Jonathan Frakes fala sobre série Picard e Discovery

O diretor Jonathan Frakes concedeu uma longa entrevista ao site TrekMovie onde falou a respeito de seu trabalho na série Star Trek Discovery e na nova série Picard, além de suas visões sobre o estado de filmes da franquia.

Apresentamos aqui os pontos mais importantes dessa entrevista.

Animado para trabalhar na série Picard

Você disse que estava trabalhando na série Picard, você pode dizer qual episódio ou episódios?

Eu fui reservado pelo que eles chamam de o “segundo bloco”, que são os episódios 3 e 4.

Hanelle Culpepper está reservada para dirigir os dois primeiros…

Sim, eles estão fazendo em blocos. Haverá dez episódios, com cinco blocos … Ela está prestes a começar a filmar, e então eu começo a me preparar depois que ela começar a filmar por alguns dias. Estou muito ansioso por isso que mal posso te dizer.

Os blocos são por razões logísticas ou existem cinco mini-arcos?

Não, eu li os dois primeiros e não é isso. É um filme de dez episódios, como Patrick colocou uma vez. Eu acho que tem a ver com amortização. É uma abordagem muito ambiciosa para a televisão, na primeira temporada.

Obviamente, não podemos entrar em spoilers, mas como você acha que os fãs vão se sentir sobre a série e como ela se encaixa com A Nova Geração e continuando com o legado, no entanto, muitos anos depois?

Dezoito anos depois. Eu acho que os fãs vão ficar emocionados, animados e surpresos. Eu tive o privilégio de ler os primeiros episódios e passei algum tempo com Patrick, que está muito envolvido [risos] Desculpe. É maravilhoso. É inteligente. Estou animado com isso. Ele está obviamente mais animado. O anúncio dele em Las Vegas – que creio que foi ideia dele – foi muito inteligente. Você sabe que ele tem 78 anos, e ele vai levar a série em seus ombros, seus ombros consideráveis.

Estou animado para isso e pessoalmente, me sinto tão abençoado por voltar. É tão irônico que passei tantos anos tentando expandir onde estava trabalhando e tive a sorte de participar de outros tipos de séries. A direção foi uma mitzvá para mim – aprender outra arte. E agora estou profundamente entrosado no mundo em que estive 31 anos atrás – e tenho que dizer – estou incrivelmente grato por isso, entre The Orville, e Discovery e Picard. E esperamos que a imperatriz Georgiou mostre.

Discovery começou a encontrar sua voz?

Você já começou a falar sobre como trabalhar na terceira temporada de Discovery?

Sim. Estou reservado para o episódio três e outro mais tarde na temporada.

Você sente na segunda temporada, que Discovery começou a crescer sua barba?

Ah, excelente pergunta. Eu acho. E lindamente fraseado eu poderia acrescentar. Há poucas pessoas que entendem a importância do “Urban Dictionary da Barba de Riker”. Eu tive que explicar isso para algumas pessoas e estou muito orgulhoso disso. Eu acho que Discovery fez isso e eu acho que muito tem que ser feito – como na nossa série, nós não chegamos lá até a terceira temporada, apesar de eu ter crescido a barba – o ajuste de ambos os lados da câmera: a escrita e os atores … A série me parece que está muito nos trilhos agora e funcionando com força real.

Uma das coisas que tem sido incrivelmente bem-sucedidas é a complexidade da história e do passado de Burnham, e continua a revelar. Muito disso é o brilhantismo de Sonequa [Martin-Green] ao ver vislumbres disso. Esse personagem é tão complexo, tão complicado, tão danificado, tão intrigante e tão inteligente, que fez essa série, na minha opinião. A escolha de Sonequa para guiar a série foi genial.

Nota do editor: A Barba de Riker é uma brincadeira de bastidores. Em A Nova Geração, muitos fãs consideraram que o Comandante Riker deveria ter uma barba no início da Segunda Temporada. Jonathan Frakes fez crescer a barba durante o hiato da temporada, porque ele não gostava de se barbear. Os produtores gostaram da mudança e pediram a ele para manter a barba, após o qual a série ficou sólida e bem recebida pelo resto da série.

Querendo mais de A Nova Geração

Falando sobre tentar recapturar a dinâmica da Série Original, você já se sentiu que em A Nova Geração eles nunca permitiram esse tipo de conflito dramático, principalmente com Riker e Picard ou com outros personagens?

Esse foi um grande problema em andamento. Essa foi a direção de Gene [Roddenberry]. Uma das coisas que faz drama é o conflito e ele foi inflexível sobre não ter conflito dentro da família. E eu estou querendo saber se nós não perdemos oportunidades como resultado. Essa foi uma luta contínua com todos nós como atores, e acho que para os escritores também. É difícil ter todo mundo se dando bem o tempo todo e torná-lo interessante.

Você obviamente se fez essa pergunta de uma certa maneira, é isso mesmo?

Sim. Pela primeira vez, eu só queria que Riker se voltasse para Picard ou pelo menos chegasse em sua sala e discordasse. Não é uma das coisas que um primeiro oficial deve fazer? Trazer diferentes perspectivas? Eu sinto que teria adicionado mais profundidade aos personagens e tem sido uma oportunidade para você, Patrick e outros atores. Eu sempre senti que faltava algo na série.

Estava faltando isso na série, mas eu acabei de me lembrar de que foi bem sucedido quando houve conflito em Star Trek: Primeiro Contato quando Lily (Alfre Woodard) estava na sala de observação e Picard estava arrebentando com suas pequenas naves. Lembra-se disso?

Sim, isso foi ótimo, mas assim que ele tomou sua decisão, Beverly disse “ok, todos vamos morrer, é o que o capitão diz”.

Sim [risos] Eu não estava falando sobre essa cena, eu estava falando sobre a cena anterior. Isso contribui para um melhor drama. Mas, sim, isso muda em um segundo, assim que ele volta para a ponte, tudo mudou.

Como se o fantasma de Gene Roddenberry aparecesse e dissesse: “Todos se dão bem!”

Sim. “Já basta! O que vocês estão fazendo?”

Você sente que depois das sete temporadas de A Nova Geração e quatro filmes, que tanto para você como personagem quanto para a série deixou alguma coisa na mesa?

Oh, oh oh! Marina [Siritis] e eu dissemos – sem ironia alguma – ainda estaríamos fazendo a série se tivéssemos sido convidados. Eu acredito que a série terminou como uma série de televisão para que a Paramount pudesse continuar a franquia do filme. Eu não estou convencido de que o final da série “All Good Things …” tenha sido o fim das histórias que poderíamos ter contado com essa família na Enterprise. Eu não tenho certeza se teve isso nas 21 temporadas de [ Lei e Ordem: ]  SVU, mas certamente tinha mais por vir.

O futuro cinematográfico de Jornada

Com as coisas paradas no lado dos filmes de Star Trek, se assumirmos que Star Trek 4 não vai avançar, o que você faria com a franquia de filmes se estivesse no comando da Paramount?

Alguma luz no rumor maravilhosamente absurdo de Tarantino?

Você não falou com o JJ sobre o projeto Tarantino?

Bem, eu mandei uma mensagem para ele sobre isso e ele disse que era – qual era a palavra? – “excitante” ou “perigoso”. Há algo sobre isso que ele ficou incentivado. Eu acho que o fato de as pessoas estarem assustadas com a possibilidade de ser classificado como R (adulto), torna ainda mais emocionante.

Ele indicou que você estaria envolvido?

Não, de jeito nenhum …

Para fins desta discussão, vamos dizer que acabou também o projeto Tarantino?

É difícil dizer. Eu sou um grande fã não só do Chris Pine, mas do Karl Urban como Magro, eu creio que ele foi mágico nessa franquia. Eu estava entre os membros do elenco de A Nova Geração que gostavam dos filmes Star Trek do JJ e abraçaram seu estilo de filmagem em Discovery. Eu sou um grande fã de JJ. Eu acho que ele é um grande contador de histórias … egoisticamente, acho que estamos todos um pouco velhos para um filme de A Nova GeraçãoEu estava muito, muito animado com a possibilidade de trabalhar com Quentin Tarantino.

Eu também não tenho certeza se Star Trek não está em melhor situação – neste mundo de televisão de alta qualidade em que estamos agora – em relação aquela grande tradição de 50 anos deste programa, que são essas jogadas de moralidade preventiva. O estilo episódico tem sido muito bom para a franquia. Eu mal posso acreditar que estamos no final da segunda temporada de Discovery como um fã. E tenho certeza de que parte disso tem a ver com o fato de eu ter estado no limbo cinematográfico – fiz três filmes de sucesso e um filme massivamente malsucedido e estou nesse limbo desde então. Estou muito grato por estar trabalhando na televisão. Eu também acho que a televisão é o meio agora para novas idéias.

Be the first to comment on "Jonathan Frakes fala sobre série Picard e Discovery"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*