Elenco está na expectativa pela 3ª temporada de Discovery

A terceira temporada de Star Trek: Discovery tem gerado muita especulação entre os fãs, em razão do salto a frente 930 anos no futuro da tripulação da nave Discovery. O elenco também tem dado seus palpites sobre as possibilidades de novas aventuras.

Pulando a frente de A Nova Geração e Voyager

O vídeo Moments of Discovery lançado pela CBS apresenta comentários de Sonequa Martin-Green, Doug Jones, Anthony Rapp, Wilson Cruz e Mary Wiseman. Eles opinam sobre as implicações do final para a sequência:

Doug Jones: Para nós darmos um salto à frente de A Nova Geração, Deep Space Nine, Voyager, é como ahhh, eu posso respirar agora porque não precisamos nos preocupar com regras e regulamentos. Agora podemos criar sem consequências … A lousa está limpa, o giz está na mão, tudo pode acontecer.

Anthony Rapp: Eu acho que isso dá aos nossos escritores, e aos nossos designers e à nossa equipe criativa uma incrível liberdade agora para fazer qualquer coisa nova.

Eles também trazem algumas questões importantes:

Sonequa Martin-Green: Tudo pode acontecer, o que é esse futuro que estamos indo?

Mary Wiseman: O que existe no futuro? Que tipo de tecnologia eles podem ter? Em que tipo de paisagem vamos acabar?

Anthony Rapp: Vamos ver algumas das espécies conhecidas que não vimos antes? Vamos continuar a ver novas espécies? Em que estado está a Federação? O que está acontecendo com a Frota Estelar?

Os escritores já estão trabalhando nas respostas

A terceira temporada está marcada para começar a produção em julho e a sala dos roteiristas está trabalhando a todo o vapor. Hoje, sua conta oficial no Twitter compartilhou uma imagem do que alimenta seus processos de pensamento.

Feliz por finalmente tudo se encaixar

Como convidada no The Ready Room, Sonequa Martin-Green falou sobre as implicações de “Such Sweet Sorrow, Part 2” e como o episódio cumpriu a promessa que eles deram desde o início de que a série encontraria uma maneira de se encaixar em jornada:

Nós temos que ter nosso relacionamento – nós que estamos contando a história de Jornada e aqueles que estão recebendo isso em seus corações – nós temos que ter confiança neste relacionamento. Nós éramos muito diferentes desde o começo … nós seríamos diferentes em todos esses aspectos e precisávamos da confiança do público e tivemos uma resposta tão irresistivelmente bela e positiva, que somos muito gratos por isso. Mas parte disso é entender que vamos nos ligar ao cânon. Estamos explorando o que podemos nos dez anos anteriores a série original, mas nos conectaremos de volta ao cânon. E por muito tempo tivemos que dizer às pessoas: “Confie em nós, nós responderemos a todas essas perguntas. Então, para colocar essa última peça do quebra-cabeça, estou muito, muito feliz em fazer isso. Foi uma espécie de “Até mais?”

Ela descreveu como assistiu a cena final a bordo da USS Enterprise e como isso cumpriu essa promessa de sincronicidade do cânon:

Foi tão palpável. Lágrimas vieram aos meus olhos quando vi aquele momento. E eu sei que todo mundo ficaria muito feliz em ver isso. É um gesto e abraço para o público. Aqui estamos voltando para o que você lembra. Estamos ligando de volta com o cânon, que é o que sempre dissemos que faríamos.

Falando para o startrek.com, Martin-Green disse mais sobre esse conceito de sincronizar a série, que avançou para uma nova era:

Oh meu Deus, todas as peças do quebra-cabeça se encaixaram, eu creio, muito lindamente. E muito compreensivamente, completamente, muito corajosamente, mas respeitosamente. Apreciei como tudo que você viu, especialmente durante a segunda temporada, mas certamente durante a primeira temporada, também desempenhou um papel importante. Eu amo como todos esses pontos da história se juntaram, todas essas pessoas se uniram, e eu amo que foi, em última análise, para salvar toda a vida senciente e salvar o futuro. Eu amo isso, mesmo que venhamos fazer isso (ir para o futuro) e estamos indo corajosamente para onde ninguém foi antes – quero dizer, você pode acreditar que estamos realmente fazendo isso? Estamos fazendo isso como uma família. Nós vamos pousar 950 anos no futuro como uma equipe real, solidificada e unificada.

Um dos pontos que causou grande impressão a atriz foram as cenas envolvendo os efeitos especiais no final da segunda temporada.

Essa é a coisa, é indescritível. Nós estávamos transfixados. Alex Kurtzman fez um grande evento  para todos nós, e nós conseguimos ver isso em uma tela grande. Ficamos estupefatos. Foi eletrizante. Nós apenas sentamos lá com nossas mandíbulas abertas, bocas boquiabertas, suspiros. Nós não podíamos acreditar que isso era o que tínhamos feito, porque o que nós apoiamos foram as palavras na página, a história, a direção e nossa imaginação, certo? E para ver tudo se juntar assim, nenhum de nós esperava que fosse tão grandioso, [ou] tão deslumbrante. Então, nós apenas olhamos um para o outro com lágrimas nos olhos e dissemos: “Uau, então este é o nosso show”.

Martin-Green fala também sobre a mudança de ritmo na segunda temporada em relação a primeira.

Nós tínhamos muito terreno para cobrir, e acho que foi um esforço valente. Nós estávamos em guerra com o Império Klingon, e fomos a uma velocidade vertiginosa por causa daquela guerra.

Realmente, a maior mudança da primeira para a segunda temporada é que conseguimos desacelerar um pouco e lidar com as conseqüências da guerra, como ela mudou a equipe de Discovery e como estamos agora, avançando. Eu amo quando você segue conosco neste estado de restauração – querendo nos restaurar, querendo restaurar nosso relacionamento, querendo restaurar a Frota. Isso nos leva ao grande mistério da segunda temporada, que é, claro, o Anjo Vermelho e esses sinais, que obviamente revelam essa grande ameaça do Controle.

Eu amo o que Alex, Michelle Paradise e os outros produtores e escritores fizeram com a segunda temporada. Nós nos glamuramos e construímos onde estávamos e onde nossos showrunners nos levaram com a primeira temporada. Nós aumentamos e nos encontramos em um lugar muito novo e excitante e interessante.

Por que saltar para o futuro foi a escolha perfeita para Discovery?

No The Ready Room, Sonequa falou também sobre que a decisão de pular a série para o futuro significa para Discovery :

Senti que é a decisão mais genial para Star Trek: Discovery. Estou muito orgulhosa de nossos produtores e escritores por fazerem isso, Alex Kurtzman e Michelle Paradise e Jenny Lumet fizeram um ótimo trabalho escrevendo o final. Eles e os outros escritores decidiram nos levar para o futuro. Agora podemos contar nossas próprias histórias, porque estamos indo corajosamente para onde nenhuma outra Jornada já foi antes. Mas ao mesmo tempo ainda somos quem somos. Ainda estamos conectados ao cânon da maneira que somos. Não podemos ajudar onde começamos. Não podemos evitar que eu esteja na família de Sarek e Amanda e Spock. Nós sempre teremos isso, mas agora podemos levar quem somos para este futuro que nunca vimos antes e contar nossa história e ver o que o futuro reserva e o que aconteceu com todos. Eu simplesmente não conseguia acreditar na incrível escolha que foi. Estou radiante de orgulho, porque achei que era a coisa perfeita para nós.

Martin-Green mais tarde reiterou que onde a série está indo é um lugar e tempo totalmente novos:

Claramente, estamos no futuro. E nós estamos em um espaço que nenhum de nós já viu antes – literalmente em um espaço que ninguém viu antes – e contando nossas próprias histórias. Eu acho que vai ser incrível.

Ela também falou sobre como essas mudanças significam um acréscimo ao cânon de Jornada:

Certamente tem havido coisas que temos contribuído para o cânon, e toda vez que isso acontece no set nós dizemos: “Oh meu Deus, isso está prestes a se tornar cânon, queremos ter certeza que seja perfeito”. Mas agora, tudo será canônico. Cada coisa que fazemos será canônica porque nunca vimos esse futuro. É o epítome da inovação, que é o próprio espírito de Star Trek. Então, estamos honrados em fazer isso.

Falando ao Star Trek.com Martin Green acrescentou a sua expectativa quanto a esta nova aventura no futuro:

E eu acho que, indo aonde estamos indo, – eu só tenho que dizer, indo corajosamente para onde ninguém foi antes – a empolgação vai continuar. Agora que nos encontramos neste novo lugar, estou muito animada para ver como isso se desenrola. O nome de nossa série é Star Trek Discovery, e as pessoas na nave Discovery estão se descobrindo.

Você tem Saru indo do baseado no medo ao baseado no poder. Culber voltou à vida, então Culber e Stamets precisam perceber quem são um para o outro. Tilly está se dando conta desse novo jeito, separada de sua mãe. Então, obviamente, Burnham retirou todos esses pilares da vergonha um por um. Spock percebeu o equilíbrio entre ser vulcano e ser humano ao mesmo tempo. Michael ajudou-o a perceber isso e ajudou-a a perceber-se. Há toda essa auto-realização, e eu amo que estamos nos descobrindo como uma família e como uma equipe.

Encontrar equilíbrio para Michael no século 33

Em sua entrevista com a startrek.com, Martin-Green falou ainda a respeito do que ela espera para o personagem Michael na terceira temporada:

Bem, em um mundo perfeito, estou esperando por um equilíbrio; Naquele mesmo equilíbrio, vimos Spock descobrir que Saru está tentando descobrir o que todos os outros personagens estão tentando encontrar.

Estou muito animada porque quando você pega Michael Burnham, ela é essa Vulcana-Humana. Eu tenho esta imagem que construí e é feita de diamantes. É quase impenetrável, essas defesas eu coloquei quando eu fui compensada e busquei absolvição. Estou sendo levado pela vergonha e culpa e precisando me provar. É aí que você me pegou, no começo dessa série. Então, o que eu amo é que você vê esse derramamento de emoção na segunda temporada, porque o pêndulo balançou para o outro lado. Agora eu realmente me conectei com a minha humanidade como nunca antes. Então, agora é hora de nós balançarmos, balançarmos, balançarmos e balançarmos até chegar ao meio e encontrarmos esse equilíbrio.

Esse equilíbrio é algo que eu vou estar trabalhando por algum tempo, e é isso que eu estou realmente animada para encontrar. Estou animada com a liberdade que está por vir para Michael Burnham também, agora que não sou movida pela vergonha. Todas estas coisas foram arrancadas e desenraizadas, então agora tenho a liberdade de ser quem eu sou.

É triste dizer adeus ao elenco e aos personagens do século 23

Uma das conseqüências do salto de tempo para a série foi deixar alguns personagens para trás. Martin-Green falou sobre o adeus emocional envolvido:

Nos despedimos de muita gente. É claro que temos que nos despedir de Anson (Mount) e Ethan (Peck), que são Pike e Spock, porque tivemos que nos ligar novamente com a série original, e é claro Rebecca (Romijn, a número um) também, porque ela estava ligada com a série original também. Mas então tivemos que dizer adeus a muitas pessoas com quem começamos: Mary Chieffo (L’Rell), Shazad Latif (Tyler), Mia Kirshner (Amanda), James Frain (Sarek) – pessoas que estavam lá desde o começo. Tivemos que dizer adeus a Jayne Brook, que era a almirante Cornwell, também Alan Van Sprang, que era Leland, e também Hannah Spear (Siranna), cujo personagem foi capaz de se levantar dessa maneira. E aqueles últimos momentos com Liam (Hughes, jovem Spock) e Arista (Arhin, jovem Michael) também. Houve muitas despedidas, eu poderia chorar falando sobre isso agora … Nós estávamos deixando todas aquelas pessoas que contribuíram para a nossa série, foi muito, muito triste.

 

Be the first to comment on "Elenco está na expectativa pela 3ª temporada de Discovery"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*