A USS Enterprise redesenhada para Star Trek Discovery

A USS Enterprise é a nave mais conhecida de Star Trek, tornando-se uma clara identificação com a franquia. Eis que, após o fim da série original, ela ressurge em Star Trek Discovery com um desenho mais moderno. Veja como foi esse processo para redesenhá-la.

O modelo original da Enterprise usado na série dos anos 60 está atualmente no Air & Space Museum Smithsonian. Tivemos vários projetos da USS Enterprise no cinema, e sua aparição mais recente é em Discovery, nesta segunda temporada, que gerou discussão entre os fãs a respeito de algumas mudanças no design.

Resultado de imagem para Air & Space Museum Smithsonian uss enterprise

O redesenho da nave gerou críticas no fandom, levando, posteriormente, a CBS a esclarecer que as mudanças de design feitas foram pelas equipes de design criativo e VFX para aproveitar a mais recente tecnologia.

A CBS TV Studios, de fato, tem o direito de usar o design da nave USS Enterprise da série de TV anterior e não é legalmente obrigada a fazer alterações. As mudanças no design da nave foram criativas, feitas para utilizar a tecnologia VFX de 2018.

Esse processo de redesenho foi explicado através de uma revistinha que acompanha o modelo vendido pela empresa Eaglemoss.

 U.S.S. Enterprise NCC-1701 1

O processo de design

A revista explica que, no final da primeira temporada de Discovery, o departamento de arte do programa foi reduzido a uma pequena equipe, constituída do designer de produção Todd Cherniawsky, o artista e ilustrador de conceitos John Eaves, o diretor de arte da VFX, William Budge, e o artista de efeitos visuais Scott Schneider. Eaves já havia projetado a NCC-1701-B em Star Trek Generations e a NCC-1701-E para Star Trek First Contact.

Eaves disse à Eaglemoss: “Antes de nosso Designer de Produção, Todd Cherniawsky partir, ele nos deu a Enterprise”. Eaves e o resto da equipe sabiam que a Enterprise seria vista na segunda temporada de Discovery, mas uma decisão foi tomada para mudar sua aparência e levá-la ao final da primeira temporada.

O processo de produção ficou assim definido: Eaves produziria esboços iniciais, Schneider os transformaria em modelos 3D, Eaves trabalharia com Schneider para pintar detalhes extras no modelo, então Budge trabalharia no nível final de texturização e detalhe. Todos os três realmente trabalharam remotamente, com Eaves e Budge apenas se comunicando através da internet no momento da publicação.

De acordo com Schneider:

Quando começamos a desenvolvê-la, não tínhamos roteiro. Nós só tínhamos um esboço, além de algumas anotações menores no caminho. Houve muito pouco feedback, então foi praticamente deixado para nós três. Esta foi a nossa hora de ouro.

Acrescentou Eaves:

Houve uma sugestão inicial de que a Enterprise seria muito diferente da versão original de Matt Jefferies, e teria um design mais adequado às outras na época de Discovery, mas essa ideia foi logo abandonada. O resumo foi simples: invente a versão do original para Discovery .

A revista traz um desenho mostrando a evolução dos designs da Enterprise pela equipe até a versão final.

Fazendo a Enterprise original encaixar com o visual de Discovery

Eaves começou o processo produzindo uma série de dez esboços para ilustrar como a nave clássica poderia ser alterada. Eaves queria simplificar a Enterprise para dar uma aparência elegante de Discovery, mas, ao mesmo tempo, manter a forma mais próxima da original. Como a equipe estava ciente de que a Enterprise que eles estavam projetando para Discovery – estabelecida em 2256 – seria a mesma comandada pelo Capitão Kirk na série original, eles teorizaram que a versão deles poderia ser reformada ao longo dos anos para se tornar a Enterprise de 2266, a de Kirk. A teoria deles era de que vários componentes da nave, como as naceles de dobra e os motores de impulso, seriam trocados ao longo do tempo, então a equipe começou a projetar versões primitivas deles.

Schneider explica:

Nós estávamos constantemente tentando nos conectar com a arquitetura passada e futura das naves da Frota Estelar. Foi realmente uma parte divertida de todo o processo. Nós tentamos amarrar coisas no NX-01 e coisas que viriam no futuro, como a Enterprise-B. Então, no fundo dos motores de impulso, há esses pequenos detalhes de ventilação que você vê no fundo da B. Estávamos tentando amarrar na era Discovery, então fizemos uma antena dupla na frente [do prato defletor] e uma cunha em cima das luzes [iluminando o registro da nave].

Durante o processo de design da equipe, Cherniawsky mudou-se para outro projeto e foi substituída por Tamara Deverell. Como Cherniawsky, Deverell estava muito interessada em garantir que a equipe respeitasse o original. Schneider observa:

Há pequenas coisas que fizemos ao longo do caminho onde adicionamos detalhes para tentar mantê-la o mais próximo possível da original. No começo, nós tínhamos a bola na parte de trás das naceles, como na versão original construída para “The Cage”. Mais tarde, nós entramos em uma reunião com Deverell, discutimos e eu disse: ‘De fato, cronologicamente, deveríamos estar fazendo isso. Então colocamos as grades lá.

Detalhes que não serão vistos?

A revista revel que a equipe também adicionou uma série de detalhes que provavelmente não serão vistos na série, como o que significou as marcações na parte inferior do casco secundário. Eles acrescentaram uma escotilha de ejeção do núcleo da dobra e adaptaram os números no casco secundário para homenagear os pioneiros de Star Trek, como Gene Roddenberry, Matt Jefferies, Andy Probert e Doug Drexler. Foram produzidos códigos de casco que incluíam seus aniversários, resultando em ‘GR0821’, ‘MJ0703’, ‘AP0946’ e ‘DD0353’.

Eles também adicionaram propulsores RCS, emissores de feixes de trator e lançadores de torpedos de popa e bancos de phaser (alguns desses recursos foram mostrados pela primeira vez na nave irmã da Enterprise, a USS Defiant em “In Mirror, Darkly”, da série Enterprise). Como os emissores phaser e os lançadores de torpedos nunca foram mostrados na parte de baixo do disco durante a Série Original, dois lançadores de fótons foram adicionados acima da cúpula do sensor ventral, bem como bancos de frente, estibordo e faser de porta. Veja um detalhe abaixo pela revista da Eaglemoss.

A equipe também abordou a questão da Enterprise de Jefferies ter um eixo de turbina diretamente atrás da ponte na linha central, enquanto o conjunto da ponte colocava as portas do turbo elevador em um ângulo. Essa discrepância levou muitos fãs a especularem que a ponte estava posicionada em um ângulo, em vez de estar diretamente voltada para frente.

Disse Eaves:

“Uma coisa legal que Schneider fez e que você nunca verá,, foi fazer o turbolift funcionar. Ele teve a ideia de que você entra no turbolift e gira no tubo e depois cai.

Schneider acrescenta:

“Você tem um poço de elevador na linha central e dois elevadores de espera para o lado. Então, um deslizava de um lado para o outro e descia o tubo, e outro entrava. É por isso que você pode pegar um elevador tão rápido, porque sempre há pelo menos dois em pé e isso explica por que há um eixo central.

Cores e texturas

Depois que Schneider apresentasse os desenhos de Eaves, Eaves ajudaria a colorir o casco. Em alguns exemplos, Eaves experimentou um design asteca que havia sido introduzido com a Enterprise, e estava sendo usado em todas as naves da Frota em Discovery. Ele também produziu versões com uma textura metálica simples que refletia a visão de Jefferies de que o casco da nave era feito de um material avançado que podia ser moldado para cobrir vastas partes do casco, em vez de depender do revestimento menor que produzia o efeito asteca. Nesses desenhos, Eaves adicionava elementos ao disco que combinavam com o visual da Enterprise em “The Cage”.

A versão final

O processo de design levou a equipe a seis meses (de abril a outubro de 2017). Em seguida, o grupo entregou seu modelo à equipe de VX para que criassem um modelo de maior resolução que seria usado na tela. Schneider lembra que ele “enviou a equipe de VFX um modelo de malha, e basicamente a reconstruíram. Eles fizeram algumas mudanças no design”. Trabalhando em coordenação com os produtores da série, a equipe de efeitos visuais alterou algumas das proporções do design. A mudança mais notável feita pela equipe de VFX foi a de varrer colocar os suportes das naceles de volta inclinados em flecha, como no filme Jornada nas Estrelas: O Filme.

Esperamos ver mais vezes a nova Enterprise, ou em Discovery ou quem sabe numa nova série.

Fonte: TrekMovie

Be the first to comment on "A USS Enterprise redesenhada para Star Trek Discovery"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*