Um review de Star Trek Ongoing # 3

Continuando na saga do longametragem Star Trek, a editora IDW apresenta uma coleção em quadrinhos, baseada no universo de Jornada reimaginado por J. J. Abrams. A coleção conta as aventuras da USS Enterprise no começo de sua missão de cinco anos e servirá de preparação para o próximo filme. Em sua 3ª edição, Star Trek Ongoing retrata o episódio da série original “The Galileo Seven”. A seguir um review da nova versão desse clássico de Jornada.

Star Trek Ongoing começou com uma versão do episódio “Where No Men Has Gone Before”, em duas edições. Agora apresenta o episódio “The Galileo Seven”, que será retratado também em duas partes, sendo que a 3ª edição foi lançada dia 30 de novembro. Veja um review dessa primeira parte da história.

Suprimentos médicos a caminho de um planeta necessitado, uma formação estelar desconhecida, um impaciente Comissário da Federação a bordo e o dilema de Spock no comando da nave auxiliar Galileo Seven. Estes são os ingredientes desse clássico episódio.

A história começa na data estelar 2821.5, a mesma data estelar do episódio original, e diferente da contagem de tempo usada no filme Star Trek. As duas primeiras edições usaram a contagem de tempo do filme.

A sequência dos quadrinhos segue a mesma do episódio, com o Comissário Ferris pressionando  Kirk em relação a prioridade da missão ao planeta Makus III e o envio da nave auxiliar para explorar um estranho quasar. Já com relação a tripulação da Galileo Seven, a diferença fica por conta da alferes Rand que aparece no lugar da alferes Mears (do episódio original), os demais são os mesmos (McCoy, Spock, Latimer, Gaetano e Boma).

Quando do lançamento da Galileo, esperava-se alguma discussão sobre o afastamento de Spock do comando da Enterprise, mas apenas surgiu uma citação de McCoy quanto a breve experiência do Vulcano como capitão, “Vamos lá, Spock”, disse McCoy, “Eu sei que você não diz isso, mas deve está lhe corroendo, por Kirk estar sentado na grande cadeira e agora você tem a chance de dar as ordens outra vez”.

A forte interferência gerada pelo quasar interfere com os instrumentos da Galileo, que cai num planeta inexplorado, levando Kirk a uma corrida contra o tempo para resgatar a nave e seus ocupantes.

Na Enterprise, Kirk e o Comissário se desentendem por causa do tempo usado na busca pela Galileo e o atraso da missão ao planeta Makus III. Kirk usa desesperadamente todo o tempo que dispõe para tentar salvar a nave desaparecida. Não muito diferente da história original.

No planeta,  Scott segue no conserto da nave avariada e Spock começa a ter atritos com parte da tripulação em relação aos procedimentos de comando, principalmente com Boma, que o acusa de ser responsável pela morte de Latimer pelas criaturas primitivas e hostis da região. A coisa assume ares mais dramáticos quando os primitivos seres começam a se aproximar perigosamente da nave.

Para piorar a situação, Scott informa que será necessário o uso dos phasers para fornecer energia ao sistema da nave e mesmo assim terão que reduzir drasticamente o peso da nave para que possam decolar.

Esta primeira parte foi uma adaptação bastante resumida do episódio original. Algumas mudanças aqui e ali surgiram, mas nada significativo além da primeira aparição da alferes Rand.

Os desenhos de Stephen Molnar e Joe Phillips mostram rostos e cenários facilmente reconhecíveis, com traços exteriores da nave auxiliar e da baía de atracação da Enterprise em dimensões que dão uma sensação de grandeza, como no filme, embora alguns pontos pareçam distorcidos e não compreensíveis. As cores por John Rauch e Neil Uyetake dão os efeitos necessários as cenas.

Esperemos que a próxima edição traga mais reviravoltas desse tempo alternativo dentro da história original.

Fonte: TrekMovie

5 Comments on "Um review de Star Trek Ongoing # 3"

  1. Muito interessante. Talvez a presença da ordenança Rand nessa história – algo que não ocorria na série de TV – seja um indicativo de que a última contratação para a sequência do filme (a atriz Alice Eve).

    Talvez esteja equivocado, mas apostaria nisso.

    Alguém sabe se há previsão de publicação para Star Trek Ongoing no Brasil?

  2. Nao nao ha previsao e duvido que seja publicado aqui pela Devir a nao ser que seja no formato trade paperback.

    Gustavo

  3. Interessante que, desde Countdown, estão tentando modificar os parâmetros sobre o que é canon e o que não é na franquia. Antes, tudo o que não era live action acabava numa espécie de limbo de ‘histórias imaginárias’.

    O universo fica mais coeso, mas isso também acaba diminuindo as possibilidades criativas dos escritores.

    E esse negócio de fazer remake dos episódios originais… Sei lá, ainda acho estranho.

  4. Eu “acho” que a composição dos personagens para a sequel no que se refere a aparência deles, vai seguir os quadrinhos e o game, o Kirk do quadrinho tá muito parecido com o CPine.

  5. – Baboseira, o enredo original nos anos 60 era ingenuo,padecia de desconhecimento cientifico sobre quasares e o pior muito pouco conhecimento de tecnologia de equipamentos de detecção de imagens, radiações, enfim, nem sabiam como que seria possivel no futuro analisar estes fenomenos. A ingenuidade maior fica por conta de enviar uma navezinha ao centro de algo deconhecido, sem equipamento adequados, algo que a ENTERPRISE deveria ter de sobra e com miuto mais potencia. Deveriam mudar radicalmente a premissa da GALILEU ir de encontro ao MURASSAKI. Algo como ela estar indo de uma base ou outra nave ao encontro da nave mãe.
    – Somente mais uma baboseira esquecivel,arroz frio requentado.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*