Abrams deixa ficção-científica de lado e aposta em ritmo de aventura

imaxposterA segunda edição de Jornada nas Estrelas sob as mãos de J.J. Abrams se mostra mais uma obra de aventura do que de ficção científica convencional. J.J. abraça a mesma fórmula do primeiro filme (Star Trek, 2009) imprimindo um ritmo de ação forte e constante e mergulhando seus personagens em uma vertiginosa caçada humana, realizando um bom filme e que certamente agradará tanto aos fãs da franquia quanto aos “não iniciados”. Os fãs de longa data, é claro, irão saborear (ou não) citações, subtextos e principalmente a participação de mais dois importantes personagens icônicos. Aviso: O texto a seguir contém spoilers.

Qualquer olhar minimamente atento irá reconhecer que Além da Escuridão – Star Trek é claramente uma montagem de elementos de Jornada nas Estrelas II – A Ira de Khan e Jornada nas Estrelas VI – A Terra Desconhecida. JJ Abrams bebe na fonte do que há de melhor dos filmes da Jornada Clássica, mas mesmo assim consegue montar um filme extremamente eficiente e surpreendentemente original, juntando o melhor dos dois mundos e incluindo elementos pessoais que dão homogeneidade a este roteiro, numa trama que traz de volta Khan, Carol Marcus, o “torpedo Genesis”, e potencializa questões como a militarização da Frota Estelar, a existência de uma conspiração dentro da Federação, a tensão de uma possível guerra com os klingons, que são citados pela primeira vez nesta nova versão e que sofrem sua terceira restilização.

Além da Escuridão abre da mesma forma que seu antecessor, com uma grande cena de ação desta vez envolvendo “o grande trio”, Uhura (com atuação destacada mais uma vez) e Sulu numa sequencia que embora possa soar absurda (e certamente o é), funciona, por incrível que pareça. Primeiro por que é totalmente compatível com o tipo de Diplomacia Cowboy que o bom e velho James Kirk praticaria, e segundo por que tal cena que a principio parece gratuita tem lá sua (importante) repercussão mais adiante e ajuda a determinar o tom do filme que o espectador irá encontrar: ação vertiginosa o máximo de tempo possível e um grande espetáculo visual.

Se em Star Trek de 2009 o roteiro pareceu montado de forma mais preguiçosa, permitindo uma série de auto indulgências e conveniências para mover a história (exemplo: Spock lançar Kirk no mesmo planeta onde Nero havia deixado Spock Prime, de forma que os dois pudessem se encontrar) aqui houve mais cuidado em garantir que as “reviravoltas” estivessem não só justificadas em tela, mas de acordo com a premissa do filme. Tal cuidado aparece por exemplo na sequência em que o vilão da história é apresentado (ainda que não saibamos neste momento seu nome) e que antecede o atentado em território da Federação nos preparando para o que virá no último ato do filme.

Esta sequência em que vemos John Harrison pela primeira vez é digna de nota. Preparada e executada com grande sensibilidade, temos um grande ato com apenas um breve diálogo, mas percebe-se claramente, de forma sutil e elegante o papel e significado de cada pessoa, mesmo que não saibamos seus nomes ou importância relativa. Tal cena além de importante para o contexto do filme mostra também o amadurecimento de Abrams como diretor.

Se um dos pontos mais frágeis do filme anterior foi o vilão (O Nero de Eric Bana era totalmente unidimensional, e suas motivações no mínimo discutíveis) desta vez a escolha tanto do personagem quanto do ator atenderam as expectativas. “John Harrison” (vamos chamá-lo assim) é muito mais desafiador e Benedict Cumberbatch se revelou eficiente em sua caracterização do personagem e em sua tarefa de mover a história.

Cumberbatch faz a escolha de uma caracterização controlada e segura, que contrasta com a insegurança e/ou impetuosidade de Kirk deixando os dois estrategicamente em pontos opostos não somente como adversários, o que a premissa da estória resolve por si só, mas também com seus perfis psicológicos. Notem que mesmo em um breve momento em que seu personagem deixa escapar alguma tristeza, o faz de costas para Kirk e Spock, não se permitindo demonstrar esta fragilidade a seus antagonistas.

Não se deve perder tempo comparando este personagem com o “original”, pois, para dizer o óbvio, estamos falando de propostas totalmente diferentes, mas apenas reconhecer que desta vez temos um vilão realmente importante.

Mais do que isto temos uma trama relativamente surpreendente. Jogar as fichas somente em Khan seria uma aposta com grandes chances de sucesso, mas ao trazer a tona o “Inimigo Interior” dentro da própria Federação, JJ Abrahms consegue inverter o jogo, subvertendo a expectativa de quem assiste a o filme e forçando Kirk a uma mudança de estratégia importante adicionando este elemento. Esta é mais uma bem vinda surpresa.

O veterano Peter Weller encarna o Almirante Marcus, que de certa forma quase reprisa um personagem que ele interpretou no spin off de Enterprise, se não em identidade, mas em motivações, o que não pode ser mera coincidência. J.J andou mesmo fazendo a lição de casa.

Weller também tem boa participação e dá sua contribuição positiva para o resultado final. Interessante mais uma vez notar certes sutilezas de roteiro, pois o expectador mais atento ao ver o almirante comandando a nave estelar que alcança a USS Enterprise em espaço Klingon irá lembrar que antes, quando o mesmo Marcus conversa com Kirk na sede da Frota, ele se detém por alguns momentos olhando para algumas maquetes de naves, e a última é exatamente a maquete da USS Vengeance.

Uma vez mais Cristhoper Pike volta a ter grande importância para o desenvolvimento de Kirk, e consequentemente para a estória ao repreendê-lo duramente após determinada ação do jovem capitão da Enterprise, que aqui ainda se mostra pouco preparado para a posição que ocupa, algo que faz todo o sentido se levarmos em conta o modo como Kirk foi parar na cadeira de comando da Enterprise neste universo de J.J. Tal ação de Pike ecoa ao longo do desenrolar dos fatos e suas consequências acompanham Kirk até o final da projeção.

Intencionalmente ou não, o personagem de Bruce Greenwood vinha se tornando “maior que a vida” o que tornava a sua morte se não esperada, necessária, pois era preciso remover sua influencia de modo orgânico. Mais uma vez a solução adotada pareceu adequada, repondo Kirk na cadeira de comando da Enterprise em um momento crítico a usando este evento como combustível emocional importante para o restante do filme.

Já Kirk oscila da autoconfiança extrema do inicio do filme, para a frustração e incerteza, finalmente chegando a algo parecido com equilíbrio. Chris Pine está vez ainda mais a vontade com seu personagem, mas ainda é impressionante como cada vez ele mais “emula” o Jim Kirk de Willian Shatner e é cada vez mais difícil separar um do outro. O Spock de Zachary Quinto também parece ter evoluído sem o peso de Leonard Nimoy por perto para assombra-lo, e muito mais equilibrado. Quinto, cuja atuação fora criticada por alguns antes parece agora mais dono do personagem.

Simon Pegg é outro que cresceu muito. Se antes o Scott de Pegg pareceu um pouco fora de contexto, talvez engraçadinho demais, desta vez ele tem uma participação bem mais equilibrada, resgatando seu personagem da condição de alivio cômico do filme anterior e trazendo um personagem mais forte e fiel as suas convicções, contribuindo de forma importante e eficaz e em vários momentos do filme, algo muito bem vindo. Mérito mais uma vez do roteiro, mas também de Pegg, que consegue desta vez a medida certa, fazendo com que suas cenas de humor funcionem sem que pareça comedia involuntária. Pegg tem participação especialmente emblemática em uma cena importante em que confronta Kirk, e que repercutirá nos momentos mais agudos. A cena em si também simboliza naquele momento a solidão do jovem capitão da Enterprise.

Mas problemas existem e talvez o mais grave apareça em duas sequencias importantes do filme. Como já foi dito, JJ imprime um ritmo alucinante, fazendo a história avançar de forma eficientemente rápida, entretanto dois momentos quebram este vetor e acabam destoando do resto, pois se tornam lentos demais em relação ao próprio ritmo definido pelo diretor. A primeira cena é o salto de Khan e Kirk para a USS Vengeance, sequencia que poderia e deveria ser bem mais curta. Já sabemos que ambos têm que chegar ao seu destino, o que elimina da sequencia qualquer possível tensão, que nem mesmo os alucinados cortes podem salvar.

A segunda é a queda da Enterprise, igualmente lenta, igualmente anticlímax. Aqui o problema é maior, pois esta é talvez a principal sequencia do filme. Além de longa, a inversão de papeis de Kirk e Spock (quando consideramos acontecimentos do já referenciado Jornada nas Estrelas II: A Ira de Khan) também acaba não alcançando o efeito desejado, pois mesmo ao seu final fica claro que suas consequências desta cena serão amenizadas. Uma vez mais, entretanto, deve-se dar credito ao roteiro, pois se tal cena não funciona da forma como deveria, ao menos ela coloca Spock (e não Kirk) contra Khan na clássica luta final entre Vilão e o herói do filme, e se alguém poderia vencer o vilão numa luta corpo a corpo, seria o vulcano, sem duvida.

Outro problema do (bom) roteiro é a necessidade quase patológica da inserção de frases “icônicas” de Jornada neste filme, o que acaba soando forçado e pouco orgânico. Kurtzman e Orci parecem escrever com um caderninho de citações dos personagens clássicos e tentando embuti-las a todo custo em cada linha de roteiro, tanto que eles próprios brincam com isto a certa da altura do filme, quando Kirk repreende McCoy por falar em “metáforas”. Pode parecer homenagem, mas há um excesso deste tipo de situação, por vezes cansando e perdendo o significado.

Temos ainda alguns problemas menores como a (desnecessária) aparição de Spock Prime que se justifica apenas como uma homenagem, (ou imposição de Nimoy), pois seria relativamente “lógico” que Spock pudesse sozinho concluir que Khan trata-se de um inimigo implacável, e igualmente pudesse sozinho imaginar a tática que levou a destruição da USS Vengeance, mas nada que atrapalhe o resultado final.

A fotografia do filme, bem como o seu figurino estão totalmente de acordo com a premissa da trama. Temos durante todo o tempo uma fotografia escura e com muitos tons de cinza, o que ajuda a sintonizar com o clima proposto. A câmera de J.J. desta vez parece mais equilibrada, com menos closes e primeiros planos, algo que incomodava no primeiro filme sempre com ângulos muito fechados o tempo todo. Detalhe importante do cenário: A fábrica de cerveja desapareceu e a engenharia está bem mais bonita, ainda bem. Parabéns ao departamento de arte.

Ao longo do filme podemos encontrar diversas referencias, algumas obvias, outras sutis não só a Jornada nas Estrelas mas o outros filmes. Um exemplo é o ataque de Harrison ao prédio da Frota Estelar que lembra em muito O ataque de helicóptero ordenado por Joey Zasa contra Michael Corleone, uma das grandes cenas de O Poderoso Chefão – Parte III. Numa outra cena, desta envolvendo Simon a bordo da USS Vegenance temos uma brincadeira com o papel do ator em Maratona do Amor (2007) “Run Fatboy Run”.

Especificamente falando de Jornada nas Estrelas, há um mundo inteiro de citações: O blefe de Sulu na ponte recorda o blefe de Kira em DS9 em O Emissário, Parte 2, até mesmo no enquadramento dos personagens, além da citação a Seção 31, elemento da mesma serie demonstram que alguém do staff criativo andou assistindo muito mais do que a Serie Clássica. McCoy operando um torpedo (Jornada VI) ou Scotty quebrando as engrenagens da Vegenance (Jornada III) além da citação da famosa missão de cinco anos da Enterprise (que neste universo alternativo ainda não aconteceu) são elementos que não passarão de forma desapercebida pelos fãs.

Como já foi dito, Zoe Saldana (Uhura) continua usando bem o espaço que consegue, tendo participações pontuais, porém importantes. Seu relacionamento com Spock não parece afetar o filme de forma negativa, mas gerou uma cena constrangedora onde sua personagem “discute a relação” com Spock. Não mata, mas podia ser evitado.

Já Karl Urban parece um pouco prejudicado, pois embora ainda tenha muitas interações importantes, sua participação é comprometida pelo já citado excesso de citações de seu personagem. Um detalhe: A insistência de McCoy com o quadro médico de Kirk em certo momento sugere que o roteiro previa alguma complicação para a saúde do jovem capitão, mas que tal consequência acabou sendo retirada do roteiro, revelando ai talvez um único descuido da montagem.

John Cho (Sulu) tem participação que pode ser considerada convencional, com destaque para a já citada cena do blefe de Sulu, quando este assume a cadeira de comando, mas também com uma piada que parece se endereçada a George Takei na última cena do filme. Já Anton Yelchin ficou meio sem função desta vez, tanto que virou um “red shirt” (outra boa piada), mas não dá para por a culpa no roteiro. Tem hora que simplesmente não dá para encaixar todo mundo. Paciência.

Há ainda um elemento por demais subjetivo, mas ainda assim digno de nota: J. J. Abrams parece brincar o sentimento dos fãs mais antigos de Jornada nas Estrelas. Ao fim do primeiro ato vemos o grupo de nativos substituindo sua religião em nome da nova crença fundada a partir da visão da Enterprise saindo do mar e alçando voo (num raccord muito bonito, alias). Seria uma galhofa com os fãs mais fundamentalistas? Além disto, mais uma vez vemos tanto Kirk quanto a Enterprise sendo impiedosamente surrados. Mesmo o uniforme de Pike, claramente inspirado em Jornada nas Estrelas: O Filme, é justamente o figurino mais criticado pelos fãs da serie. Parece que JJ quer dizer algo nas entrelinhas, mas se é assim, o faz com alguma sutileza, algo que merece crédito.

Por fim, não há como negar que Além da Escuridão – Star Trek é uma obra mais bem acabada que seu antecessor, e que somando todas as partes, encontra o equilíbrio entre aventura, drama, ação e humor, entregando um filme muito melhor do que o primeiro (que já havia alcançando méritos) indicando uma evolução e amadurecimento do seu diretor, do sua equipe criativa e de seus dos atores fazendo crer que Abrams encontrou a fórmula para produzir um filme que merece ser visto e por quem é fã ou não de Jornada nas Estrelas.

Que venha Star Trek III.

121 Comments on "Abrams deixa ficção-científica de lado e aposta em ritmo de aventura"

  1. Mas não teve um aí da tropa do JJ que disse que o negócio do filme é sci-fi? Saiu um artigo aqui. Contraditório…

  2. Excelente análise. Como o primeiro filme, este também é um filme de ação e aventura que se baseia no universo de Star Trek. Bem comercial, voltado ao seu público-alvo (que não são os trekkers) e para diversão. Cabe a nós trekkers contextualiza-lo no universo ST e curtir.

  3. Facebook User | 24 de maio de 2013 at 7:26 pm |

    Pelo que entendi analisando os dois textos é que sci-fi está presente mas não é o principal foco do filme, que focou mais na ação e aventura, no entanto sem se tornar uma aventura/fantasia estilo Star Wars.

  4. Preeeeeeeeeparem-se pra 2016!!!
    ST-50ANOS!!!!!!
    BOM FILME A TODOS NESTE FIM DE SEMANA EM QUASE TODO BRASIL!!!!!
    Amanhã 25.05 dia do Nerd!!!

  5. “A insistência de McCoy com o quadro médico de Kirk em certo momento sugere que o roteiro previa alguma complicação para a saúde do jovem capitão”
    Eu já vi aqui uma citação a série clássica onde McCoy sempre insiste para o capitão fazer seus exames rotineiros e Kirk não aparece ou quando o faz, é com má vontade.

  6. O Fã é alguem que critica tanto ao inves de saborear o momento e depois reclama da falta de dvd e blu dos seriados…o filme é otimo e vai gerar uma boa renda..de resto qualquer analise de fã/critico nao tem importancia. saboreie o filme e viaje

  7. Ainda que concordamos, Omar. Abraço.

  8. Carlos Henrique B Santos | 24 de maio de 2013 at 9:55 pm |

    Omar, fico feliz que concordamos. Um abraço.

  9. Carlos Henrique B Santos | 24 de maio de 2013 at 9:57 pm |

    Pois é Hollander. Isto aconteceu algumas vezes, mas neste
    caso foi muito explicito, quando estão embarcando no shuttle que os levará a
    Enterprise. Tive a impressão de que havia alguma coisa ali, mas é uma impressão, que é sempre
    subjetiva,,,,

  10. Carlos Henrique B Santos | 24 de maio de 2013 at 9:59 pm |

    Pois é Antonio. Acho que vai ser por ai mesmo,,, Jornada no cinema funciona bem neste viés,, Abraço e obrigado pelo comentário.

  11. Carlos Henrique B Santos | 24 de maio de 2013 at 10:04 pm |

    Trekker, cada um de nos aqui do TB é livre para fazer sua considerações concordando ou não. Não vejo contradição no fato de que todos aqui estamos gostando do filme, mas quanto as opinões, este Star trek embora seja sim ficção cientifica, centra mais na diversão do que não discussão deste ou daquele tema. Digamos que ele esta mais Star Wars do que para 2001, ok ? abraço e obrigado pelo comentário,,,

  12. Carlos Henrique B Santos | 24 de maio de 2013 at 10:05 pm |

    Mais ou menos por ai, amigo. Obrigado pelo comentário,,,

  13. Carlos Henrique B Santos | 24 de maio de 2013 at 10:11 pm |

    Boa lembrança,,,um abraço.

  14. Alguma alusão ao problema de saúde de Piccard?Cardíaco?rsrsrs

  15. Rápidamente, duas coisas. 1- qual seria a função do tripulante, amigo do Scotty, aquele feito com casca de castanha do Pará, na trama? 2- por que numa nave estelar, o medico chefe é transportado para abrir um torpedo junto com ua especialista em armas em um planetoide afastado? Existem algumas coisas estranhas, vou postando conforme vou lembrando.

  16. 1- é um toque SW de JJ que põe um alien a mais em cena,só isso pra mim.
    2-Marcus pediu ao cirurgião da nave que a ajudasse a manipular cirurgicamente os componentes de travamento interno do torpedo para poder abrí-lo e foram pra fora da nave pois não sabiam oque iriam encontrar ou se o torpedo explodiria.

  17. Pois é, o negócio é não levar a sério o filme. Assisto como se visse algo baseado em Star Trek, como uma caricatura, como episódio de futurama… e não como a obra de Gene, como obra fechada. Neste aspecto, foram filmados, frankstein, draculas etc , todos como obras baseadas, caricaturas de suas criações originas. Certamente, a obra de JJ é bem diferente das visões do grande pássaro das Galáxias.

  18. Estranho, médico chefe manipular um torpedo. O cirurgicamente é figura de linguagem, não havia um técnico ou engenheiro? Não faz sentido. Mesmo que justifiquem com star Trek VI, um universo novo não precisaria repetir a mesma bizarrice.

  19. Obrigado ! amigo Bom filme..para Todos

  20. Mário: Star Trek é assim. Toda missão em terra tinha de ir o oficial de ciências, um ou dois red shirts (até aí tudo bem), o engenheiro-chefe, o capitão, etc; Você acha que numa tripulação de 400 pessoas (em TOS) isto é normal ou teriam um monte de especialistas para ir porém que não são do elenco regular da série?

  21. Seria mais coerente. Se quisessem colocar o medico na cena, poderiam ter colocado um red shirt prendendo o braço no torpedo e aí entra o medico como solução, ou algo mais palatavel. Americano é bastante pragmático, seria mais convincente se a cena fosse melhor construída. Medico é médico, engenheiro é engenheiro… Óbvio. O Chekov na cena seria mais crível, o medico aparece como suporte ao problema do braço, se fosse necessário.

  22. ralphpinheiro | 25 de maio de 2013 at 8:38 am |

    Criticar detalhes “técnicos” do filme é o mesmo que criticar a série em si. Quantas vezes McCoy foi para a superfície do planeta sem necessidade? Por que Kirk tinha que ir na maioria das vezes em missões arriscadas, sendo ele o capitão da nave? Para mim, os filmes de J.J. Abrams funcionam mais como uma grande homenagem a essa maravilhosa franquia, basta ver a quantidade de referências, as vezes exageradas, da série. Que venha 2016 com uma história melhor ainda para a gente curtir.

  23. É isso aí! !!
    Vamu curti!!
    4 anos de jejum, agora eu quero é mais!!
    Hoje vou ver de novo em 3D!! Ver os detalhes,achar Eggs, procurar o Cupcake em Q’onos,ouvir melhor o ruído da USS V. em perseguiçáo à ENTERP.!!!

    Feliz dia internacional do NERD!!
    TODOS aqui são TREKKERS mas Trekker também é um pouco Nerd,um bom 42 pra todos e não esqueçam suas Toalhas hoje!!!!hehehe

  24. Concordo, esta aí uma das falhas da série em sí. Por isso, alguns os melhores episódios foram in door, como o Balanço do Terror, manobra corbomite etc. Perfeita sua analise deste problema na serie. Talvez seja explicado pra falta de dinheiro, tempo, que a serie exigia, além das limitações de elenco.

  25. Hoje estava pensando sobre toda a série Star Trek, mesmo que a visão de JJ possa ferir a visão original, temos que agradecer, pois Star Trek está viva novamente. Meus pais, esposa e amigos que cresceram com A Série Clássica e a Nova Geração, simplesmente estão adorando a versão 2.0 de Jornada. Com isso, querem revisitar até a Série Animada, DS9, Voyager e Enterprise. Hoje vamos assistir ao Além da Escuridão aqui em BH e foi fantástico ir ligando para os amigos e parentes e todos mobilizados para assistir…

  26. Em 3D deve ter ficado show, ansioso para hoje à noite…

  27. Eu consegui assistir em 3D Imax ,foi “Epetacular”!!
    A Imax distribuiu um brinde na fila de espera ,um cartaz brilha- na -escuridão,hehehe , com 2 naves,vê se chega mais cedo pois pode ser que os cines 3D queiram fazer promoção também pra não ficar atrás!!

  28. Se puder, vão com alguma coisa de ST,um botton,uma camiseta,uma ou duas orelhas….rsrsrsrs, temos que mostrar aos cines que tem fã Trekker em BH e no Brasil!!
    Tenho certeza que vcs irão de novo em junho!!
    Temos que preparar o terreno também pra 2016 no Brasil!!
    50anos ST ou mesmo pra exigir os dvds faltantes de D9 e VOY!!

  29. Esse é o Ralph: Otimista, Imparcial e sempre debruçado no futuro! Devemos sim pensar no amanhã, e que a franquia permaneça fortificada e na ativa.

    Erros e Kagadas, na franquia já ocorrem desde o inicio, então não devemos só pensar no que já passou, “a fila tem que andar..” É facil e normal se afetuar com o passado, mas a “única certeza na vida são as mudanças!” quem não se adapta sofre! Me recordo do “Morpheus” dizendo ao “Neo” (Matrix) – Neo, abra sua mente! É mais ou menos por aí.

    Eu não escondo o meu saudosismo da “velha escola” de filmes e séries de Hollywood, eu tenho em mente que esse tempo já foi, recordar é viver, mas o presente não pode ser ignorado e desprezado, senão o mundo para!
    Como disse o Picard uma vez no filme “Gerações” para a Troi, – Eu sei que os dias que virão são bem menos do que os dias que se foram…” Vamos torcer que esses sejam vindouros, mesmo que em no nosso imaginário, eles não ocorram exatamente como queriamos, mas que eles aconteçam! (a fraquia sobreviva!) E que estejamos aqui para contemplar isso!

    Hoje eu estou “Haaappyyyyyy” eu vou ver minha pré em 3D no Shopping Iguatemi Campinas. Meu camarada velho, Fspok me lembrou disso e alcancei a comprar!
    Abraços amigos!

  30. “O Spock de Zachary Quinto também parece ter evoluído sem o peso de Leonard Nimoy por perto para assombra-lo, e muito mais equilibrado. Quinto, cuja atuação fora criticada por alguns antes parece agora mais dono do personagem. ”
    Não vejo muitas linhas para a atuação de Quinto como Spock, em muitos comentários e resenhas de quem assistiu o filme. Será que desta vez Quinto atua de forma convincente do que na primeira tentativa?

  31. URGENTE !!!!!!!!!! URGENTE!!!!!!!!!!!!

    PRE ESTREIA EM SALVADOR HOJE!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    MEU DEUS, NADA DE DIVULGAÇÃO, SE EU NÃO FUÇO OS SITES HOJE, FICAVA SEM SABER!!!!!!!!!

  32. PATA QUI PARIU RUI!!!! Eu como um “Soteropolitano”, me alegro pela Paramount por lembrar da nossa terrinha!!!!
    Coma um “Abará” por mim meu velho!!! Qaplah!!!!

  33. ralphpinheiro | 25 de maio de 2013 at 4:56 pm |

    Já atualizado no artigo, Rui.Obrigado.

  34. Maurício Monteiro | 25 de maio de 2013 at 6:28 pm |

    Mário, é porque o cirurgião tem as mãos firmes (pelo menos é o que me lembro de ter lido e ouvido no dia em que assistí).

  35. É isso mesmo. Mesmo quando criança, assistindo TOS, eu já me perguntava: “o capitão Kirk não tem outra pessoa para fazer o serviço, precisa ser tudo ele?”. Mas Jornada é isso e é o que aprendemos a gostar;

  36. Eu sou cirurgião de dentista, patologista etc… Nunca me pediram para abrir um torpedo, kkkk. Minhas mãos são muito firmes, kkkk

  37. Luiz Jorge Dias | 25 de maio de 2013 at 8:19 pm |

    Alguém aí sabe como anda a bilheteria de STID pelo mundo, no acumulado????

  38. Amigos, cheguei da pre estreia agora.
    Pelo menos no cinema que eu fui… SALA LOTADA!!!!! Alguns fãs até a caráter !!! (Farda escura nova com o logotipo da federação)
    Muito satisfeito com o que eu vi. Garanto ir pelo menos mais uma vez, se sair na sala 3D de telão mais nova que tem aqui em Salvador (Cine Bela Vista). E muitas vezes quando sair em BluRay…

    \//_
    Vida Longa e Prospera a Todos!!!!

  39. Incrível o filme. Com certeza JJ agradou muito não fã (não fã por enquanto), mas este filme foi feito para nós! Ter assistido a série clássica, os filmes, ds9… transforma este filme em uma verdadeira obra de arte dedicada a quem é fã de jornada. Somos privilegiados de “viver” Jornada nas Estrelas, quem nunca viu, saiu do cinema experimentando uns 10% de toda história presente no filme. Saí querendo mais. Vou curtir STO enquanto não vêm o próximo.

  40. Voltei agora da pré estréia em Salvador. O filme e as atuações das personagens superaram minhas expectativas. Em especial de Spock.

  41. Um pouco… ???????!!!!!!

  42. SPOILERS ALERT!!! Rsrs. Pessoal, vi ontem, aliás hoje, rs, meia-noite, no Imax Bourbon SP. Sem palavras, fantástico. Eu nem sonhava que seria de fato Khan, nem que Nimoy apareceria. Nunca gostei tanto de não ter lido spoilers. JJ conseguiu, ele realmente é muito bom, agradou aos fãs e não fãs em cheio. Eu me senti homenageado. Quase gritei “Khaaaan” junto com o Spock, rs. Voltarei ao cinema, claro. Abraços!

  43. Grande Waldir!!!
    Ótimo que vc pode ver em Imax 3D!!
    Ontem assisti em 3D no Frei Caneca e tava quase lotado!!,uma ou outra cadeira vazia somente.

    Pra segunda semana de pre estreia em SP,o boca a boca deve tá funcionando,continua lotando!!

    Como estava a sala em que vc foi?
    VLP!!

  44. Estamos falando de ST de Roddenberry e ST de JJ, mas, pensando bem, o Roddenberry criou uma filosofia para o seriado mas se cercou de inúmeros escritores e roteiristas que fizeram de Star Trek o que ele é, não sendo mais uma obra exclusiva dele. E como uma série de ficção, ela é dinâmica, não apenas na forma e nos dados utilizados para se fazer a ficção, mas também utilizando-se do arcabouço temporal, uma vez que a máxima de Sartre de que o homem é produto do meio em que vive faz com que se crie um ciclo de ação/reação/ação de forma que a série evolua da própria reação que provoca. Se ST incentivou o surgimento de grandes homens tecnológicos, hoje a velocidade da tecnologia nos pega de surpresa e produz uma geração que anda a velocidade máxima fazendo a tecnologia dobrar a cada 2 anos e fazendo com que essa própria taxa se acelere, não se sabendo nem onde vamos chegar, mas faz com que surjam os J.J.´s atualizando a série, como um dia Nicholas Meyer fez, adotando idéias que não agradaram os fãns tradicionais, e hoje todos assimilaram fazendo que seja parte integrante da série (exemplo: os klingons terem naves aves de rapina e escudo de invisibilidade e os vulcanos serem mais emotivos que a idéia pós-original de Gene). Hoje o Meyer diz se arrepender do que fez, mas os fãns não mais lamentam. Daqui a alguns anos, o produto do que foi feito hoje estará no histórico e surgirá, mudando e fazendo parte da mudança da nossa sociedade, fazendo com que novas mudanças (necessárias, mas não compreendidas inicialmente), sejam aplicadas e teremos nova reação dos mais antigos (como eu, dígasse de passagem).
    Temos que estar preparados, pois um dia o próprio ST será deixado de lado e substituído por algo inovador, e nossa amada série será apenas um memória no grande museu do cinema.

  45. Vc acordou melanco-filosófico hoje meu amigo!!!rsrsrs
    Tem toda razão !!

    Ontem fui assistir pela segunda vez e dá pra ver mais detalhes,foi ainda melhor!!

    O cine Frei C. tava lotado!!!

  46. È isso aí!!

    Tem VOY as temporadas não vendidas aqui em dvd no SyFy,passando de 3. a sábado 3:55h de madrugada,se puder gravar e 2.f 14:55hs ou tudo de ST no STAR TREK.COM

    Qual sala vc assistiu?tava lotada?

  47. Minha filha foi no Anália Franco e comentou que estava totalmente ocupado.

  48. Grande Rui!!!
    Tem muito fã aí!!
    Os cines já estão disputando espaço pra exibir STID!!hehehe
    Aqui em SP também sala lotada ontem e Kirk e cia. presentes devidamente caracterizados à lá TOS!!! rsrsrs

    Vc assistiu em 3D ,se abrirem 3D Imax ,vá de novo ,vale muito a pena!!!

    VLP!!

  49. É STID EM MAIO NO BRASIL TODO!!!
    Hahaha, Paramount ,já é a estreia mesmo!!! Em Maio!!!rsrsrs

  50. Lotação esgotada, foi o que me pareceu. Cara, que filme, hein? Saí de lá 2 e meia da manhã falando sem parar, custei a dormir, rs.

  51. E aí meu chapa?!!!
    Viu em Campinas!!??
    Chorou?rsrsrsrs
    Conta aí, tava lotada sala?

  52. Muito bom!!mesmo!!
    Vem aí a nova série de tv,é só continuar a bombar assim!!!

  53. Tá todo mundo falando o mesmo!!
    Vem aí a série de tv!!

  54. Andrea Resende | 26 de maio de 2013 at 10:04 am |

    Pena que aqui em bh não tem Imax e não teve brindes, porque, o filme em 3D foi muito, mas muito foda, olha que eu nem sou fã de 3D….. Me senti uma criança desviando de algumas coisas ( no spoilers por enquanto, até dia 14)

  55. Já pensou se fossem fazer tudo como deveria? Teria que ter um elenco de uns 50 atores!!!!

  56. Minha namorada foi assistir comigo, e chorou na cena do Kirk no reator de dobra!!!!!

  57. Lotação esgotada, foi o que me pareceu. Cara, que filme, hein? Saí de lá 2 e meia da manhã falando sem parar, custei a dormir, rs.

  58. Fspok, já abertura onde aperece o logo de Star Trek “os zóios começam a arder…” Eu fui sim no Cinemark Iguatemi – CPS. Procurei um poster pra tirar foto e não tinha… Mas estava quase lotado! Não tinha ninguém vestido com roupa de ST, mas o filme foi show! Eu tinha visto o “CAM” e perdi muito dos diálogos, e ontem fiquei muito feliz por dezenas de “menções” de várias séries, como a “sessão 31” de DS9, Khan e até os “Pingos!”. Para alguém que já acompanhou todas as séries de ST, esse filme foi mil vezes mais gratificante que o primeiro de 2009. Os Klingons por exemplo, deveriam aparecer no filme de 2009, quando o Nero ficou preso, mas foi cortado na edição final. algumas cenas desses “novos Klingons” aparecem no extras do Bluray do filme de 2009. Eu fiquei muito otimista com a “deixa” final de que vem uma série! No final Kirk e Scotty falam sobre a missão de 5 anos que está por vir. Então, vida longa á ST!

    Eu adorei esse filme! Foi mesmo tudo aquilo que vocês disseram! em 3D foi show!!!! Agora é esperar o Bluray e ir fazer a pipoca….

  59. Maurício Monteiro | 26 de maio de 2013 at 11:38 am |

    E aí? Percebeu os detalhes de que lhe falei?

  60. Ontem fui na pré-estreia aqui de Porto Alegre. Sala IMAX lotada! Definitivamente J.J. levou a franquia a patamares inéditos. Havia pelo menos cinco espectadores com uniformes de Jornada, entre série clássica e nova geração. Quanto ao filme, já imaginava que fosse melhor que o de 2009, mas não tanto. A trama é muito mais redonda, cheia de referências para os fãs, e só imagino o Abrams e seus roteiristas rindo, imaginando a reação dos trekkers xiitas ao que eles fizeram, pegando elementos clássicos da mitologia Trek e invertendo-os, O “Robocop” Peter Weller renascendo das cinzas e dando show como vilão, e o Benedict Cumberbatch, o vilão mor… se há várias razões pra se ver o filme, ele é a maior. Ele é fantástico, e teve vários momentos que torci pra ele. Sério. Quanto ao IMAX 3D: antes da projeção não me impressionei muito. Simplesmente um telão que ocupava toda a parede frontal do cinema, mas certamente nos tempos do cinema de rua, especialmente no Baltimore daqui (Cinerama 70mm), já vi telas maiores. No entanto, mesmo na última fila a gente fica MUITO perto da tela, e quando começou o filme… putz! A qualidade de som e imagem é espantosa. No início a quantidade de informação visual (sem falar no som, envolvente e de tremer os ossos), me deixou estonteado, levei uns 5 minutos pra me adaptar. E o filme inicia num ritmo frenético, se o termo “montanha russa no cinema” se aplica em algum caso, é neste.

  61. Minha filha chorou muito nesta cena também.

  62. Ralph, Vi ontem em 3D no Cinemark -CPS, cara show! Bom-Para-Karamba! Endosso seu comentário!

    JJ Fez uma upgrade da franquia muito show! Não dá pra comparar. E digo mais! A gurizada de Star Wars vão também ter esse “Shock” que nós tivemos, mas é uma outra “pegada” do mesmo! Esse filme é muito melhor que o filme de 2009! Quem é fan de “alma” de jornada, vai se sentir homenageado em várias cenas com referencias de todas as séries. Eu fiquei muito satisfeito! E a “deixa” de que pode vir uma série, me fez sonha de novo!

    Em julho estarei lá de novo pra ver a versão dublada! E depois é só esperar o Bluray….

    Pra finalizar, eu posso falar sem receio e com convicção, que: – Não existe, Utopia mais reconfortante e mais interessante que a de Jornada! Porque é uma Utopia 100% viavel, de seres humanos, “Zero” de magia e fantasia, e que está seguramente em nossa linha evolutiva!… 8^)
    Qaplah! E quero ver mais Klingons!!!!

  63. Minhas impressões sobre esta crítica, após ver a pré estréia, ontem a noite em Salvador (há spoilers nos meus comentários):

    1. “Chris Pine está vez ainda mais a vontade com seu personagem, mas ainda é impressionante como cada vez ele mais “emula” o Jim Kirk de Willian Shatner e é cada vez mais difícil separar um do outro.”

    (Parabens à Pine. Simplesmente perfeito.A melhor atuação da tripulação clássica na minha opinião. Shatner deve estar orgulhoso.)

    2. “O Spock de Zachary Quinto também parece ter evoluído sem o peso de Leonard Nimoy por perto para assombra-lo, e muito mais equilibrado. Quinto, cuja atuação fora criticada por alguns antes parece agora mais dono do personagem.”

    (Ao contrário da atuação questionável do filme anterior, Desta vez foi diferente. Finalmente Quinto encontrou seu lugar. Atua de forma convincente e deu confiança aos fãs clássicos de que o novo Spock se encontrou na trama e nos lembra a carismática personagem que imortalizou a série clássica.)

    3. Sobre J. J. Abrams.

    ( Já havia visto vários filmes dele e não tinha gostado de nenhum, em relação ao enredo e roteiro. Apenas gostava dos efeitos e nada mais. Porém, pela primeira vez gostei de um filme dele e, especialmente, deste roteiro. Indubitavelmente o melhor que ele já produziu.)

    4. Spock prime.

    (Aparição que valorizou, ainda mais, o filme. De forma equilibrada Nimoi, mata saudade dos fãs mais clássicos e antigos e sempre, com a qualidade de que lhe é peculiar).

  64. Carlos Henrique B Santos | 26 de maio de 2013 at 5:39 pm |

    Zachary Nimoi, obrigado pelo comentário.

  65. Eu sabia!!!
    Na telona é melhor,muito bom filme mesmo!!
    Tá todo mundo falando em salas lotadas!!
    No Brasil todo…será que temos trekkers e novos interessados em ST no Brasil ?!! Rsrsrs
    Será que vale a pena uma visita dos atores e da produção de STID ao Brasil em Junho?! Pelo menos no RIO E SP como foi em outros países!?!?
    Paramount!! Tamus aqui!!!

  66. Aí Sr. Fspok! Anote aí em seu caderno! Se o elenco vier em TerraBrasilis, especificamente em SP, nóis vamos buscar o “Trekker” na “rodô” do Tiête, vamos juntos nessa bagaça, e depois nóis nos “acabamos no árcoll !!!!” rsrsrsrs Anote aí hem?!?!
    Trekker! Passa o horário do ônibus ou do Vôo, nois te paga pra fazer uma zueira em Sampa!!!

  67. Nem tanto, é só escrever direito. Na cena comentada, qualquer camisa vermelha com o braço preso serviria de motivo de colocar o medico no local. O que não se pode é ter escritores bem pagos e 2 anos e compara -los com os redatores que precisam entregar o trabalho em uma semana. Comparar o filme ao seriado semanal, com seus custos modestos e prazos apertados é injusto. De qualquer fora, houve um avanço no enredo para o filme de 2009, o filme anterior foi horroroso. Porém, é sempre bom melhorar.
    Não é necessário 50 atores, só um par de bons escritores.

  68. Sim, sim, sim… mas o fato de gostar ou não, não é o caso (não vi ainda, mas estou doido “pra gostar”. Só achei estranho um dizer que é sci-fi (acho que foi o “Lindolfo”) e o JJ dizer “…deixa ficção-científica de lado e aposta em ritmo de aventura”. Deixar de lado é deixar de lado e pronto…. Se tivesse dito “privilegiou o ritmo de aventura”, seria mais compreensível. Não li o artigo, vou legar agora e depois digo algo mais. Valeu…

  69. Sim, sim, sim… a série não é “pura” consigo mesma.

  70. Trekker é sinônimo de nerd. Não conheço nenhum descomungado dessa raça de trekker que não seja nerd.

  71. Invejinha….

  72. É que tem que ter o raio do mocinho…

  73. Você voltou, meu fio?!!

  74. Enquanto isso CURITIBA e seu IMAX ……NADA de star trek por aqui só dia 14/06 🙁

    reportagem no fantastico agora com entrevistas do elenco de star trek

  75. Pessoal, não sei se alguém já viu, mas hoje pela
    primeira vez assisti um comercial na TV brasileira de STID. Foi hoje,
    domingo, dia 26, por volta do meio dia no intervalo do filme De Volta
    para o Futuro no canal Megapix da SKY.

    E também neste domingo passou uma reportagem sobre o filme no Fantástico, com direito a entrevista do elenco e tudo.

    É STID finalmente chegando á mídia brasileira.

  76. Só uma duvida a paramonga brasil responde em algo a paramount americana??? Porque depois da reportagem que acabou de passar no fantastico vai ter executivo da paramonga brasil enfiando 3 dedos no c* e rasgando de raiva de só lançar o filme no pais dia 14/06 sendo que poderia ter feito isso nessa sexta dia 24/05 e aproveitar que tem muita gente vendo o fantastico agora e com certeza iria no cinema essa semana.

  77. Reportagem fantastica, até que enfim STID na Globo , plimplim!!!

  78. Tá fechado!!!
    E se for só no RIO ,o Trekker vai ter que mandar uma nave auxiliar dos pingos ,nos buscar em SP !!!rsrsrs

  79. O filme já ultrapassou os 102 milhões de dólares no mercado internacional, na próxima semana estréia na China e Coreia, amanhã o filme deve ultrapassar os 250 milhões no total mundial!

    Parece que o filme está indo muito bem nos EUA nesse fim de semana, considerando o estouro de Velozes e Furiosos e a estréia de Hangover 3.

  80. Vai chegar em 600,vc vai ver!!!
    Só esperando agora, a nova série na tv!!!

  81. Acho que agora a Paramount Brasil vai aprender!!

  82. Eu acho que o TB já pode mudar o contador do site pra “EM CARTAZ NO BRASIL HÁ 9 DIAS”, EM vez de pré estréia,já tem cine anunciando o filme pra dia 30.05,de novo!!!

  83. Mas já teve pré em 3D em Curitiba ,certo?

    Vc foi?tava lotada a sessão!!??

  84. Gostei como vc!!
    Como vc é craque de cine me diz onde foram parar os 2 red shirts depois da missão com Kirk,Spock e Uhura?Cadê Cupcake ?

  85. Gostei muito do filme!!
    Um dúvida! Pra onde foram os 2 red shirts da missão com Kirk,Spock e Uhura?

  86. Jorge Barros  para FSPOK • 3 horas atrás−

    Aí Sr. Fspok! Anote aí em seu caderno! Se o elenco vier em TerraBrasilis, especificamente em SP, nóis vamos buscar o “Trekker” na “rodô” do Tiête, vamos juntos nessa bagaça, e depois nóis nos “acabamos no árcoll !!!!” rsrsrsrs Anote aí hem?!?!Trekker! Passa o horário do ônibus ou do Vôo, nois te paga pra fazer uma zueira em Sampa!!!
    Fspok pra JB, 3HS ATRAS,

    Fechado JB !! E se vierem só no RIO, o Trekker vai ter que mandar uma nave auxiliar dos pingos, nos buscar em SP!!rsrsrs

  87. Facebook User | 26 de maio de 2013 at 10:52 pm |

    Teve o tal poster pro público no Bourbon Wallig que estavam distribuindo no IMAX de São Paulo semana passada?

  88. Não. Malditos!

  89. They are dead Jim!

  90. Eles precisavam já colocar o filme amanhã nos cinemas, depois desta reportagem de abrangência nacional. Pelo que vi só na quinta teremos algumas sessões, ainda em pré-estréia. Que perda de oportunidade.

  91. Aonde vai a “cervenharia”, eu vou atrás! HIC!

  92. Pois é, eu vi na Internet, vários cinemas vão passar na quinta próxima.

  93. Pessoal !!
    Alguém notou o som da nave USS VENGEANCE atrás da Enterprise em velocidade de dobra?

    Quando está pra alcançar a USS 1701,o som é idêntico ao das naves imperiais de Star Wars,durante os primeiros segundos, depois muda pra um som como de freada, JJ tinha que por alguma coisa de SW!!! É dose!! Nada contra SW mas não precisa misturar tudo né…..

  94. Concordo acho que vou de novo!!rsrsrs

  95. I agree!!

  96. Facebook User | 26 de maio de 2013 at 11:03 pm |

    Isso me lembra do computador M-5. O Kirk cita quem vai no grupo avançado e o computador cita um grupo totalmente diferente que fazia muito mais sentido. Já que o computador não deu certo, é muito mais vantajoso ser amigo do capitão. 😛

  97. Cara, eu achei também isso na hora, mas preciso rever para confirmar.

  98. aqui não teve nada

  99. executivo otario é assim, a globo mostrou até “a nova geração” é uma boa hora para lançarem os dvds que estão faltando de voyager e ds9 e aproveitar que a série está bombando, mas como o pessoal da paramont brasil é lesado vão deixar passar essa propaganda gratis da globo em horario nobre (30 segundos no horario do fantastico deve custar uns 50 mil reais) e perder de faturar.

  100. Mas Jean, teve pré estreia em Curitiba 25.05,ontem!vc não soube?

  101. Assisti no BH shopping. Tava cheia cara. A paramount brasil tinha que entregar as temporadas faltantes de ds9 e voy. Ja passou da hora. Vc assistiu em qual?

  102. não fiquei sabendo de nada, tenho cadastro no ingresso.com e não recebi nenhum e-mail e normalmente eles enviam, aqui também ninguem falou nada….. 🙁

  103. ralphpinheiro | 27 de maio de 2013 at 7:14 am |

    O caça Klingon perseguindo a nave de Kirk e Spock também faz rapidamente um som de caça imperial

  104. ralphpinheiro | 27 de maio de 2013 at 7:15 am |

    Não chegará a isso FSPOK, mas deverá ultrapassar a marca de 2009.

  105. ralphpinheiro | 27 de maio de 2013 at 7:24 am |

    Nem todo mundo assiste Fantástico. Agora, o próximo passo é lançar spots TVs, assim o público vai assimilando aos poucos o filme e sabendo que existe nova saga de Jornada.

  106. Star Trek de 2009 ficou em 385 milhões, a melhor bilheteria de Jornada. Star Trek 4 ficou em 133 milhões, Star Trek The Motion Picture com 139, First Contact com 146 milhões, segundo a Wikipedia, creio que estes foram os mais vistos da franquia depois do filme de 2009. The Wrath of Khan, acreditem, apenas 97 milhões, ainda segundo a Wikipedia. Para comparação Star Wars Episódio I passou de 1 bilhão, mas Star Wars II Ataque dos Clones ficou próximo de 650 milhões ( estes dados de SW peguei no http://www.boxofficemojo.com). Se STID ficar próximo de 600 milhões será ótimo. Abraços!

  107. Joao Marreiro | 27 de maio de 2013 at 10:51 am |

    Excelente artigo. Também achei o Zac Quinto mais à vontade, muito bem utilizada a descrição “mais dono do personagem”. Uhura é um show à parte e o Kirk do Chris Pine parece naturalmente parecido com o de Shatner (positivamente impressionante).

    John Harrison é um personagem realmente mais complexo, profundo e ameaçador que Nero.

    As referencias a outros momentos de Star Trek foram muito bem encaixadas. Não achei exagero em nada. Não-trekers não se sentirão perdidos de forma alguma. É um bom filme para várias tribos e acho que os fundamentelistas também vão se divertir com esta Jornada.

    Aqui em Fortaleza o fã Clube Grupo Avançado se reuniu numa das seções de pré-estréia e promoveu o reencontro de vários trekers que começaram nessa jornada lá em Star Trek VI 🙂 Excelente filme.

    Parabéns novamente pelo artigo. A turma do Trek Brasilis está de parabéns pelo site e pelo serviço de utilidade pública que oferecem a trekers e não-trekers. Sempre indico pros meus amigos.

  108. Anháf Anháf Anháffff… Huê Huê Huê!!
    Pow, como diz Spock: há sempre possibilidades.

  109. Aaaaaahhhhh!!!! Pilantra! Ficou mamando direto na fonte e deixou “nóis” aqui chupando dedo!! Tomara que tenham colocado Malt 90 naqueles cilindros da cervegenharia e te dê uma baita dor de barriga…

    Huá Huá Huá!!!!

  110. Alex Altorfer | 27 de maio de 2013 at 11:48 am |

    Sim, notei o som do caça Klingon, mas não o da Vengeance. Vou prestar mais atenção.

  111. Carlos Henrique B Santos | 27 de maio de 2013 at 9:11 pm |

    João, ficamos felizes tanto pela percepção que vocês tem do trabalho do TB e igualmente felizes por termos um bom filme para discutir. Obrigado pelos comentários. Abração.

  112. Carlos Henrique B Santos | 27 de maio de 2013 at 9:12 pm |

    KKKKKKKK !!!!!!! Boa,,,,,

  113. E a FUP.?entra no fade da FUP.

  114. Concordo com vc!!
    Devemos pensar num Encontro Nacional Trekker pra 2016!!
    50anos de ST!!
    Certamente o TB pode ajudar a nos organizarmos!!

  115. Maurício Campos | 15 de junho de 2013 at 10:41 pm |

    Tá, mas e o enredo, o filme e o roteiro, tem algum sentido prá vc ?

  116. Fecho com as resenhas do Trek Brasilis (links na página principal do site) .

  117. Maurício Campos | 16 de junho de 2013 at 1:23 pm |

    Fui lá ontem e estavam distribuindo.

  118. Maurício Campos | 16 de junho de 2013 at 1:24 pm |

    As falhas aparecem mais no terceiro ano da série.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*