Durante o painel sobre Star Trek Discovery no Fan Expo Canadá, o  diretor de arte Matt Middleton e membros de sua equipe compartilharam algumas idéias exclusivas sobre o design da série, com foco principal nos interiores das diferentes naves.  Infelizmente, eles não permitiram nenhuma fotografia, mas disseram que as cores evoluirão mais para a série original.

O diretor de produção Todd Cherniawsky (que falou via Skype em Los Angeles) afirmou que todos levaram a sério os comentários e as críticas dos fãs:

Para todos nós que tivemos a chance de trabalhar na série, este é um material muito, muito precioso para nós. Tudo isso formou nossa infância. Todos nós somos fãs. Então, cada decisão que foi feita ao longo do caminho foi cuidadosamente pensada. Também apreciamos as críticas e preocupações da franquia.

Em seguida, o Diretor de Supervisão de Arte Mark Steel relatou que a série emprega 7 diretores de arte, 9 ilustradores, 35 designers e mais de 450 pintores, carpinteiros, escultores, fabricantes de modelos, set-dressers e construtores de suporte. Todas essas pessoas estão em Toronto, Montreal, Calgary e Los Angeles. Ele disse que a série está sendo filmada em 6 galpões em Toronto e mostrou uma sobreposição comparando as etapas originais da Desilu de 1966 com os atuais cenários de Discovery. Os cenários da série original ficaram reduzidos em comparação.

Já Timothy Peel, designer gráfico, começou a exibir alguns de seus trabalhos sobre as naves da série. Ele falou do esforço para tornar a aparência das interfaces nesta série compatíveis com o mostrado em Enterprise, na série original e até mesmo um pouco de A Nova Geração. Na verdade, ele considera o designer Mike Okuda, seu “deus” e observou:

“Tento honrar a aparência, mas a tecnologia é melhor”, referindo-se às ferramentas disponíveis hoje.

Peel, então, ao exibir uma das interfaces da USS Shenzhou, ele comentou o esquema de cores:

Isso é um pouco azulado. Elas são uma espécie de restrição a todos os esquemas de cores e avançarão lentamente e se tornarão mais coloridas à medida que nos aproximamos da série original, e por outras razões que não posso revelar.

Ficou para o Diretor de Arte, Matt Middlet, falar sobre o trabalho realizado para criar a nave Klingon, Sarcophagus, que ele descreveu como uma “catedral no espaço”. Middleton disse que o esboço original de Bryan Fuller exigia que o set funcionasse como “Uma igreja, um espaço ritual e uma ponte funcional”.

Middleton disse que a nave foi “um exercício para nós, de como podemos fazer isso mais intrincado, mais elaborado e mais digno do universo de Star Trek”. O objetivo do projeto da nave foi descrito como:

Um alto nível de detalhes sofisticados para uma raça que há muito foi percebida como brutal, mental e simplista, para dar nova vida à raça Klingon e elevá-los ao status nobre e à posição adversa digna de que esta nova iteração da série exigirá.

Segundo os designers, a nave contém vários níveis, mezzaninos e “pontos focais para o encenamento dramático de nossos líderes Klingons orando para seus seguidores e criando lugares dramáticos onde desempenha o poder e as transferências de poder que podem ocorrer”. Além disso, os diferentes níveis permitem uma “ação de aventura”.

Para a inspiração, a equipe extraiu as influências bizantinas, medievais, góticas e islâmicas. E uma das fontes para a série que Bryan Fuller mostrou aos designers foi o romance de 1984 The Final Reflection de John Ford. Este livro foi útil como um “ponto de lançamento temático” para os Klingons e para detalhes específicos, como a criação de uma versão do jogo “klin zha” que é jogado para ensinar estratégia militar.

O romance se aprofunda na cultura Klingon, e o roteirista Ron Moore, que escreveu muitos dos episódios sobre Klingons, disse que também se inspirou nesse romance.

Numa entrevista ao TrekMovie, o ator Kenneth Mitchell (que interpreta Kol) disse que achou este livro “uma ótima plataforma de lançamento para entender a profundidade e a complexidade dos Klingons”.

De acordo com o designer gráfico Andy Tsang, a equipe até pesquisou como as linguagens escritas evoluem para que eles possam fazer a linguagem Klingon escrita no cenário da nave Sarcófago parecer “antiga”. Eles também destacaram uma inscrição particular na nave e deram uma tradução do script:

Eu irei agora para Sto-vo-kor, mas prometo que um dia eu voltarei. Então, Kahless aponta para uma estrela no céu e disse: “Procure-me lá naquele ponto de luz”.

Outro destaque do painel veio do Designer de set Matthew Morgan, que mostrou muitos de seus projetos, com foco na USS Shenzhou e na USS Discovery. Ele também explicou que um dos desafios do projeto era que, por medida de economia, os cenários precisavam funcionar para ambas as naves.

Como há duas naves principais para esta série, uma das coisas seria como podemos usar esses cenários para duas naves. Ao alternar elementos diferentes, pinturas de gráficos … O desafio de mudar os cenários era tentar projetar as coisas de uma maneira para que possamos reajustar, para que pudéssemos ir para frente e para trás.

Ele então mostrou exemplos de como isso foi feito com corredores, turbotransmissores e a sala de transporte.

Aqui estão alguns outros pontos comentados durante o painel.

  • Os designers veteranos, John Eaves e Scott Schneider, projetaram a Federação para Discovery.
  • A enfermaria da USS Discovery usa inspirações da USS Enterprise da série clássica.
  • Uma das influências para o projeto dos cenários da USS Shenzhou foram os filmes de 1960 de James Bond.
  • Tanto a USS Discovery quanto a USS Shenzhou possuem uma “sala própria” do capitão.
  • Eles se esforçaram para garantir que os cenários realmente se encaixassem nos projetos exteriores da nave, mas admitem que “há alguma trapaça”.
  • Eles fizeram um jogo de xadrez 3-D.
  • A nave Klingon Sarcophogus não tem exibições de display de toque práticos como nas naves da Federação, mas usa telas holográficas feitas pela VFX na pós-produção.
  • O cenário criado para a Shenzhou foi um desafio porque a ponte está no fundo do disco, então ela teve que ser construída no chão e “de cabeça para baixo”.

Fonte: TrekMovie