John Billingsley lembra Dr. Phlox e série Enterprise

Star Trek: Enterprise foi cancelada em maio de 2005, após quatro temporadas. A série foi concebida para se situar um século antes da época de Kirk e Spock. e alguns anos antes da formação da Federação. A nave de nome Enterprise (NX-01) dava os primeiros passos da humanidade na exploração de novos mundos. Sua tripulação era basicamente de humanos da Terra. Apenas dois alienígenas estavam a bordo: a vulcana T’Pol, interpretada por Jolene Blalock e um médico excêntrico, o denobulano Dr. Phlox, papel de John Billingsley.

O site TrekMovie conversou com John Billingsley que lembrou de seu tempo trabalhando na série e sua a vida após Enterprise. Selecionamos para você os trechos mais importantes dessa entrevista.

Trabalhando em projetos paralelos a Star Trek

Enquanto estava em Star Trek, Billingsley fez alguns trabalhos externos, como um episódio de Stargate. Perguntado se o trabalho fora criou algum problema com os produtores da série, respondeu.

“Não, eles sempre foram muito gentis comigo. Eu não persegui isso tanto depois do primeiro ano ou dois, em parte porque eles começaram a me utilizar mais e em parte porque eu não queria causar desconforto. Mas eu fiz isso durante os primeiros dois anos, porque quando você é escalado, nunca sabe quanto tempo será de exibição de cada um numa série. Tornou-se evidente, bastante cedo, que a relação triangular entre o capitão, T’Pol e Trip realmente iria impulsionar a série. Então, parece que havia mais espaço para eu ir embora e fazer outras coisas. Não acho que fui agressivo e os procurei, porque não queria que pensassem que não estava feliz no programa”.

Satisfeito com o arco sobre Phlox e os denobulanos

Billingsley disse ter gostado do personagem, porque é o mais próximo do seu temperamento, visão de mundo e perspectiva do que já fez.

“Ele é uma pessoa muito positiva. Não é como se fosse ingênuo. Ele não é bobo com ninguém. Tinha essa rara capacidade de manter as coisas em perspectiva, mesmo nas piores circunstâncias. Ele tinha uma noção do significado cósmico das coisas. Eu achei que foi adorável”.

O ator acredita que, em termos do que realmente aconteceu com ele ao longo da série, Phlox não passou por grande variação de suas características básicas. “Não houve um senso real de crescimento baseado nas circunstâncias, como acontece em algumas séries”, observou.

Dr. Phlox's Smile in the First Episode : startrek

Perguntado se os roteiristas adaptaram o seu jeito ao personagem, respondeu.

“Você nunca sabe mesmo, não é? O otimismo e o espírito geral do sujeito estavam lá na página antes de me contratarem. Mas acho que o que você quer pensar como ator é fundamentá-lo de certas maneiras que permitem que os escritores sintam que podem ser mais divertidos com você sem que isso se torne bobo. Se houvesse algo em que eu pudesse olhar para trás e me sentir muito bem, é que eu carregava uma boa parte da comédia da série, sem nunca me esforçar para torná-lo uma figura menos humana, que se importava menos”.

A vida amorosa dos denobulanos

Phlox era um denobulano e como tal sua cultura permitia uma vida amorosa tipicamente polígama e bissexual. Para Billingsley foi uma experiencia boa abordar esse tema.

“Eu gostei disso! Eu estava tentando muito sugerir que ele tinha um relacionamento poliamoroso com os meninos e as meninas. Eu digo às pessoas que fui o primeiro personagem gay de Star Trek, quer você estivesse ciente disso ou não. [risos] A única coisa que tenho de discordar com Phlox foi a história que afirmava que eles tiveram uma longa guerra racial com outra cultura e que o Dr. Phlox estava na infantaria Denobulana. Nunca poderia entrar na minha cabeça isso. Isso não parecia certo”.

Ainda comentando a respeito de interpretar um novo alienígena para a franquia.

“É difícil quando você é solicitado a interpretar um alienígena e nunca houve um denobulano antes, você não tem ideia do que seja um denobulano. Eu só tive algumas cenas pequenas no roteiro do piloto como médico, então não é muita coisa para definir uma caracterização desde o início. Eu havia imaginado que os denobulanos eram os últimos de uma ordem monástica e restavam muito poucos porque haviam escolhido morrer por não se propagarem. Então, quando descobriram que eles eram os maiores coelhinhos da história de Star Trek e vieram de um planeta de bilhões, então onde diabos eles estavam todos esses anos?”

Relacionamentos de Phlox durante as temporadas

Na primeira temporada, um arco começou a se desenvolver envolvendo Phlox e a tripulante etimologista Elizabeth Cutler, interpretado por Kelly Waymire, mas a atriz faleceu durante a temporada, vítima de arritmia cardíaca.

“Eu sei que eles realmente gostaram dela e tenho certeza de que gostariam de tê-la de volta. Ela também estava prestes a decolar. Ela tinha um arco muito bom no Six Feet Under quase ao mesmo tempo. Então, você não sabe se eles poderiam trazê-la de volta. Se eles tivessem o retorno dela, não tenho ideia se teriam representado o possível par romântico entre nós. Isso teria sido maravilhoso. Isso teria sido ótimo. Eu gostava muito de trabalhar com ela. Quando ela faleceu, havia muitas pessoas de minha amizade que ficaram arrasadas por isso. Uma pessoa tão adorável, foi muito triste”.

Depois começaram a combiná-lo mais com a tripulante Hoshi, de Linda Park. Acabou não se tornando um par romântico, mas desenvolveu um bom vínculo entre os personagens, que durou até o final da série. Billingsley comentou seu relacionamento com os demais do elenco e como ajudou Phlox a desenvolver esse tipo de química de família.

“Gostei de trabalhar com todos por diferentes razões. Cada um desses personagens tinha suas próprias histórias interessantes e o relacionamento de Phlox com cada um era diferente. Voltando ao que estávamos falando antes, se eu tinha um papel de pai para família na série, era em relação ao personagem de Linda. Hoshi, no início, estava mais assustada e como um peixe fora d’água. E o papel de Phlox com ela era dizer: “Fique fria, garota, você chegou até aqui”. E essa foi uma das coisas que marcaram o nosso relacionamento ao longo das temporadas, mesmo que eles não tenham tocado tanto nos episódios posteriores.

Gostei de trabalhar com todos. Há um episódio em particular – “A Night in Sickbay” – e eu entendo por que alguns não gostaram, porque ele pode ter feito o capitão parecer um pouco bobo. Mas, para mim, foi o meu episódio favorito por poder passar um tempo concentrado com Scott (Bakula), que eu amo. E foi um episódio divertido, porque havia muita cor nele, em termos das diferentes coisas que tocamos. Havia um tipo de coisa da série Odd Couple. Havia o sentimento honesto de quão doloroso era para Scott sentir que estava perdendo seu amado animal de estimação e minha própria incredulidade de que isso pudesse ser um problema para ele. Eu realmente gostei desse episódio e lamento que eu e Scott não tenhamos tido a chance de trabalharmos mais juntos assim”.

Problemas com traje espacial e maquiagem

Billingsley alegou que não sentia nenhuma simpatia por passar horas na cadeira de maquiagem e ficava mais desconfortável ainda, quando usava trajes espaciais nas cenas fora da nave. Dominic Keating (Malcolm Reed) revelou, em entrevista, que chegou a perder a paciência durante as gravações em traje espacial.

“Aqueles trajes espaciais eram horríveis. Quando eu tinha que usar um, eu estava em um traje espacial e em maquiagem e não sou atleta, então para mim foram dias infernais. Eu os detestava. Então, eu não tive simpatia. Às vezes, o diretor costumava dizer: “Deixe-me tirar mais uma foto, vamos colocar a câmera aqui embaixo, acho que seria legal se você olhasse com indiferença”. Em um traje espacial! Eu não acho que você precise de mais uma tomada! Então, eu entendi o que Dominic (Keaton) estava se referindo. O que eu particularmente gostei foi que o departamento de som capturou essa reclamação e confesso que traria convidados para a cabine de som e diria: “Antes de trabalhar com Dominic, eu só quero que você ouça isso”. [risos] Isso foi mau da minha parte. Mas eu sempre dizia que estava brincando, e ele era um amor, mas isso me faz rir. Eu gostaria de ter uma cópia pirata para mostrar em convenções”.

Reflexões sobre a terceira e quarta temporadas

A série se tornou sombria na era pós 11 de setembro, e Enterprise foi para a terceira temporada, não só mudando o tom em relação as temporadas anteriores, mas também passando a ser serializada, fazendo alegoria ao ataque terrorista. Billingsley deu sua opinião sobre o que achou da série neste período e do trabalho de Manny Coto.

Manny Coto foi trazido para a equipe de roteiristas em sua terceira temporada, escrevendo cinco episódios. Depois os produtores o promoveram a novo showrunner para a quarta temporada.

“Eu não estava louco por isso. Eu tenho sentimentos muito confusos sobre a terceira temporada. Eu acho que Manny Coto é um escritor maravilhoso e eu realmente aprecio muito o que ele tem a dizer. Também acho que ele escreveu alguns episódios que são – e digo isso como progressivos – que eu acho muito astuto e correto. Ele também tinha 24 anos e houve vários episódios que eu senti serem essencialmente a postura moral de que a moralidade é um luxo em tempos de guerra e é uma propriedade descartável. Há momentos com aquele velho clichê de se tornar uma bomba-relógio, se você tiver que jogar o cara para fora da câmara de ar, por Deus, é isso que você fará por causa da civilização, blá, blá, blá”.

Trabalho pós-Enterprise

Muitos atores que trabalharam em Star Trek acharam difícil conseguir trabalho depois. Perguntado se seu tempo na franquia ajudou ou foi um obstáculo para novos trabalhos, disse.

“É engraçado, a percepção pública da carreira de um ator raramente se alinha com o que o próprio ator percebe. Do meu ponto de vista, senti como se estivesse em uma doca por cerca de um ano após o término de Star Trek. Minha memória sensorial é que fiquei sem fazer nada depois da série. Não foi por causa do que pode acontecer se você esteve em um programa de TV, particularmente um programa de gênero, em que você é roteirizado. Muito disso aconteceu porque estávamos na UPN e em um programa de baixa audiência; então, aos olhos da comunidade, eu simplesmente desapareci por vários anos. É engraçado, porque a própria comunidade de elenco é meio que dividida. Existem diretores de elenco que realmente estão cientes das últimas coisas que estão acontecendo e há alguns que são um pouco mais limitados. E se você não está em um programa em uma rede específica, ou em um drama de prestígio ou não está fazendo filme, eles não estão realmente prestando atenção. Então, eu meio que acabei negligenciado e tive que trabalhar para me reintroduzir”.

Alguns trabalhos mais recentes de John Billingsley podemos citar: Homecoming: De Volta à Pátria, uma série da Amazon Prime Video, assim como The Book of Blood, da Hulu. Uma história de terror baseada em um roteiro de Clive Barker e dirigido por Brannon Braga.

Billingsley chegou a fazer um episódio em The Orville, onde o produtor Seth MacFarlane queria fazer uma personificação assassina do Dr. Phlox, o que não ocorreu. Billingsley acabou interpretando outro alienígena, contracenando com Robert Picardo.

Billingsley tem um projeto em espera, por causa da pandemia.

“Dedos cruzados. Acabara de ser escalado para um piloto de uma sitcom da CBS chamada Jury Duty. Era um papel recorrente como advogado de defesa e um advogado de defesa bastante infeliz em um julgamento. A série é principalmente sobre as pessoas do júri. É como uma comédia no local de trabalho. É um roteiro muito engraçado. Logo antes de começarmos a produção, todos fomos fechados. A CBS não pôde acompanhar o programa sem ter um piloto, então tudo foi adiado até 2021”.

Mas o ator disse ainda não se sente à vontade de ir ao set de filmagens no período pós-pandemia. “Se Hollywood começar a ligar em 1º de agosto, voltarei? Sinceramente, não sei. Eu gostaria de poder dizer. Provavelmente, teria muito a ver com a maneira como explicam quais são suas políticas. Eu acho que é isso que eles terão que fazer antes de convencer muita gente a voltar”.

Be the first to comment on "John Billingsley lembra Dr. Phlox e série Enterprise"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*