Neste último fim de semana tivemos o painel Star Trek: Discovery no evento New York Comic Con. Apresentamos um resumo dos destaques do painel comentado pelo elenco e produtores a respeito da segunda temporada da série.

Moderado pela convidada da segunda temporada Rebecca Romijn  (Número Um), o painel contou com os  produtores executivos Alex Kurtzman e  Heather Kadin, juntamente com o elenco:  Sonequa Martin-Green (Burnham), Doug Jones (Saru), Mary Wiseman (Tilly), Michelle Yeoh (Georgiou), Anson Mount (Pike), Anthony Rapp (Stamets), Wilson Cruz  (Culber), Shazad Latif (Tyler), Mary Chieffo (L’Rell) e a aparição de estreia do novo Spock, Ethan Peck.

Participação da irmã de Saru e alguns backstories sobre os Kelpianos

O ator Doug Jones, que interpreta o oficial Saru, ofereceu alguns detalhes sobre como a segunda temporada contará com um episódio que explorará mais sobre seu personagem e sobre os Kelpianos:

Segunda temporada, Saru descobre algo sobre si mesmo, e o que significa ser um Kelpiano, que ele não conhecia e que você não sabe … Isso vai ser alterado, desafiador para ele. Ele está em um caminho de evolução na série … E nós vamos para o meu planeta natal, em um episódio onde tudo isso culmina.

O ator falou mais sobre esse episódio e seu mini-episódio Short Trek, dando uma pequena notícia sobre o elenco. Aparecerá sua irmã Kelpiana:

Você pode conhecer minha irmã, a adorável Serana, interpretada pela linda Hannah Spear. Então, eu tenho família, o que é lindo. Há algumas histórias de fundo também. Eu estou em um dos curtas-metragens [ Star Trek: Short Treks “The Brightest Star” (A Estrela Mais Brilhante)] que está chegando antes do início da temporada, o que lhe dará mais do passado. Você verá mais da minha família e como é o meu planeta natal Kaminar … Kelpianos são uma espécie de presa lá, então quem é o predador? Podemos descobrir isso também e qual é essa relação e para onde isso vai.

Doug também falou sobre o relacionamento de irmãos entre Saru e Burnham que evoluirá na segunda temporada:

Com tudo o que mencionei antes sobre a evolução e este pedaço de informação sobre mim e sobre como chegamos lá, eu preciso chamar um membro da família para me ajudar neste momento. E Michael é quem eu escolhi, minha irmã na nave. Então, esse relacionamento irmão/irmã vai para um nível completamente novo nesta temporada. É reconfortante. Todo mundo que pensava que nós tínhamos muita angústia um com o outro vai se sentir totalmente tranquilo por esse episódio.

Sonequa Martin-Green interveio na fala de Doug para acrescentar sobre essa conexão entre Saru e Michael, dizendo: “Lutamos por isso. Demorou muito tempo e foi conquistado”. Sonequa também observou que há um paralelo nas histórias de Saru e sua irmã e Burnam e Spock, e como em ambos os casos, eles não vêem seus irmãos há anos.

Wilson Cruz conta mais sobre Culber na segunda temporada

Embora tenhamos confirmado que Wilson Cruz retorna como Dr. Culber como regular na segunda temporada, os detalhes de como isso acontecerá estão sendo mantidos em sigilo. O ator deixou claro que não poderia dar detalhes e passou a maior parte do tempo no palco tentando encorajar as pessoas a se registrarem e votarem nas próximas eleições nos EUA, com a mensagem “faça sua voz ser ouvida, e vamos criar mundo que nós merecemos.”

O que Cruz pode dizer sobre o seu personagem foi:

Tudo o que posso dizer sobre isso é uma coisa. Encontramos Culber de onde saímos. Eu honestamente não posso te dizer nada mais do que isso. Nós o encontramos [pausa dramaticamente] onde o deixamos. Essa é a sua pista!

Culber foi morto no final da primeira temporada por Tyler, quando o médico descobriu que ele era secretamente um klingon disfarçado. Depois disso, ele apareceu novamente para seu parceiro Stamets em algum tipo de visão dentro da rede micelial. Então, aparentemente, a pista de Cruz é que encontraremos Culber onde o deixamos, dentro da rede micelial. A dedução é que, de algum  modo, Culber poderá ser trazido de volta. Se voltará como humano não sabemos. Isso abre a perspectiva de que outro personagem, o capitão Lorca do universo espelho, não tenha encerrado sua participação, afinal.

Stamets enfrentando a perda com ajuda de Tilly

No painel da NYCC, o ator Anthony Rapp falou sobre como essas questões (Hugh Culber e o espore drive) criam grandes questões para o Stamets na segunda temporada:

Encontramos o Stamets imaginando como seguir em frente. No final da primeira temporada, não houve tempo para lidar com a perda, porque estávamos no meio de tentar salvar o universo. No começo da segunda temporada, ele questiona “Qual é o próximo passo?” É uma questão realmente grande e eu também estou muito grato pelos escritores darem tempo e espaço para isso.

O ator também falou sobre como o relacionamento entre Stamets e Tilly (Mary Wiseman) continuará a crescer mais na segunda temporada:

Stamets era meio rabugento, principalmente por causa de Lorca, vamos ser francos. Mas mesmo desde o começo, Stamets e Tilly têm esse encontro e ela é essa pessoa chata. Mas sua perseverança, sua coragem e seu compromisso em ser totalmente ela mesma ajudaram a derreter o exterior crocante de Stamets. Na segunda temporada, especialmente – nós continuamos fazendo essas coisas muito legais juntos, onde estamos ajudando uns aos outros. Essas sementes foram plantadas na primeira temporada, mas foi maravilhoso ter a Srta. Wiseman caminhando nesse caminho.

O produtor Alex Kurtzman entrou na discussão sobre Tilly e Stamets, observando como as relações reais entre os membros do elenco estão ajudando a impulsionar suas performances:

Tilly e Stamets têm essa cena incrível no episódio de estréia da segunda temporada e esse elenco é um presente, cada um deles. Um dos presentes que você está recebendo quando você os dirige é que você pode ver como eles se conectam uns com os outros. Você ouve muito “oh, nós somos uma família”, mas realmente são. Todo mundo neste elenco ama muito uns aos outros. E você vê o amor, o respeito no nível mais profundo e você realmente vê isso no trabalho… E há esse momento encantador quando Stamets diz: “Tilly, você é incandescente porque faz tudo por amor”. E eu acho que isso é porque Tilly ressoa com as pessoas. Ela é tão profundamente pura, e ela comunica seu amor por todos, porque ela realmente não sabe de mais nada. Somos todos frágeis. Estamos todos procurando. A série é chamada Discovery por uma razão. Todos procuramos a melhor versão de nós mesmos. O espírito de Tilly é tão incansável sobre encontrar a melhor versão de si mesma e eu acho que é uma grande razão pela qual ela quebrou Stamets, porque Stamets, à sua maneira também continua a procurar a melhor versão de si mesmo.

Tilly abraça suas peculiaridades e enfrenta novos desafios

Mary Wiseman também analisou por que ela acha que seu personagem, agora Alferes Tilly, se conectou com os fãs:

É provavelmente ela é uma pessoa que é completa e completamente ela, peculiaridades e tudo mais. Ela fala muito. Ela tem muitos sentimentos e é amada independentemente. Essa é uma sensação muito boa para mim e para as pessoas que a observam. Eu me sinto muito abraçada. Eu sou uma pessoa muito estranha, com muitas peculiaridades que fala demais, e me sinto muito abraçada. Então, eu sei que é uma sensação muito boa de ver refletida na tela. Que há um lugar para ela nesta tripulação. Esse é um personagem que num universo diferente pode se sentir isolado ou sentir-se solitário de amigos, ou achar que as pessoas não encontram uma maneira de respeitá-la, ou ver como ela poderia funcionar nos escalões superiores de um sistema como a Frota Estelar. Este é um universo onde tudo é possível para ela. Queremos refletir um universo utópico onde tudo é possível para todos aqui também. Enquanto você estiver aberto às diferenças que alguém contém, você merece amor por isso. Eu acho que é isso que a nossa série é.

A atriz também falou sobre como o arco de Tilly da primeira temporada passa para a segunda temporada:

No final da primeira temporada, ela [Tilly] admitiu o programa de treinamento de comando. Então ela vai continuar essa jornada e o que significa para alguém como ela ser uma oficial. Ela vai enfrentar muitos desafios, muitos dos quais ela terá que confiar em si mesma para encontrar seu caminho, o que deve ser interessante.

Georgiu uma agente da seção 31

Michelle Yeoh disse que estava “amando cada minuto” por voltar a série e falou sobre como a Imperatriz Georgiou encontrou uma nova vida trabalhando para a Seção 31:

Michael Burnham me trouxe para este universo, um universo coxo no que diz respeito a imperatriz Georgiou. Ela estava pronta para morrer naquele lugar em Qo’noS. Então, quando Leland foi até ela com aquele distintivo preto, ela ficou muito intrigada. Quando ela mais tarde descobriu o que a Seção 31 significava, que oficialmente éramos inexistentes. Somos uma organização autônoma e clandestina, supostamente reivindicamos proteger a defesa de segurança da Federação. Então, basicamente, o que eles não gostam de fazer, nós conseguimos fazer, realmente, muito bem.

A atriz também notou que, devido à forma como o Universo Espelho foi classificado como top secret (que mantém o cânon do episódio “Mirror, Mirror”), ela continua a interpretar a complicada Impertriz Georgio fingindo ser a capitã morta Georgiou:

Para Georgiou, nem todo mundo sabe que eu era do Universo Espelho. Então, às vezes eu faço o bom capitão. Ela é sempre muito simpática, compassiva. E então, com Phillipa Georgiou da Seção 31, ela é manipuladora, desonesta. Eu quero dizer … sexy, graças a Gersha (designer de vestuário). Porque estamos todos vestidos em couro, o tempo todo. Está quente, quero dizer quente!

A atriz também admitiu que prefere interpretar esta versão mais desonesta da personagem:

É muito mais divertido tocar a Georgiou na Seção 31, porque esse pobre homem [indicando Anson Mount] não tem ideia de quem eu sou. Pobre Capitão Pike [risos]. Apenas um punhado de pessoas realmente sabe que a Imperatriz Georgiou está na Seção 31.

L’Rell tentando encontrar uma maneira de unir os Klingons

A atriz Mary Chieffo falou sobre como na segunda temporada “haverá muitas lutas” que vêm com L’Rell sendo agora Chanceler do Império Klingon, especialmente quando se trata de lidar com os problemas Klingon com uma mulher no poder:

Há também um tema para L’Rell na segunda temporada de abraçar sua feminilidade enquanto ela abraça seu poder. Eu acho que os dois podem coexistir. Eu realmente gostei disso. Mas não é um caminho fácil para ela. Há klingons masculinos que discordam de uma mulher estar no poder.

A atriz falou também de sua felicidade em ver a história Klingon na segunda temporada sendo escrita da perspectiva de L’Rell:

Essa é a beleza de Jornada e a beleza de escrever Jornada em 2018, é que estamos deixando refletir nossos tempos de todas as maneiras. Há algo sobre todos esses monstros femininos que foram de Medusa a Medea, que suas histórias foram contadas na maior parte da perspectiva do homem branco e o fato de que nesta história é contada do lado de L’Rell. Foi muito dito do lado humano na última temporada, da perspectiva de Tyler. Então, entramos mais no porquê ela fez o que fez e os sacrifícios que fez para tentar sustentar essa visão de unificação. Porque no final das contas, a visão que T’Kuvma teve da unificação é boa. Mas ele só tinha uma vaga ideia de como fazer isso. Ela está tentando encontrar uma maneira melhor de fazê-lo e encontrar sua própria voz, com a ajuda de Tyler.

Chieffo falou ainda sobre como os klingons agora tendo cabelos (porque eles deixam crescer em tempos de paz) se ligam ao arco de L’Rell para a temporada:

Bem, ela agora é oficialmente a Chanceler do Império, e há muitas lutas que vêm com isso … e também, como você deve ter notado no trailer, há um pouco de uma nova estética acontecendo!

O cabelo é uma adição realmente empolgante que foi feita. Glenn Hetrick, nosso designer, é um grande fã de Jornada; ele foi inspirado pelo “Rightful Heir” de A Nova Geração. Há uma referência, quando Kahless é trazido de volta como um clone … ele conta a história de como ele cortou uma mecha de seu cabelo e mergulhou-o em um vulcão e fez a primeira bat’leth – que ele usou para matar Molor, o terrível tirano que estava governando Qo’noS na época.

Então, no espírito da descoberta, nós pegamos aquela pequena e bela semente que foi plantada da iteração anterior e expandimos, e vemos que em um tempo de guerra, os Klingons raspariam suas cabeças – e em um tempo da paz, começamos a crescer de volta.

Eu realmente amo o simbolismo disso. Eu acho que há também um tema para L’Rell na segunda temporada de abraçar sua feminilidade enquanto ela abraça seu poder – eu acho que os dois podem coexistir, então eu realmente gostei disso.

[…]

Eu acho que há algo bonito na metáfora de ‘deixar o cabelo solto’, e eu acho que é muito a jornada de L’Rell na segunda temporada. Abrindo-se para Tyler de uma forma que ela não teve a oportunidade de fazer na primeira temporada. Agora eles estão muito próximos e precisam um do outro.

Além do cabelo, a estética do Chanceler, quando se trata de roupas, Gersha Phillips se superou … Eu tenho essas botas de salto alto épicas e esses vestidos lindos – e um pouco mais do seu clássico decote Klingon que vocês todos amam muito!

Tyler ainda no limbo de ser Klingon

Um dos grandes segredos da primeira temporada foi Tyler sendo o Klingon Voq transformado. O ator Shazad Latif falou pouco no painel New York Comic Con.

No entanto, ele fez um breve resumo de como você verá Tyler, na segunda temporada:

Nós paramos (a guerra), ele foge com L’Rell e eles vão tentam atuar como embaixadores, entre os Klingons, a Federação e a Frota Estelar. Então, ele está nesse tipo de limbo. Ele e L’Rell estão classificando algumas coisas emocionalmente, e um bando de Klingons.

Ethan Peck conta como conseguiu o papel de Spock

O painel do New York Comic Con marcou a primeira aparição pública de Ethan Peck, que foi escalado para ser a versão Discovery de Spock, descreveu seu caminho para o desembarque do papel.

Foi um longo processo de teste – no começo, eu não sabia o que estava lendo. Eu sabia que era para ‘Star Trek’, e esse cara estava lutando com emoção e lógica, e no final de tudo eu descobri [era Spock] e fiquei tipo, “Oh meu Deus, eu não posso acreditar … ”

Eu tive um ataque de pânico durante o último encontro com Alex Kurtzman. Cerca de dois dias depois, eu falei “Sabe de uma coisa? Mesmo que isso não vá do meu jeito, que experiência incrível com esse personagem e esse mundo.

… e recebi uma mensagem de texto do diretor de elenco Orly Sitowitz: “Bem vindo a bordo, Sr. Spock.”

O ator também falou sobre como foi para ele colocar as orelhas Vulcanas pela primeira vez:

Colocar as orelhas pela primeira vez foi absolutamente chocante … Eu tinha todo esse trabalho para fazer na minha frente. Agora eu tenho um pouco de propriedade nisso, mas no começo isso foi trabalho e trabalho duro. Parecia meio estranho e selvagem, mas me puxou para o futuro.

Sobre o tema de escalar Spock, a produtora executiva Heather Kadin falou sobre os desafios de encontrar a pessoa certa para assumir um papel tão icônico.

É definitivamente difícil porque você deve muito aos personagens que as pessoas amam há tantos anos. Quero dizer, obviamente, nós não levamos o elenco de Spock ou Pike levianamente – mas você também quer que o ator seja capaz de trazer a si mesmo.

Eu acho que é isso que Anson [Mount] e Ethan [Peck] fizeram, e estamos muito animados para todo mundo ver.

Peck discutiu a evolução do personagem Spock, chamando o desempenho de Nimoy na série original de “a luz no fim do túnel”.

Nós temos que começar Spock em um lugar onde ele está se tornando quem nós vemos na Enterprise com Kirk. Eu fiz uma tonelada de pesquisa, estou lendo a biografia de Nimoy e assistindo a série original.

Romijn disse sim para a peruca da Número Um

O painel da NYCC também foi a primeira aparição da atriz Rebecca Romijn, que está desempenhando o papel da Número Um na segunda temporada. Como ela era moderadora do painel, ela não teve a chance de falar muito sobre si mesma.

No entanto, respondendo à mesma pergunta sobre ser inspirado pela performance original, Romijn falou brevemente sobre assumir o papel:

A Número Um original foi interpretada por Majel Barrett-Roddenberry. A primeira pergunta que me fizeram foi que eu estava disposta a usar uma peruca… e sim, eu fico de peruca, sou morena. Colocar esse uniforme de ouro pela primeira vez – eu também era um grande Trekkie quando criança com a Série Original – foi bastante surpreendente.

Um arco de uma temporada com várias histórias episódicas

O ator Anson Mount (capitão Pike), discutiu a estrutura da temporada – observando que o enredo contínuo de “sete sinais” ajudará a superar um arco de uma temporada com várias histórias episódicas ao longo do caminho.

Começamos perseguindo essas ocorrências, esses sinais vermelhos, que determinamos que a energia por trás deles está além de qualquer coisa que já encontramos. Isso inicialmente nos leva a um asteroide que está correndo em direção a um pulsar, e descobrimos que há uma nave abatida – a USS Hiawatha – e encontramos uma sobrevivente interpretado por Tig Notaro.

Esse personagem vem a bordo por um tempo … e a cada passo, cada vez que perseguimos esse sinal, o que eu realmente gosto sobre o que os escritores estão fazendo com isso – eles estão mantendo essa decisão de fazer essa versão serializada de ‘Star Trek’, ‘esta escolha, perseguindo os sinais, está trazendo uma espécie de sensação episódica clássica para a segunda temporada.

Então, cada série tem seu próprio personagem, sua própria pergunta … enquanto mantém essa linha de ação realmente forte.

O ator contrastou o estilo de Pike com o do capitão Lorca (Jason Isaacs) da primeira temporada, dizendo:

Bem, é disso que eu mais gostei no personagem, na verdade. Os roteiristas fizeram um ótimo trabalho criando um tipo de capitão completamente novo com o Capitão Pike e realmente explicando o que já sabemos. Parte disso é que Pike sabe que um líder realmente bom e tem fragilidades, e publicamente. Ele sabe que seu maior trunfo é sua tripulação. O que eu realmente gosto em interpretar esse personagem é que ele não tem medo de admitir que está perplexo, e ele regularmente joga a pergunta para as pessoas ao seu redor, o que contribui para ótimas cenas de ponte, quando ele diz: : diga-me o que fazer, o que estamos fazendo.

Mount também falou sobre como sua performance foi influenciada pelo ator original, no caso, Jeffrey Hunter de “The Cage”. O ator notou que enquanto ele não tem problemas em ser “um ladrão” com outros atores, ele adotou uma abordagem diferente para Pike:

Eu não tenho certeza do porquê, mas eu senti que precisava fazer isso meu desde o início, sabendo o que eu sei e fazendo minha pesquisa. Eu não estava realmente explorando a performance de Jeffrey Hunter em busca de pistas, talvez porque há muito sobre ele que não sabemos sobre o personagem.

Anson também falou sobre como foi vestir o uniforme clássico de Star Trek:

O ouro não esconde nada! Eu estava na esteira por um tempo … Foi incrível! Eu acho que Gersha [Phillips], nossa figurinista, fez um trabalho incrível mantendo a aparência clássica com uma versão atualizada. Foi uma verdadeira honra. Isso e apenas sentado na cadeira do capitão.

Um retorno a Talos IV?

Falando de canon, quando um fã perguntou se havia “alguma chance de vermos os personagens originais de Star Trek na série além de Spock?” Alex Kurtzman respondeu simplesmente “sim”. O produtor então provocou o retorno de alguns alienígenas que são muito familiares ao capitão Pike, dizendo:

Vocês gostam de talosianos? Nós devemos ver alguns.

Sonequa Martin-Green também estava animada para compartilhar a informação de que seu marido Kenric Green, que anteriormente dividiu a tela com Sonequa em The Walking Dead, estará aparecendo no segundo ano de Discovery, mas o seu papel específico na série ainda será anunciado.

Fonte: TrekMovie e TrekCore