Jeff Russo comenta sobre trilha sonora de Picard

Jeff Russo é compositor, músico e produtor musical, além de ser um dos membros fundadores da banda de rock americana “Tonic”. Ele também é produtor de trilhas sonoras para cinema e TV, incluindo “Fargo”, “Counterpart”, “The Umbrela Academy”, “Altered Carbon”, “Lucifer”, “Legion” e dos games “What Remains of Edith Finch”, “Long Shot”.

No universo de Star Trek, Jeff Russo foi autor das trilhas sonoras para as duas temporadas da série Discovery e também dos Short Treks “Runaway”, “Calypso”, “The Brightest Star”, “The Escape Artist”. Atualmente ele compõe para Star Trek: Picard.

Durante o lançamento da trilha sonora da primeira temporada de Picard, Jeff Russo concedeu entrevista ao site Trek Movie, onde falou a respeito de seu trabalho na nova série.

Jornada nas Estrelas: Picard - Temporada 1 (Trilha sonora da série original)

Diferença entre as músicas de Picard e Discovery

Para Russo, a série Picard em si possui uma vibração totalmente diferente, por ser uma série muito mais contemplativa, enquanto que Discovery tem um sentido mais amplo. “É muito mais a jornada de um homem em auto-avaliação para corrigir as coisas que ele sentiu que pode ter feito errado ou incorretamente, ou coisas que ele não foi capaz de realizar”, disse o compositor.

Por conta dessa vibração contemplativa, foram usados instrumentos musicais diferenciados dos usados em Discovery, “Definitivamente, estou utilizando mais flautas em Picard e definitivamente utilizando uma seção de instrumentos de sopro menor e um conjunto menor de trompas do que em Discovery”, disse o músico prosseguindo, “Não é tão aventureiro. A percussão também é muito menor e usa mais percussão individual do que a percussão de conjunto. A seção de cordas para Picard era na verdade um pouco maior, mas era porque eu queria poder realmente acentuar certas estruturas melódicas. De um modo geral, o tamanho da orquestra não é necessariamente o que muda o tom ou o som; é realmente sobre como essa orquestra é utilizada”.

Usando os clássicos de Star Trek

Para usar um clássico Trek no momento certo, Russo procura ver o lado do criador de como contar uma história, e também a partir da perspectiva do fã.

Nesse ponto, ele cita um exemplo em Discovery quando a cena encaixava um clássico da série original,

“… quando você viu a Enterprise pela primeira vez, bem, sim, o tema de Alexander Courage precisava tocar lá. Presto homenagem e dou muita deferência aos compositores de Star Trek que vieram antes de mim, todos eles…. Então, quando tiver a oportunidade de acenar com o tema de [Jerry] Goldsmith em Star Trek: O Filme , eu vou fazer. Não se trata apenas de jogá-lo por jogar. Eu tento usar essas coisas quando sinto que é importante para a narrativa”.

Dividindo a trilha em três atos

“Parece uma peça de três atos para mim”, disse Russo. “Os primeiros três episódios em que ele estava preparando sua jornada e reunindo uma equipe são meio isolados. E então, os próximos quatro episódios, saindo e procurando as coisas que ele precisava para conseguir o que precisava, em sua jornada, é o segundo ato, e os três últimos são o terceiro. Eles estão todos ligados, é tudo uma história só, mas para mim eu estava tratando isso em três partes diferentes, do ponto de vista melódico”.

Contando a história com música

“Estou ajudando a contar a história de uma maneira muito mais profunda naquele momento em que tudo o que há é música”, disse Russo citando a cena da valsa de Soji e Narek no episódio 4 (“Absolut Candor”).

“A capacidade de contar a história com música e sem muito diálogo é muito divertida para mim. Essa é uma parte muito cinematográfica da forma de arte. Essa é uma das coisas sobre as quais conversamos no início do trabalho nesta série. Alex [Kurtzman] e Michael [Chabon] queriam que fosse uma série mais calma. Eles queriam que fosse mais cinema e, quando digo “cinema”, não quero dizer que seja como um filme, porque abordamos em Discovery do mesmo jeito. O que quero dizer com cinema, estou falando daqueles longos momentos que você sente nos filmes, em peças dramáticas. Aqueles podem estar ausentes da televisão. Na televisão, eles só querem chegar rápido, chegar ao ponto. Tentamos não fazer isso. Queríamos deixar o público chegar lá. Quisemos sentar por um momento em cena. Deixe a cena ser a cena. Deixe a música entrar e ajudar a contar a história. Essa é uma maneira muito diferente de fazer televisão. Eu tento fazer momentos assim acontecerem em tudo que faço, porque para mim esses são os melhores momentos. Eu amo esses momentos! É disso que os sonhos são feitos para compositores”.

“Blue Skies” com Isa Briones

“É tudo divertido e frustrante, assustador e aterrorizante. Há muito o que fazer até aqui. A parte dos créditos finais para o episódio 10 (“Et in Arcadia Ego, Part 2″) foi um grande momento decisivo para mim, querendo realmente trazer uma espécie de sentimento arrebatador e um sentimento mais empolgante ao final da temporada. A sugestão final para o episódio 10 antes disso, e apenas toda a sequência final quando gravamos “Blue Skies” com Isa [Briones], e toda a sequência daquele momento até o final da série foi um quebra-cabeça complicado de tentar juntar a música e depois a partitura depois e depois terminar os créditos, e levar o ouvinte até o final”.

Não fazer da música uma sequência de A Nova Geração

“Nós não estamos fazendo uma sequência. Esta é uma história diferente. Isso está fora disso. Agora é uma vida diferente, um mundo diferente, um tudo diferente. Não estamos tentando fazer a sequência de A Nova Geração, então não se trata de precisar usar essa música o tempo todo. Era realmente sobre querer utilizar esse motivo para evocar um sentimento sobre a nostalgia do que esses personagens poderiam estar sentindo, já que eles não se viam há tanto tempo e eu queria que o público sentisse isso também. Você não pode simplesmente colocar papel de parede. O que você faz é tão impactante quanto o que você não faz logo antes”.

Manter a mesma música para segunda temporada?

“Não é minha decisão, mas se dependesse de mim, diria que é o tema dele. Isso para mim é o que ele é, como ele se sente, onde está na vida e onde esteve e para onde está indo. Estou muito feliz com a forma como funciona para esta história em particular. Há um arco maior envolvido e coisas das quais não estou no controle. Poderia me perguntar? Claro. Eu ficaria hesitante? Não sei, porque ainda não sei como serão os próximos dez episódios. É difícil responder a essa pergunta, mas estou muito satisfeito com o que sente nesse contexto”.

A Lakeshore Records, lançou um novo álbum com a trilha sonora de Star Trek: Picard produzido por Jeff que esta disponível em mídia física e nas plataformas digitais, como Spotify, Tidal e Deezer, desde o dia 3 de abril.

Be the first to comment on "Jeff Russo comenta sobre trilha sonora de Picard"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*