A língua Klingon ou mais popularmente chamada de Klingonese tem sido um marco da franquia desde a sua inclusão em  Star Trek: The Motion Picture. Mas oficialmente ela foi desenvolvida pelo linguista Marc Okrand, que foi contratado pela Paramount Pictures para inventar a linguagem e treinar os atores em Star Trek III: A Procura de Spock. Ele também é autor do Dicionário Klingon e todos os seus adendos. Aos 69 anos, Marc Okrand concedeu uma entrevista ao Washington Post onde falou um pouco sobre este trabalho fascinante.

Okrand também trabalhou nos filmes Jornada nas Estrelas V – A Última FronteiraJornada nas Estrelas VI – A Terra Desconhecida como consultor técnico, além de Star Trek 2009 (consultor das línguas Romulana e Vulcana), Além da Escuridão Star Trek e o video game Star Trek: Klingon.

Em Star Trek: Discovery ele não teve participação direta, já que a tradução e o treinamento foram feitos pela especialista em Klingon, Robyn Stewart. No entanto, Okrand introduziu novas palavras na série, que foram mantidas pelo Klingon Language Institute (KLI).

Alguns acréscimos foram vistos na estréia, como as palavras sarcófago, caixão, Andoriano, Telarita, entre outros.

Klingon é o grande negócio agora. Tem um jornal trimestral, uma revista de ficção e poesia, há uma ópera klingon, há traduções klingon de Shakespeare. Qual era a situação Klingon quando você entrou na foto?

Na série original não havia Klingon falado – a série do Capitão Kirk dos anos 60. A única coisa que sabíamos sobre o idioma eram os nomes dos personagens. No primeiro filme, o capitão Klingon fala talvez duas ou três linhas. Isso foi feito antes de eu me envolver. Fui contratado para fazer a língua Klingon para “Star Trek III”.

E como isso aconteceu?

Porque eu fiz o diálogo Vulcano para “Star Trek II”.

E como isso aconteceu?

Meu trabalho de verdade, o que realmente pagou as contas, era closed caption. O primeiro programa que fizemos (legendas) foi o Oscar de 1982. Eles me levaram para Los Angeles e eu estava almoçando com uma amiga que trabalhava na Paramount. Ela e eu saímos para almoçar e surgiu o fato de eu ser linguista – tenho doutorado em lingüística. Ela disse: “Isso é realmente interessante. Nós temos conversado com linguistas. Há esta cena no filme em que o Sr. Spock e este personagem Vulcano feminino têm uma conversa. Quando eles filmaram, os atores falavam inglês. Mas, na pós-produção, todos acham que seria melhor se estivessem falando vulcano”. Eles queriam que um linguista viesse e compusesse um jogo de palavras que combina com os movimentos dos lábios. E eu disse: “Eu posso fazer isso!”

Você se lembra do que eles te pagaram?

Foram algumas centenas de dólares. Na sexta-feira daquela semana treinei Leonard Nimoy em suas falas. E lembro-me de dirigir até o centro de Los Angeles e pensar – e já disse isso a outras pessoas: acabei de ensinar ao sr. Spock como falar vulcano. E eu pensei que era o fim disso. Um ano e meio depois, eles estavam fazendo “Star Trek III”, o produtor me chama e pergunta se eu quero fazer Klingon.

Como você faz uma linguagem do zero?

Você ouve as linhas no primeiro filme. Isso vai te dizer quais são os sons. Eu adicionei a isso. Estes não são humanos; sua linguagem não deve ser reconhecivelmente humana. Mas as pessoas que vão falar isso, os atores, são humanos. Então eu adicionei sons que você não consegue encontrar em alguma linguagem humana, mas você não deve encontrar esses sons na mesma linguagem. Não é natural.

Na época, eu não sabia que ia durar muito e prosperar.

Ha!

Eu nunca disse isso antes – eca!

É uma apropriação cultural para você, um humano, presumir falar pelos klingons?

Fico feliz em falar pelos klingons, embora, se eu estiver na sala com um klingon, eu me calaria para ele ou ela.

Se você quiser saber mais sobre o trabalho de Mark Okrand, acesse o TB neste link.