A almirante Katrina Cornwell é um dos personagens importantes para a Federação na guerra contra os Klingons em Star Trek Discovery. Mas no último epísodio “Si Vis Pacem, Para Bellum”, Cornwell é eletrocutada em um painel por L’Rell (Mary Chieffo) e seu corpo arrastado para uma câmara, levando a crer que foi a última vez que vimos a personagem na série (ou não). Para tentar tirar essa dúvida, o site oficial Star Trek conversou com a atriz Jayne Brook, que interpreta Cornwell, e ela deu suas primeiras impressões a respeito deste trabalho na franquia.

Brook tem seu trabalho creditado em vários filmes e séries como Gattaca ‑ Experiência Genética, Chicago Hope, Castle, Brothers & Sisters, Revenge, Um Tira no Jardim de Infância, Desaparecidos, John Doe, entre outros.

Como era para você Star Trek? Você conheceu as séries ou os filmes? E você já fez algum teste para eles?

Não, eu nunca fiz teste para Star Trek. E, para lhe dizer a verdade, Star Trek é algo que está na psique de todos desde a infância, mas eu não era alguém que seguisse muito de perto. Eu assisti a série provavelmente quando era criança. Eles repetiam a série original e depois os filmes mais recentes, mas Discovery foi apenas uma coisa muito divertida e inesperada de fazer. Agora estou recuperando o atraso.

Como veio a oportunidade de estar em Discovery?

Eu sabia de Aaron (Harberts) e Gretchen (Berg) porque trabalhei com eles antes, e eles simplesmente ligaram e perguntaram se eu desempenharia esse papel de almirante. Eles disseram: “Nós temos esse papel, e ela é um personagem realmente legal, e você vai fazer?” Originalmente, acho que eles tinham a ideia de que ela morreria depois dos três episódios. Eles disseram: “Você vai entrar, e ela é muito legal”, e então eles pensaram que ela iria morrer nesse massacre. Mas, os escritores sempre usam o que eles têm e são muito criativos, e pensaram algo como “Humm, talvez nós os façamos ser prisioneiros em vez disso”.

Qual é a sua opinião sobre a Cornwell? O que a impulsiona?

Ela é um personagem muito interessante para mim, porque ela é obviamente um almirante muito bom. Ela obviamente saltou das fileiras e, como a vimos no outro episódio, ela também é durona. Ninguém aguenta a tortura e o interrogatório Klingon, mas ela lutou de verdade. Eu acho que o que a impulsiona é sua fé na Federação e o que ela representa. Ela realmente é um centro forte para o que representam e morreria por isso se ela tivesse que fazê-lo. Ela é muito mais inteligente do que alguém que simplesmente não vai dobrar as regras.

Como você descreveria seu relacionamento com Lorca?

Esse é um relacionamento cheio. Do jeito que eu comparei, vejo que há algo mais … Eles foram para a faculdade juntos, e eles realmente gostam um do outro. Eu os vejo como dois jovens na academia que eram especialistas, realmente gostavam, obviamente têm um passado romântico, mas não o típico namorado-namorada. Eles brincaram com isso em After Trek, como esses amigos têm benefícios? Eu disse que não acho que seja isso. Eu acho que eles realmente se gostaram no passado e seguiram a carreira em separado, e acho que ela realmente é sincera quando ela diz: “Eu vim verificar um amigo. O que está acontecendo?” Então, claramente, eles têm uma amizade compreensiva.

Como você gostou de trabalhar com Jason Isaacs?

Eu achei ele ótimo, e nossas cenas foram bem juntas. Parecia construir. Quando cheguei pela primeira vez, eu era apenas a almirante, tornando as coisas difíceis para ele, e então a coisa toda se desenvolveu. Mas foi divertido.

Vamos falar sobre a cena em que Lorca te manda para negociar a paz e joga com a linha de “a fortuna favorece os audazes”. Muitos fãs sentem que Lorca enviou clara e conscientemente Cornwell para uma armadilha de morte. Quais são seus pensamentos? Você e Jason discutem a motivação de Lorca?

É interessante porque é verdade, mas acho que é um pouco mais complicado do que isso, porque Sarek estava indo nesta missão e a Federação sabia sobre isso e ia permitir que ele fosse. Então, acho que havia esperança de que funcionasse. É uma trilha de morte porque são os Klingons e Lorca acabou de estar com os Klingons, mas, por outro lado, há alguma esperança dentro da Federação de que, uma vez que esteja em terreno neutro, pudesse surgir algo. Mas, certamente, Lorca estava feliz em me enviar e, pelo menos, por um curto período de tempo, adiar minha capacidade de levar sua nave até ele conseguir ajuda. Você perguntou se ele sabia que estava me enviando para uma armadilha de morte. Penso que, ao sugerir que eu fosse, ele estava ganhando tempo. Penso que nesse momento com Saru (Doug Jones), quando Lorca decide não ir atrás de mim (depois de minha captura), é mais assustador.

Lorca até cospe sua própria linha de volta em Saru …

Certo, está certo! Então, ele está fazendo tudo pelo livro lá.

Cornwell e L’Rell tiveram bons momentos juntos, pedaços de conversação, a sequência de gritos e depois a cena de luta. Você gostou de tocar essas cenas com Mary Chieffo?

Eu gostei muito disso. Há algo sobre L’Rell e Cornwell juntas. É algo realmente estridente, e o que a audiência não conseguiu ver, tivemos muito mais tempo juntas acontecendo quando ela veio me interrogar. Houve um ótimo momento, que foi editado, onde ela está me circulando para me interrogar e eu uso meus antecedentes de psicologia. Ela está tentando me ameaçar, e eu digo para ela, basicamente, “Você não tem marcações da Casa de Kor. Você não fala o idioma. E já teria me matado. Então, eu não acredito em nenhuma dessas ameaças. Quem é você?”. Que leva a esse tipo de impulso da L’Rell em dizer:”Eu quero desertar”. No final, eles realmente não precisavam da cena completa e simplesmente mantiveram o desejo de desertar. E funcionou. Havia uma boa química entre esses dois personagens. Elas realmente se respeitam, essas duas espécies muito diferentes. E eu me diverti muito com a Mary.

Com que frequência você morreu na tela antes, e o que essa cena em particular gosta de fazer?

Eu morri por doenças várias vezes, como uma jovem mãe que tem leucemia. Outra vez, eu era uma viciada em drogas que tinha câncer. Estou tentando pensar em quantas vezes eu morri. Eu morri no palco no Rei Lear. Mas eu não acho que já tive uma morte de combate físico como Cornwell. Ela realmente luta até o fim, não é? Isso era diferente para mim e divertido.

Algumas pessoas não acreditam que Cornwell esteja realmente morta. Quanto você gosta desse elemento? Que os fãs querem mais, e também que na ciência, a morte nem sempre significa morte.

Eu acho divertido. Estou muito feliz pelas pessoas gostarem do personagem o bastante para dizerem, “Ela não está realmente morta! Não queremos que ela morra!” Então, isso é ótimo. É divertido jogar com idéias sobre o que pode acontecer.

Uma vez que um ator faz alguma coisa em Jornada, eles fazem parte da família Trek. É legal isso, e quais são as chances de que a vejamos em uma convenção Star Trek? Isso seria de algum interesse?

Sinto-me tão privilegiada e honrada de ser convidada para este mundo. Eu tenho um amigo que é muito amigo de Bob Picardo. Então, nós estivemos em sua casa para Ação de Graças, meus amigos, e ele estiveram lá. Foi aí que aprendi muito sobre essas convenções. E meu amigo, Megan Gallagher, acompanhou Bob (nas convenções) porque ela fez alguns Star Treks e eles são amigos. Ela disse que era uma coisa divertida de fazer. Então, sim, talvez isso esteja no meu futuro. Eu me sinto muito honrada em fazer parte de tudo.