Por onde anda Tricia O’Neil, a capitã Garrett

capt garretA atriz Tricia O’Neil é conhecida mais pelos fãs como a capitã Rachel Garrett do episódio “Yesterday’s Enterprise”, de A Nova Geração, mas poucos sabem que ela também fez outros personagens como Kurak em “Suspicions” de A Nova Geração e Korinas em “Defiant” de Deep Space Nine. Num bate papo com o Star Trek.com, ela comentou sobre sua passagem na franquia e o que está fazendo hoje.

Morando atualmente em Los Angeles, Tricia, aos 67 anos de idade, esteve recentemente na convenção a Destination Star Trek (DSTL), na Inglaterra, relembrando no palco seus trabalhos, posando para fotos com os fãs e assinando autógrafos.

Na entrevista ao Star Trek.com, ela lembrou desses momentos e de sua experiência nas séries.

DSTL foi a sua primeira convenção. Como você desfrutou da experiência? 

O’Neil: Eu nunca tinha experimentado nada parecido com isso na minha vida. Eu disse que sim, mas eu estava intimidada pela perspectiva. Ao mesmo tempo, eu queria ir para Londres e queria ver como era uma convenção. Uma vez, na verdade, houve uma convenção aqui em Los Angeles. Eu pensei em olhar e ver como era – como fã, como pessoa, porque eu sempre fui uma fã de Jornada. Eu estava na fila para conseguir um ingresso e quando quase estava na bilheteria, alguém atrás de mim disse: “Capitã Rachel Garrett! Capitã Rachel Garrett! “As pessoas se viraram. Eu me virei. As pessoas vieram em minha direção, e a próxima coisa que aconteceu foi que as pessoas que estavam no comando da convenção, vieram e me levaram para dentro. Fui assediada com entusiasmo, e eu estava muito abalada. DSTL foi diferente. Acabei falando do palco, na frente de todas essas pessoas. Saí para o palco e uma luz se acendeu em mim, e eu simplesmente adorei a camaradagem e  ser uma parte disso. E os fãs foram incríveis. Eles sabiam mais sobre os personagens, especialmente sobre a Rachel Garrett, do que eu mesmo me lembrava.

tricia stewartVocê faria mais aparições em convenções? Talvez nos EUA? 

O’Neil: Sim, eu faria. Richard Arnold veio enquanto eu estava assinando alguns cartões e disse que havia outras convenções aqui, nos EUA, e se eu estaria interessada? Eu disse: “Sim”. É uma experiência fantástica fazer parte de tudo isso, parte de um legado como Jornada. É sobre as esperanças das pessoas e desejos, para todas as pessoas, em todo lugar, e elas estão unidas por seu amor por Jornada. É quase mágico.

Vamos voltar para a capitã Garrett. O que mais lhe impressionou sobre o personagem, como pessoa?

O’Neil: Ela tinha dedicação. Ela teve uma coragem extraordinária. Ela tinha o comando de sua vida e as vidas de outras pessoas, sua tripulação. Suas escolhas foram muito poderosas e muito difíceis e, para mim, que estava interpretando ela, estava liberada para acreditar no que acreditava. Isso é o que os atores tentam fazer, tentamos ser os personagens que desempenhamos enquanto estamos fazendo. Então eu tive a experiência de ser a capitã de uma nave estelar. Eu usei-a como uma medalha de honra por ter sido eu a fazer o primeiro capitão feminino da Enterprise.

Será que você fez o teste para o papel?

O’Neil: Não. Eu tinha um teste para outras funções na série. Eu não recebi esses, mas eles me chamaram para fazer a capitã Garrett.

Você estava com James Cameron quando recebeu a notícia de que foi convidada para o papel, certo? 

O’Neil: sim. Eu estava em uma viagem de mergulho com Jim Cameron. Eu era a estrela do primeiro filme que ele já dirigiu, e eramos amigos de mergulho. Eu estava com ele, mergulhando, e foi quando eu ouvi que eu estava no papel. Então, eu tive que voltar para LA. E quando eu consegui o papel, eu estava em casa, e eu pulei de cima a baixo na mesa de café na minha sala de estar. Eu estava exultante.

Tricia klingonO que você lembra sobre estar no set, sobre a produção? 

O’Neil: Eu sabia o que era a cadeira do capitão e quando eu, Tricia O’Neil, sentei na cadeira, eu entendi a importância da mesma. Um monte de pessoas trabalham nessas séries – pessoas que constroem os cenários e os adereços e fazem as fantasias – e o trabalho é tão bom que você pode absolutamente suspender a sua descrença pelas coisas. Tudo se torna muito real e, se você se deixar acreditar, você pode navegar em um mundo inteiro. Sentada naquela cadeira como capitão da U.S.S. Enterprise, fui o que me tornei por uma semana ou assim. Foi uma experiência extraordinária. Todas as pessoas envolvidas são muito talentosas: os escritores, os atores, as pessoas do cenário. Tudo é muito maior do que você, mas isso dá suporte no que você está sendo, no momento, para a história.

Como foi voltar para a mesma série (A Nova Geração) vários anos mais tarde, como um personagem diferente, e para suportar a maquiagem Klingon? 

O’Neil: A maquiagem foi difícil, mas depois que eu vi, foi como um suporte para acreditar neste mundo, para entrar no personagem. Eu conhecia os Klingons e eu sabia da dificuldade desta Klingon em especial, porque ela era avançada. Ela teve o grande peso sobre os ombros de ser inteligente, de ser uma cientista, e ela estava atravessando barreiras. Mas ela ainda era uma Klingon, então ela era muito … selvagem, mas física, onde um monte de músculo ainda estava envolvido, mesmo ela estando atravessando isso para ser uma cientista. Então, muito apaixonada como ela era, também teve de ser contida de uma maneira que não foi fácil para ela. Então, quando ela manobrou a Dra. Crusher, ela estava competindo, e isso a testou.

Tricia cardassianaVocê voltou para a Paramount e para Jornada um ano e meio mais tarde, desta vez para Deep Space Nine. O que você lembra de fazer uma Cardassiana?

O’Neil: Foi um cenário mais sombrio, um sentimento mais fechado, embora eu acho que pode ter algo a ver com a maquiagem. Minha maquiagem era confinada. Eu também fiz um papel de maquiagem para Babylon 5, mas a maquiagem Cardassiana foi difícil. Estava respirando com dificuldade. Você se senti presa nos limites da roupa, também. Era rígida. O personagem tinha uma corrente subterrânea de falsidade, de alguma forma, e como um ator que faz você tenso, apreensivo e retraído, em alguns aspectos. Então, para mim, depende muito das coisas internas que estão acontecendo com um personagem. Isso afeta o modo como você se sente quando você se olha no espelho. O modo como a maquiagem faz com que apareça afeta o modo como você pensa sobre um personagem. É todo um processo de pensar.

O que você está fazendo nos dias de hoje?

O’Neil: Eu tenho algumas coisas que possivelmente estão chegando, mas eu realmente não tenho atuado, eu acho, que nos últimos cinco anos. Eu estive no teatro um pouco, porque é assim que eu comecei no negócio. Eu fazia teatro em Nova York. Eu fui da década de 70 ingênua de Richard Rodgers e meu passado foi como cantora. Eu só estive na televisão quando eu vim para cá para LA. Então, eu estou visitando a música novamente e o teatro, e eu ensino na ocasião, também. Eu posso olhar para um trabalho mais para TV. Fazer o evento em Londres, me deu interesse novamente em uma nave que eu realmente não tinha praticado por um tempo. Foi muito rejuvenescedor.

7 Comments on "Por onde anda Tricia O’Neil, a capitã Garrett"

  1. Pô!!Eu não sabia de Kurak e Korinas, essa foi legal!!!

  2. Nem eu… Como Korinas ela atuou muito bem com “Gul,Dukat” as expressões de cinismo dela foi excelente nesse episódio. Ótima atriz.

  3. Quando vejo sobre os atores de ST, aqui no TB, sempre penso da competição extrema que é esse mercado.

  4. Muito legal e Yesterday Enterprise um dos meus episódios favoritos

  5. Achei a dublagem brasileira em Yesterday Enterprise bem ruinzinha, a voz da capitã Garrett era irritante, porém o episódio é um dos meus favoritos.

  6. Por iso eu só assisto na versão original. Não gosto de dublagens.

  7. Também é um dos meus, exceto pela presença da Tasha Yar, que neste episódio está mais enjoada do que nunca.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*