Bo Yeon Kim e Erika Lippoldt comentam O Som do Trovão

Para falar um pouco mais sobre “The Sound of Thunder”, o último episódio de Star Trek Discovery, o site TrekMovie entrevistou as co-produtores, Bo Yeon Kim e Erika Lippoldt, que escreveram o episódio.

Este episódio revelou muito sobre Saru e Kaminar, você pode falar sobre o processo de desenvolvimento da história e quanto disso foi trabalhado desde o início?

Embora tenhamos estabelecido a existência de uma dinâmica de presa / predador no planeta natal de Saru na primeira temporada, nunca tivemos muita chance de expandir essa premissa. Desde o início da segunda temporada, porém, sabíamos que estaríamos visitando a terra natal de Saru, e foi quando realmente nos sentamos para construir o mundo de Kaminar, o estilo de vida dos Kelpiens e quem eram os Ba’ul. Uma vez que decidimos sobre o conceito de Vahar’ai, sabíamos que levaria mais de um episódio para apresentar a ideia, que é como surgiu a história de Saru. Nós também queríamos usar “The Brightest Star” para estabelecer a mentalidade dos Kelpiens – que questionar o status quo é um tabu – como uma maneira de sugerir que provavelmente há mais coisas acontecendo entre Kelpiens e Ba’ul.

Como Doug Jones mudou e informou o desenvolvimento da história dos Kelpiens e Saru?

Não podemos falar o suficiente sobre o quanto Doug Jones trouxe para esse personagem. Seus maneirismos idiossincráticos são apenas o começo disso. Por um lado, a gentileza inata que se manifesta informa a ideia de que os Kelpiens (pré-evoluídos) estão perfeitamente satisfeitos com um estilo de vida pacífico – que é uma das razões pelas quais eles suportam o abate, para “manter o Equilíbrio”. Um outro aspecto de seu desempenho é o seu impulso para ter sucesso seguindo as regras. Isso mostra como diligentemente ele teve que trabalhar, como o único Kelpien na Frota Estelar, para chegar até onde está – mais do que que todo mundo ao seu redor.

Então, é o Saru que vemos neste episódio o novo Saru, um tipo mais agressivo que continuará batendo cabeça com o Capitão Pike?

Sim, como resultado do Vahar’ai, não apenas a biologia de Saru, mas também sua neuroquímica mudou; esta é uma versão nova, mais ousada, sem mais medo de Saru. Dito isso, o comportamento um pouco mais agressivo foi o resultado da natureza altamente pessoal dessa missão. Em seu coração, Saru ainda é um personagem altamente empático e pensativo.

Havia alguma inspiração do mundo real para a história do Kaminar?

Certamente, referenciamos várias instâncias de opressão e a repressão (ou tentativa de repressão) das memórias culturais como forma de obter poder sobre outras pessoas. Um exemplo foi a ocupação japonesa da Coréia e, em particular, a opressão sistemática que ocorreu ao longo de 35 anos e que, em última análise, moldou a Coreia e como os coreanos se comportam hoje.

Existe uma razão pela qual os Ba’ul mantiveram os Kelpiens ao redor e construíram todo esse elaborado sistema e mitologia ao invés de apenas eliminar a ameaça potencial?

Enquanto os Ba’ul foram quase caçados até a extinção pelos Kelpiens, isso não significa que eles queriam cometer genocídio. Eles coexistiram neste planeta com os Kelpiens por milhares de anos e, de uma maneira distorcida, esse é o “Equilíbrio” que eles preservaram por meio do abate.

Como grandes fãs, eu sei que vocês freqüentemente discutem outros episódios de Star Trek ao desenvolverem novas histórias, houve alguma que chamou sua para isso?

Nós nos encontramos levantando um pouco a ocupação Cardassiana de Bajor, tanto em termos da opressão de uma espécie por outra quanto em relação à Ordem Geral Um.

Você pode explicar como a interferência da cultura Kaminar nessa escala maciça se encaixa na Ordem Geral Um? E a Federação agora tem a obrigação de ficar por perto para garantir a paz?

A decisão de desencadear Vahar’ai foi de fato drástica. Não fomos capazes de explorar todas as facetas do argumento na tela, mas, no final das contas, foi uma decisão tomada pelo capitão Pike, que estava disposto a aceitar a responsabilidade por isso. A Discovery, através de sua busca pela missão Red Angel, desencadeou acidentalmente eventos que colocaram as vidas de Saru e Siranna em perigo, uma vez que expuseram a verdade. Ao mesmo tempo, Pike estava recebendo um pedido de dois Kelpiens para ajudar seu povo a alcançar sua verdadeira evolução natural, que havia sido bloqueada contra sua vontade por mais tempo do que eles poderiam se lembrar. Esse foi o momento em que, após milênios dos Kelpiens sendo silenciados, Saru teve a chance de ter uma voz de volta ao seu povo. Dado tudo isso, Pike concordou em ajudá-lo. E sim, considerando a escala de consequências que essa decisão poderia ter, a Federação ajudaria se Kaminar pedisse.

Visualmente, os fãs provavelmente verão uma semelhança entre os Ba’ul e Armus, a criatura que matou Tasha Yar. Existe alguma conexão?

A semelhança com Armus é mera coincidência.

O mistério do Anjo Vermelho recebeu muita atenção. Devemos assumir que as suposições discutidas estão corretas e o Anjo Vermelho é um humanóide que viaja no tempo usando um traje futurista mecanizado?

Fique ligado para descobrir!

Nós conseguimos ver mais de Airiam  em ação. Vamos aprender mais sobre sua história de origem?

Continue assistindo para ver mais Airiam!

Fonte: TrekMovie

Be the first to comment on "Bo Yeon Kim e Erika Lippoldt comentam O Som do Trovão"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*