Discovery tem 2ª temporada quase confirmada

Fazendo uma pequena atualização de Star Trek Discovery temos uma novidade sobre a renovação da série e a confirmação de um spoiler revelado por Jonhathan Frakes. Você também verá aqui entrevistas com Doug Jones falando mais sobre Saru, Akiva Goldsman sobre os desvios aparentes do cânon, Jason Isaacs contando como foi que moldou seu personagem capitão Lorca e muito mais.

Os habilidosos Kelpianos.

Em uma nova entrevista a revista Newsweek, Doug Jones revela um pouco mais sobre o Kelpiano Saru. Aqui está um trecho:

Saru, de acordo com Jones, é especialmente adepto a água, embora não o vimos boiando em Discovery. No entanto, veremos o único Kelpiano de Jornada desencadeando outras habilidades. Jones diz que viu muitos Trekkers se queixarem, no Twitter, sobre a natureza temerosa do seu personagem, quando os dois primeiros episódios foram exibidos, e ele nos assegura que há mais de Saru do que temos visto. “Quando uma espécie de presa é encurralada em um canto, ela têm de brigar contra eles”, diz ele.

Jones também revelou que “o Episódio 8 irá provar o quão habilidosos os Kelpianos são movendo-se em seus cascos”.

Lorca, nem herói, nem vilão.

Durante o PaleyFest em New York, que abordou Discovery em painel com parte do elenco, o site TrekMovie teve a chance de falar com Jason Isaacs sobre a história de fundo do capitão Lorca.

Quando perguntado o quanto ele foi informado sobre a história de fundo de Lorca, antes de assumir o papel, o ator revelou que tudo fazia parte da discussão:

Tudo estava planejado em termos do arco da história de Lorca. Uma das alegrias de contar uma história ao longo de 15 horas é que você pode ver as coisas se concretizarem mais tarde. Eu sabia tudo antes do tempo. Na verdade, fazia parte das discussões que eu tinha entrado. Eles disseram: “É uma história de 15 horas”. E eu disse “O que é?”, “Então, o que vai acontecer?”. Eles responderam:”Bem, poderia ser isso e poderia ser aquilo”. Então, eu perguntei por que eu precisava saber qual é a história dele. Houve muitas discussões e acabamos chegando no que seria, de onde ele veio, o que ele havia feito, o que o informou e, então, vieram os planos. Algumas dessas mudanças estavam em execução, mas eu estava em discussão o tempo todo, o que tornou muito mais divertido.

Uma das coisas diferentes sobre Discovery é que o capitão Lorca não é o capitão “padrão” para os fãs de Jornada. O ator disse que Lorca não estava no espectro de herói ou vilão:

Há muito poucas pessoas que podem ser classificadas nesses termos [herói ou vilão]. Ele é um cara que está tentando ganhar a guerra a caminho. Existem outras formas disponíveis. Há alguns que vemos na nave e ele entra em conflito com essas pessoas, mas em sua mente ele está tentando salvar a Federação e todos nela, então, se ele tiver que causar algum desconforto ao longo do caminho, que assim seja.

Sobre Lorca não ser uma sombra dos demais capitães:

Eu não tinha vontade de ser uma sombra pálida de qualquer coisa brilhante que eu tinha visto antes. Então, tudo foi construído para trás para não ser como qualquer um que eu tinha visto em Jornada.

Os desvios aparentes do cânon.

Durante o painel New York Comic Con de sábado passado, vários assuntos foram discutidos.

O produtor executivo Akiva Goldsman esclareceu algumas dúvidas referentes a história de Discovery e o cânon estabelecido nas séries anteriores, se há alguma relação com a linha de tempo Kelvin e como se reconciliou com a tecnologia mais avançada vista na série:

Nós não somos a linha de tempo Kelvin … que é uma reinicialização da linha de tempo original … Nós não somos parte dessa linha de tempo, somos a linha de tempo original com as séries de TV e os filmes que se encaixaram nisso. Estamos dez anos antes da Série Original … onde as naves da Classe Constituion estão em comparação a este protótipo Discovery – bem, um dos dois protótipos (a Glenn foi destruída) – que tecnologicamente, obviamente, é uma variante. Nós somos extremamente conscientes de tudo que parece ser um desvio do cânon. Vamos fechar cada uma dessas questões antes de chegar no período de 10 anos e acertar a série original.

Um outro questionamento foi a respeito de personagens da série original, que poderiam estar por perto na linha de tempo da série. O produtor Akiva Goldsman confirmou durante uma conferência de imprensa que Spock – ou qualquer um dos elos originais – nunca será mencionado ou incluído na série. Embora Sarek, o pai de Spock, desempenhe um papel importante em Discovery, seu icônico filho Vulcano será mantido em separado.

Embora o uso do transporte ponto a ponto só foi visto em séries posteriores a original, a cena do Lorca transportando Burnham para outra seção da nave causou questionamento dos fãs  por ser especificamente algo muito avançado para aquele tempo da série. Anthony Rapp observou que “Scotty poderia fazê-lo” e ele apontou que a USS Discovery é uma nave mais nova que a USS Enterprise. A co-showrunner Gretchen J. Berg também observou:

Nós conversamos muito sobre isso porque sabíamos que isso era controverso. E acabamos de tomar a decisão de que, nesta nave, você pode fazê-lo. Como Lorca é um tipo diferente de capitão, ele faz isso e outros capitães não porque há perigos envolvidos.

A primeira temporada tem dois mini-arcos.

Na semana passada, a CBS anunciou mudança nos planos de apresentação da temporada, acrescentando o nono episódio em novembro para encerrar a primeira parte da primeira temporada. Goldsman explicou o raciocínio por trás dessa mudança.

Na verdade, é apenas uma função de como a narração é apresentada. A CBS começou a chamá-los de “varreduras” … Existe esse tipo de meta-arco, que é a guerra com os Klingons, mas dentro desse meta-arco existem dois mini-meta-arcos ou micro-arcos. Então, a primeira extensão desses simplesmente caía no episódio 9, desse modo mudamos. Nada mais nem menos misterioso, infelizmente.

Inspirações em personagens passados.

Em diferentes momentos durante a conferência, alguns dos atores falaram sobre como eles incorporaram personagens passados ​​de Jornada para os próprios.

Mary Chieffo (L’Rell) falou sobre como ela assistiu todos os episódios de Jornada relacionados aos Klingons para se preparar para o papel de L’Rell, prestando especial atenção às mulheres Klingons. Mas havia um personagem em particular que ela realmente se conectou:

Eu continuo fazendo referência a um personagem que realmente ressoou comigo foi Grilka de Deep Space Nine , porque é uma história de uma mulher que não pode ter sucesso na casa de seu marido porque ela é uma mulher … finalmente, por sua inteligência e perseverança – e a ajuda de Quark – ela se torna líder da própria casa. Eu acho que o que é divertido sobre os Klingons é que eles permitem que as mulheres sejam muito fortes, elas são mulheres fortes, mas ainda vivem dentro desta espécie patriarcal. Estou muito animada para ver como vocês percebem o relacionamento de L’Rell dentro desta espécie patriarcal de Klingons. Estou emocionada com a forma como incorporamos isso em sua história.

Obs: a personagem Grilka aparece nos episódios “The House of Quark” e “Looking for par’Mach in All the Wrong Places” em Deep Space Nine.

Segunda temporada a caminho.

A segunda temporada de Discovery já entrou em pauta para discussão pelos produtores, embora não confirmada oficialmente. Mas a animação é tamanha que a produção revelou que até já escolheu uma ideia e a equipe começou algumas discussões iniciais.

Durante a New York Comic Con, o produtor e co-criador Alex Kurtzman disse a Polygon que a CBS está apaixonada pela série e satisfeita com o sucesso. Quanto a uma renovação para uma segunda temporada, Kurtzman disse que é iminente.

“As conversas estão indo muito bem. Estamos mais do que esperançosos de que eles estarão ordenando uma segunda temporada muito em breve”.

O presidente e CEO da CBS, Leslie Moonves, esteve novamente falando sobre a importância de Star Trek: Discovery. Ele é citado em um artigo recente do Bloomberg Businessweek sobre o futuro do CBS All Access dizendo:

“Olhando para o futuro da CBS, streaming e OTT, existe uma vantagem real para a nossa empresa ter o All Access bem sucedido. Muito disso se deve a Star Trek”.

Com base nesse relatório e na análise da indústria, o plano da CBS para “atingir nichos de fãs apaixonados” para estimular o crescimento do CBS All Access parece estar funcionando. Como diz o artigo do Bloomberg:

Até esta data, o All Access acumulou cerca de 2 milhões de clientes. A idade média de seus assinantes é quase 20 anos mais nova do que o telepectador típico da CBS em horário nobre, cuja idade média é de 61 anos, de acordo com a Nielsen Co. Os executivos dizem que, com a ajuda de Discovery, o All Access pode ultrapassar seu objetivo de 4 milhões de clientes até 2020. “As temporadas futuras são prováveis”, diz Moonves.

Embora uma segunda temporada seja praticamente certa, a má notícia fica por conta de quando irá ao ar. O produtor executivo Alex Kurtzman advertiu que uma segunda temporada pode não estar disponível até o início de 2019.

Confirmado spoiler.

E falando ao ComicBook, foi perguntado a Kurtzman se o motor de propulsão experimental da USS Discovery tornaria a nave capaz de essencialmente se transportar pelo espaço-tempo, e poderia ser usada como um meio de configurar elementos clássicos como viagens temporárias e universos paralelos. Kurtzman confirmou o spoiler relatado anteriormente por Jonathan Frakes.

“Bem, isso vazou que vamos fazer alguns episódios sobre o universo espelho. E sim, iremos homenagear o original”

A revista Variety divulgou várias imagens promocionais da série e uma delas indica ser da Discovery do Universo Espelho.

Títulos dos episódios de 5 a 9 anunciados.

Já foram divulgados os títulos dos próximos episódios até o nono.

Episode 5:  “Choose Your Pain” (Escolha sua Dor) (16 de outubro)

Embora lembre vagamente a frase de Sybok em Star Trek V,  o título provavelmente se refere à dor infligida através da tortura, pois o episódio terá o capitão Lorca feito prisioneiro numa nave Klingon.

Episode 6: “Lethe” (Esquecimento) (23 de outubro)

Lethe é um termo da mitologia grega λήθη e significa o rio do esquecimento no submundo de Hades.

Episode 7:  “Magic to Make the Sanest Man Go Mad” (Magia para fazer o homem mais são ficar louco) (30 de outubro)

A citação é de uma outra obra grega, a Ilíada de Homero, Canto XIV: “Há o calor do Amor, a pulsação da Ansiedade, o sussurro do amante, irresistível – mágica para fazer o homem mais são ficar louco”, que é dito durante a batalha de Troia pela reivindicação de Helena.

Episode 8: “Si Vis Pacem, Para Bellum” (Se Queres a Paz, Prepara-te para a Guerra) (06 de novembro)

Um antigo ditado latino atribuído ao escritor do Império Romano chamado Publius Flavius Vegetius Renatus do folheto De Re Militari, para justificar a necessidade de preparação para a guerra futura.

Episode 9″ “Into the Forest I Go” (E na Floresta Eu Vou) (12 de novembro)

Atribuído ao escritor e naturalista John Muir: “E na floresta eu vou, para perder minha mente e encontrar minha alma“.

Primeira temporada pronta.

O produtor executivo Aaron Harberts, na noite passada, anunciou que haviam encerrado os trabalhos de Discovery no Pinewood Studios em Toronto.

https://twitter.com/intent/follow?screen_name=AaronHarberts

O final das filmagens ocorre 36 semanas após o anúncio da produção em janeiro. Os primeiros dois meses de produção foram ocupados principalmente com a filmagem da estréia em duas partes (“The Vulcan Hello” e “Battle at the Binary Stars”), incluindo a locação na Jordânia em fevereiro. Houve também um hiato de produção por algumas semanas em abril para permitir que os scripts fossem concluídos.

Torcer para que seu retorno seja o mais breve possível.

Fonte: Trek Movie e TrekCore.

11 Comments on "Discovery tem 2ª temporada quase confirmada"

  1. A única notícia que me entristece é a de que a segunda temporada será em 2019. É muito tempo! Se pelo menos fossem temporadas de 26 episódios como em TNG, poderíamos passar o tempo revendo episódios.

  2. Seria um tiro no pé se não partirem para uma nova temporada 18/19, a série possui muita qualidade, dá um dinamismo maior sem que haja esquecimento à essência de Jornada, algo esquecido na linha Kelvin e resgatado em Beyond. Particularmente acredito que haverá não apenas uma segunda temporada, mas sete ou dez temporadas (excesso de otimismo) Star Trek Discovery se manterem o padrão desta atual temporada e quem sabe até um novo seriado derivado, como é moda atualmente. Quem sabe a série se encerra a partir do momento em que Kirk assume o comando da Enterprise. Vamos torcer……

  3. Seriado comprido com mais de vinte episódios?! Esqueça. Não apenas aqui, mas em outras estão dando preferência a temporadas mais curtas e enxutas. Game of Thrones (sete episódios na última temporada), House of Cards ( treze episódios em todas temporadas, smj) The Walking Dead e Fear The Walking Dead começaram com seis episódios passando para 16 nas demais e por ai. Tudo é uma questão de custos e retorno financeiro.

  4. Ronaldo Adriano | 14 de outubro de 2017 at 12:35 am |

    Existe Klingons no tempo da Discovery que ainda estão com aquela doença descrita em Enterprise? Como explicar que daqui a dez anos os Klingons não terão aquelas cristas?

  5. Jotape Ferreira | 14 de outubro de 2017 at 10:56 am |

    Também acho que um formato de 24-26 eps de ST: Discovery por temporada traria mais problemas do que soluções.

  6. Posso tratar disso mais tarde, mas esse conceito de viagem espacial baseado em esporos controlados por um tardígrado soou anticientífico, seria mais coerente ter desenvolvido um propulsor que “cortasse” o subepaço abrindo margem para um deslocamento espaço-temporal ou dimensional.

  7. Muitos episódios até seriam bons, mas o problema é ´obter qualidade acima da média em todos eles, não apenas isto, mas é melhor ter poucos episódios bons, acima da média, do que vários em que maioria das vezes, juntando de cinco a seis episódios não dá a qualidade de um. Apesar de ser um fã de Star Trek sou realista também. A terceira temporada de TOS, a segunda temporada de TNG, a duas primeiras de DS9, as três primeiras temporadas de VOY, por exemplo, foram terríveis de assistir, de 20 e tantos episódios de cada temporada, nestas séries, apenas seis ou sete foram realmente bons de cada uma delas. Acho que fórmula de Discovery com 16 (ou 15 episódios) está muito boa. Se destes 16, 14 terem as mesma qualidade dos quatro primeiros que passaram terá muitos anos pela frente ainda. No final todos ganham: quem assiste, com um material de boa qualidade, os atores, que terão trabalho garantido e os estúdios, que terão o retorno financeiro esperado com os custos empregados.

  8. Salvador Nogueira | 14 de outubro de 2017 at 1:30 pm |

    Não vejo muita diferença entre o que eles estão propondo e o que você está propondo. A única diferença é que, na tecnologia deles, a viagem pelo subespaço é guiada por uma espécie de esporo que existe simultaneamente lá e aqui e pode dirigir a nave de um ponto a outro. O subespaço é o meio, os esporos são os guias, e o tardígrado é o computador que diz aos esporos onde irem. Soa estranho? Talvez. Mas não mais estranho do que “espaço, tempo e pensamento são a mesma coisa”, a la Viajante em TNG. Na verdade, podemos até conectar as duas coisas e supor que o Viajante (que também é uma forma biológica) tem propriedades similares à dos esporos, e por isso podia guiar a Enterprise-D por vastas distâncias, mas a um custo energético alto para si. Ele basicamente fazia o trabalho dos esporos e do tardígrado. E vimos no episódio que o tardígrado sofre para fazer o que faz.

  9. Se eu fosse você esqueceria esse visual 60’s dos Klingons. Um novo patamar visual já foi estabelecido com Discovery (aliás, desde outras séries e filmes). Falar em voltar ou tentar explicar o antigo visual dos Klingons é o mesmo que querer voltar aos cenários de pano pintado/pedras de papel machê e querer explicar essa mudança “evolucionária” no final da série Discovery (imagine a maluquice: a série vai se aproximando do tempo de TOS e tudo vai ficando tosco…).
    Esqueça aqueles Klingons de 1966. Para todos os efeitos, eles nunca existiram com aquela aparência.

  10. Ronaldo Adriano | 17 de outubro de 2017 at 11:21 am |

    Daí o Canon é jogado fora, a Doença que aconteceu na época de Archer então nunca aconteceu, eu ainda acho que vou ver alguma explicação, em Discovery e para depois de 10 anos (época de Kirk) os Klingons novamente aparecem daquela forma humana tão bem é explicada no seriado Enterprise, se for pensar assim, nem a Enterprise ou alguma nave deste tempo deve aparecer, acho que não é o caminho, se não realmente deveria pertencer a um universo pararelo para fazer sentido.

  11. Eu já desisti dessa estória de prime line… Já resolvi, para a paz da minha cabeça, que foi feito um Reboot (ainda que na prime line) e que por conta disso, verei tudo novo daqui por diante, até mesmo os Klingons, mesmo quando se passarem os 10 anos e cheguemos na época de Kirk & CIA. Pronto. Foi um Reboot. Pronto. Foi um Reboot. Foi um Reboot. Acabou.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*