TNG 1×03: Code of Honor

Enredo fraco e escolhas preconceituosas prejudicam trama focada em Tasha Yar

Sinopse

Data estelar: 41235.25

Quando a Enterprise chega a Ligon III para obter uma vacina necessária para conter uma praga em outro planeta, Tasha Yar é sequestrada pelo líder ligoniano, Lutan. Ele quer que ela se torne sua esposa e, para isso, precisa passar por um combate até a morte com Yareena, a atual esposa do chefe.

Precisando da vacina e incapaz de intervir usando de força em razão da Primeira Diretriz, Picard aceita que Yar participe do combate. Quando Yar vence, espetando Yareena com uma arma envenenada, as duas são levada à Enterprise, onde a doutora Crusher está pronta para ressuscitar a ligoniana derrotada.

Após ter sua morte registrada, Yareena volta à vida, tirando de Lutan todos os direitos às propriedades dela e transferindo-os a outro ligoniano, Hagon, que passa a ser seu novo marido. Lutan fica como o “número dois”, mostrando que está preparado para obedecer aos costumes tribais de seu povo.

Comentários

“Code of Honor” segue a tradição da maioria dos episódios do primeiro ano de A Nova Geração: a moral da história se sobrepõe ao drama. E aqui, apesar das boas intenções, a mensagem que acaba transparecendo é a pior possível. Poderia ter sido evitada sem grandes mudanças no roteiro, apenas com a escolha de elenco: seria ótimo contrastar o equivalente alienígena de uma civilização permeada por tons de tribalismo africano com uma população branca ou miscigenada, mostrando que essas escolhas são culturais, não étnicas. A opção de escalar exclusivamente afrodescendentes para os papéis acaba fazendo um desserviço à imagem de Star Trek. A falta de sensibilidade é chocante.

O episódio é todo escrito para enfatizar os males da ganância e da esperteza, como fica claro pelo fracasso de Lutan ao fim do episódio. Picard usa as mesmas armas de seu opositor, lançando mão da leitura fiel das regras daquela sociedade para separá-lo de suas posses e seu poder. Pode encaixar aqui a frase que preferir – “quem tudo quer nada tem”, “quem com ferro fere, com ferro será ferido” ou outra platitude qualquer.

Tirando essa filosofia de fundo de quintal, pouco resta da história que mereça destaque. Para o elenco regular, o episódio apresenta alguns marcos importantes. A relação entre Wesley e o capitão começa a se aprofundar, com uma mãozinha da doutora Crusher. Graças à intervenção dela, o menino ganha até a chance de se sentar em uma das estações da ponte.

Tasha mostra mais uma vez sua fragilidade emocional (na sequência de “The Naked Now”), ao se reconhecer atraída tão facilmente pelos encantos do vil e oportunista Lutan. Yareena, a esposa dele, não se sai muito melhor na fita: faltou no roteiro qualquer sinal de refino de uma personagem que tem um papel importante a cumprir na história. Ela não tem a tridimensionalidade que poderia talvez “salvar a hora” e tornar o drama interessante.

A discussão da Primeira Diretriz entra em ação pela primeira vez em A Nova Geração, e descobrimos que Picard não é tão flexível quanto Kirk com relação a isso. Entretanto, ele já mostra sinais de que driblar a lei talvez seja uma solução satisfatória. Kirk era mais cara de pau, mas na prática o resultado é o mesmo.

Avaliação

Citações

“Oh, yes… speaking as a mother…”
(Ah, sim… falando como mãe…)
Picard

“But I warn you. If you get hurt, I’ll put you on report, captain!”
(Mas estou avisando. Se você se ferir, vou colocá-lo em meu relatório, capitão!)
Riker 

“Then there will be no treaty, no vaccine and no lieutenant Yar!”
(Então não haverá tratado, nem vacina e nem tenente Yar!)
Lutan

Trivia

  • A escritora Katharyn Powers, uma fã da Série Clássica e roteirista veterana de séries como Kung Fu e Logan’s Run, era velha conhecida de D.C. Fontana quando recebeu uma proposta para ajudar com ideias para a recém-criada A Nova Geração. Ela e seu colega Michael Baron inicialmente tentaram usar como base a cultura dos samurais japoneses para a raça réptil tellsian. Porém nem todo mundo gostou dos resultados.
  • Tracy Tormé, então escritor colaborador de A Nova Geração, depois disse que ficou até embaraçado com o visual “África tribal dos anos 1940” do episódio, e que a luta entre Tasha Yar e Yareena lembrou muito a luta Kirk versus Spock no clássico episódio “Amok Time”, mas sem o mesmo charme.
  • Os quadrados amarelos e pretos do holodeck fazem sua estreia neste episódio, porém o painel de comando vocal utilizado por Tasha nunca mais voltou a aparecer na série.
  • O compositor Fred Steiner fez a trilha sonora deste episódio e nunca mais voltou a compor para a série. Ele foi o único compositor da Série Clássica a compor a trilha de um episódio de A Nova Geração.

Ficha Técnica

Escrito por Katharyn Powers & Michael Baron
Dirigido por Russ Mayberry

Exibido em 12 de outubro de 1987

Título em português: “Código de Honra”

Elenco

Patrick Stewart como Jean-Luc Picard
Jonathan Frakes como William T. Riker
Brent Spiner como Data
LeVar Burton como Geordi La Forge
Michael Dorn como Worf
Gates McFadden como Beverly Crusher
Marina Sirtis como Deanna Troi
Wil Wheaton como Wesley Crusher
Denise Crosby como Natasha “Tasha” Yar

Elenco convidado

Karole Selmon como Yareena
Michael Rider como chefe do transporte
Jessie Lawrence Ferguson como Lutan
James Louis Watkins como Hagon

Enquete

Edição de Maria-Lucia Rácz
Revisão de Susana Alexandria

Episódio anterior | Próximo episódio

Be the first to comment on "TNG 1×03: Code of Honor"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*