Dois dos chefes do departamento de produção no painel da WonderCon “Visionaries”  foram a dupla de maquiagem e efeitos protéticos Glenn Hetrick e James MacKinnon, onde comentaram sobre o design dos Klingons, Telaritas, Andorianos e o processo do dia-a-dia de trabalhar em uma série em alta definição.

Glenn Hetrick é provavelmente mais conhecido pelo programa Face Off do SyFy Ele é um Trekkie e co-fundador da Alchemy Studios com seu colaborador do Face-Off , e criador de personagens, Neville Page.

James MacKinnon é um maquiador veterano de Jornada, que fez parte das equipes de maquiagem de A Nova Geração, Deep Space Nine, e dos filmes Star Trek: Primeiro Contato e Star Trek (2009).

Redesenhar os Klingons

Qual foi a sua inspiração, de onde você teve a ideia de mudar radicalmente os Klingons, mas também manter a textura de quem eles são?

Hetrick: Desde cedo, porque estávamos na série por quase oito meses antes de realmente assumirmos, então essa foi uma discussão muito longa. Com Bryan Fuller e os outros produtores, sempre houve esse desejo de criar um novo visual Klingon, porque sentíamos que era algo que havia acontecido entre a série original e A Nova Geração, isso aconteceu entre a série original e os filmes. Então, foi um passo natural para entrar no universo de Star Trek quando você está criando uma nova série. Isso e o fato de que esta é realmente a primeira série de Jornada onde estamos lidando com os problemas que o HD cria. E esses problemas, combinados com o sofisticado olhar da audiência, significa que você precisa criar algo ainda mais hiper-real para fazer as pessoas acreditarem.

Então, nós queríamos fazer isso com um olhar aguçado em honrar a integridade de tudo que veio antes de nós. Eu cresci e amei as versões do veterano designer de maquiagem Michael Westmore e James trabalhou nessas versões. Então, nós queríamos manter o suficiente de lá que ressoou como Klingon, mas levá-lo tanto quanto pudéssemos no reino do realismo e evoluir o design para o próximo passo.

Você pode falar mais sobre os diferentes designs Klingon em Discovery ?

Hetrick: Uma das coisas que espero é desembalar mais à medida que avançamos: criei um documento de axioma cultural para todas as casas (Klingon). Isso não significa que será escrito na série, mas quando tomamos decisões de design e mostramos uma casa, e há muito mais para mostrar, há todos esses axiomas culturais que criei para nos dar um ímpeto de design sobre qual planeta do Império eles cresceram. No passado, sempre vimos um olhar homogêneo para o Klingon, com o guarda-roupa e o cabelo, mais ou menos. Estamos tentando garantir que todas as casas se sintam como sua própria cultura. Por que não seriam? Se você olhar para a página cultural de todas as nossas culturas, com nossa arquitetura, nossa comida, nossa moda ou música, em apenas um planeta desprezível que ainda não é espacial, como seria a cultura do Império? E estamos mergulhando nisso e veremos mais adiante.

Inspiração para atualizar os Tellaritas

O que você pode dizer sobre o novo visual dos Tellarites?

Hetrick: Os Tellaritas foram uma tarefa difícil, se você voltar para a série original. Havia algumas versões impressionantes em Enterprise, essa é uma maneira legal de evoluir os Tellaritas. Eles eram uma coisa pequena, só um pouquinho. Voltamos ao original, e como podemos tentar obter aquela “coisa”, que nos faz sentir de volta, mas não parece que aconteceu? Então eu realmente olhei para o trabalho de Stan Winston em The Island of Doctor Moreau, agora quase um filme perdido, a versão de Val Kilmer. Tantas dessas formas antropomórficas, cabeças de animais, eram tão bonitas e é aí que tomamos nossa inspiração.

Um processo de design colaborativo e detalhado

Vocês pegam um resumo que te dá essa informação e depois você trabalha com isso?

Hetrick: Quando eu disse no painel que é o ambiente criativo mais imersivo, generoso e inclusivo em que já trabalhei, isso não é nada mais que a verdade. Portanto, não é comum em nosso departamento obter essa imersão. Aaron [Harberts] e Gretchen [J. Berg] e todos os escritores e produtores do primeiro dia – começamos a trabalhar quase oito meses antes de estarmos fisicamente no set – isso é único. Então, sim, eles compartilham ideias antes mesmo de serem abordadas, antes de serem delineadas, antes mesmo de serem roteirizadas. E então eles pedem – e realmente, o que é uma coisa estranha em Hollywood – sua opinião. Eles nos darão onde eles estão indo e alguns pensamentos estão chutando na fase de redação antes mesmo de serem eliminados.

Algum dia espero que todos vocês vejam isso, acho que inexoravelmente haverá um livro, se não um documentário. O processo de design do criador de criaturas, Neville Page, é bastante massivo, então trabalhamos no digital, não apenas porque são coisas de impressão 3D, mas para tudo. Existem designs digitais que vêm dessas conversas, assim ele e eu vamos falando sobre o assunto. Isso vai produzindo versões. Então começamos a pegar as que são mais prováveis ​​e fazer alguns testes físicos, ver materiais, cores. Por exemplo, para os Órions, apenas analisamos amostras de silicone cru. Nós pegamos essa cara demoníaca que não faz parte de Star Trek e usamos diferentes cores azuis translúcidas para ver qual era o tom base que realmente deu a ela um tom angelical, brilho quase celestial, de modo que quando a luz passa e volta para o seu olho, não parece um cara com tinta azul. James pode falar sobre isso. O problema é que podemos fazer todas essas coisas no laboratório e fazer todas essas técnicas legais funcionarem, mas precisa descobrir como combiná-las com a pele.

MacKinnon: Ela [maquiagem do Órion] tinha quatro cores, nós temos que respingar e jogar lá apenas para dar vida e profundidade. Desse modo, não é um sólido sólido, azul sólido, verde, qualquer cor, porque essa câmera vai captar todos os detalhes. Além disso, as próteses que eu tenho agora, com a câmera sendo tão nítida – como Mary [Chieffo], tinha uma prótese de 5 peças – meu objetivo é que você não veja todas as costuras que eu tenho que esconder com pontilhado e coloração.

Ainda é um processo de descoberta de como você faz, dia após dia?

MacKinnon: Ah claro. Quero dizer, minhas maquiagens mudam durante toda a temporada de maneira que eu aprendo todos os dias fazendo isso de forma um pouco diferente. Vocês nunca vão ver, mas eu vejo maneiras de encurtar o tempo, colocando a tinta um pouco à direita, o que esconde algo … são pequenas mudanças que eu vou ver que facilitam meu trabalho, que facilitam o trabalho de produção porque eles pegam o ator na câmera por mais tempo. Quanto menos eles estão na minha cadeira, mais eles estão na tela.

Hetrick: HD é essa mina tecnológica. Nenhum pessoa de efeitos de maquiagem te diz que sabe tudo, daqui a alguns anos você vai ter que mudar a maneira que faz tudo porque eles vão inventar uma nova câmera. Quando ele diz que HD não é bom para nós – tira todos os nossos segredos. Então, em séries como CSI: New York, onde estamos fazendo todo esse trabalho forense de ponta (que também trabalhamos juntos), nós tivemos que literalmente jogar fora todos os moldes para as peças que estavam em espuma, porque elas simplesmente não funcionavam mais. No dia um da temporada, quando mudamos para uma Red [HD]  câmera (Red Digital Cinema Camera Company), nós pensamos: “é isso!” – nós tivemos que pegar todo o silicone para tudo porque você podia ver toda extremidade. Por isso, tira muitos dos nossos truques. Então, é um processo de descoberta e cada personagem carrega consigo os seus próprios desafios, não importa quantas maquiagens você tenha feito, a próxima maquiagem é a primeira vez que você faz, então tudo tem que ser descoberto para essa pessoa e como as bordas funcionam.

Designers adorariam atualizar o Borg

Que tipo de alienígenas de iterações anteriores de Star Trek você gostaria de ver em Discovery? Existe alguma coisa que você está morrendo de vontade de fazer?

Hetrick: Você sabe que Klingons teria sido a primeira resposta. Felizmente conseguimos fazer os andorianos e os telaritas, é tão incrível voltar a série original. Mas Borg!

MacKinnon: Sim Borg!

Hetrick:  Estamos morrendo de vontade de fazer Borg. Porque com a impressão 3D … nenhuma espécie isolada é mais adequada à forma como estamos nos aproximando usando a tecnologia agora e nos imergindo na impressão 3D do que nos Borgs. Então, estamos apenas morrendo de vontade – não sei quando ou se isso aconteceria nesta série, mas essa é apenas nossa lista de desejos.

MacKinnon: Eu fiz o filme First Contact, então eu fiz essa versão, que era toda de látex de espuma. Agora seria toda a impressão 3D com silicone. É legal.

Fonte: Trek Movie