TNG 1×01: Encounter at Farpoint

tng001-6.jpgPiloto para nova série é manifesto do criador a favor da espécie humana. Leia agora a revisão do Trek Brasilis para “Encounter at Farpoint”, Partes 1 e 2, de Jornada nas Estrelas: A Nova Geração.

Sinopse:

Data Estelar: 41153.7.

tng001-1.jpgA viagem inaugural da nave estelar Enterprise NCC-1701-D nos apresenta uma nova tripulação, que vai iniciar a viagem contínua de exploração de novos mundos.

O capitão Jean-Luc Picard é enviado para investigar a misteriosa e quase milagrosa estação Longínqua (Farpoint, no original), estabelecida num planeta cuja localização é considerada vital aos interesses da Federação.

No caminho, são abordados pelo todo-poderoso Q, que acha que a humanidade já foi longe demais em sua exploração pelo espaço e está disposto a impedir que a “contaminação” se espalhe ainda mais.

Com esse objetivo, ele instala um tribunal, colocando Picard e sua tripulação –representantes dessa humanidade que ele considera bárbara– como réus.

Por sugestão de Picard, Q permite que eles provem o valor da raça humana completando sua missão na Estação Longínqua. Intrigado, Q concorda e vê até onde o homem pode chegar, quando a verdade por trás da Estação Longínqua é revelada.

Comentários:

tng001-2.jpgDurante vários anos, Gene Roddenberry protestou contra o caráter militar que a Frota Estelar estava ganhando na série de filmes para o cinema envolvendo os personagens da Série Original. Quando a Paramount o convidou para produzir uma nova série baseada no universo de Jornada nas Estrelas, Gene agarrou a oportunidade com unhas e dentes a fim de levar o franchise novamente ao rumo certo.

No episódio-piloto duplo de Jornada nas Estrelas: A Nova Geração, “Encounter at Farpoint”, Gene tentou trazer de volta o seu idealismo, propondo o conceito de que o ser humano está em constante transformação, e na maioria das vezes, para melhor.

Gene decidiu que a humanidade do século 24 não seria violenta como o foram seus ancestrais, mas estaria sempre buscando uma maneira de resolver os problemas pacificamente.

tng001-3.jpgAo encontrar a entidade Q, a tripulação da recém-comissionada USS Enterprise (NCC 1701-D) é por várias vezes tentada a usar de violência. No entanto, em nenhum momento a solução é buscada por métodos violentos. Quando a Enterprise dispara torpedos fotônicos, não tem como meta destruir ou danificar o perseguidor, mas sim cegá-lo para que a seção-disco pudesse escapar ilesa. Quando a nave aciona seus bancos feiser, não busca destruir, mas sim alimentar a criatura com a energia necessária para que ela pudesse voltar ao espaço.

Assim, mais do que a história de Q julgando a raça humana, “Encounter at Farpoint” é o manifesto de Gene Roddenberry a favor da humanidade.

Mas além de transmitir o ideal do Grande Pássaro da Galáxia, o episódio tem como objetivo apresentar os novos elementos da série incorporados em A Nova Geração. Assim, vemos a primeira aparição do holodeck, notamos que a nova Enterprise pode se separar em duas seções, conhecemos os seus limites de velocidade, e temos um primeiro contato com os personagens.

tng001-4.jpgComo piloto o episódio funciona bem, embora apresente alguns defeitos, que ainda persistiriam por quase toda a primeira temporada.

Olhando especificamente para o enredo, como uma introdução para a série, até que serve. Mas para ser bem sincero, o roteiro é até fraquinho. Tem alguns méritos, mas está longe do que A Nova Geração pode oferecer.

Os personagens regulares estão muito estereotipados, e chegam a ser ridículos em alguns momentos. Temos o capitão ranzinza, o corajoso primeiro-oficial, a esquentadinha chefe de segurança, o andróide, o cara com o visor, a sensitiva, a doutora e seu filhinho espertinho e o klingon idiota.

Muito pouco, para que a série atingisse o seu potencial total. Os personagens tem momentos terríveis, como o que o tenente Worf quase arromba a tela principal da ponte com seu feiser quando Q nela aparece. O episódio se salva neste quesito por apresentar um personagem, que embora não fosse regular, para a maioria dos trekkers, é como se fosse: o impagável Q.

Os aspectos técnicos da produção são o ponto alto do episódio. Os efeitos especiais são muito bons, os novos cenários para a Enterprise, a música, tudo se encaixa perfeitamente. Só os cenários que fazem o céu do planeta ficam devendo.

tng001-5.jpgO episódio apresenta bons momentos que enriquecem o universo de Jornada nas Estrelas, como os detalhes a respeito do horror pós-atômico vivido pela Terra no século 21 e a aparição do almirante Leonard McCoy, unindo assim a Série Original e A Nova Geração num mesmo universo, tornando Jornada nas Estrelas muito mais coesa como um todo.

De qualquer modo, foi sucesso de audiência e permitiu que a série fosse produzida e chegasse a um nível de excelência jamais atingido por outra série de ficção científica. Era Gene Roddenberry, mais uma vez, audaciosamente indo onde ninguém jamais esteve…

Citações:

Picard – “Lieutenant, do you intend to blast a hole through the viewer?”
(Tenente, está querendo abrir um buraco na tela?)

McCoy – “This is a new ship, boy, but she’s got the right name. Now you remember that, you hear?”
(Esta é uma nova nave, garoto, mas ela tem o nome certo. Lembre-se disso, ouviu?)
Data – “I will, sir.”
(Lembrarei, senhor.)
McCoy – “You treat her like a lady, and she’ll always bring you home.”
(Trate-a como uma dama e ela sempre o trará para casa.)

Riker – “Just hoping this isn’t the usual way our missions will go, sir.”
(Só espero que esse não seja o modo usual de nossas missões, senhor.)
Picard – “Oh no, Number One, I’m sure most will be much more interesting. Let’s see what’s out there… Engage!”
(Ah não, Imediato, estou certo de que a maioria será bem mais interessante. Vamos ver o que há lá fora… Acionar!)

Trivia:

  • Originalmente, o tripulante congelado por Q se chamaria Graham e não Torres. Troi também seria congelada após correr para socorrer a congelada Tasha Yar.
  • A frase final do episódio, dita por Picard, “Let’s see what’s out there… Engage!” (Vamos ver o que há lá fora…Acionar!) foi adicionada apenas na última versão do roteiro. Nessa última versão uma cena que estava nas versões anteriores ficou de fora: Riker é apresentado a Geordi LaForge e a um alferes animadinho, de nome Sawyer Markhan. Riker ouve por acaso Markhan se referir a Picard com as palavras “o velho burrhog” (algo como um “porco fuçador”, que fica escavando o terreno) enquanto a Enterprise está atrasada.
  • tng001-7.jpgNo roteiro, a cena escrita por D.C. Fontana contendo o Almirante McCoy apenas o identificava como “Almirante”, e sua idade era 147 anos, e não 137, como está no episódio. Especula-se que isso foi feito para manter a participação especial de DeForest Kelley em segredo até as filmagens.
  • Para participar do episódio, DeForest fez questão de cobrar como cachê apenas o valor estabelecido com base salarial pelo SAG (Sindicato dos Atores). “Ele poderia ter pedido um bom dinheiro”, disse Bob Justman, um dos produtores desta primeira temporada, “mas não o fez. Isso realmente me marcou. E a cena ficou linda, linda!”. “Eu quis apenas o salário mínimo”, disse DeForest mais tarde, “para agradecer a Gene por tudo de bom que ele fez por mim”.
  • Colm Meaney (O’Brien) não fazia parte do elenco regular nesta primeira temporada e só voltaria a aparecer no episódio “Lonely Among Us”. Foi a partir da segunda temporada que seu personagem passou a aparecer mais, culminando com sua transferência para a série Deep Space Nine, durante o 6º ano de produção da Nova Geração.
  • Os Ferengis são mencionados neste episódio, porém somente serão vistos a partir do terceiro episódio exibido (e sétimo a ser filmado) desta temporada.
  • Uma cena neste episódio-piloto foi filmado no famoso Parque Griffith em Los Angeles: a cena no holodeck onde Riker e um encharcado Wesley Crusher conhecem Data.
  • Parte da enfermaria da nave Ave-de-Rapina Klingon, utilizada dois anos antes em Jornada nas Estrelas III, foi utilizada como parte da parede da sala de Zorn.
  • Uma curiosidade sobre os títulos de abertura: Os nomes dos personagens não apareceram junto aos nomes dos atores, como ocorreu durante todo o restante da série.
  • Data refere a si mesmo como membro da “Classe da Academia de ’78”, porém no episódio “Conundrum”, do 5º ano e inédito por aqui, em uma tela do painel principal da ponte pode-se ler claramente que ele formou-se em 2345. Nada mais natural, já que o primeiro ano da série acontece durante o ano de 2364.

Ficha técnica:

Escrito por D.C. Fontana & Gene Roddenberry
Direção de Corey Allen
Exibido em 28/09/1987
Produção: 001

Elenco:

Patrick Stewart como Jean-Luc Picard
Jonathan Frakes como William Thomas Riker
Brent Spiner como Data
LeVar Burton como Geordi La Forge
Michael Dorn como Worf
Gates McFadden como Beverly Crusher
Marina Sirtis como Deanna Troi
Wil Wheaton como Wesley Crusher
Denise Crosby como Natasha “Tasha” Yar

Elenco convidado:

John deLancie como Q
Michael Bell como Zorn
DeForest Kelley como almirante McCoy
Colm Meaney como alferes de comando
Cary-Hiroyuki como Mandarin Bailiff
Timothy Dang como segurança da ponte
David Erskine como vendedor da loja
Evelyn Guerrero como alferes
Chuck Hicks como oficial militar drogado
Jimmy Ortega como tenente Torres

5 Comments on "TNG 1×01: Encounter at Farpoint"

  1. Gosto muito desse piloto, bem feito, enredo legal e adoro o diálogo entre Data e McCoy…aliás, o DeForest deve ter sido muito gente boa mesmo, assim como seu personagem…cobrar só um cachezinho!! muito legal mesmo!!!!

  2. Luís Henrique Campos Braune | 27 de outubro de 2008 at 11:31 am |

    Num outro artigo aqui, que falava sobre a atuação dos atores veteranos (algo como carisma x desempenho, sei lá), eu frizei que DeForest sempre foi citado como um homem muito gentil. Aí está a prova, além de gentil, uma pessoa simples e que sabe agradecer.

    Em outro momento, li tb que ele mantinha um certo silência a respeito de tudo sobre Jornada. Podem perceber, este fato é comprovado pela maneira como seu nome é regularmente esquecido, apesar de ter sido um dos 3 principais da série.

    Eu respeito muito a pessoa de Deforest, e sinto por ele já ter falecido.

    Alguém pode explicar o motivo de seu silêncio?

  3. Numa das últimas convenções que Deforest participou, um fã perguntou o motivo pelo qual ele ainda não tinha escrito um livro sobre suas memórias de Star Trek, da mesma forma que Bill Shatner tinha escrito. Deforest respondeu que, se ele escrevesse um livro assim, provavelmente perderia a amizade dos dois cavalheiros que estavam sentados ao seu lado.

    No caso, os dois cavalheiros que estavam sentados a esquerda e a direita dele eram Leonard Nimoy e William Shatner e os dois calados estavam calados continuaram.

    Acredito que isso explica bem o motivo de seu silêncio.

  4. Gostei de quando a criatura começou a sair de dentro do solo. Foi um fuzuê!

    Mais ainda quando as criaturas se encontraram no espaço: Era um casal da espécie!

    Ficaria bom se tivesse sido filmada com a velha guarda do Cap.Kirk.
    Um clímax interessante bem no estilo da TOS!

  5. Martin Juan Sarracena | 29 de outubro de 2008 at 6:18 pm |

    Com o Capitão Kirk, provávelmente o final não seria tão emocionante. Jim tinha o dedo leve no gatilho, ao contrário do Picard.
    Como vimos em Jornada 6; Kirk e Spock Reconhecem que os tempos estão mudando.
    Vale citar o diálogo inesquecivel entre Picard e Spock em Unification two:
    “Esse tipo de diplomacia de cowboy não será tolerado”.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*