Showrunner de Picard responde perguntas de fãs

No último domingo (9), Michael Chabon, showrunner de Star Trek: Picard, foi ao seu Instagram pessoal responder às mais variadas dúvidas e críticas relacionadas aos três primeiros episódios de Picard, dentre elas  a aparição da Comodoro Oh de óculos escuro e a cena em que Raffi traga “folha de cobra”.

Com bom humor, o escritor acabou demonstrando o nível de cuidado e zero que vai em cada uma das escolhas da nova série. Seguem abaixo as perguntas e respondidas por Chabon, que naturalmente trazem SPOILERS dos três primeiros episódios.

Comodoro Oh, que está a serviço da Zhat Vash infiltrada na Frota Estelar.

Qual é o problema com os óculos de sol da Comodoro Oh? Todo mundo sabe que os vulcanos desenvolveram uma ‘pálpebra interna’ para protegê-los do brilho intenso dos três sóis do sistema Vulcano.

Chabon: Hmm. O que, portanto, podemos inferir logicamente?

Raffi está fumando? Por favor, diga-me que Raffi não está fumando. 

Chabon: Raffi está usando um “cachimbo” tradicional de Órion, conhecido como hargl, empregado há séculos naquele mundo para “vaporizar” os tentáculos carnudos de uma planta intoxicante conhecida como horx, ou “folha de cobra”.

Tudo bem, mas óculos de sol? E Jurati usa fones de ouvido? Mesmo que as pessoas ainda usem essas coisas em 2399, elas não deveriam ser mais futuristas?

Chabon: Você sabe o quê? Nós realmente pensamos muito sobre isso. Quando você estiver fazendo um programa ambientado no futuro, precisará se perguntar constantemente como as pessoas atenderão às necessidades diárias e realizarão tarefas do dia a dia. Um princípio norteador é que uma vez que alguns objetos e ferramentas fundamentais desenvolvem uma forma idealmente eficaz, econômica, confortável, durável, prática, eficaz e útil, eles mudam muito pouco, exceto quando sujeitos à moda, que por si só é retrospectiva.

Como por exemplo: livros, garrafas de vinho e facas!

Certamente, qualquer civilização humana onde todos os objetos fossem novos, inventados recententemente e de design completamente contemporâneo, seria completamente sem precedentes.

Mas e o hábito do tabaco do capitão Rios? Uma coisa que sabemos com certeza sobre o futuro de Jornada nas Estrelas é que os humanos, pelo menos, recuperaram o juízo sobre essa prática particularmente prejudicial e desagradável. 

Chabon: Sim, mas eis a questão de Rios: ele estuda muitos hábitos, práticas e atividades aparentemente fora de moda, muitos (mas nem todos) ligados a sua antiga herança latino-americana.

Hmm, sei.

Você acreditaria em syncharutos? [Chabon brinca propondo uma versão futurista de um charuto que não faz mal, do mesmo modo que os roteiristas do passado introduziram o synthehol, substância benigna que substitui o álcool nas bebidas no século 24.]

Fumar, cigarro eletrônico, folha de cobra, abuso de álcool, palavrões! Aquela senhora almirante usou a palavra F*** , Chabon, que M***. 

Chabon: Ouça. Nenhuma sociedade humana será perfeita, porque nenhum humano será perfeito. O máximo que podemos fazer — e como Star Trek sempre nos lembra, devemos fazer — é aspirar à perfeição e trabalhar para chegar lá. Norkon forden perfectunun, como disse um sábio yang. [Aqui é uma referência a “The Omega Glory“, episódio da Série Clássica]

Até aquele dia impossível, m*** s continuarão acontecendo. E, quando acontecer, os humanos vão querer xingar. A ausência de palavrões em Star Trek nunca foi uma questão de princípio da Federação, foi uma questão de regras da FCC (Comissão Federal de Comunicações dos EUA). Escritores de épocas anteriores não tiveram escolha. Eles foram censurados. Xingar é um dos consolos mais antigos, sensatos e confiáveis ​​da humanidade. Pessoalmente, eu consideraria qualquer sociedade que desencorajasse, banisse ou abandonasse o uso de palavras de baixo-calão como uma distopia.

Bem, se os romulanos detestam tanto a vida sintética, por que aquele almirante romulano de A Nova Geração disse a Data que ele conhecia “uma série de ciberneticistas romulanos que adorariam estar tão perto de você”? 

Chabon: Hum … ser um “ciberneticista romulano” é como ser um “médico nazista”. “Não acho esse conceito particularmente atraente”, Data responde sabiamente ao seu companheiro romulano. “Nem você deveria”, é a resposta reveladora. [Em referência a “The Defector“, episódio de A Nova Geração.]

Como Raffi pode se referir a Jean-Luc Picard como “JL”? O Picard que conhecíamos nunca teria permitido que um subordinado tivesse essa liberdade.

Chabon: Verdade. Mas este não é o Picard que conhecíamos.

E o árduo, ingrato e desesperado trabalho de ajuda a refugiados que ele e Raffi fizeram juntos os levou a uma estranha intimidade (não sexual), naqueles mundos abandonados das colônias, onde eles costumavam ser os únicos oficiais da Frota Estelar, os únicos humanos, por lá.

Uma intimidade que fez as antigas cerimônias e formalidades parecerem menos relevantes. A primeira vez que ela o chamou de “JL”, ele provavelmente pensou em repreendê-la. Mas algo, a receptividade da conexão, em algum posto avançado solitário, inclinava-o a deixar passar. (Além disso, porque é a Raffi.)

Be the first to comment on "Showrunner de Picard responde perguntas de fãs"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*