. De acordo com o artigo, Star Trek Discovery se propõe a mudar as limitações de narrativas das séries anteriores.

Já se passaram 12 anos desde que a última série de Jornada, Enterprise, foi ao ar e agora temos uma nova saga que parece chamar a atenção da mídia.

O Jornal NY Times focou sobre o desafio de Discovery em não impor limitações narrativas como das séries episódicas anteriores, contando uma história mais serializada e apresentando um protagonista que não é capitão de nave.

Segundo o artigo, a produção de “Discovery” esforçou-se para permanecer relevante e fiel à filosofia orientadora de Jornada, apesar da tendência a abordar temas sombrios.

Ainda de acordo com o artigo, Kurtzman, enquanto escritor e produtor da reinicialização de Star Trek no cinema, foi abordado pela CBS sobre a criação de uma nova série de TV baseada em Jornada.

Para o estúdio, o formato das séries anteriores já havia se esgotado e precisavam de uma nova perspectiva narrativa.

“O único motivo para fazer uma nova série de televisão de Jornada é se você tem algo realmente novo para dizer”, disse Kurtzman.

Mas Kurtzman ficou intrigado com a idéia de uma série que poderia dizer e fazer mais do que os filmes de grande orçamento – que poderia, como ele disse, “viver na nuance e dilema moral onde você não tem tempo para os filmes”.

Cerca de dois anos e meio atrás, ele começou a elaborar a premissa de uma nova série com Fuller.

Kurtzman e Fuller estabeleceram sua história em uma época em que a Federação dos Planetas Unidos alcançou uma aparente utopia, mas com receio da misteriosa e beligerante raça Klingon. Os criadores fizeram de seu protagonista um primeiro oficial da Frota Estelar – um personagem mais vulnerável, menos correto – e não um capitão, como nas versões passadas.

Este personagem é altamente considerado em sua nave estelar e em toda a Federação, mas, nos primeiros episódios, ela faz algumas escolhas fatais que mudam fundamentalmente a forma como ela é percebida e que a aterram em uma nova nave, cercada por companheiros desconhecidos em uma missão enigmática.

Como Kurtzman explicou: “Eu tendo a gravitar em histórias que me surpreendam, que te colocam em uma zona de conforto e depois puxam o tapete, e agora você tem uma temporada de televisão para corrigir isso”.

Akiva Goldsman, produtor executivo e fã de Jornada, disse que a nova série não disfarçou as lições e as influências que tomou de séries contemporâneas como “Breaking Bad”, “Game of Thrones” e ” The Walking Dead “, onde as ações têm consequências duradouras e vidas de personagens estão sempre em risco.

Goldsman disse que a franquia de TV “Jornada” evoluiu gradualmente para uma narrativa longa.

O episódio da série original “The City on the Edge of Forever”, no qual Kirk deve permitir que um personagem interpretado por Joan Collins morra, Goldsman cita como exemplo de formato episódico diferente da serializada: “Ele está arrasado. Mas ele não tem permissão para levar esses sentimentos ao próximo episódio”.

Mais tarde, “Deep Space Nine” e “Enterprise” procuraram se afastar de episódios autônomos e em “Discovery”, Goldsman disse: “Nós não restauramos todas as semanas. Porque a serialização replica a vida”.

Kurtzman disse que a decisão de lançar “Discovery” dessa maneira já havia sido tomada quando foi chamado, “não veio de mim e não tive influência sobre a forma como eles optaram por implementá-la”.

Ele acrescentou: “O que eu tenho controle é a qualidade da série”. Uma vez que essa decisão havia sido tomada, ele disse: “Isso colocou uma ênfase adicional no meu argumento de que devemos fazer com que valesse o dinheiro das pessoas”.

Como Kurtzman viu, isso exigiu melhores efeitos especiais e melhor design de produção, e até mesmo viajar para a Jordânia para gravar a cena de abertura do episódio piloto.

“As pessoas têm que pagar por ‘Game of Thrones’, também”, disse ele. “Ninguém está reclamando sobre isso. Isso se torna nosso padrão agora.”

O que acabará por revelar “Discovery”, dizem as pessoas por trás da produção, não são as inspirações que extraem de outros lugares, mas os valores históricos de Jornada que carrega e os testes de batalha em ambientes que um público moderno reconhecerá.

O ator Doug Jones, que faz o tenente Saru, disse que Jornada era única porque “ocorre em um futuro idealista e esperançoso”.

“Há conflito, mas temos maneiras de resolver isso que não envolvem banhos de sangue arcaicos, espero”, disse Jones. “Nossos adversários podem fazer isso, mas encontramos um caminho, com inteligência, razão e espírito humano, que sempre vencerá”.

E Goldsman acrescenta: “Todas essas associações com” ir ousadamente”- como podemos manter isso sobre os melhores tipos de coações? Eles precisam ser pressionados e eles tem de merecer”.

4 Comments on "NY Times destaca Discovery no caminho serializado"

  1. João Luiz Silva Cruz | 24 de setembro de 2017 at 8:26 am |

    Acho que teremos um épico amanhã, ansiedade a mil.
    Abraços amigos do TB, esperando o review de vocês no youtube também!

    PS: Acho que nessa fase nova de ST poderiam juntar mais o Fandom nos canais do YT para comentar os epsisódios, ontem na trekkercon foi sensacional ver todo mundo junto.

  2. Uma enquete: Quantas vezes vocês já entraram no Netflix hoje para ver se está disponível? Rs. Vai que sai antes, né? Eu até agora fiz isso uma vez. Abraços. 🖖

  3. Teeecnicamente… Michael Burnham é uma capitã. Que não foi promovida e paga por uma besteira.

  4. Expectativa a mil!

Leave a comment

Your email address will not be published.


*