Novas fotos das gravações externas de Jornada

foto1.jpgO site AICN publicou nove fotos do cenário de gravações externas do filme de Jornada nas Estrelas, incluindo um uniforme da Frota Estelar, e o que parece ser uma nave auxiliar e seu interior. As filmagens foram realizadas na estação de energia elétrica a gás de Pastoria Energy Facility (PEF), nas imediações da cidade de Lebec, Califórnia.

Embora o site AICN tenha retirado rapidamente as fotos sob o argumento de que foi a pedido do estúdio da Paramount, as mesmas continuaram a circular pela internet. O sites TrekWeb e o Forum TrekBBS prosseguiram, divulgando as imagens e, ao que parece, elas são verdadeiras. Tudo indica que fazem parte de uma gravação extra, sem a participação do elenco principal.

Parte da estrutura da estação apresenta cenários e equipamentos montados. Vemos algumas pessoas circulando, possivelmente figurantes e técnicos da produção. Alguns com uniforme vermelho e outros de azul, com uma espécie de capacete.

foto2.jpg

Aqui vemos primeira imagem de uma nave, que se assemelha a nave auxiliar da Série Clássica em tamanho natural. Existe uma turbina na parte superior.

foto10.JPG

foto6.jpg

Os painéis e as cadeiras mostram um visual retrô, com botões e chaves.

foto5.jpg

foto4.jpg

Um uniforme de cor cinza, mangas compridas e com a insígnea da Federação. Não se sabe quem é o personagem que irá usá-lo.

foto8.jpg

Para ver mais fotos e ampliadas clique aqui.

39 Comments on "Novas fotos das gravações externas de Jornada"

  1. Vejam só, nada de paineis futuristas de toque.

    Tudo digital, cadê o reboot? 😀

  2. Poxa… esse painel ja me desanimou um pouco… até meu notebook é touch screen, hoje ja estamos na era do “toque na tela” (iPods, celulares, aparelhos de DVDs, etc..), que futuro é esse?
    Se a propria tecnologia usada na “Next Generation” já está bem proxima da que possuimos hoje (me refiro aos paineis de comando). Eu esperava algo mais progressista, com uma melhor elaboração.

    Até a versão de “Perdidos no Espaço” para o cinema estava num nivel melhor (tecnologia).
    Olha lá heim, J.J.!! vê se não vai dar um tiro no pé, heim !!

  3. Severino - quebra-galho | 28 de março de 2008 at 8:58 am |

    Será que eles querem o meu i-phone emprestado?

  4. Bom, mas isso não significa que as telas nòa terão comandos de voz e touch screen.

    Mas achei bem interessante mesmo!!!! A nave auxiliar está legal, mesmo com aquela turbina bagaceira em cima.

  5. Ralph Pinheiro | 28 de março de 2008 at 9:25 am |

    Nós não sabemos a que cena se refere e nem a que ano, já que é dito que o filme se passa em vários períodos de tempo.
    A princípio a nave lembra um shuttlepod mas poderia ser uma velha nave de transporte do fim do século 22, no fim da era Archer.
    Foi dito que teremos cenas com o pai de Kirk, Pike, e outros que viveram bem antes do jovem Kirk. Pode ser que aí se situe essa nave. Além do mais, embora apareça o nº 1701 e depois 72 nada indica que ela seja da Frota. E vemos também uma placa oonde se lê ser um posto de abastecimento da Federação.

  6. "Frank" Hollander | 28 de março de 2008 at 10:37 am |

    Vamos ser realistas: Painéis LCARS e touchscreens são bonitinhos mas ordinários. Basta uma pequena falha para você ter todo o painel desabilitado.

    Já em painéis “analógicos” um problema pode afetar uma função específica, mas dificilmente o conjunto todo.

    Como este Jornada procura situar-se mais próximo de nossa realidade, a opção por não usar LCARS me parece ser a correta.

  7. Eu não entendo uma coisa: Na série clássica, os tripulantes das outras naves usavam insígnia diferentes. Porque prevaleceu o da Enterprise…?

  8. Severino - quebra-galho | 28 de março de 2008 at 11:10 am |

    Tenho a mesma dúvida do J.F. Souza……..

  9. "Frank" Hollander | 28 de março de 2008 at 11:19 am |

    ^7: A “back-history” diz que o ícone foi adotado pela Federação devido a Enterprise ter feito uma contribuição enorme para a Federação em suas missões de 5 anos.

    -=-=-=-=-=
    Porém, agora no filme, tudo indica que a Federação já tem como padrão este ícone.

  10. Leandro Martins | 28 de março de 2008 at 11:30 am |

    Não vamos também assumindo que tecnologia “bonita” é sempre sinônimo de tecnologia mais avançada. Os painéis de controle e o interior em geral de um tanque M1A2 é mais rústico do que o de uma BMW X5, mas a tecnologia embarcada do primeiro certamente é superior ao do segundo.

    Ou seja, tem que se considerar o emprego de uma dada tecnologia. Pode ser que nas casas dos cidadões federados esteja em uso computadores com lindas interfaces, mas em uma nave federada de exploração do espaço, a interface da tecnologia embarcada é projetada para ser prática, resistente e funcional.

  11. Leandro Martins | 28 de março de 2008 at 11:42 am |

    E eu estava também cá pensando: cintos de segurança…! Finalmente cintos de segurança!

    Algo está errado. Uniformes que parecem minimamente adequados, interior de naves auxiliares funcional e prático, sistemas de segurança… oquei, quem foi que pegou os Keystone Kops do Almirantado Federado e os substituiu por gente competente, bwhahaha…?

  12. Concordo com o Flavio.
    To torcendo para que o JJ não estrague mais do que já está estragado.
    Estou consando de ver Jornada ser feita por pessoas que desconhecem Jornada.
    Tudo bem que ele queira colocar Jornada numa época entre Enterprise e Clássica, onde tinhamos paineis analógicos, mas a Classica já tem 40 e ENT foi quase uma droga (mas os paineis eram mais bonitos).
    Cinto de segurança? credo! Nem ENT tinha mais.
    To achando que JJ vai nos decepcionar.

  13. Ainda acho que é um nave de modelo antigo, do tempo de Pike ou do pai de Kirk, porque ela tem um visual tanto exterior quanto interior muito rústico. Se vc reparar o painel da Enterprise, na entrevista de Abrams, me pareceu avançado, estilo touchscreen.
    Então a Enterprise seria uma nave top de linha e o o mesmo deve ser com suas naves auxiliares.
    Essa nave auxiliar não seria da Enterprise.

    O detalhe do cinto foi importante, coisa nunca levada em consideração, assim como um sistema anti-incêndio.

    Achei interessante.

  14. Ralph Pinheiro | 28 de março de 2008 at 1:05 pm |

    Masx, e quando a nave perder temporariamente seu sistema de amortecedores inerciais?
    Se lembra, quando a Enterprise dava uma sacudida e o pessoal ía rolando pra lá e pra cá?
    Emocionante, mas nada funcional para aquela situação.
    Numa batalha, estar fora do posto por alguns segundos pode significar a destruição da nave.
    Acho que os cintos são importantes sim, principalmente na ponte.

  15. Pô tem quer ter cindo de segurança sim!!

    Vai que eles são parados numa blitz intergaláctica?

    Vai que o Scot vai com o Sulu pruma noitada regada a saquê e uísque?

    Vai que uma vaca atravessa na frente da nave???

    É melhor usar o cinto. Sinto muito!

    He he he
    Tallwang

  16. Pessoal, acho que o lance dos cintos é fundamental. Acho ainda que deveriam ter algum tipo de sistema no interior da nave que evite que as pessoas fiquem caindo de um lado para o outro!!

    Ta certo que a nave eh de exploração etc e tal. Mas cá entre nós, isso é um grande absurdo. Não são poucas as vezes que uma nave da federação entra em combate!!! Se até nos aviões de transporte de hj em dia temos que seguir inúmeras regras de segurançam, imagina numa nave!!

  17. Luís Henrique Campos Braune | 28 de março de 2008 at 3:19 pm |

    Mas as naves de TOS não usavam e abusavem de botões, tipo forminha de gelo? Por que estes teriam que ser touch-screen? ENT também era na base de botões e alavancas… o negócio é seguir o modelo do que está estabelecido, mesmo que usemos hoje em dia equipamentos “visivelmente” mais sofisticados.

    Por outro lado, se modernizar, estará apenas tentando parecer mais futurista em relação ao que temos hoje.

    Pra qual lado ir?

  18. Bom, pessoal. Acho que todos aqui tem uma boa parcela de razão. Trabalho com design de produto e posso afirmar, com toda certeza, que pesquisa é a base bíblica da criação de um produto, seja pelo seu desenho, seja pela sua praticidade ou pela sua durabilidade. O Leandro tem toda razão quando menciona a diferença entre veículos de passeio e os militares, cada um feito para atender melhor a necessidade para qual foi criado. Quanto aos painéis “digitais” ou “analógicos”, já está claro que os “analógicos” são mais problemáticos, e acredite… mais suscetíveis a defeitos (corrosão, oxidação e etc..). Hoje os grandes navios (naves atuais – rsss), possuem painéis híbridos que estão sendo substituídos por “apenas digitais” progressivamente. O conceito adotado hoje é o mesmo que já era adotado pela velha Enterprise de Gene, onde os sistemas podem ser redirecionados para outros consoles ou interfaces, eliminando de vez a possibilidade de se tornar refém de defeitos nos painéis.
    Quanto aos cintos de segurança… bem… são de fato uma necessidade em caso de emergência, por mais que nosso senso estético os rejeite – hehehe… mas no projeto da equipe de J.J.Abrams, esqueceram do capacete!! Hehehe… com aquelas barras de ferro sem acolchoamento é um convite a pequenas suturas no supercílio – hehehe…
    Resumindo: Na minha humilde opinião, “viajar e especular” faz parte da magia do cinema, mas os projetos anteriores (Serie clássica na época em que foi criada, Clássica no cinema e Nova Geração) tiveram seus projetos desenvolvidos com uma competência bem, maior do que estou vendo nesse momento.
    Abraços a todos

  19. Ralph Pinheiro | 28 de março de 2008 at 3:55 pm |

    Luís Henrique Campos Braune, a tecnologia futurista da série TOS, era a imaginada na década de 60. De lá pra cá muita coisa avançou e muitos conceitos mudaram.
    Para quem é purista o estilo “forminha” deveria ser mantido, mas não seria adequado com a visão de futuro tecnológico que temos hoje. Seria um filme retrô do agrado dos fãs, mas um fracasso para o grande público.
    Veja que Star Wars teve um upgrade em relação a sua trilogia dos anos 80.
    O estilo STNG não será usado por Abrams por se posicionar numa tecnologia muito além do futuro e o que ele quer é aproximar essa tecnologia de nosso tempo, como forma de atrair o público.
    ENT tentou seguir esse caminho, embora tenha largado de mão no meio da temporada.

  20. Mas é muito cedo para isso, a federação assumir a insígnia da Enterprise como padrão. Acho que eles se esqueceram desse detalhe…

    E tem mais, eu nunca concordei com essa história de cintos de segurança. Se o campo de inércia impedem os tripulantes virarem manchas coloridas na parede num arranque de dobra, por que a nave balança quando é atingida. Mas no caso das naves auxiliares, só se elas forem incapazes de entrar em dobra…

  21. Quando uma nave é atingida, ela não está preparada para tal fato, ou seja, os amortecedores inerciais não têm tempo de compensar o impacto.
    Já quando uma nave entra ou sair de dobra, toda a nave é preparada pra isso pelo computador e por isso nada acontece.

    É a mesma coisa de você estar num carro e frear bruscamente pq um cachorro atravessou o seu caminho. Vc vai sentir o solavanco.
    Se ir freando aos poucos, será suave.

  22. Não sei a que época pertence essa nave, mas até que eu gostei do design, me lembra vagamente a nave auxiliar usada por Picard em Nemesis, achei curioso o fato de ter cintos de segurança o que é algo óbvio em uma nave de transporte. Notem que o link para as fotos já era. Eu não estou tão preocupado com o filme, quero ver por mim mesmo na telona, até lá serei um vigia…….

    Obs.: Só eu achei que o interior do shuttle parecia a Serenity?

  23. Outra coisa que me intriga é a facilidade da pessoa que tirou essas fotos. As anteriores foram escondidas, de longe, com resolução fraca. Essas foram não só de perto, com detalhes, mas de boa qualidade. Se a segurança é extrema e beira ao exagero, por que deixaram vazar isso tão fácil?
    A pessoa que tirou teve livre acesso a nave, ao vestuário e conseguiu fotografar os figurantes bem de perto. Na foto ao ar livre ninguém parecia notar o fotógrafo ou se importar com isso. Estranho.
    Alguém em outro site lançou a teoria da conspiração: Não teria sido de propósito?

  24. Frank Hollander | 28 de março de 2008 at 7:03 pm |

    ^20: Souza, lembra de Nemesis? Quando a tela principal explode?? Pois é… Aquele tripulante deve estar até hoje se perguntando porque a Federação não colocou cintos nos bancos…

    Quanto ao design da nave, Ralph pode estar certo na suposição de que esta nave é pré-1701.

  25. Também acho que seja uma nave auxiliar mais antiga e quanto ao cinto de segurança é perfeito, tem que ter!
    Lembram que nas cenas excluídas do filme Nêmesis o Picard ta testando a nova cadeira do capitão e ela tem cinto de segurança e ele adorou a idéia!

  26. Na boa? As naves auxiliares da NX-01 – ENT – eram mais bonitas, tanto no design externo quanto internamente! Vê-se claramente que há uma semelhança com os painéis das naves da frota estelar do século 22 com alguns elementos da série clássica, ambientada no século 23, como aqueles detalhes coloridos que marcaram as naves do seriado dos anos sessenta. Por parecer uma nave de transição entre os dois séculos, também acredito que a mesma não faça parte da nave Enterprise e seja alguma nave mais antiga que esteja abandonada ou sofreu algum acidente, porque ela parece estar meio sujinha! Porque, por mais que o visual seja meio retrô, ela poderia estar pelo menos mais zerada, apenas um raciocínio! Agora, não entendi toda aquela tubulação exposta e na cor verde! Abrams é palmeirense? Rsrsrsrs. Falando a verdade, não me agradou e tomara que alguns de nós estejamos com razão no que diz respeito àquela nave auxiliar ser pré-TOS, porque outro detalhe que não faz sentido nela, ainda sobre a nave e perdoem-me se eu estiver alongando muito o assunto, é aquele monitor à esquerda com cantos arredondados, recurso nos anos sessenta para apresentar algo mais moderno quando os televisores reais eram muito arredondados na época e, mesmo porque, se eles estão tomando por base o visual da NX-01, um século antes, naquela os monitores eram widescreen. Por que o monitor arredondado, catzo? Repararam também como os uniformes dos figurantes lembram bastante os macacões da tripulação do Archer? Pra terminar, Abrams está preocupado em manter o visual com algo mais realista e parecido com a tecnologia espacial da Nasa, certo? Porém, Jornada é um universo que retrata o século 23, ou seja, mais de 200 anos na nossa frente, certo? Pra que se engessar? As tecnologias e os sucessivos designs de daqui cem anos vão ser peças de museu, então os nossos nem comento!!! Só! Ah, faltou comentar sobre o cinto? Deixa pra lá!!!

  27. Não entendo este povo Xiita, se o painel é “modernoso” reclama porque não é como o design clássico, mas se segue o design clássico reclama que não é “modernoso”… Fundamentalismo é uma @#$%$!

  28. Leandro Martins | 28 de março de 2008 at 10:57 pm |

    É a velha história… se estão dentro, querem sair, se estão fora, querem entrar.

  29. O painel não é clássico, porque se fosse desagradaria mais ainda! Se fosse modernoso, desagradaria muito mais! Porque aqueles painéis do século 24 pareciam mais um anfiteatro que uma ponte de comando. Xiita é pouco! Sunita, quem sabe!!!

  30. Bom…parece que responderam “parcialmente” minha antiga questão né? Se usariam ou não LCARS.

    Concordo com a iniciativa de não usar LCARS e manter os painéis de acionamentos mecânicos como vistos em TOS, porém não gostei deste design de painel visto nesta nave auxiliar. Como muitos comentaram, os painéis de ENT eram de longe muito mais elegantes e como esta nave está temporalmente na frente de ENT esperava-se algo do mesmo nível ou superior.

    Quando à Enterprise, espero que tenha painéis melhores do que estes, sejam eles touch screen ou não! =/

  31. Eu gostei!

    E o cinto entra na proposta de um caminho novo dentro desse universo já batido…

  32. Você resumiu bem o que eu quis colocar, NiCoDeMuS. Pois estamos discutindo o século 23 e ENT está à frente do visual mostrado. Aliás, será que não foi colocado de propósito pra intrigar ainda mais, já que falta mais de um ano para estrear o filme? Não há aquela frase “falem bem ou falem mal, mas falem de mim”?!? Marketing!!! Aguçar ainda mais a curiosidade é o que deseja JJ pare que o filme entre mesmo nas discussões e ser um estouro de bilheteria em 2009, causado pela longa ansiedade e curiosidade! Em tempo: ser fundamentalista é não aceitar críticas, opiniões divergentes! São xiitas os que se incomodam e não vou ser hipócrita escondendo o que quero expressar, expressando somente aquilo que à maioria vai agradar! Ponho apenas a minha impressão sobre aquilo que foi mostrado, esperando outras respostas interessantes e pra saber há quantas andam os ânimos dos fãs. Ponto!

  33. Luís Henrique Campos Braune | 29 de março de 2008 at 12:13 am |

    Caraca meu, é difícil ajustar estas coisas… Fora o lance do xiita, fecho com o post 27 que vai ao encontro do meu post anetrior (17). Por outro lado, os post 30 e 31 estão bem claros quanto a real questão. Minha encucação é esta: manter algo semelhante a TOS (botões) ou modernizar isso, mas de forma coerente ao que já está estabelecido?

    Começo a acreditar que não é fácil produzir um filme que tem antes dele 10 outros filmes, +- 600 episódios de TV, pencas de livros, fanfilms e mais não sei o que.

    Difícil agradar a todos…

    Francamente? Quanto a esta parte de design, desde que não façam avanços ou retrocessos de forma irresponsável ou exagerada, o que mais vai importar é a coerência com as histórias e personagens estabalecidas e, mais importante, o “espírito da coisa”.

    Agonia…

  34. Ralph Pinheiro | 29 de março de 2008 at 8:36 am |

    Já falei uma vez e falo de novo, o filme de Abrams é um reboot. Eles pretendem manter alguma coisa como canon, como os personagens, alguns eventos importantes, talvez o design da Enterprise e só. O resto vai sofrer up-grade.
    Então não adianta ficar comparando isso com aquilo.
    Vai ser como o primeiro filme no cinema. Esqueça o que viu antes porque tudo será diferente. Veja que Gene mudou a cara dos Klingons, o design da Enterprise, principalmente por dentro, os uniformes, as armas, as naves auxiliares. Enfim foi um reboot também.
    O que me intriga é a facilidade com que tiraram as fotos, já que a segurança é total.
    Aí vem a idéia de marketing mesmo como disse o Ricardo no post 31.

  35. Luís Henrique campos Braune | 29 de março de 2008 at 11:45 am |

    É… o Ralph no post 33, na minha opinião, fecha a questão. Mas a pergunta é: o JJ falou que seria um reboot?

  36. "Frank" Hollander | 29 de março de 2008 at 12:33 pm |

    ^34: Sim. É um REBOOT, portanto quebrem o paradigma com o viram em ENT, TOS e TNG+.

  37. Luís Henrique Campos Braune | 29 de março de 2008 at 4:20 pm |

    Então galera, vamos parar com esta choradeira e torcer pra ficar tudo muito bom. Só pode dar certo, desde que pensemos em reboot. O JJ tinha que tomar um caminho e cabe a nós esperar que ele siga este caminho numa boa, que a coisa seja bem feita, prolongue a franquia, conquiste novos fâs e coisa e tal.

    O resto é o resto, não dá pra agradar a todo mundo. Se o JJ fizer de um jeito, a ala X reclama disso, se o JJ faz daquele outro jeito, a ala Y reclama daquilo outro. Difícil… Vamos relaxar e torcer pra ficar tudo muito bom.

    Fui!

  38. Maria da Conceição G. Simões | 29 de março de 2008 at 9:34 pm |

    Eu sei que temos que discutir sobre o filme, mas temos que nos deter cada detalha? O Constâncio está certo, se é moderno não está na linha temporal certa, se está mais antigo, não está compatível com a nossa realidade. Afinal, como ser mais moderno do que TOS, mas sendo anterior a ela? É mais difícil do que parece. Eu, particularmente, me preocupo mais que eles sejam fidedignos às personagens, respeitando o que já foi feito, o restante deverá agradar gregos e troianos. Abraços e Vida Longa e Próspera a todos.

  39. VOCES E DE MAISSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS

Leave a comment

Your email address will not be published.


*