DS9 2×20: The Maquis, Part I

História de cunho político traz em destaque o dueto Sisko e Dukat

Sinopse

Data estelar: Desconhecida. 

Um cargueiro cardassiano (o Bok’Nor) é destruído imediatamente após a sua partida da estação, fruto de sabotagem por um cidadão da Federação, de nome William Samuels, vestido como oficial da Frota Estelar.

Investigações preliminares revelam traços de tecnologia exclusiva da Federação entre os destroços do cargueiro. Nesse interim, chega à estação um antigo amigo de Dax e de Ben Sisko desde os tempos da Academia da Frota Estelar, o tenente-comandante Calvin Hudson. Kira está bastante preocupada com a possibilidade de retaliação dos cardassianos contra Bajor.

Hudson é o responsável pelas colônias da Federação no interior da Zona Desmilitarizada. Ele diz claramente a Sisko que a Federação abandonou essas colônias, sua presença no local é uma palhaçada e o tratado entre federados e cardassianos, sob qualquer aspecto, foi um mau tratado. Hudson garante a Sisko que os cardassianos não vão retaliar, pois obtiveram o que queriam do tratado e não vão arriscá-lo enviando forças ao interior da Zona Desmilitarizada.

De volta ao Promenade, a vulcana Sakonna procura Quark para encomendar mercadorias (pouco antes, ela havia se encontrado com Samuels, fornecendo instruções para facilitar sua fuga da estação, mas seus planos são frustrados, pois Samuels acaba sendo raptado por dois alienígenas, sem conhecimento dela).

Ben Sisko volta aos seus aposentos e se surpreende por não encontrar Jake, mas sim gul Dukat. Dukat diz estar ali para ajudar (de forma não-oficial) no “Caso Bok’Nor” e promete oferecer a Sisko uma real noção do que está acontecendo na Zona Desmilitarizada.

Sisko e Dukat partem em um explorador. Encontram naves com assinaturas de dobra da Federação e de Cardássia, com configurações totalmente desconhecidas. Ambas as facções ignoram as ordens de Sisko e de Dukat, envolvendo-se em diversas manobras militares nas “barbas” dos dois, sobre o que Dukat comenta: “Veja, Comandante, que sem ajuda de nenhum de nossos governos, estes colonos já começaram a sua própria guerra particular no interior da Zona Desmilitarizada”.

De volta à estação, Sakonna vai jantar com Quark e mostra a lista de itens em que ela está interessada. Atordoado, Quark descobre que a vulcana está interessada em uma quantidade enorme de armas. Não dando a menor bola para a reação do ferengi, ela avisa que vai pagar em Latinum e vai precisar de um suprimento contínuo de “mercadoria”.

Na Zona Desmilitarizada, Sisko e Dukat adentram a sala do conselho em Volan III, onde as facções de colonos cardassianos (liderados por gul Evek) e colonos da Federação (liderados por Hudson, e tendo entre eles uma mulher chamada Kobb e um homem chamado Amaras) discutem os eventos recém-presenciados por Sisko e Dukat.

Em meio a exaltadas discussões de responsabilidade, Evek produz um vídeo contendo a confissão de Samuels (claramente torturado e brutalizado) sobre a sabotagem do Bok’Nor. Quando Hudson exige a presença de Samuels, dois cardassianos entram com o seu corpo em um saco e Evek diz: “Infelizmente ele cometeu suicídio em sua própria cela”.

Após isso, a reunião degenera em absoluto caos. Quando novamente a sós, Hudson diz a Sisko que conhecia Samuels (um fazendeiro por toda a sua vida). Diz também que os colonos cardassianos pretendem expulsar (ou matar) todos os colonos da Federação da Zona e para isto contam com a ajuda não-oficial (via suprimentos de armas, por exemplo) do próprio Comando Central em Cardássia.

Hudson suspeita que o Bok’Nor estava de fato carregando armas, ao que Sisko replica, dizendo que o seu depósito de carga estava vazio quando ele atracou em Deep Space Nine. Hudson diz também que a Federação não deixou outra escolha aos colonos quando os abandonou, senão defender-se a si próprios por todos os meios possíveis e necessários.

Na viagem de volta, Dukat e Sisko continuam discutindo sobre o incidente com o Bok’Nor (sua tripulação de 78 cardassianos e se de fato ele estava transportando armas para as colônias cardassianas), sobre o que Dukat não perdoa: “Eu sei que você adoraria encontrar uma justificativa para este homicídio em massa de forma a aliviar a sua ‘consciência de cidadão da Federação e oficial da Frota Estelar’. Mas se o Bok’Nor estivesse carregando armas, eu saberia, e pela vida de todos os meus filhos, eu juro a você, ele não estava”.

Sakonna avisa Quark que houve uma mudança de planos e ela vai precisar da mercadoria para hoje à noite. Sisko designa uma suíte de hóspedes para Dukat e logo em seguida recebe a “novidade” de O’Brien de que o Bok’Nor fora destruído por um dispositivo implosivo de fabricação da Federação.

De volta ao seu escritório ele recebe Kira, que ainda teme uma represália de Cardássia contra o sistema bajoriano (sobre o que Sisko pode agora garantir que não vai ocorrer).

Ponderando a difícil situação com Kira, ambos percebem que não há de fato uma escolha fácil a se tomar. A major, entretanto, está certa sobre uma coisa: ” Os cardassianos são o inimigo, não os seus próprios colonos. E se a Frota Estelar não consegue perceber isto, então a Federação é ainda mais ingênua do que eu já imaginava”.

Mais tarde, Sakonna e outros colonos (incluindo um homem chamado Niles, em uniforme da Frota Estelar) conseguem raptar Dukat. Enquanto os oficiais graduados da estação estão discutindo as últimas naves a deixar a estação (suas rotas, missões, destinos etc.) de forma a implementar uma possível missão de resgate a Dukat, o rádio subespacial capta uma transmissão vinda da Zona Desmilitarizada, na qual um grupo está assumindo o rapto de Dukat. O grupo se autodenomina “Maquis”.

Tomando a melhor escolha dentre as naves registradas, o grupo de resgate liderado por Sisko (decidido a trazer Dukat de volta por todos os meios necessários, “mesmo que tenhamos que atirar em nossa própria gente?” registra um preocupado Bashir, frente a um silencioso Sisko) parte para as Badlands, onde se teleportam para a superfície de um asteroide. Lá eles são emboscados por um grupo de colonos liderados por Cal Hudson sem uniforme.

Comentários

Como em toda grande história, temos a impressão de que os personagens estão sendo arrastados por eventos sobre os quais não têm controle algum. Em particular são apresentadas difíceis e relevantes questões, tais como:

A paz com os cardassianos vale tirar os lares de um sem-número de colonos? Esta mesma paz deve ser mantida mesmo que tenhamos de ir à luta armada contra os nossos próprios colonos? Como manter a paz na região se os cardassianos, ainda que não-oficialmente, estão armando os seus colonos e “fazendo vista grossa” quanto aos ataques dos seus colonos aos colonos da Federação na Zona Desmilitarizada? O que são os Maquis? Um bando de arruaceiros ou um grupo de pessoas com inegável nobreza que luta pela causa do colonos, pois consideram que a Federação simplesmente os abandonou?

(Posso adiantar que tais questões não receberão respostas fáceis na segunda parte.)

Os pontos de vista de Hudson e Kira indicam que os colonos são o mais importante aspecto em qualquer decisão a ser tomada, enquanto Dukat se alinha com o ponto de vista da Federação de que a paz é o mais importante. Esta superposição dos pontos de vista de Dukat e da Federação impossibilita que o espectador tome qualquer partido fácil e realmente força a audiência a fazer uma análise mais profunda.

No meio dos pontos de vista de Hudson, Kira e Dukat está Sisko. Para piorar TUDO, ao final do episódio, Hudson, ainda que de forma não-surpreendente, se revela o líder dos Maquis.

A direção de David Livingston é excelente, com sua já usual marca de qualidade. Ele usa e abusa da seguinte técnica: quando dois personagens dialogam e existe tensão entre eles, Livingston filma muito próximo a um dos interlocutores dando uma sensação de distanciamento entre eles (ele também gosta de, nestas situações, posicionar as linhas de visada dos atores em ângulo reto e no mesmo sentido, com os atores de costas um para o outro). Em momentos mais relaxados ele reposiciona a câmera (mas não os atores) para dar uma ilusão de maior proximidade.

Quanto ao trabalho da dupla Brooks & Alaimo (como Sisko & Dukat), deixe-me colocar deste modo: eu assistiria de bom grado SOMENTE estes dois se enfrentando durante 45 minutos (ou mais) em um cenário mínimo.

(De fato este meu desejo se realizou no excelente episódio da sexta temporada de Deep Space Nine, “Waltz“.)

Sisko apresenta uma enorme gama de comportamentos neste episódio: seus momentos mais relaxados no início do episódio com Hudson; a forma como seu rosto se transforma em uma muralha intransponível quando encontra (e enfrenta) Dukat, e não Jake, em seus aposentos; seus célebres diálogos com Dukat no explorador e outras facetas. Temos um personagem extremamente vivo e excepcionalmente bem escrito, com direito a uma fenomenal atuação de Avery Brooks (a melhor dele até aqui na série).

(Sou só eu ou mais alguém aí adoraria ver Ben Sisko em um “Liederhosen”?)

Dukat claramente veio à estação na esperança de tirar algum dividendo político da situação. Alaimo interpreta Dukat como o herói de sua própria história, fazendo inúmeros momentos, como quando ele jura pelos seus sete filhos, soarem totalmente verdadeiros e ao mesmo tempo não deixando os espectadores nem um pouco mais à vontade, ou confiantes, em relação ao personagem. Tomem por exemplo a cena em que Sisko entra em seus aposentos e encontra Dukat (e não Jake) no escuro lhe oferecendo ajuda. Bastante assustador, não acham?

(Detalhes adicionais sobre os cardassianos, como suas memórias fotográficas, seu sistema judiciário e seu fantástico sistema educacional são também muito interessantes.)

Os outros personagens também foram usados muito bem. O’Brien, ainda que muito brilhante, pediu tempo, mesmo sob muita pressão, para entender melhor o acidente do Bok’Nor e depois defendeu a Federação contra as acusações de Odo. Dax recebeu talvez a melhor caracterização de oficial de ciências até aquele ponto na estação. Odo e seus rompantes frente à pressão da Frota sobre a sua posição de chefe de segurança da estação estão 100% alinhados com o que aprendemos sobre o personagem até então. A discussão de Kira com Sisko deslumbra de forma belíssima a ingenuidade da Federação. Mesmo Bashir (que quase não abriu a boca) teve uma fala significativa ao final do episódio, quando perguntou a Sisko se eles iriam resgatar Dukat mesmo que tivessem que atirar em seus próprios colonos.

Plana e Poe trabalham bem com o material recebido.

As cenas de Sakonna e Quark são definitivamente mais fracas que o restante do episódio (mas dificilmente estão na categoria do não-assistível).

(A presença de Sakonna como um membro dos Maquis torna mais concreta a possibilidade de Tuvok se infiltrar na célula Maquis de Chakotay, como visto no piloto de Voyager, “Caretaker“.)

Temos uma óbvia gafe de trama quando ao final do episódio Sisko & cia. se teleportam para o asteróide (obviamente esperando encontrar uma situação hostil) sem nenhum meio ou plano de fuga.

Entretanto, o que realmente “empata” o episódio é a fraca interpretação de Bernie Casey como Cal Hudson, essencialmente lendo as linhas do roteiro sem o mínimo da paixão que a caracterização do personagem exigia.

The Maquis, Part I” é um dos melhores exemplos das complicadas situações políticas que definem Deep Space Nine como série. Recheado com interessantes tramas (incluindo contrabando de armas por ambas as partes e o rapto de Dukat) e um grande número de  personagens interessantes, o episódio mostra todos os sinais do desenvolvimento lento de uma situação que acabaria se tornando uma das principais (e mais particulares) linhas de história da série.

Avaliação

Citações

Education is power …entertainment is vulnerability.
(Educação é poder …divertimento é vulnerabilidade.)
Dukat

The Demilitarized Zone.”
Not so demilitarized, I’m affraid.”
(A zona desmilitarizada.)
(Não tão desmilitarizada, eu receio.)
Sisko e Dukat

Trivia

  • Primeiro episódio de Jornada a mostrar o grupo terrorista conhecido como Maquis. O episódio foi escrito para criar background para a estreia da série Voyager.
  • Participação de Richard Poe como gul Evek. Richard Poe já participou de séries como “Frasier” e “Lei e Ordem” e de filmes como “The Peacemaker“. Participou dos seguintes episódios de A Nova Geração: “Journey’s End” e “Preemptive Strike“. Participou dos seguintes episódios de Deep Space Nine: “Playing God“, “The Maquis, Part I” e “Tribunal“. Participou também do piloto de Voyager, “Caretaker“. Em todos os episódios fazendo o papel de gul Evek.

Ficha Técnica

História de Rick Berman & Michael Piller & Jeri Taylor e James Crocker
Roteiro de James Crocker
Dirigido por David Livingston

Exibido em 25 de abril de 1994

Título em português: “Os Maquis, Parte I”

Elenco

Avery Brooks como Benjamin Lafayette Sisko
René Auberjonois como Odo
Nana Visitor como Kira Nerys
Colm Meaney como Miles Edward O’Brien
Siddig El Fadil como Julian Subatoi Bashir
Armin Shimerman como Quark
Terry Farrell como Jadzia Dax
Cirroc Lofton como Jake Sisko

Elenco convidado

Tony Plana como Amaros
Bertila Damas como Sakonna
Richard Poe como gul Evek
Michael A. Krawic como Samuels
Amanda Carlin como Kobb
Marc Alaimo como gul Dukat
Bernie Casey como Cal Hudson
Michael Rose como Niles
Steven John Evans como um guarda

Enquete

Edição de Muryllo Von Grol
Revisão de Roberta Manaa

Episódio anterior | Próximo episódio

Be the first to comment on "DS9 2×20: The Maquis, Part I"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*