• João Luiz Silva Cruz

    Legal o sistema de votos

  • A soneca ” buga ” legal mas …..ainda não vi o que tem de star trek aqui …..

    A ‘ construção ‘ dos klingons merecia maior profundidade já que ‘ rebootaram ‘ os seres. Os colocaram como quase retardados mentais ….Esses não são os klingons que conheço . Fundamentalismo messiânico à 2017….

    Por que lembrar Star Wars aqui? Complexo de inferioridade dos Produtores ????

    A abertura : ok

    A espaçonave : ok

    E então?!?

    Nota 2

    Aguardando…..

    vida Longa e Próspera

  • Leandro Henrique Pereira Neto

    Interessante as diferenças entre os roteiros, para mim o ideal seria a união de determinadas partes dos dois roteiros. Por exemplo acho excelente a cena da corte marcial para terminar o episódio.
    Por outro lado a cena da luta na nave sarcófago está melhor no primeiro roteiro.

  • Mango Jango

    Vi “os episódios” piloto, cinco minutos após estarem liberados na Netflix. Levei duas semanas pra ter vontade de ver o terceiro. Até agora vi um sci-fi pretensioso e mediano, que por acaso leva o nome de Star Trek. Não aprenderam nada com o arco dos Xindi? Acho que vou esperar terminar a primeira temporada pra avaliar se vale a pena continuar a ver.

  • ralphpinheiro

    O que é Star Trek?

  • Salvador Nogueira

    Concordo totalmente. Algumas coisas do roteiro original eu teria mantido.

  • Salvador Nogueira

    Cristiano, você só viu os fundamentalistas religiosos da Casa de T’Kuvma. Você descobrirá em breve que a Casa de Kor e a Casa de Mokai rezam por cartilhas bem diferentes… e é essa a variação cultural que eles fizeram com Discovery. Mas tem de acompanhar a história se desenrolar. Por ora, concretamente, vimos só uma casa.

  • Finalmente podemos ver diversidade étnica e cultural dentro de uma espécie alien. O papinho monocromático “Morte e Honra, rararararar!!11!” já deu o que tinha que dar mesmo.

  • É como comentaram no TrekBBS: fala-se para todo canto sobre a “essência de Star Trek”, mas eu gostaria de ver uma definição clara e exata disto que inclua *tudo* o que já foi feito de Jornada, exceto Discovery.

  • Luiz Castanheira

    Acho que você dissecou muito bem o final… Mas eu acho que haveria história com ela levando o T’Kuvma preso também… Seria diferente entretanto…

    Foram três momentos tipo piscar de olhos que mudaram a vida dela pra sempre… Você atropela alguém desconhecido… Você passa por cima de alguém que foi seu chefe por 30 anos tentando protege-lo… Você falha em proteger a sua família de fato e se vinga sem pestanejar… Nada disso é incomum nem em drama e nem em nossas vidas…

  • João Luiz Silva Cruz

    Concordo, já passou da hora de “des- desmiolar” os Klingons haha

  • João Luiz Silva Cruz

    É a pergunta de 1 milhão de dólares.

  • ralves58

    “Burnham tem um acesso de fúria”… “ela é o retrato da toalha jogada”… “Michael vê sua capitão morrer, fica furiosa e decide, sob violenta emoção (…)”… “um ato de descontrole emocional”…

    Cacilda, so eu me sinto totalmente desconfortavel com uma volcano que tem emocoes aa flor-da-pele, que tem impetos de furia, que perde o controle, quer atacar primeiro, sequer age de acordo com a sua propria logica?…

    E uma Star Trek com uma sequencia interminavel de correrias, lutas, centenas de “pew-pew laser” a toda hora… Desisti da serie apos o segundo episodio, parece mais ser alguma historia Marvel/DC Comics, ou Star Wars…

  • ralves58

    Eu ate agora nao tive a menor vontade de ver o terceiro (ja nao tinha vontade, mas vi o trailer, e quando vi que a volcano é resgatada da ridicula nave-transporte-de-presos, que tem ate as luzinhas de “policia” piscando em pleno espaço — deve ser para fugir de algum engarrafamento espacial –, e vai trabalhar em uma nave da federacao, aí que eu percebi que vai ser apenas uma serie sci-fi cliché comum, so que pretensiosa e usando de personagens trek…)

  • Espero Salvador que tenha razão …. aguardando !

    vida Longa e Próspera !

  • Salvador Nogueira

    O que faz dessa série algo tão interessante. Os humanos são relatable… são humanos. 🙂

  • Humberto Junior

    Mas ralves58, Michael não é vulcana. Ela é uma humana que estudou em Vulcano. Para todos os efeitos ela tem todas as nossas emoções ali com ela, talvez reprimidas, mas estão ali. Não considero as atitudes dela incoerentes com o que já foi visto na franquia e isso se tomarmos apenas Spock como exemplo.
    Quanto a ação e correria, não tenho nenhum problema quanto a elas, desde que não se perca a essência da série que é o trazer para o debate grandes temas atuais sob a fachada de entretenimento com uma excelente bagagem filosófica. Algo que ainda está muito cedo para dizermos se a série conseguirá.

  • Góris Faria

    Acabei ficando com vontade de continuar acompanhando a série.
    Na verdade, acho que curti bastante o episódio, gosto de batalhas espaciais (sim, pra minha vergonha sou um trekker que curte batalhas) e apesar de ter preferido ver algo mais tático, manobras entendíveis e tal, curti.

    Mas o que eu realmente curti MUITO foi ver naves da Federação com nomes aliens. Tipo, quase qualquer nave da Federação formada por 5 raças iniciais mais incontáveis outras sempre tem nome terrano… Oras, por que não haveriam naves com nomes de pessoas (e, principalmente, conceitos) de outros povos?

    Achei uma bola dentro que pouca gente comenta.