Nicholas Meyer fala sobre série de Khan e Discovery

Em entrevista ao canal no YouTube Midnight’s Edge, o roteirista Nicholas Meyer forneceu uma nova atualização sobre o seu projeto Star Trek, incluindo a confirmação do nome da série. Meyer também falou a respeito de seu trabalho na série Star Trek Discovery.

Nicholas Meyer é um escritor/diretor, mais conhecido dos trekkers por dirigir os filmes Star Trek II: A Ira de Khan e Star Trek VI: A Terra Desconhecida, além de co-escrever o roteiro de Star Trek IV: A Volta para Casa.

Em 2017, Nicholas Meyer revelou pela primeira vez que estava trabalhando em um projeto Star Trek (fora a série Discovery), e em maio deste ano, ele deu mais detalhes, dizendo que era uma série limitada em 3 episódios, mas que estava na situação de espera, naquele momento.

Como todos sabem, a CBS anunciou depois planos para expandir Star Trek na TV e o site Variety relatou que uma série baseada no personagem Khan Noonien Singh era um dos possíveis projetos em consideração.

Mais recentemente, a CBS anunciou uma série contínua com Patrick Stewart retornando ao papel de Jean-Luc Picard e uma comédia sci-fi animada chamada Star Trek: Lower Decks.

Até agora não houve nenhuma palavra oficial sobre a série Khan de Meyer.

Mas, numa entrevista ao canal no YouTube Midnight’s Edge, Meyer revelou o status do seu projeto Trek e se ele sairá do papel.

“Fui contratado para escrever um evento de 3 horas ou 3 episódios e foi o que fiz. Chama-se Ceti Alpha V e não conheço o status atual. Está no ar. Parcialmente, houve muita confusão na CBS, houve grandes reviravoltas na CBS e enquanto eles meio que não sabiam quem estava no comando, eles também não sabiam o que iam fazer com Ceti Alpha V. Não sei exatamente o que aconteceu, não tenho notícias disso há algum tempo.

Ceti Alpha V é o planeta onde Khan e seus seguidores foram exilados no episódio “Space Seed” da série original, e onde ele foi encontrado anos depois no filme do próprio Meyer, Star Trek II: A Ira de Khan.

Não está claro que “confusão” e “revoltas” na CBS Meyer está se referindo, mas anteriormente ele observou que um obstáculo para a série seria a política corporativa em curso entre a CBS e a Paramount da Viacom, proprietária da biblioteca de filmes Star Trek, incluindo A Ira de Khan.

Na nova entrevista, Meyer observou outro possível obstáculo:

“É muito boa. É uma trilogia fantástica. Acho que uma das coisas que aconteceu é que eles não têm certeza de que uma trilogia é longa o suficiente para justificar o custo de fazê-la. Talvez deva ser algo mais longo, ou… eu não sei os detalhes do pensamento deles, porque eu não os ouvi.”

O recente rumor sobre uma série com Michelle Yeoh indica que seria algo com poucos episódios. Mas, talvez, três episódios de Star Trek: Ceti Alpha V poderiam ser limitados demais para a CBS, considerando que tal projeto provavelmente envolve gastos consideráveis ​​e filmagens em locações externas.

Num artigo do Trek Brasilis, informamos que a CBS também registrou vários outros títulos possíveis de Jornada, além de Discovery, incluindo Star Trek: Ceti Alph V, Star Trek: DestinyStar Trek: Reliant e Star Trek: Starfleet Academy. No entanto, registar não quer dizer que vai ser realizado. É possível que algumas das marcas sejam diferentes possibilidades para o mesmo projeto em consideração, como a série Picard, que ainda precisa obter um título.

Ao que tudo indica, a série de Meyer poderá nunca sair do papel.

Consultor em Discovery

Meyer foi creditado como produtor de consultoria para a primeira temporada de Star Trek Discovery. Ele confirmou que não está envolvido na próxima segunda temporada:

“Eu estava envolvido com isso no primeiro ano, trabalhei nisso, escrevi coisas sobre a série e depois não fui convidado para o segundo ano. Eu não sei porque.

A notícia do envolvimento de Meyer veio pela primeira vez em fevereiro de 2016, e ele foi um dos primeiros contratados do produtor, na época, Bryan Fuller. Enquanto Fuller afirmou que Meyer estava envolvido na escrita do piloto de dois episódios, Gretchen J. Berg e Aaron Harberts (que substituiram Fuller como produtores dois meses depois) terminaram escrevendo a versão final do piloto.

Quando Fuller partiu, eu ainda estava na série e sabia que Gretchen e Aaron vieram para ver se poderiam salvar (a série) e eu certamente conhecia Akiva Goldsman, já tinha trabalhado com ele. Eu o admiro. Então, eu estava ciente de tudo. Só não sabia que quando a série foi ao ar meu envolvimento já havia se encerrado ou mais ou menos terminado.

Embora creditado em todos os episódios como produtor de consultoria, Meyer não teve crédito nos roteiros, em nenhum dos quinze episódios da primeira temporada.

Quanto à sua contribuição, Meyer disse ao Midnight’s Edge que há muitas contribuições para reivindicar algo seu específico.

“Eu fui trazido por Bryan Fuller, que era o showrunner original. Eu nunca tinha trabalhado em uma série de televisão antes e pensei que seria uma coisa interessante para fazer, como de fato foi. Minhas contribuições para ele foram difíceis de determinar, porque a televisão é um esforço de grupo e há tanta sobreposição que eu não posso reivindicar nem refutar crédito pelo resultado final porque a diferença entre o que está escrito e é filmado e o que foi falado em reunião antes de as coisas serem escritas é muito, muito difícil de determinar com o que você chamaria de precisão significativa ou objetiva.”

Sobre a saída de Bryan Fuller da série no final de 2016 , Meyer disse que “não estava a par do que acontecia”, mas citou a atenção dividida de Fuller entre Discovery e American Gods como um possível problema. Embora tenha sido amplamente divulgado que Fuller foi demitido depois de bater de frente com executivos da CBS, Meyer preferiu não entrar no assunto por não achar apropriado “vender fofocas sem substância que eu não sabia”.

Meyer também foi perguntado sobre como o Discovery inovou em termos do uso de palavrões durante a primeira temporada, no contexto de como seu roteiro de Star Trek IV: A Volta para Casa usou o termo “metáforas coloridas” para descrever a linguagem da tripulação da série original quando viajando de volta no tempo para a década de 1980 em São Francisco.

“Toda arte é inelutavelmente o produto da época em que foi criada. Mozart não soa como Mozart, ela soa como a música da Europa meados do século 18. Você não olha Renoir apenas como Renoir. Parece uma pintura impressionista francesa do século XIX. O fato de que um serviço de streaming não precisa estar em conformidade com as mesmas limitações de censura que uma transmissão em rede deve aderir; o fato de que estamos em uma época em que palavrões estão proliferando e cada vez mais parte da fala normal  – deixa muito pouco espaço para a noção de que uma nova Star Trek criada nessas condições não teria metáforas coloridas por toda parte. Mas isso parece apenas vir com o território. Eu estou tentando lembrar se em algum momento quando nós estávamos criando, se em algum momento nós estávamos usando essa linguagem ou isso veio depois. Minha melhor lembrança – e é inteiramente falível – é que isso não me incomodou na época, e eu não pensei em Star Trek IV, isso simplesmente não ocorreu para mim. ”

Fonte: TrekMovie

 

Be the first to comment on "Nicholas Meyer fala sobre série de Khan e Discovery"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*